Arquivo da Categoria ‘Chuva’

+ aumentar e diminuir fonte -
Rio de Janeiro tem maior risco de chuva forte nesta sexta
quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

O tempo fica mais instável sobre o Rio de Janeiro nesta sexta-feira. A expectativa é de intensificação das áreas de instabilidade que já estão sobre o todo o Estado do Rio de Janeiro. Há risco de chuva forte e volumosa no decorrer desta sexta-feira em todas as regiões do Grande Rio e do Estado do Rio.

 

Uma área de baixa pressão atmosférica está em intensificação entre o Rio de Janeiro e São Paulo ainda terá forte influência sobre o todo o Grande Rio nesta sexta-feira. As áreas de instabilidade tendem a aumentar e provocar chuva generalizada que pode ser forte e volumosa durante várias horas.

Confira a explicação e orientação do meteorologista Pedro Jourdan, do Sistema Alerta-Rio – Prefeitura do Rio de Janeiro.

 

 

Estado de atenção

O Sistema Alerta Rio – Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro pôs toda a região em “estado de atenção” na quinta-feira, 5 de fevereiro, por causa da condição meteorológica de risco de chuva forte e volumosa.  Mas a partir das 17 horas de quinta, as nuvens carregadas começavam a surgir no horizonte. Na zona oeste do Rio, começou a chover forte pouco depois das 17h30.

Nesta sexta-feira, o Rio de Janeiro poderá entrar em alerta por causa da chuva. Acompanhe todas as orientações do Sistema Alerta Rio no site da Climatempo

 

Nuvens escuras avançam sobre o Rio de Janeiro (RJ) 5-2-2015 por Renato Urbinder

 

O radar meteorológico do Sumaré, operado pelo Sistema Alerta-Rio – Prefeitura do Rio de Janeiro está novamente em operação, depois de alguns dias parado para manutenção.

Fortes áreas de chuva (manchas em vermelho) avançaram da zona oeste para a zona sul do Rio de Janeiro no fim da tarde desta quinta-feira.

No decorrer desta sexta-feira, a chuva deve ocorrer de forma generalizada sobre o Grande Rio. Há risco de chuva forte e volumosa em vários locais com potencial para alagamentos e deslizamento de encostas.

 

Radar do Sumaré - Alerta Rio - Prefeitura do Rio - 17h57 - 5-2-2015

 

A população do Rio de Janeiro ficou assustada nesta quinta-feira por causa da declaração do prefeito da cidade que veio à público alertar para situação meteorológica de risco que está por vir.

Por que o tempo preocupa? Qual a situação meteorológica de risco?

A preocupação está na tendência de uma acentuada a queda da pressão atmosférica entre o litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro, o que deve gerar u centro de baixa pressão forte.

Na atmosfera, a baixa pressão do ar concentra a umidade, gera a formação de muitas nuvens e de chuva. A alta pressão, ao contrário, diminui a umidade, a nebulosidade e reduz a chuva.

 

No Hemisfério Sul, ao redor de uma centro de baixa pressão atmosférica, o ar se movimenta o sentido horário.

 

No Hemisfério Sul , ao redor de uma centro de alta pressão atmosférica, o movimento do ar e dos ventos é no sentido antihorário.

 

Muitas outras áreas de baixa pressão já atuaram sobre o Rio de Janeiro e provocaram chuva forte. Desta vez, este centro de baixa pressão tende a ficar intenso em diversos níveis da atmosfera. Isto é preocupante porque é uma condição tecnicamente favorável a formação de grandes nuvens e com potencial para a provocar chuva forte e volumosa. Isto pode causar alagamentos e queda da de barreiras, além de transbordamento de rios.

Veja mais informações com a meteorologista Josélia Pegorim

 

 

Um ciclone subtropical se forma na costa Sudeste e Sul do Brasil

Radar RJ – Sistema Alerta Rio no app da Cimatempo

Mar fica agitado nos próximos dias

Chove forte sobre o Sistema Cantareira
quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

A formação do ciclone subtropical trouxe problemas para a cidade de São Paulo. Alagamentos prejudicaram o tráfego dos carros e até o transporte coletivo teve velocidade reduzida, em decorrência da chuva.

Mas a chuva também trouxe uma boa notícia para os reservatórios, choveu nos três principais sistemas que abastecem Região Metropolitana de São Paulo.

Tanto o Sistema Cantareira quanto o Alto do Tietê ficaram estáveis. O Sistema Guarapiranga teve uma elevação entre a tarde de quarta-feira (04) e a manhã de quinta-feira (05).

A previsão indica mais chuva ao longo dos próximos dias sobre as áreas de captação do Sistema Cantareira. O Sistema Alto do Tietê também o Guarapiranga terão chuva.

Chuva forte de norte a sul do Brasil
quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Grandes áreas de instabilidade se formam sobre o Brasil espalhando nuvens carregadas que provocam chuva forte e volumosa de norte a sul o país. As imagens de satélite desta quinta-feira mostram um Brasil cheio de nuvens. A circulação dos ventos em diversos níveis da atmosfera está ajudando a concentrar o calor e a umidade para formar os grandes aglomerados de nuvens.

 

Chuva forte

Muitas áreas de todas as Regiões do país registraram uma quantidade de chuva acumulada acima de 30 mm entre quarta e quinta-feira, 5 de fevereiro. Em alguns locais, a chuva muito volumosa causa transtornos, mas em outros ajuda a diminuir a deficiência de água nas represas, rios e açudes.

No litoral norte de Santa Catarina e no litoral do Paraná, há risco de queda da barreiras .

A chuva forte voltou a alagar áreas da cidade de Santos no litoral de São Paulo. Há risco de mais enchentes nas próximas 48 horas em vários locais do litoral paulista, pois já chovei muito há duas semanas.

A cidade de São Paulo já teve vários eventos de temporais desde o começo do ano e os córregos estão cheios. Há risco de transbordamento nas próximas 48 horas.

No Grande Rio e em cidades da região serrana do Estado do Rio de Janeiro há risco de queda de barreiras e alagamentos nas próximas 48 horas por causa da chuva persistente e que deve ser forte em alguns momentos.

 

Sexta-feira com mais chuva no Brasil

Nesta sexta-feira, muitas áreas de instabilidade voltam a se formar em todas  as Regiões do Brasil. Há risco de chuva forte em vários estados de todas as Regiões.

No Nordeste, a tendência é de diminuição da chance de chuva entre o Ceará e região do Recôncavo Baiano. No Norte,  tempo deve ficar seco só entre o noroeste do Amazonas, Roraima e parte do interior do Amapá.

No Sul, o ar começa a secar e a chance de chuva também diminui no oeste dos Estados.  Já no Sudeste e no Centro-Oeste, a chuva aumenta e pode ser forte.

 

As tabelas mostram os maiores volumes de chuva registrados no país pelas medições do Instituto Nacional de Meteorologia, acumulados entre 10h do dia 4 e 10h do dia 5 de fevereiro.

 

 

 

Temporais em Mato Grosso do Sul
quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Nuvens carregadas se organizam sobre o Estado de Mato Grosso do Sul e  formam temporais. A cidade de Corumbá registrou um volume de 34,2mm em apenas uma hora.

As imagens do satélite mostram as nuvens carregadas nos tons em vermelho, azul e branco que são resultado da presença de grandes nuvens do tipo Cumulonimbus (Cb).

Clique na imagem e veja imagens de satélite de todo o Brasil

Junto com os Cbs, vem a ventania. Segundo informações da mesma estação de Corumbá, as rajadas de vento chegaram aos 64 km/h. A presença da Alta da Bolívia nos altos níveis atmosféricos consegue organizar sistemas de escalas menores, como o Complexo Convectivo de Mesoescala (CCM).

A semana termina com melhora no tempo

As áreas de instabilidade começam a perder força ao longo dos próximos dias. O sol já volta a aparecer com mais força e a favorecer o aquecimento do ar. Há o risco de pancadas de chuva típicas da estação entre a tarde e a noite, a partir do sábado (07).

Chuva deixa Rio de Janeiro em Atenção
quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

As áreas de instabilidade geradas pela intensificação de um ciclone subtropical na costa de São Paulo, favorece também a condição de chuva sobre o Estado do Rio de Janeiro. Áreas como a Baia de Guanabara, Baia de Sepetiba, Jacarepaguá e a Zona Sul do Grande Rio estão em atenção por conta da chuva, segundo informações do Alerta Rio.

Clique na imagem e veja imagens de satélite de todo o Brasil

Há o risco de mais chuva ao longo do dia. As pancadas podem se intensificar e há o risco de chuva forte principalmente no período da tarde.

Sexta-feira com mais chuva

Há previsão de mais chuva para o Rio de Janeiro na sexta-feira. A presença do ciclone subtropical causa a persistência da chuva que pode acarretar em alagamentos e deslizamentos de terra.

No fim de semana ainda há previsão de chuva, mas ela acontece com uma intensidade e frequência menor do que na quinta-feira (05) e na sexta-feira (06).

Chove forte em São Paulo
quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Atualizado às 11h40 de 5/2/2015

Às 11h40 o aeroporto de Congonhas registra pancadas de chuva forte acompanhada de trovoadas.

Novas áreas de chuva avançaram sobre a Grande São Paulo. Por volta das 11 horas, a chuva estava generalizada sobre a região. Os radares Climatemo-USP detectavam chuva moderada a forte sobre as zonas central e sul da capital.

Na região da Climatempo (Paraíso/Vila Mariana), a chuva caía forte por volta das 11 horas.

Segundo informações do CGE as estações do Tremembé acumulou 30mm entre a tarde de quarta-feira (04) e a manhã da quinta-feira (05). No mesmo período a estação do Itaim Paulista teve um acumulado em 47mm.

O tempo segue instável, com mais chuva no decorrer da tarde e noite. É alto o risco de alagamentos e transbordamento de córregos.

Às 11 horas, o Centro de Gerenciamento de Emergências e Companhia de Engenharia de Tráfego registravam 11 pontos de alagamento.

Por que a chuva aumentou?

O processo de formação de um forte sistema de baixa pressão atmosférica, entre o litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro aumenta a instabilidade no leste de São Paulo. A queda acentuada da pressão atmosférica vai estimular e facilitar o crescimento de aglomerados de nuvens bastante carregadas até até o sábado, com potencial para provocar grandes volumes de chuva e ventos moderados a fortes na região Grande São Paulo.

O satélite meteorológico mostra o avanço de nuvens carregadas do sul do Estado em direção à Região Metropolitana.

Clique na imagem e veja imagens de satélite de todo o Brasil

A chuva já provoca alagamentos em diversos pontos da cidade de São Paulo. Às 9h da manhã o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) já registrava um total de 10 pontos de alagamentos, dos quais 4 são intransitáveis.

A chuva também prejudica o transporte coletivo. Segundo informações do Metrô as linhas 1 (azul), 2 (verde), 3 (vermelha) e 5 (lilás) estão com velocidade reduzida.

Os radares Climatempo-USP mostram a presença de chuva com moderada a fraca intensidade. Alguns pontos tem chuva com intensidade forte. Principalmente sobre a Zona Sul e Leste.

Radares Climatempo-USP às 9h12. Clique na imagem e veja os Radares Climatempo-USP em tempo real

 

O meteorologista César Soares clicou o céu de São Paulo no bairro do Paraíso ao longo da manhã de hoje.

#fotografeotempo por César Soares no bairro do Paraíso em São Paulo/SP. Clique na imagem e veja fotos do céu por todo o Brasil

Chuva não tem hora para acabar

As áreas de instabilidade ainda provocam chuva durante todo o dia na Grande São Paulo e em toda a faixa leste paulista. A presença da baixa ainda favorece a organização de nuvens carregadas. Há o risco de chuva forte em alguns momentos, principalmente no período da tarde e início da noite.

A sexta-feira (06) ainda terá tempo instável e risco de chuva a qualquer momento. A baixa pressão atmosférica ganha força e se desloca para sul, mas ainda organiza instabilidades sobre o Estado de São Paulo. Novamente pode chover forte.

Baixa pressão traz chuva forte para o Sul e Sudeste
quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

As próximas 48 horas vão exigir atenção especial em várias áreas do Sul e do Sudeste por causa do risco de chuva forte e volumosa e também de ventos moderados a fortes.

O aumento da instabilidade está associado ao processo de formação de um forte sistema de baixa pressão atmosférica nas próximas 48 horas. A queda acentuada da pressão atmosférica vai estimular e facilitar o crescimento de aglomerados de nuvens bastante carregadas, com potencial para provocar grandes volumes de chuva e ventos moderados a fortes em áreas do Sul e do Sudeste do Brasil.

 

 

Uma preocupação especial é com a possibilidade de voltar a chover forte no litoral de São Paulo e no centro-sul do Estado do Rio de Janeiro que já sofreram com alagamentos há menos de uma semana. No fim de semana passado, a passagem de uma frente fria gerou nuvens pesadas que provocaram a chuva intensa. Além dos transtornos com alagamentos e queda da barreira, houve mortes por causa da incidência de raios.

O litoral do Paraná, a Grande Curitiba, o litoral norte de Santa Catarina e o vale do Itajaí, a região da Grande São Paulo e do Grande Rio são outras áreas que ficam sujeitas a temporais especialmente nos dias 5 e 6 de fevereiro, por causa da formação da baixa pressão.

 

 

Vento forte

O centro de baixa atmosférica começa a se intensificar nesta quinta-feira, 5 de fevereiro, na altura do litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro. Na sexta-feira, 6, o centro da baixa pressão ainda deve estar próximo da costa, mas a partir daí desloca-se rapidamente para alto-mar com valor de pressão atmosférica ainda mais baixo.

As áreas litorâneas entre o Rio Grande do Sul e o Rio de Janeiro devem ficar em atenção para rajadas de vento forte, que podem até superar os 80 km/h, entre os dias 5 e 7 de fevereiro.

 

Agitação no mar

A formação e do deslocamento deste forte centro de baixa pressão pela costa do centro-sul do Brasil vai deixar também o mar agitado. Praias do Rio Grande do Sul até a região dos Lagos, no litoral do Rio de Janeiro, vão sentir uma elevação da altura das ondas durante os dias 6 e 7 de fevereiro, mas sem risco de ressaca.

Em alto-mar, em áreas oceânicas, a agitação deve ser muito intensa e perigosa. Fique atento aos avisos da Marinha do Brasil.

Confira as ondas no Climasurf

 

 

 

 Impactos da seca no agronegócio

Um furacão de novo no Brasil?

BR vida sem água: dê seu depoimento

Volta a chover sobre o norte de MG e ES
quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Uma mudança na circulação dos ventos sobre o centro-sul do Brasil favorece a formação de áreas de instabilidade que provocam chuva sobre o Espírito Santo, o norte do Rio de Janeiro e também sobre o norte e nordeste de Minas Gerais. A mudança no tempo começou a ocorrer na tarde de quarta-feira, 4, e a previsão é de que as condições para chuva aumentem ainda mais até o domingo.

A falta de chuva é sentida em todo Sudeste, mas a pior situação observada neste início de 2015 é sobre o Espírito Santo, o norte do Rio de Janeiro e sobre o norte e nordeste de Minas Gerais. Em muitas áreas destas regiões não chovia há mais de 40 dias. Pelos registros do Instituto Nacional de Meteorologia, Vitória, capital do Espírito Santo, completou 49 dias consecutivos sem chuva no dia 3 de fevereiro.

 

Terra seca em Morro da Garça (MG) - 4-2-2015 por Joyce Fernandes de Freitas

 

 

Chuva forte

A tão esperada chuva volta a cair, mas pode ser forte nos próximos dias e causar transtornos nos centros urbanos. Além disso, as mesmas nuvens que provocam a chuva volumosa também podem causar intensas rajadas de vento e raios.

O mapa mostra o acumulado de chuva que poderá se acumulado sobre a Região Sudeste até 9 de fevereiro. Os tons de verde indicam mais de 100 milímetros no período de cinco dias.

A meteorologista Josélia Pegorim comenta a chuva sobre o Sudeste nos próximos dias.

 

 

Enfim, chuva!

As nuvens carregadas que cresceram sobre o Rio de Janeiro, norte e nordeste de Minas Gerais e até sobre o Espírito Santo podem ser vistas nas imagens de satélite  em tons de azul claro e vermelho e também foram fotografadas.

 

Ipatinga (MG) 4-2-2015 Walace Flavio

 

Confira alguns volumes de chuva registrados pelo Instituto Nacional de Meteorologia nesta quarta-feira, 4 de fevereiro, até 20h

Diamantina (MG): 22,0 mm

Ganhães (MG): 14,8 mm

Caratinga (MG): 3,0 mm

Valença (RJ): 32,0 mm

Alfredo Chaves (ES): 2,0 mm

 

Januária (MG) 4-2-2015 por Washington Mota

 

Recorde de calor em Vitória

Enquanto a chuva  não vem, Vitória bate recorde de calor. A tarde de 4 de fevereiro foi a mais quente de 2015 até agora. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 35,6°C de temperatura máxima às 16 horas. O recorde anterior era de 35,4°C em 29 de janeiro.

 

 

Chuva chega ao Espírito Santo
quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

O situação da chuva continua complicada sobre o Espírito Santo. Há a previsão de chuva em todas as áreas do Estado, mas como os sistemas de grande escala, como frentes frias, não conseguem avançar para a costa, a chuva ocorre de forma pontual.

As imagens do satélite meteorológico mostram a chegada de nebulosidade na região, mas não há a formação de nuvens grandes o suficiente para provocar chuva de forma abrangente.

Clique na imagem e veja o satélite para todo o Brasil

Mas a tendência ao longo das próximas horas é do desenvolvimento de nuvens carregadas que provocam chuva inclusive em forma de temporais . A semana será marcada pelo retorno da chuva ao Estado capixaba.

Mais chuva até sexta-feira

A presença e intensificação do sistema de baixa pressão atmosférica na costa de São Paulo, vai trazer áreas de instabilidade também para o Estado do Espírito Santo. O céu vai ficar carregado de nuvens a partir da quinta-feira (05). São esperadas pancadas de chuva de forma generalizada e há o risco de temporais. Os volumes de chuva sobem na região, mas não solucionam todos os problemas com a pouca chuva que caiu até o momento.

Risco de chuva forte em SP
quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Áreas de instabilidade se espalham pelo Estado de São Paulo desde a madrugada da quarta-feira (04) e provocam pancadas de chuva com intensidade entre fraca e moderada. Ao longo do dia a chuva chega também em áreas da faixa leste de São Paulo e com o aquecimento do ar há o risco de temporais.

As imagens do satélite meteorológico mostram o avanço de nuvens carregadas do interior organizadas por um sistema de baixa pressão atmosférica na costa paulista.

Clique na imagem e veja o satélite para todo o Brasil

Com o aumento das áreas de instabilidade os volumes de chuva também subiram em diversas áreas do interior, em Votuporanga choveu em apenas 1 hora um total de 12mm, segundo informações das estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). O maior volume acumulado de chuva no Estado foi na estação meteorológica de Jales onde os registros chegaram aos 42,4mm em apenas 3 horas, deste volume 31,2mm foi registrado em apenas 1 hora.

Durante toda a quarta-feira há o risco de temporais em todo o Estado de São Paulo, o umidade chega do interior e vai de encontro ao centro da baixa pressão atmosférica na costa paulista, a atmosfera está bastante aquecida o que incentiva a formação de grandes nuvens carregadas.

Mais chuva e baixa pressão ganha força

O sistema de baixa pressão atmosférica que está na costa paulista vai ganhar força na quinta-feira (05). Segundo os modelos de previsão do tempo, há o risco da formação de um ciclone subtropical que vai se afastar para o oceano, mas vai organizar muitas nuvens sobre o Estado de São Paulo e do Rio de Janeiro até a sexta-feira (06).

Há o risco de temporais, são esperados grandes volumes acumulados de chuva. A chuva pode vir acompanhada de ventania.

Confira o que diz o meteorologista César Soares: