Arquivo da Categoria ‘Centro-Oeste’

+ aumentar e diminuir fonte -
Chuva para aliviar o calor do Centro-Oeste
segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Setembro começou com mudanças no tempo no Centro-Oeste. Nuvens carregadas voltaram a crescer sobre a Região devido ao calor e ao aumento dos níveis de umidade provocando pancadas de chuva, que aliviaram por alguns momentos o calorão e o ar muito seco que predominaram em agosto. Algumas áreas de Mato Grosso e do Goiás tiveram fortes pancadas de chuva na tarde desta segunda-feira. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou quase 25 mm em Juara, Mato Grosso, e 21 mm em Mineiros , Goiás, e 17 mm em Santo Antonio do Leste, Mato Grosso. Em Goiânia, a chuva veio com raios e rajadas de vento que alcançaram até 48 km/h no aeroporto local.

 

Imagem de satélite colorizada mostra grande quantidade de nuvens carregadas sobre o Centro-Oeste. As manchas com vermelho indicam as nuvens com alto potencial para chuva com raios e rajadas de vento. Estas nuvens devem se formar sobre a Região também nesta terça-feira.

 

Mais chuva nos próximos dias

A umidade vai aumentar no decorrer da semana sobre o Centro-Oeste e se espalha sobre a Região. Mais nuvens carregadas devem se formar em muitas áreas provocando várias pancadas de chuva voltam a ocorrer nesta terça-feira especialmente à tarde e à noite. A chuva não deve ser generalizada, mas vai deixar o ar mais respirável e diminuir a secura do solo e da vegetação, o que reduz o risco de incêndio. Na região do Distrito Federal e no norte de Goiás, a umidade também aumenta, mas a chance de chove é maior a partir da tarde de quarta-feira.

Recorde de calor

Cuiabá, capital de Mato Grosso, começou setembro estabelecendo um novo recorde de calor. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 39,3°C às 15h desta segunda-feira, 1 de setembro. O recorde anterior era de 38,6°C em 22 de agosto. No ano passado, a maior temperatura em Cuiabá foi de 40,1°C em 31 de agosto e em 27 de setembro.

 

Chuva por pouco tempo

A população da Região Centro-Oeste não deve se animar muito com as pancadas de chuva desta semana. A tendência é de que o ar volte e secar a semana que vem. Confira a análise da meteorologista Josélia Pegorim.

 

Nuvens de chuva crescem no Centro-Oeste
segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Setembro começou com uma grande mudança no tempo no Centro-Oeste. A circulação dos ventos sobre o Brasil espalhou umidade sobre a Região e com o calor, uma grande quantidade de nuvens carregadas cresceu em várias especialmente sobre o Mato Grosso, no sul de Goiás e no norte de Mato Grosso do Sul. Em Mineiros, no sul de Goiás, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou chuva forte entre 14h e 15h, com um acumulado de 21 mm e rajada de vento de 66 km/h. No mesmo horário, o Inmet registrou 3,0 mm. Em Juara choveu quase 25 mm entre 14h e 16h. Nuvens de chuva também se desenvolveram na tarde desta segunda-feira na região de Goiânia.

 

 

Mais chuva esta semana

Esta primeira semana de setembro será bastante diferente dos dias secos e muito quentes que predominaram agosto. As capitais Cuiabá, Goiânia e Brasília registraram recordes de calor para 2014 e terminaram o mês sem uma gota de chuva.

 

Anomalia de chuva no Centro-Oeste em agosto: os tons de azul representam chuva acima da média e as demais cores representam chuva abaixo da média

 

 

A umidade vai aumentar no decorrer da semana sobre o Centro-Oeste e se espalha sobre a Região. Mais nuvens carregadas devem se formar em muitas áreas provocando várias pancadas de chuva especialmente à tarde e à noite. A chuva não deve ser generalizada, mas vai aliviar o calorão e a secura do ar por algumas horas. Na região do Distrito Federal e no norte de Goiás, a umidade também aumenta, mas a chance de chove é maior a partir da tarde de quarta-feira.

 

Chuva por pouco tempo

A população da Região Centro-Oeste não deve se animar muito com as pancadas de chuva desta semana. A tendência é de que o ar volte e secar a semana que vem. Confira a análise da meteorologista Josélia Pegorim.

 

Agosto seco nas capitais do Brasil
segunda-feira, 1 de setembro de 2014

O mês de agosto terminou com chuva abaixo da média histórica em praticamente todo o Brasil. Choveu acima do normal no Acre, em algumas áreas do Amazonas, do Pará e do sertão do Nordeste e em pequenas porções no Sul e do Espírito Santo.

 

 

Anomalia de chuva de agosto de 2014: os tons de azul representam chuva acima da média. As outras cores representam chuva abaixo da média.

 

A análise da chuva nas capitais brasileiras mostra claramente a falta de chuva de agosto de 2014. Apenas Rio Branco, capital do Acre, e Vitória, capital do Espírito Santo, terminaram o mês com mais chuva do que a média. Todas as outras capitais fecharam o mês com chuva abaixo da média. Em Cuiabá, Goiânia, Brasília e em Palmas não caiuuma gota de chuva.

 

 

Confira o balanço da chuva de agosto com a meteorologista Josélia Pegorim.

 

Calor intenso na Região Centro-Oeste
domingo, 31 de agosto de 2014

A forte massa de ar quente que está sobre o Centro-Oeste do País vem garantindo dias de muito sol e calor em todos os Estados e no Distrito Federal. Para este domingo a previsão é de mais um dia de calor intenso em praticamente toda a Região. No leste de Mato Grosso, em Goiás e no Distrito Federal a umidade fica abaixo de 30% no período da tarde, inibindo a formação de instabilidades. As demais localidades tem previsão de algumas pancadas de chuva, mas ainda de forma rápida e isolada no período entre o meio da tarde e o começo da noite. No sul e oeste de Mato Grosso do Sul e no norte de Mato Grosso há risco de temporal, com muitos raios e ventania.

Na tarde de sábado (30/08) novos recordes de calor ocorreram na Região, de acordo com as medições do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET).

Brasília teve máxima de 31,5°C. O recorde anterior era de 31,4°C, registrados no dia 28 de agosto.

Campo Grande teve máxima de 35,1°C, igualando o recorde anterior do dia 06 de fevereiro.

Goiânia registrou calorão de 37,1°C! O recorde anterior era de 36°C, no dia 28 de agosto. Não fazia tanto calor assim neste capital desde o dia 27 de setembro do ano passado (2013), quando a máxima atingiu 37,9°C.

Goiânia e Brasília batem recorde de calor para 2014
quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O Estado de Goiás e o Distrito Federal ainda ficaram sob a influência de uma forte massa de ar seco e quente e a população enfrentou mais um dia muito quente nesta quinta-feira, 28/08.

O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) registrou temperatura máxima de 36°C em Goiânia, a maior do ano, até agora. Este valor superou em 4 décimos o recorde anterior, que era de 35,6°C, no dia 05 de fevereiro. Por volta de 13h, o órgão registrou umidade de apenas 18% na estação meteorológica automática.

Brasília também teve mais um dia de calor intenso e recorde para o ano de 2014. De acordo com o INMET, a temperatura máxima chegou a 31,4°C  e a umidade relativa do ar caiu para 17% por volta de 13h. Este já é o terceiro dia consecutivo que a capital federal vem batendo recordes sucessivos de tardes quentes. No dia 26, a máxima havia atingindo 30,8°C. Na quarta-feira (27), os termômetros atingiram 31°C.

Previsão de mudanças no tempo

O calorão vai dar um alívio para as duas capitais nos próximos dias. Uma frente fria que está passando pelo Sudeste vai conseguir levar umidade para as regiões de Goiânia e Brasília Nesta sexta-feira há até condições para pancadas de chuva, ainda de forma isolada, mas que podem vir acompanhadas de raios. Por causa dessa frente fria a temperatura diminui um pouco, mas o tempo vai continuar abafado.

Brasília bate novo recorde de calor
quarta-feira, 27 de agosto de 2014

O calor bateu recorde para o ano de 2014 pelo segundo dia seguido em Brasília (DF). Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) a temperatura chegou a 31°C na capital federal nesta quarta-feira (27), superando em 2 décimos a marca de terça-feira que havia sido de 30,8°C. Assim como a temperatura subiu, a umidade relativa do ar voltou a cair bastante na cidade. Entre 14h e 17h o índice chegou a apenas 17% na região do aeroporto JK, gerando bastante desconforto para a população.

Mais umidade e menos calor nos próximos dias

A frente fria que está avançando entre as regiões Sudeste e Nordeste favorece a entrada de mais umidade na região do Planalto Central a partir desta quinta-feira. Ainda faz sol, porém a nebulosidade aumenta no decorrer do dia e a temperatura já não sobe tanto quanto nos últimos dias. A máxima prevista é de 29 graus para a capital. Na sexta-feira o ar fica ainda mais úmido e há possibilidade de pancadas rápidas e isoladas de chuva no Distrito Federal. O fim de semana ainda começa com variação de nuvens e temperatura mais amena.

Recorde de calor em Brasília (DF)
terça-feira, 26 de agosto de 2014

A massa de ar seco que ainda cobre quase toda a região central do Brasil e a intensificação dos ventos quentes, do quadrante norte, propiciaram uma terça-feira (26) de sol forte e com aquecimento intenso na região de Brasília. A capital federal teve a tarde mais quente do ano, até agora, de acordo com as medições do INMET. A temperatura máxima chegou a 30,8°C e superou em 7 décimos o recorde anterior, que era de 30,1°C no dia 2 de janeiro. Além do forte calor, os brasilienses sofreram com a umidade relativa do ar muito baixa no período da tarde. Por volta de 15h o índice chegou a apenas 18%.

Agosto deve terminar menos quente, mas ainda sem chuva

Nessa quarta-feira a capital ainda deve ter um dia de sol forte, temperatura alta e umidade baixa. Somente a partir de quinta é que a umidade deve aumentar um pouco na região por conta da chegada de ventos do quadrante leste, favorecendo a formação de mais nebulosidade e redução do calor na capital. Essas nuvens ainda devem persistir também na sexta-feira e no sábado. No entanto, ainda não há expectativa de chuva.

Aniversário de Campo Grande com chuva
terça-feira, 26 de agosto de 2014

Áreas de instabilidade circulam pela capital sul mato-grossense e organizam nuvens carregadas. Segundo informações do aeroporto local, Campo Grande, que hoje comemora 115 anos, tem pancadas de chuva com intensidade moderada ao longo da tarde de terça-feira (26).

Imagem de satélite do canal do infravermelho realçado

As áreas de instabilidade perdem força rapidamente sobre o centro-sul de Mato Grosso do Sul. O tempo firme já volta com força a partir da quarta-feira (27). No entanto, as temperaturas seguem um pouco mais baixas por conta dos ventos vindos de sul que ainda transportam um pouco de ar polar.

Goiás muito seco!
segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Várias cidades do estado de Goiás entraram em alerta na tarde desta segunda-feira com índices de umidade do ar abaixo de 20%. Chama atenção o município de Rio Verde com registro de apenas 13% de umidade às 14 horas. Jataí e Parauna registraram 14% de umidade, Morrinhos e Silvania 15%, Catalão 16% e Luziânia 18%.

Em Goiânia a umidade do ar também atingiu novamente valores críticos. O aeroporto da cidade registrou 13% de umidade às 15 horas, muito próximo da situação de emergência. Ainda na próxima hora a umidade pode cair mais. Ontem (24) o menor valor na capital foi de 11%.  No dia 8 de agosto deste ano a umidade chegou a cair para 10% na cidade.

Esta situação de ar muito seco só deve melhorar no final da semana com o avanço de uma frente fria pela Região Sudeste. Há previsão de um pouco de chuva para o centro-sul de Goiás só na sexta-feira.

Confira as temperaturas para os próximos dias em Goiânia.

 

Cuiabá registra novo recorde de calor
sexta-feira, 22 de agosto de 2014

A forte massa de ar seco e quente de predomina sobre o Centro-Oeste do Brasil incentiva o calor de forma generalizada. Altas temperaturas são registradas ao longo desta tarde. A estação convencional do Inmet em Cuiabá registrou a maior temperatura do ano de 38,2°C . O recorde anterior era de 37,9°C registrados na tarde de ontem, dia 21 de agosto.

O aeroporto Marechal Rondon chegou a registrar temperaturas de 39°C e os valores de umidade chegaram aos 16% ao longo desta tarde, o que já caracteriza estado de alerta.

O fim de semana segue com tempo seco, firme e muito calor na Região Centro-Oeste do Brasil. Tudo por conta do bloqueio atmosférico que impede a organização de áreas de instabilidade. Há a possibilidade de novos recordes serem ultrapassados.