Arquivo da Categoria ‘Centro-Oeste’

+ aumentar e diminuir fonte -
Novembro devolveu a chuva para o Brasil
quinta-feira, 27 de novembro de 2014

O mês de novembro deu ao Brasil uma grande mudança nas condições atmosféricas. Sem bloqueios na circulação dos ventos, cinco frentes frias conseguiram avançar sobre o centro-sul do país. Todas alcançaram o Sudeste e duas delas tiveram força suficiente para avançar até o norte da Bahia e Sergipe, o que não é comum em novembro.

A passagem destas frentes frias permitiu uma melhor distribuição da umidade sobre o Brasil, o que ajudou a formar e a manter grandes áreas de instabilidade sobre o Sudeste e o Centro-Oeste e também em muitas áreas do Norte.

As duas frentes frias que chegaram com força ao Nordeste provocaram chuva forte e volumosa em áreas de todos os Estados, que causaram alagamentos e enchentes atípicas para novembro.

 

Novembro devolveu ao Brasil os temporais, a chuva volumosa, e várias do país vão terminar o mês com chuva acima da média. Confira o comentário da meteorologista Josélia Pegorim.

 

 

Para o mês de dezembro, a previsão climática da Climatempo é de que quatro frentes frias avancem pelo Brasil e todas devem chegar ao Sudeste trazendo mais chuva. Uma delas, na segunda quinzena, deve causar um resfriamento acentuado no centro-sul.

 

Chuva forte sobre Barretos (SP) - 21-11-2014 por Fernando Baraldi

 É época de temporais

Chuva supera a média em Cuiabá e em Campo Grande
quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Cuiabá, capital de Mato Grosso, e Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, já receberam mais chuva em novembro do que a média histórica. No caso de Cuiabá, um temporal no fim da semana passada foi decisivo para aumentar o acumulado. Foram 85 mm entre os dias 21 e 22 de novembro. Já em Campo Grande, o volume de chuva acumulado este mês aumentou bastante com os quase 60 mm que caíram entre os dias 25 e 26 de novembro.

 

Mas Brasília e Goiânia têm chance também de fechar o mês com chuva muito próxima ou até um pouco acima da média. As áreas de instabilidade que estão sobre o Centro-Oeste vão continuam muito ativas até o fim do mês. As pancadas de chuva continuam frequentes e poderão ser fortes em várias horas. Há risco de temporais em todos os Estados até o fim da semana.

 

 

 

Chuva forte sobre o Mato Grosso do Sul

Nuvens bastante carregadas ficaram sobre o Mato Grosso do Sul e provocaram chuva forte e volumosa em muitas áreas do Estado. Várias regiões já estão com chuva acima da média neste mês de novembro.

 

 

 

Chuva sobre Dourados (MS) em 11-11-2014 por Dalvim Jr.

 

É tempo de temporais!

Chuva volumosa no Brasil
quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Esta última semana de novembro está sendo marcada por calor, a maior disponibilidade de umidade sobre o Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil que geraram grandes áreas de instabilidade. Fortes pancadas de chuva estão sendo observadas nos últimos dias. A chuva está mais farta e mais frequente.

A frente fria que passou pelo litoral da Região Sudeste no início da semana ajudou a intensificar as áreas de instabilidade. Uma nova frente fria avança para o litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro até a noite desta quinta-feira e durante a sexta-feira se desloca no mar até o Espírito Santo. Esta será a quinta frente fria de novembro e vai estimular mais chuva ainda especialmente sobre os Estados do Sudeste e do Centro-Oeste.

Bruno César Capucin em Campinas/SP - Clique na foto e veja mais imagens do tempo pelo Brasil.

A chuva desta última semana do mês está fazendo diferença. Choveu muito sobre Minas Gerais, São Paulo e Mato Grosso do Sul entre os dias 25 e 26 de novembro. Confira alguns valores registrados pelo Instituto Nacional de Meteorologia e também o mapa de anomalia. O tom azul indica chuva acima da média.

 

Algumas capitais do Sul, do Sudeste e do Centro-Oeste já estão com chuva acima da média e outras pouca abaixo, podendo alcançar a média histórica com a chuva desta semana.

 

 

Aberta a temporada de temporais
terça-feira, 25 de novembro de 2014

Temporal é a mesma coisa que tempestade. É chuva forte, mas não é só isto. Veja a definição de tempestade, conforme está no glossário no REDEMET – Rede de Meteorologia do Comando da Aeronáutica, que é responsável pelas informações meteorológicas em grande parte dos aeroportos do Brasil:

“TEMPESTADES: produzidas por nuvens do tipo cumulonimbus, são eventos de micro-escala e de curta duração caracterizados por trovoadas, raios, rajadas de vento, turbulência, granizo, gelo, chuva, ventos fortes descendentes e em situações extremas, tornados.”

 

Só na terça-feira, 25 de novembro, era fácil perceber os aglomerados de cumulonimbus em quase todos os estados brasileiros. O Amapá, Roraima, grande parte do Pará e quase todo o Nordeste tiveram um dia seco, com umidade abaixo do normal, o que não permitiu a formação das nuvens carregada. Mas na semana passada, as nuvens de tempestades se formaram por todos os estados do Nordeste, estimuladas pela passagem de uma frente fria.

Nas imagens de satélite, as setas pretas indicam os aglomerados de nuvens carregadas. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, eles se formaram especialmente na manhã do dia 25 de novembro.

 

Estamos precisando muito da chuva forte, da chuva dos temporais. Mas ela em geral não vem sozinha: tem os raios, a ventania, o granizo, às vezes tornado. Tudo isto causa destruição.

Tempestade em Várzea Grande (MT), por MTWeather--Caçadores de tempestades no Brasil

 

Saiba porque estamos iniciando a temporada de temporais. O comentário é da meteorologista Josélia Pegorim.

Semana com muita chuva no Centro-Oeste e Sudeste
domingo, 23 de novembro de 2014

A frente fria que provocou chuva no fim de semana sobre o Sudeste se afasta na segunda-feira (24), mas um sistema de baixa pressão reforça as instabilidades sobre o Centro-Sul do Brasil nos próximos dias. A partir de quarta-feira (26), uma nova frente fria avança pelo oceano, mantendo o tempo instável sobre o Sudeste e Centro-Oeste.

O mapa abaixo mostra a previsão de precipitação sobre o Brasil até a sexta-feira (28).

Os maiores acumulados estão concentrados sobre o Centro-Oeste e Sudeste do país, podendo passar dos 100 mm em áreas do interior do Rio de Janeiro, da zona da mata mineira, do sul de Minas, do Alto do Paranaíba, do Alto São Francisco, do Triângulo Mineiro, do norte de São Paulo, do sul de Goiás, do norte de Mato Grosso do Sul e do centro-sul de Mato Grosso.

Centro-Oeste tem fortes pancadas de chuva
quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Tempestades em Mato Grosso do Sul

Fortes áreas de instabilidade voltaram a se espalhar sobre o Mato Grosso Sul provocando chuva intensa. Em Corumbá, na fronteira com a Bolívia, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 82,4 mm acumulados entre 8 horas e 15 horas desta quinta-feira. Quase metade da chuva, cerca de 34 mm, caiu entre 14 e 15 horas.

As imagens de satélite mostram que parte das nuvens carregadas que se espalharam sobre o Mato Grosso do Sul vieram do Paraguai e outras se formaram no próprio estado por causa do calor e da umidade alta.

 

 

Mais chuva sobre o Centro-Oeste

O ar úmido e quente que predomina sobre o Centro-Oeste facilita a formação de nuvens carregadas em muitos locais de todos os Estados. Estas nuvens podem provocar temporais, mas a chuva intensa ocorre em pequenas áreas. A formação destas áreas de instabilidade é bastante comum nesta época. A chuva é bem vinda e necessária para o crescimento da nova safra de soja e de outros grãos que está sendo plantada.

 

 

A previsão é de que as pancadas de chuva continuem regulares nos próximos dias. Uma frente fria vai avançar o litoral da Região Sudeste no fim de semana e vai ajudar a aumentar a chuva especialmente sobre o Mato Grosso do Sul e Goiás.

 

Nuvens carregadas sobre Campo Grande-(MS), por Ardjuna Nunes Miranda

Chuva abaixo da média

A chuva de novembro ainda está abaixo da média no Centro-Oeste, de forma geral. Pequenas áreas na fronteira com o Paraguai tiveram um maior número de temporais e já acumularam chuva próxima da média.

Os tons alaranjados indicam chuva abaixo da média.

 

Confira a previsão de chuva para os próximos 10 dias.

 

 

Vai show de Paul McCartney em Brasília? Então confira a previsão especial.

Mais duas frentes frias até o fim de novembro
terça-feira, 18 de novembro de 2014

Novembro marcou a volta das pancadas de chuva mais frequentes e volumosas sobre o Brasil, mas principalmente a regularidade das frentes frias. Com o calor e a umidade aumentando, o fluxo de ar úmido voltando a movimentar do Norte para o centro-sul do país, as pancadas de chuva estão ocorrendo em número cada vez maior à tarde e à noite. Esta é a chuva típica dos dias quentes e úmidos e podem ocorrer em qualquer lugar, porém de forma aleatória, em pequenas áreas. Mas com a passagem das frentes frias aumenta a chance de formação de grandes áreas de instabilidade e a ocorrência de chuva generalizada.

No mapa, os tons alaranjados indicam menos chuva que a média. A chuva acima da média aparece em tons de azul.

 

Três frentes frias já avançaram com força sobre o Brasil em novembro e mais duas devem passar pelo Sul e alcançar o Sudeste até o fim do mês.

 

Pancada de chuva na praia - Caraguatatuba (SP) por Vanessa Simões em 23-01-2014

 

A meteorologista Josélia Pegorim comenta quando e como estas frentes frias vão atuar sobre o país.

 

Até quando centro-sul do Brasil fica seco?
segunda-feira, 17 de novembro de 2014

As nuvens sumiram do centro-sul do Brasil. Céu azul e sol forte marcam este início de semana ano Sul, em Mato Grosso o Sul, São Paulo e também em muitas áreas do Rio de Janeiro, do centro-sul de Minas Gerais, sul de Goiás e de Mato Grosso.

 

Clique na foto e veja imagens do tempo de outros lugares do Brasil

 

Níveis de umidade abaixo dos 20% foram observados em muitas áreas do centro-sul do país. Na tarde de segunda-feira, 17, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou até 15% em Maringá, no norte do Paraná, e em Ourinhos, no sudoeste de São Paulo.

 

Baixos índices de umidade voltam a se observados na tarde desta terça-feira, o que mantém o tempo seco, com pouca chance de chuva.

Ar seco de origem polar deixou Jau (SP) com poucas nuvens em 17-11-2014 Foto de Waldete Cestari

 

A queda da umidade foi um dos efeitos do ar polar que se espalhou pelo centro-sul do Brasil e que reduziu também a temperatura. Os termômetros marcaram menos de 10°C em áreas do Sul e do Sudeste, o que não é pouco comum faltando pouco mais de um mês para o verão, que começa oficialmente no dia 21 de dezembro, às 21h03, horário brasileiro de verão.

 

Clique na imagem e entenda porque esfriou tanto

 

Clique na imagem e entenda porque esfriou tanto

 

Chuva perto

O tempo seco e as noites frias não vão continuar por muitos dias. A tendência é de grande aquecimento a partir de quarta-feira com e também da volta das pancadas de chuva. A meteorologista Josélia Pegorim comenta como o tempo vai mudar no decorrer da semana.

 

Previsão para os shows de Paul McCartney
sábado, 15 de novembro de 2014

Depois de passar por Vitória e pelo Rio de Janeiro, a turnê de Paul McCartney pelo Brasil prossegue com mais dois três shows em novembro. O ex-Beatles e banda se apresentam em Brasília no dia 23, domingo, e fecham a turnê com dois shows em São Paulo, nos dias 25 e 26 de novembro.

Paul McCartney parece que tem “santo forte” e afastou a chuva forte de Vitória e também do Rio de Janeiro. O próximo show será em Brasília, que vem tendo pancadas de chuva frequentes e até temporais com granizo nos últimos. Qual a expectativa para o tempo no dia 23 de novembro?

Muitas áreas de instabilidade estão se formando na região de Goiás e do Distrito Federal por causa do calor, da umidade alta e da passagem de frentes frias pelo litoral da Região Sudeste.

Nos próximos dias, a umidade deve diminuir na região do Distrito Federal e as áreas de instabilidade tendem a enfraquecer. Assim, até o dia 23 de novembro, dia do show de Paul McCartney no estádio Mané Garrincha, a chance de chover também será menor. O risco de chuva não pode ser completamente descartado, mas diminui. As pancadas de chuva poderão ocorrer à tarde e à noite, mas com fraca a moderada a intensidade.

 

 

Risco de chuva aumenta nos shows em São Paulo

O “santo forte” de Paul McCartney terá mais duas chances de provar que é forte mesmo. A chuva, até os temidos temporais, viraram “objeto de desejo” em São Paulo, tamanha é dimensão da seca pela qual o estado está passando. Mas um dia de chuva na capital paulista deixa tudo mais complicado.

O ar polar que entrou em São Paulo afasta a chuva da capital paulista por alguns dias. A chance de chover é baixa até o dia 19 de novembro, mas volta a aumentar a partir do dia 20. Os shows de McCartney estão marcados para 25 e 26 de novembro no novíssimo e moderno estádio Alianz Parque. O risco de chuva nestes dois dias aumenta, pois a previsão inicial indica a passagem de fortes áreas de instabilidade sobre o Estado de São Paulo, associadas a uma frente fria.

As projeções ainda podem mudar até os dias dos shows, mas inicialmente a previsão peara o dia 25 de novembro é de que chova em grande parte do dia, até com risco de chuva forte. Porém, a chuva da noite deve ser menos intensa do que do período da manhã e da tarde. Um dia de tempo instável, com chuva durante várias horas, complica muito a vida na cidade de São Paulo. Aumento do trânsito e possíveis alagamentos dificultam o deslocamento das pessoas.

Para o segundo show, no dia 26 de novembro, a previsão inicial é de que a cidade São Paulo ainda tenha chuva, mas de fraca intensidade e que não deve causar transtornos.

Nos próximos dias, você poderá acompanhar as atualizações das condições do tempo para os shows de Paul McCartney aqui no site da Climatempo.

Centro-Oeste tem chuva forte no fim de semana
sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Os últimos dias estão sendo marcados por temporais no Centro-Oeste. No começo da semana, cidades do sul de Mato Grosso do Sul registraram de 80 a mais de 100 mm em 24 horas, pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia.

Em Mato Grosso, os temporais estão ocorrendo todos os dias em diferentes áreas do Estado. Só entre 20 horas do dia 13 e 20 horas do dia 14 e novembro o Instituto Nacional de Meteorologia registrou acumulados de chuva de 35 mm a 45 mm na região de Cuiabá, de Rondonópolis, Tangará da Serra, Campo Novos do Parecis. Brasília voltou a registrar granizo esta semana e fortes pancadas de chuva também estão ocorrendo sobre Goiás.

 

Depois do temporal, belo arco-iris se formou em Torixoréu (MT) 14-11-2014 por Clenildo

 

A chuva é mais do que bem vinda para proporcionar condições para o plantio da safra de verão que atrasou justamente por causa da falta de chuva regular até meados de outubro.

Aguaceiro amazônico na Capital Federal - por Jean Claude 14-11-2014 em Brasília

 

Uma massa de ar seco entrou em Mato Grosso Sul e deixa o estado com menos nebulosidade e pouca chance de chuva até a terça-feira. Mas Goiás, Mato Grosso e o Distrito Federal terão muita chuva ainda nos próximos dias. A presença de uma frente fria no litoral da Bahia vai colaborar para aumentar a chuva especialmente sobre o centro-norte de Goiás, Distrito Federal e a região do Araguaia, em Mato Grosso. Há condições para temporais.

 

No mapa, os tons de verde indicam previsão de mais de 100 mm acumulados em 15 dias.