Posts com a Tag ‘fim de semana’

+ aumentar e diminuir fonte -
Aumento do risco de temporais na Grande SP
sexta-feira, 27 de março de 2015

O risco de temporais aumenta na Grande São Paulo neste domingo devido a passagem de uma frente fria pelo litoral paulista que vai estimular o crescimento de áreas de instabilidade sobre o Estado de São Paulo que vão espalhar muitas nuvens e chuva também sobre a Grande São Paulo.

Tecnicamente esta frente fria já estará ao largo do litoral do Rio de Janeiro até a tarde do domingo. Mas as áreas de instabilidade se intensificam durante o domingo e devem permanecer muito ativas no leste de São Paulo até a segunda-feira.

As nuvens carregadas já começaram a se formar sobre a Grande São Paulo durante este sábado e já provocaram pancadas de chuva com risco de raios em Guarulhos e Itaquaquecetuba à tarde e avançaram para a cidade de Arujá.

Para o domingo a previsão é de que chova durante várias horas seguidas, mas somente a partir da tarde. Entre a tarde do domingo e a noite de segunda-feira, há previsão de várias pancadas de chuva mais generalizadas e com risco de chuva moderada à forte.

Na animação, cada mapa  mostra a estimativa de chuva para um período de 12 horas. Os tons de amarelo e laranja indicam chuva moderada e os tons de vermelho e rosa, uma chuva forte e volumosa.

 

Vai para o Lolla? Confira a previsão com o meteorologista César Soares.

Atenção! Mar agitado no fim de semana

 

Confira a previsão da temperatura para a cidade de São  Paulo.

O mar fica agitado no Sul e no Sudeste
quarta-feira, 25 de março de 2015

A frente fria, tecnicamente, já está ao largo da costa do Rio de Janeiro, mas juntamente com a frente, um grande ciclone extratropical se organizou na região oceânica entre o Rio Grande do Sul e a província de Buenos Aires. O ciclone também está afastado em alto mar, por isso o vento já diminuiu, mas o mar fica agitado até a segunda-feira.

O centro de baixa pressão deste ciclone deve atingir valores menores do que 1000 hPa no decorrer do fim de semana, o que favorece a ocorrência de fortes rajadas de vento em alto mar entre a costa da Argentina e a região de Florianópolis.

No mapa abaixo, a letra “B” indica o centro de baixa pressão do ciclone extratropical e a letra “A” indica o centro de alta pressão atmosférica associado com uma massa polar.

 

Ventania e mar agitado

O ventos constantes gerados por este ciclone formam uma pista no oceano e vão deixar o mar agitado e gerar grandes ondas sobre o oceano. Parte destas ondas vai se espalhar pela costa do Sul e do Sudeste até segunda-feira. E no fim de semana, as ondas aumentam na costa do Sudeste. Os surfistas devem encontrar boas ondas no Sul e no Sudeste no fim de semana. Não há risco de ressaca, mas em São Paulo e no Rio de Janeiro algumas ondas poderão chegar aos 2 metros entre o domingo e a segunda-feira, 30 de março.

Será a segunda agitação marítima na costa do Sul e do Sudeste do Brasil em menos de uma semana, mas desta vez também não há expectativa de ressaca. Os surfistas devem poder aproveitar boas ondas no fim de semana.

A Imagem abaixo mostra a previsão para o swell no oceano formado pelo Ciclone para o dia 30 de março às 00Z, ou dia 29 de março às 21h horário de Brasília.

 

 

Ache a sua onda e a sua tribo o Climasurf

Entenda como e onde se formam os ciclones extratropical, subtropical e tropical

Fim de semana com chuva forte no Sudeste
sexta-feira, 20 de março de 2015

A última semana do verão foi marcada por muitas nuvens e pancadas de chuva em grande parte do Sudeste. Temporais foram observados em diversas áreas especialmente de São Paulo e de Minas Gerais. As capitais São Paulo e Belo Horizonte acumularam em 20 dias mais chuva do que a média normal para março. No Rio de Janeiro em Vitória, o volume acumulado ainda está bastante a abaixo da média.

As condições para chuva no Sudeste aumentam no fim de semana, o primeiro do verão, com a chegada de uma frente fria que vem trazendo uma massa polar moderada a forte.

Entre o sábado e a segunda-feira, o ar polar entra em choque com o ar quente e úmido que está sobre o Sudeste. Este impacto térmico vai facilitar a formação de nuvens bastante carregadas que podem provocar temporais. Em São Paulo há risco de temporais no sábado e no domingo. No Rio de Janeiro e na maioria das áreas de Minas Gerais podem ocorrer fortes pancadas de chuva no fim de semana e até a segunda-feira. Já no norte mineiro e sobre o Espírito Santo, a chanca de chover forte é maior na segunda e na terça-feira.

Como o ar polar entra no Sudeste?

A previsão é de que tecnicamente os ventos frios polares associados com esta frente fria comecem a ser sentidos na cidade de São Paulo durante a noite de sábado, 21 de março e no Rio de Janeiro durante a tarde do domino. Em Belo Horizonte e em Vitória, os ventos frios só devem ser sentidos na segunda-feira. A chegada destes ventos polares podem ocorrer em fortes rajadas das direções sul e sudoeste, que podem superar os 60 km/h.

Esta massa polar entra forte na Argentina, mas chega suavizada ao Brasil. Mesmo assim, vai causar a queda da temperatura. O resfriamento maior será no Sul do Brasil. A temperatura fica amena nos próximos dias em parte do Sudeste e no sul de Mato Grosso do Sul. O frio não será intenso nestas áreas, mas as pessoas vão sentir uma grande diferença térmica, pois os últimos dias foram bastante abafados.

 

Sul de Mato Grosso do Sul começa o outono com frio
quarta-feira, 18 de março de 2015

Dias abafados, quentes e com pancadas de chuva frequentes, até de forte intensidade, ainda são comuns no Centro-Oeste em março. A última semana do verão tem sido marcada por muitas nuvens e chuva sobre a maioria das áreas do Centro-Oeste. Por causa da chuva e do excesso de nuvens, as temperaturas não estão ficando muito elevadas em Goiás, no Distrito Federal e em Mato Grosso do Sul. Mas em Mato Grosso do Sul, não tem chovido muito e o calor tem sido intenso. Por volta das 16 horas desta quarta-feira, hora de Brasília, a temperatura em Porto Murtinho chegou aos 38,1°C, a mais alta dentre as medições automatizadas do Instituto Nacional de Meteorologia neste horário.

Ar polar forte em MS no fim de semana

O outono começa oficialmente no dia 20 de março, às 19h45, pelo horário de Brasília. Uma grande frente fria vai avançar para o Brasil trazendo uma forte massa polar. Os ventos gelados devem começar a ser sentidos em Mato Grosso do Sul durante o sábado, 21 de março. Há risco de ventos fortes. Mas é no domingo que a temperatura terá forte queda em grande parte do Estado, O sul de Mato Grosso do Sul poderá amanhecer o domingo com temperaturas próximas dos 10°C.

Vai refrescar um pouco no centro-oeste e sul de Mato Grosso e no extremo sul de Goiás, mas frio mesmo será só no sul de Mato Grosso do Sul.  Na região de Ponta Porã, de Amambaí, Sete Quedas e de outras cidades do sul deste estado, a temperatura no amanhecer do domingo poderá estar próxima dos 10°C.

 

Tendência para o Outono

O outono traz a entrada as primeiras massas polares que podem causar forte resfriamento em áreas do Centro-Oeste. Quando o calor diminui? O período úmido poderá se estender um pouco mais?  A nova estação começa oficialmente no Hemisfério Sul às 19h45 do dia 20 de março, hora de Brasília. O meteorologista Alexandre Nascimento comente a tendência para a estação na Região Centro-Oeste.

 

 

 

SP tem mais chuva nesta terça
segunda-feira, 16 de março de 2015

Áreas de instabilidade que já estão sobre São Paulo se intensificam nesta terça-feira e todo o Estado terá mais chuva.  Muitas regiões paulistas, até mesmo a Grande São Paulo, poderão amanhecer com chuva e que se intensifica no decorrer do dia . Há risco de chuva forte em todas as regiões do estado

O aumento da chuva está associado ao calor,a umidade elevada e a queda da pressão do ar acentuada perto do litoral de São Paulo, onde se forma uma nova área de baixa pressão atmosférica nesta terça-feira.  Na animação abaixo, a letra B sobre o mar, mais próxima da costa paulista, indica o centro da baixa pressão que se organiza.

 

Risco de enchente

Os temporais como os que ocorreram nesta segunda-feira podem se repetir. Na região da Moóca, na zona leste da capital, o Centro de Gerenciamento de Emergências registrou  49,2 mm em apenas 1 hora. O córrego Ipiranga, na zona sul, voltou a transbordar. Várias outras áreas da cidade tiveram de 20 mm a 30 mm acumulados em 1 hora.

No interior, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 53 mm de chuva em apenas 1 hora sobre São Miguel Arcanjo, no sul do Estado, entre 16 e 17h. Tecnicamente este é um volume de chuva muito elevado para um período de tempo tão curto e pode causar alagamentos repentinos.

 

 

Frente fria no primeiro fim de semana de outono

A semana segue com muitas nuvens, ar abafado e pancadas de chuva frequentes sobre São Paulo. Há risco de temporais em todo o Estado.

Uma grande frente fria avança sobre a Argentina a partir da quarta-feira, 19, trazendo uma forte massa polar que vai conseguir chegar ao Brasil também. A expectativa é de que o ventos frios polares alcancem São Paulo durante o próximo sábado.

A presença do ar polar de forma moderada vai causar queda da temperatura na maioria das áreas de São Paulo.  Dá para falar até num “friozinho” em algumas regiões como no sul e no leste do estado, incluindo a capital.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, a menor temperatura na cidade de São Paulo este ano, até agora, é de 17,1°C em 2 de fevereiro. Este recorde poderá ser batido com a passagem desta massa polar.

Confira a tendência do outono para todo o Brasil

 

Chuva no Sudeste diminui no fim de semana
sexta-feira, 13 de março de 2015

Este é o último fim de semana do verão. O outono começa oficialmente no dia 20 de março, às 19h45, pelo horário de Brasília.

O verão começou e vai terminar com pouca chuva sobre o Sudeste. O Sistema de Alta Pressão Subtropical do Atlântico Sul, (ASAS) avança do oceano em direção continente e ganha força novamente sobre a Região Sudeste do Brasil. O efeito da ASAS é de diminuir as condições para formação de grandes nuvens que provoca chuva. A atmosfera fica mais seca e menos nuvens conseguem se formar.

A semana foi marcada por muita instabilidade em São Paulo, no centro-oeste e sul de Minas Gerais e também sobre o centro-sul do Rio de Janeiro. Mas com a intensificação das ASAS sobre o Sudeste, as áreas de instabilidade vão enfraquecer eo  último fim de semana do verão promete ser ter muitas horas de com sol forte, calor e poucas pancadas de chuva.

 

Neste sábado, as condições para chuva ainda são altas sobre São Paulo, em áreas do Triângulo Mineiro, no sul de Minas e do Rio do Janeiro, mas no domingo a chance de chuva para estas regiões também diminui.

O calor aumenta em toda a Região com a diminuição da nebulosidade. O mar fica com ondas pequenas, que não passam de 1 metro.

 

Há uma possibilidade de El Niño para este ano

Confira as ondas e o que rola na sua tribo no Climasurf

Conheça Arani, Anita, Catarina, Bapo: os ciclones de março no Brasil

Tempestade Cari ainda influencia o Brasil nesta quinta
quarta-feira, 11 de março de 2015

A tempestade subtropical Cari provocou chuvas volumosas e ventos fortes no nordeste do Rio Grande do Sul e no centro-sul de Santa Catarina, especialmente nos dias 10 e 11 de março de 2015. O litoral sul de Santa Catarina foi a região que teve a chuva mais volumosa, com acumulados de mais 100 mm. A grande quantidade de chuva provocou alagamentos. O Epagri-Ciram registrou até 172,2 mm sobre Tubarão entre 7 horas do dia 8 e 7 horas do dia 11 de março.

As bandas de nuvens carregadas (manchas em tons de cinza sobre o mar) são parte da instabilidade da tempestade subtropical Cari. As nuvens fazem o movimento ciclônico (horário) acompanhando o giro dos ventos ao redor do centro de baixa pressão.

 

Fortes rajadas de vento também foram observadas. As mais intensas, com até 104 km/h, ocorreram na região de Bom Jardim da Serra, na parte mais alta da serra catarinense. A região do cabo de Santa Marta passou toda a quarta-feira tendo sucessivas rajadas na faixa de 50 km/h e 75 km. A mais intensa foi de 73 km/h

 

Cari ainda influencia o Brasil nesta quinta-feira

O centro de baixa pressão da tempestade subtropical Cari permanece na costa sul do Brasil nesta quinta-feira, ao largo do litoral da Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, mas a circulação ciclônica dos ventos deste sistema ainda vai influenciar o centro-sul do Brasil nesta quinta-feira.

A baixa pressão concentra o ar úmido e quente e facilita a formação de várias áreas de instabilidade sobre parte do Sul e também do Sudeste. Nesta quinta-feira, a circulação dos ventos em diversos níveis atmosféricos, associada com a tempestade subtropical Cari, ainda vai ajudar a provocar pancadas de chuva entre Santa Catarina, Goiás, o centro-sul de Minas Gerais e no Rio de Janeiro, principalmente à tarde e à noite. Muitas vezes a chuva vai ocorrer com o sol aparecendo ao mesmo tempo. O ar continua quente e abafado. Há risco de raios.

Santa Catarina

As áreas de instabilidade de Cari ainda vão provocar chuva sobre Santa Catarina, mas não de forma prolongada e volumosa como nos últimos três dias. O mar ainda fica agitado, com ondas de até 3 metros pela manhã no litoral sul catarinense. A tendência é de que diminuição da agitação no mar durante a tarde. As rajadas de vento ainda acontecem especialmente no litoral, mas menos intensas.

Quando a tempestade se afasta?

O centro de baixa pressão da tempestade subtropical Cari começa a se afastar do  Sul do Brasil nesta quinta-feira e ao mesmo tempo enfraquece. O sistema se afasta cada vez mais até o sábado, a pressão do ar sobe e o risco de temporais diminui.

Na animação, a letra “B” indica o centro de baixa pressão de Cari. Os números próximos das letra representam o valor estimado da pressão atmosférica que é medido em hPa (hectopascal).

 

 

A meteorologista Josélia Pegorim explica o que acontece com o afastamento e enfraquecimento da tempestade subtropical Cari e dá dicas de como será o tempo no último fim de semana do verão. O outono começa oficialmente no dia 20 de março, às 19h45, pelo horário de Brasília.

 

 

Confira como vai ficar a chuva no Brasil nos próximos 15 dias

 

RJ terá chuva forte nos próximos dias
sexta-feira, 6 de março de 2015

Fevereiro ficou devendo chuva ao Estado do Rio de Janeiro e março começou com pouca chuva. Alguns temporais isolados ocorreram no Norte e Noroeste Fluminense e também no Sul Fluminense, mas a região do Grande Rio quase não teve chuva. Na cidade do Rio, a menor temperatura máxima na semana ficou em torno dos 33°C.

Mas os próximos dias prometem grandes mudanças no tempo. A nebulosidade e as condições para chuva sobre o Rio de Janeiro aumentam especialmente a partir do domingo e o calor vai diminuir. A intensificação de uma área de baixa pressão atmosférica entre o litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro vai fazer com que o Estado do Rio de Janeiro fique pelo menos numa situação de atenção para temporais.

 

Além da presença de ar quente e úmido, uma acentuada queda da pressão atmosférica vai ajudar a formar e a manter as áreas de instabilidade sobre São Paulo nos próximos dias. A queda pressão começa a ocorrer durante o fim de semana, mas é entre segunda e terça-feira que o centro de baixa pressão fica mais intenso, entre o litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Chuvas volumosas e prolongadas devem ocorrer entre o domingo e a terça-feira inclusive no Grande Rio. O mar fica agitado entre os 10 e 12 de março.

 

O tom de verde brilhante indica mais de 100 mm de chuva estimados para período de cinco dias

 

Risco de chuva forte aumenta no Sudeste

Confira a previsão de chuva para todo o Brasil para os próximos 15 dias

Ainda dá para curtir uma bela lua, quase cheia

Já fotografou o tempo hoje?

Sul do Brasil em atenção para temporais
sexta-feira, 6 de março de 2015

A primeira semana de março foi marcada por eventos de temporais nos três estados do Sul. Além de chuvas volumosas, fortes rajadas de vento também foram observadas. Nesta sexta-feira, a região de Uruguaia, no Rio Grande do Sul, teve rajada de 90 km/h.

Pouca chuva no RS

No fim de semana, áreas de instabilidade se intensificam sobre o Sul do Brasil, mas as nuvens carregadas vão se concentrar sobre Santa Catarina e Paraná mantendo o risco para temporais nestes estados. O Rio de Grande do Sul fica fora da área de atuação destas áreas de instabilidade e deve ter predomínio de sol no fim de semana

Mais chuva em Santa Catarina e no Paraná

Nos próximos dias, a intensificação de áreas de baixa pressão entre o Paraguai, o Brasil e a Argentina e também no mar, entre São Paulo e Santa Catarina, vai estimular a formação de mais áreas de instabilidade sobre o Sul. Porém, a maior quantidade de nuvens carregadas deve passar sobre o Santa Catarina e Paraná provocando vários temporais.

O risco de chuvas fortes ainda deve persistir na segunda e na terça-feira. Há uma preocupação especial com as áreas litorâneas e o vale do Itajaí, que  já acumularam grandes volumes de chuva no mês passado. Assim, deslizamento de encostas não pode ser descartado. Além da chuva forte, a população deve ter atenção com raios e mar agitado entre os dias 10 e 12 de março.

 

 

Chuva aumenta em SC e no PR

Confira a previsão de chuva para todo o Brasil para os próximos 15 dias

Ainda dá para curtir uma bela lua, quase cheia

Já fotografou o tempo hoje?

Fim de semana com chuva forte em SP
sexta-feira, 6 de março de 2015

Depois da chuvarada de fevereiro, os primeiros cinco dias de março foram marcados por pouca chuva no Estado de São Paulo. A passagem de uma massa de ar polar no começo do mês reduziu a chuva, mas as condições para chuva voltam a aumentar sobre todo o Estado de São Paulo no fim de semana. As pancadas de chuva serão mais frequentes e há risco de temporais, incluindo a Grande São Paulo.

Além da presença de ar quente e úmido, uma acentuada queda da pressão atmosférica vai ajudar a formar e a manter as áreas de instabilidade sobre São Paulo nos próximos dias. A queda pressão começa a ocorrer durante o fim de semana, mas é entre segunda e terça-feira que o centro de baixa pressão fica mais intenso, entre o litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro.

 

Chuva volumosa na Grande SP e leste de SP

Este sistema de baixa pressão terá influência em todas as regiões de São Paulo, aumentando a chance de formação das grandes nuvens que podem provocar temporais. Porém, o leste de São Paulo vai sentir uma atuação maior desta baixa pressão. Chuvas volumosas e prolongadas devem ocorrer entre o domingo e a terça-feira especialmente no litoral, na Grande São Paulo e em todo o leste do Estado de São Paulo. Cidades na região de Sorocaba, de Campinas, nos vales do Paraíba e do Ribeira estão sujeitas também a temporais. Além da chuva forte, há risco de ventania e de muitos raios.

O mapa mostra a estimativa de chuva para a Região Sudeste nos próximos cinco dias. A cor verde indica uma estimativa de pelo menos 100 mm de chuva. Para a cidade de São Paulo, a média de chuva para março fica em torno dos 160 mm.

 

 

A meteorologista Josélia Pegorim alerta para a chuva forte em São Paulo e em outras áreas do Sudeste.

 

Confira a tendência da chuva para os próximos 15 dias em todo o Brasil