Posts com a Tag ‘Mato Grosso do Sul’

+ aumentar e diminuir fonte -
Clima favorece a safra de algodão em MS
quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Os produtores de algodão da região norte de Mato Grosso do Sul estavam enfrentando problemas para fazer o plantio da safra em razão do excesso de chuva. Porém, o volume de chuva diminuiu e os agricultores finalmente conseguiram finalizar a semeadura. O algodão já germinou. A umidade do solo ainda é satisfatória e a expectativa é que a cultura se desenvolva bem.

Confira qual será a tendência do acumulado de chuva para os próximos dias em todo o Brasil.

Chuva atrapalha semeadura do algodão em MS
quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

As chuvas constantes na primeira quinzena de dezembro causaram atraso no plantio do algodão em municípios de Mato Grosso do Sul.  Confira qual será a tendência do acumulado de chuva para os próximos dias em todo o Brasil.

Chuva diminui sobre o PR e em parte do MS nesta 3ª feira
segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Muita chuva sobre o Paraná e em Mato Grosso do Sul

As áreas de instabilidade de uma frente fria espalharam nuvens muito carregadas sobre o Paraná e o Mato Grosso do Sul que provocam chuva forte e volumosa nesta segunda-feira.

Entre 19 horas do dia 21 e 19 horas d 22 de dezembro de 2014, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 134,4 mm sobre a Ilha do Mel, no litoral do Paraná 108,0 mm em São Mateus do Sul, no sul do Paraná e 98,0 mm sobre Maringá, no norte do Paraná. Em Aquidauana choveu 85,0 mm neste período e Sete Quedas choveu 75,4 mm .

 

Em Ivaí (PR) já choveu 70,6 mm neste período, em Curitiba (PR) 62,8 mm. Muitas outras cidades do Paraná e de Mato Grosso do Sul acumularam de 30 a 60 mm de chuva até o início da noite desta terça-feira.

 

 

Chuva diminui nesta terça-feira

A frente fria avança sobre São Paulo e a parte mais intensa das áreas de instabilidade saem do Paraná.  Ainda deve chove com até moderada intensidade em cidades paranaenses na divisa com São Paulo, mas a chuva vai parando no decorrer do dia.

Em Curitiba, onde choveu muito nesta segunda-feira, o tempo permanece úmido, com céu nublado, mas pouca chuva,

Já em Mato Grosso do Sul, ainda podem ocorrer fortes pancadas no centro-norte e leste do Estado.

 

Farol do Saber Aristides de Oliveira Vinholes em Curitiba (PR). Foto: Gabriel Rosa (SMCS)

 

Confira a previsão para o Natal! Será que a chuvarada vai voltar?

 

Muita chuva para o Centro-Oeste do País
domingo, 7 de dezembro de 2014

E esta semana promete ser de tempo instável no Centro-Oeste do país! Há risco para temporais, com rajadas de vento, trovoadas e elevados acumulados de chuva em diversos municípios dos três Estados que compõem a Região – Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e o Distrito Federal.

Vamos tentar entender quais condições serão responsáveis pelo desenvolvimento destas tempestades sobre a Região, analisando os campos de vento em diversos níveis atmosféricos. Para fim de análise, vamos utilizar simulações do modelo meteorológico global e observar quais perturbações já provocaram chuva no Centro-Oeste neste fim de semana.

A imagem a seguir representa a circulação de ventos em altos níveis da atmosfera (250hPa). Nela é possível verificar pequenas ondulações (cavados), que representam perturbações na atmosfera, que favorecem a formação de instabilidades.

Já na circulação de ventos em médios níveis da atmosfera (500hPa), vemos novamente os cavados de onda curta e um sistema de baixa pressão atmosférica. Ambos favorecem a formação de áreas de instabilidade sobre o Centro-Oeste.

Já em baixos níveis (850hPa), é possível verificar um intenso fluxo de umidade convergindo para a Região:

Estas instabilidades vêm provocando chuva forte em diversas áreas do Centro-Oeste desde sexta-feira. Na imagem de satélite meteorológico a seguir é possível verificar nuvens carregadas – em cores verdes, azuis e brancas (de acordo com a ordem crescente de intensidade). Segundo registros das estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia, já foram acumulados 77.0 mm de chuva em Juara (MT), 71.0 mm em Apiacás (MT), 37.0 mm em Morrinhos (GO), 31.0mm em Guarda-Mor (MS), 32.0 mm em Goiânia (GO) e 16.0 mm em Brasília (DF).

 

E a previsão para os próximos dias é de muita chuva para a Região! Além de todos estes fatores, o avanço de uma nova frente fria pelo País a partir de quarta-feira vai reforçar todas estas instabilidades sobre o Centro-Oeste. São esperados grandes volumes de chuva principalmente para o Estado de Goiás. Na imagem a seguir é possível observar o acumulado de chuva previsto entre os dias 08 e 12 de Dezembro.

Os maiores acumulados de chuva estão previstos para a região central de Goiás, com acumulados de chuva chegando a até 200 mm em alguns municípios. De maneira geral, os acumulados ficam entre 100 e 150 mm em Goiás, 70 e 100 mm em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, com picos variando entre 100 e 150 mm em alguns municípios destes Estados.

Ao longo desta semana o predomínio é de muitas nuvens em todos os três Estados, com breves períodos de sol e pancadas de chuva ao longo do dia, com até forte intensidade. Ainda assim o tempo fica abafado e o calor continua.

Chuva se espalha pelo Centro-Oeste
quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Nuvens carregadas se formam por conta do forte calor e da presença de umidade e já provocam chuva com forte intensidade em algumas áreas do Centro-Oeste.

As imagens do satélite meteorológico mostram a presença de áreas de instabilidade que dão origem à grandes nuvens que são capazes de provocar temporais.

Áreas de Mato Grosso como Rondonópolis chegaram a registrar acumulados próximos dos 20mm em apenas uma  hora de medição da estação automática do INMET.

A presença do ar quente e úmido ainda vai permitir a ocorrência de mais chuva ao longo das próximas horas. Até o fim de semana a chuva persiste o que aumenta o risco de alagamentos e deslizamentos de terra.

Chuva muito volumosa no Centro-Oeste
terça-feira, 2 de dezembro de 2014

A grande disponibilidade de umidade no ar e o calor estão formando nuvens muito carregadas sobre a Região Centro-Oeste. Os temporais têm sido frequentes.

 

Nuvens muito carregadas provocam chuva forte sobre Vicentina (MS) por Geone Bernardo

 

Entre 22 horas do dia 1 e 22 horas do dia 2 de dezembro de 2014, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 81,2 mm sobre Iporá, em Goiás, 74,2 mm sobre Cuiabá, sendo que quase toda a chuva, 69 mm, caiu entre 16h e 18h (hora de Brasíia) da terça-feira. Choveu 61,2 mm sobre Nova Maringá, em Mato Grosso, e 60,2 mm sobre Sonora, em Mato Grosso do Sul. Jataí, no sul de Goiás, acumulou 52 mm apenas em 4 horas de chuva na tarde e noite de terça-feira.

 

Os temporais vão continuar até o fim da semana principalmente sobre Mato Grosso e em Mato Grosso do Sul. Mas as pancadas de chuva também serão frequentes sobre Goiás e no Distrito Federal.

O mês de novembro terminou com chuva acima da média especialmente em Mato Grosso do Sul e nas capitais Campo Grande e Cuiabá. A internauta registrou o temporal que caiu sobre Campo Grande na tarde de 1 de dezembro.

 

 

E o calor do verão de 2015?

 

Compartilhe a informação sobre as condições do tempo na sua cidade com a Climatempo

Participe!

Pelo site:  envie sua foto

Pelas redes sociais: #fotografeotempo

Pelo Whatsapp: (11) 9 9420-7548

Tempestades em Mato Grosso e em Mato Grosso do Sul
segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

A combinação de um ar muito quente e bastante úmido com a circulação de ventos em diversos níveis da atmosfera gerou nuvens extremamente carregadas sobre Mato Grosso e também sobre Mato Grosso do Sul.

Nuvens muito carregadas sobre campos em Alto Taquari (MT) 1-12-2014 por Claudemir_interna

 

As setas apontam para os aglomerados de nuvens com grande potencial para tempestades com ventania e até granizo.

 

Grandes volumes de chuva foram acumulados em 24 horas. Em Amambaí, no sul de Mato Grosso o Sul, choveu 92,6 mm entre 20 horas do dia 30 de novembro e 20 horas de 1 de dezembro. Em Campo Grande choveu 36,6, mm apenas na tarde e começo da noite desta segunda-feira.

 

Tarde escura e com chuva em Amambai (MS) em 1-12-2014 Sergio Lopes_interna

 

As áreas de instabilidade ficam bastante ativas esta semana nos dois Estados. Há riscos de novos temporais, incluindo as capitais Campo Grande e Cuiabá, Goiás e o Distrito Federal também terão pancadas de chuva frequentes esta semana, mas menos volumosas do que em Mato Grosso e em Mato Grosso do Sul.

Balanço de chuva de novembro

Campo Grande e Cuiabá ficaram entre as capitais brasileiras que terminaram o mês de novembro com chuva muito acima do normal. Em Campo Grande choveu o dobro do normal.

 

 

 

Se a sua empresa é afetada diretamente pelas tempestades e raios, conheça o serviço de Monitoramento e Alerta de Tempestades SMACaqui.

Centro-Oeste volta a ter temporais
segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

A presença de um ar quente e úmido na Região Centro-Oeste ainda favorece a formação de grandes nuvens carregadas que provocam temporais.

A imagem do satélite meteorológico mostra nos pontos em vermelho a presença dessas nuvens carregadas que provocam temporais.

O internauta Geone Bernardo conseguiu fotografar as nuvens grandes e a chuva na rregião de Vicentina em Mato Grosso do Sul.

Geone Bernardo em Vicentina/MS

Geone Bernardo em Vicentina/MS

 

 

Geone Bernardo em Vicentina/MS

A semana será marcada por mais chuva no Centro-Oeste. O ar quente e úmido ainda favorece a formação de mais nuvens carregadas que vão provocar chuva com grande volume principalmente sobre Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e oeste de Goiás. Há o risco de alagamentos e transbordamentos de rios.

Se a sua empresa é afetada diretamente pelas tempestades e raios, conheça o serviço de Monitoramento e Alerta de Tempestades SMACaqui.

Centro-Oeste tem chuva forte no fim de semana
sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Os últimos dias estão sendo marcados por temporais no Centro-Oeste. No começo da semana, cidades do sul de Mato Grosso do Sul registraram de 80 a mais de 100 mm em 24 horas, pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia.

Em Mato Grosso, os temporais estão ocorrendo todos os dias em diferentes áreas do Estado. Só entre 20 horas do dia 13 e 20 horas do dia 14 e novembro o Instituto Nacional de Meteorologia registrou acumulados de chuva de 35 mm a 45 mm na região de Cuiabá, de Rondonópolis, Tangará da Serra, Campo Novos do Parecis. Brasília voltou a registrar granizo esta semana e fortes pancadas de chuva também estão ocorrendo sobre Goiás.

 

Depois do temporal, belo arco-iris se formou em Torixoréu (MT) 14-11-2014 por Clenildo

 

A chuva é mais do que bem vinda para proporcionar condições para o plantio da safra de verão que atrasou justamente por causa da falta de chuva regular até meados de outubro.

Aguaceiro amazônico na Capital Federal - por Jean Claude 14-11-2014 em Brasília

 

Uma massa de ar seco entrou em Mato Grosso Sul e deixa o estado com menos nebulosidade e pouca chance de chuva até a terça-feira. Mas Goiás, Mato Grosso e o Distrito Federal terão muita chuva ainda nos próximos dias. A presença de uma frente fria no litoral da Bahia vai colaborar para aumentar a chuva especialmente sobre o centro-norte de Goiás, Distrito Federal e a região do Araguaia, em Mato Grosso. Há condições para temporais.

 

No mapa, os tons de verde indicam previsão de mais de 100 mm acumulados em 15 dias.

 

Dia de temporais em Mato Grosso do Sul
sábado, 8 de novembro de 2014

Fortes áreas de instabilidade cresceram durante a madrugada entre o Paraguai e Mato Grosso do Sul e formaram nuvens muito carregadas. Essas instabilidades estão associadas a um sistema de baixa pressão atmosférica, à convergência de ventos em níveis baixos da atmosfera, e ao contraste térmico entre o ar quente das regiões Sudeste e Centro-Oeste e o ar frio de uma massa polar, que está avançando entre o Sul, a Argentina e o Paraguai.

As áreas de chuva mais intensa ficaram concentradas em Mato Grosso do Sul. Temporais atingiram o centro-sul do Estado na manhã deste sábado. Segundo medições do INMET, entre 04h e 10h (horário de Brasília), a chuva acumulou 40.2 mm em Porto Murtinho, 45.4 mm em Sidrolândia, 39.0 mm em Ponta Porã, 21.4 mm em Ivinhema e 20.6mm em Campo Grande. As rajadas de vento chegaram a 71 km/h na cidade de Sidrolândia. A imagem de satélite abaixo mostra as nuvens pesadas em tons de branco, vermelho e amarelo (na ordem crescente de intensidade).

Parte dessa instabilidade também atingiu o oeste paulista. Em Presidente Prudente a chuva acumulou quase 20 mm entre 05 e 07h deste sábado.

Ao longo do sábado as nuvens pesadas avançam em direção ao norte e os temporais atingem também o norte de Mato Grosso do Sul e noroeste de São Paulo.

Para ver o alerta, acesse Alerta.