Posts com a Tag ‘Nordeste’

+ aumentar e diminuir fonte -
Leste nordestino terá semana de pouca chuva
segunda-feira, 30 de março de 2015

O ar seco vai predominar sobre áreas do leste do Nordeste ao longo desta semana. Nas imagens do satélite meteorológico é possível ver a presença de um ar mais seco nos tons em marrom especialmente sobre áreas da Bahia.

As instabilidades ainda são capazes de provocar pancadas de chuva em áreas do Piauí, Maranhão e litoral do Ceará.

Clique na imagem e veja imagens de satélite de todo o Brasil

Norte nordestino ainda terá chuva

A semana ainda terá chuva sobre áreas do litoral norte nordestino e também sobre algumas áreas do sul do Maranhão, Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte. Isso se deve a presença da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) que volta a organizar chuva sobre esta área do Nordeste.

Mas o mesmo não será observado sobre o leste. Áreas como a Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco e Paraíba ainda terão o predomínio do tempo firme, pouca nebulosidade, muito sol e calor devido a presença do ar seco.

Norte nordestino ainda tem muita chuva
quarta-feira, 25 de março de 2015

A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) começou a enfraquecer nesta quarta-feira (25), mas ainda trouxe muitas instabilidades para o norte nordestino a ponto de provocar temporais especialmente sobre o Maranhão.

A semana começou com muita chuva em áreas do norte do Nordeste, o internauta Jhonny fotografou o céu cinzento de Caicó na segunda-feira (25) e mandou pelo fotografe o tempo.

Fotografe o tempo em Caicó-RN por Jhonny. Clique na imagem e mande também a sua fotografia!

Nas imagens do satélite meteorológico é possível ver o avanço de grandes nuvens de temporal do oceano para áreas do litoral norte do Nordeste, principalmente sobre o Piauí e o Maranhão, onde os tons em vermelho e amarelo representam nuvens que são capazes de trazer grandes volumes em um curto período de tempo.

Clique na imagem e veja o satélite de todo o Brasil

Entre as 9h da manhã da terça-feira (24) e as 9h da quarta-feira (25) choveu um total de 42mm, no Farol das Preguiças-MA. No mesmo período choveu em São Luís um total de 41mm.

As instabilidades tendem a perder força ao longo dos próximos dias com o enfraquecimento da Zona de Convergência Intertropical. Com isso o sol volta a aparecer mais forte na quinta-feira (26) e na sexta-feira (27). Há o risco de pancadas de chuva rápidas de forma pontual. Não chove no norte da Bahia, Alagoas, Sergipe, Pernambuco e Paraíba.

No sábado (28) há previsão de muitas instabilidades e pancadas de chuva forte no Rio Grande do Norte e no Ceará, os volumes acumulados de chuva podem acarretar em alagamentos.


Quer saber mais sobre a Zona de Convergência Intertropical? Clique aqui e confira!

Frente fria e ZCIT provocam chuva forte no Nordeste
terça-feira, 24 de março de 2015

O Nordeste brasileiro sofre a influência de dois sistemas ao longo da quarta-feira (25). A chuva do norte nordestino se deve a presença da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) que traz muitas instabilidades e favorece a ocorrência de temporais sobre o norte do Maranhão, Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte, onde já choveu bastante desde o início de semana exatamente com a presença desde sistema.

Áreas do centro-sul da Bahia também terão o espalhamento de nuvens carregadas devido a chegada de uma frente fria que avançou do Espírito Santo, como pode ser visto nas imagens do satélite meteorológico na tarde de terça-feira (23).

Clique na imagem e veja o satélite para todo o Brasil

A Zona de Convergência Intertropical se forma com a confluência de ventos de Alísios de nordeste, que sopram do Hemisfério Norte, e dos Alísios de sudeste que sopram do Hemisfério Sul. Isso favorece a formação de grandes nuvens que são capazes de provocar temporal, uma vez que toda está área também tem o auxílio das altas temperaturas.

Exatamente por conta da presença de ambos os sistemas, ainda há a previsão de chuva forte na quarta-feira sobre áreas nordestinas. Na quinta-feira (26) a frente fria de afasta e a ZCIT começa a perder força. Ainda há a previsão de chuva, mas o sol já aparece com mais força.

O meteorologista César Soares comentou um pouco mais sobre a Zona de Convergência Intertropical no Climatempo News. Confira!

 

Por que poucas frentes frias conseguem chegar a Pernambuco?

Chuva forte no Nordeste
domingo, 22 de março de 2015

A atuação da Zona de Convergência Intertropical está favorecendo a formação de nuvens muito carregadas sobre o Nordeste neste fim de semana. A estação convencional do Instituto Nacional de meteorologia em João Pessoa (PB) registrou 89,0 mm de chuva entre as 09h da manhã do dia 21 de março e as 09h da manhã do dia 22 de março.Esse volume de chuva corresponde a aproximadamente 37% da média histórica para o mês de março, que é de 238,4 mm.

 

 

A foto a seguir foi enviada pelo internauta Washington Medeiros através do espaço “De Olho no Tempo” da lagoa que transbordou em João Pessoa devido as chuvas de ontem.

 

 

Na figura abaixo podemos conferir os acumulados de chuva registrados em algumas das estações meteorológicas do Inmet entre as 13h do dia 21 de março e as 12h do dia 22 de março.

 

 

Até quarta-feira a instabilidade persiste sobre a Região e novos temporais voltam a ocorrer no norte do Nordeste. No mapa a seguir é possível observar o acumulado de chuva previsto entre os dais 23 e 27 de março.

 

Nordeste com mais chuva no fim de semana
sexta-feira, 20 de março de 2015

Os temporais se espalharam pelo Nordeste do Brasil entre a quinta-feira (19) e a sexta-feira (20). Segundo informações das estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) volumes de chuva acima dos 100mm foram registrados. O fim de semana será marcado por mais chuva em diversas áreas nordestinas.

As imagens do satélite meteorológico mostram a presença de nuvens carregadas de chuva nos tons em azul e branco, estas nuvens são capazes de trazer grandes volumes acumulados que podem provocar alagamentos e inundações.

Clique na imagem e veja o satélite para todo o Brasil

Segundo o INMET, o acumulado de chuva entre 00h e 6h da sexta-feira chegou aos 58mm no Recife (PE). Em 12 horas choveu um total de 108mm em Grajaú (MA), sendo que 100mm ocorreram entre às 21h e 23h da quinta-feira (19). E em Caxias (MA) choveu 57mm em 6 horas.

Durante o fim de semana a tendência é de mais nuvens carregadas sobre o leste e norte nordestino. A circulação de umidade proveniente do mar se junta com instabilidades que vem do interior e podem provocar temporais. A chuva acontece a qualquer momento, mas com maior intensidade no período da tarde.

 

Neste fim de semana começa o outono, saiba como vai ficar o Nordeste na nova estação!

Como será o outono 2015 no Nordeste?
quinta-feira, 19 de março de 2015

Na maior parte do Brasil, o outono marca uma brusca diminuição da chuva. Os eventos de chuva vão ficando cada vez menos frequentes. No centro-sul, a chuva do outono depende muito da passagem das frentes frias. Mas no Nordeste, o outono ainda é época de chuva. Em anos normais, o começo da estação, em particular abril, é época de chuva volumosa no norte da Região, entre o Maranhão, o Rio Grande do Norte e a Paraíba. De meados para o fim do outono, começa o período chuvoso na costa leste do Nordeste.

Grande parte da chuva do Nordeste depende da atuação da Zona de Convergência Intertropical, que este ano está tendo uma atividade abaixo do normal, proporcionando menos chuva, por que as águas do oceano Atlântico entre o Amapá e o Rio Grande do Norte está com temperatura abaixo da média.

No outono temos as Ondas de Leste que trazem a chuva volumosa para a costa leste do Nordeste.

Como será o outono de 2015 no Nordeste diante das condições oceânicas e atmosféricas atuais e com a possibilidade da formação de um El Niño? Confira a análise do meteorologista Alexandre Nascimento.

O que vem por aí?
domingo, 15 de março de 2015

O verão termina oficialmente na sexta-feira, dia 20, às 19h45 no horário de Brasília. A última semana da estação será marcada por chuva frequente e de forte intensidade entre o Sudeste, Centro-Oeste e Norte. Já em parte do Sul e do Nordeste, o ar continua seco.

Região Norte

Áreas de instabilidade tropicais ainda favorecem a formação de muitas nuvens pelo Norte do País nessa semana. Modelos meteorológicos indicam chuva volumosa entre Pará e Amazonas, acumulando mais de 100 milímetros. Em Rondônia e no Acre, a chuva é menos volumosa, mas também é frequente. As regiões banhadas pelos rios Acre e Madeira ainda terão dificuldades em escoar a água dos rios.

Região Nordeste

Uma grande massa de ar seco vai continuar atuando na maior parte do Nordeste. A chuva fica concentrada no Maranhão, Piauí, Ceará e no oeste da Bahia. O calor segue intenso no interior da Bahia, de Pernambuco e no sertão entre Alagoas e Sergipe.

Região Centro-Oeste

A formação de grandes áreas de instabilidade sobre a Região, associadas a um cavado em níveis médios da atmosfera, mantem a nebulosidade predominando no Centro-Oeste nesta semana. A chuva fica concentrada entre Goiás e Mato Grosso, com volumes acumulados chegando a 100 milímetros em algumas áreas. Já Mato Grosso do Sul tem chuvas mais irregulares e mal distribuídas.

Região Sudeste

A mesma instabilidade que cresce no Centro-Oeste influencia o tempo também em parte do Sudeste (cavado em níveis médios da atmosfera). Nos próximos dias há previsão de chuvas constantes na maior parte do Estado de São Paulo, no sul do Rio de Janeiro, e no Sul e Triângulo Mineiros. Os volumes podem chegar perto de 100 milímetros em algumas áreas. Por outro lado, o Espírito Santo e o nordeste de Minas ainda tem predomínio de sol e calor, com pouca chuva.

Região Sul

O Rio Grande do Sul recebe pouca chuva nesta semana. Apenas as áreas do norte e nordeste gaúchos é que tem chuva mais regular, porém não volumosa. Já o centro-norte de Santa Catarina e do Paraná tem uma semana de tempo instável. O destaque vai para as regiões norte e leste paranaenses e Vale do Itajaí e litoral norte de Santa Catarina, onde áreas de instabilidade provocam chuva mais constante e com maiores acumulados.

Calor e pouca chuva no Nordeste
sábado, 14 de março de 2015

Uma grande massa de ar seco e quente está sobre a Região Nordeste e inibe a formação de nuvens carregadas em praticamente toda a Região. Este sistema vem garantindo dias ensolarados, de calor intenso e umidade muito baixa em municípios do oeste e do sertão da Bahia e também no sertão de Alagoas e Pernambuco. Durante a tarde de sábado a temperatura voltou a se aproximar de 40°C e a umidade caiu abaixo de 20% em Bom Jesus da Lapa (BA). A tonalidade mais escura na imagem de satélite do canal infravermelho, em destaque, indica as localidades onde há menos umidade no ar, ou seja, quanto mais marrom, mas seco. Para este domingo a previsão é de um dia de tempo aberto com sol forte e calor na maior parte das áreas. As pancadas de chuva ficam limitadas à pequenas áreas do litoral sul da Bahia, para a faixa leste entre Pernambuco e o Rio Grande do Norte, norte do Ceará, litoral e oeste do Piauí e o Maranhão. Nas demais localidades nordestinas o tempo continua seco.

 

Chuva aumenta norte da Região a partir de segunda-feira

A partir de segunda-feira, áreas de instabilidades associadas ao ar abafado e à proximidade da Zona de Convergência Intertropical voltam a se espalhar pelo norte da Região, aumentando a chuva no litoral entre o Rio Grande do Norte e do Maranhão. Há risco de chuva forte também nas capitais Fortaleza e São Luís. Com a intensificação destas instabilidades a umidade aumenta  e voltam a ocorrem pancadas de chuva também na faixa entre Alagoas e o Piauí, inclusive na capital Teresina. Na terça-feira o tempo segue instável com pancadas de chuva a qualquer hora e risco de temporais no Maranhão, no oeste e norte do Piauí e no norte do Ceará.

 

Um El Niño poderá se formar em 2015. Como fica o clima no Nordeste?

Confira a tendência da chuva sobre o Brasil para os próximos 15 dias

Será que finalmente teremos El Niño?
domingo, 8 de março de 2015

Desde setembro de 2014 temos observado que a anomalia de temperatura da superfície do mar está acima de meio grau positivo na região central do Pacífico Equatorial (região chamada de 3.4).

Essa condição indicaria a ocorrência do fenômeno El niño, se as condições atmosféricas também estivessem favoráveis. Isso porque o El Niño é um fenômeno acoplado entre oceano e atmosfera ENOS – El Niño-Oscilação Sul e, por isso, temos que também monitorar as condições atmosféricas na região do Pacífico Equatorial. Basicamente, é considerado que as condições atmosféricas estão favoráveis ao El Niño se há um enfraquecimento dos alísios (vento predominante de leste ao longo do cinturão equatorial) e aumento da chuva no Pacífico Central e Leste. Na realidade, as condições oceânicas favoráveis ao Niño forçam essas condições atmosféricas favoráveis ao mesmo fenômeno, que por sua vez forçam novamente o aquecimento do Pacífico Equatorial (é uma reação em cadeia que se retroalimenta – ou seja, o aquecimento anômalo do oceano estimula o enfraquecimento da circulação dos ventos de leste na região, que favorece com que as águas mais quentes avancem ainda mais sobre o Pacífico Central e Leste, enfraquecendo ainda mais a circulação dos ventos, etc).

O IOS (Índice de Oscilação Sul – a diferença entre a pressão atmosférica ao nível do mar de Tahiti e Darwin – figura abaixo) é o indicador dessas condições atmosféricas. Ele ainda está fraco, mas já começa a dar indício que estamos entrando em uma situação atmosférica favorável à formação oficial de El Niño, ou seja, enfraquecimento dos alísios. A chuva no Pacífico Central tem aumentado nas últimas semanas.

Daqui para frente, vamos ter de continuar monitorando se a pressão e precipitação em todo o Pacífico equatorial mantêm a coerência com condições de El Niño. Provavelmente, as condições oceânicas vão continuar coerentes com o fenômeno ao longo de 2015, como podemos verificar na figura abaixo que mostra a previsão de diversos centros meteorológicos espalhados pelo mundo. Em amarelo (linha mais grossa) a média dos modelos dinâmicos de previsão.

Em outras palavras, podemos finalmente sair da neutralidade ao longo deste ano de 2015 e passar às condições de um El Niño. Estamos em neutralidade desde o final do primeiro trimestre de 2012, quando a La Niña que predominava na época enfraqueceu.

Em geral, em anos de El Niño o que temos é chuva demais no Sul, de menos no Nordeste e no leste da Amazônia. No Sudeste e no Centro-Oeste o que nós temos como característica diz respeito apenas às temperaturas, que ficam mais altas do que a normalidade.

Muita chuva no litoral do Nordeste
sexta-feira, 6 de março de 2015

Temporal em Natal

Áreas de instabilidade voltaram a se intensificar pelo litoral do Nordeste espalhando nuvens carregadas que estão provocando chuva forte em vários locais.

Uma das regiões onde a chuva está mais volumosa é no leste do Rio Grande do Norte, atingindo também a capital, Natal. A quantidade de chuva que já caiu sobre a cidade é muito elevada. Segundo medições do Instituto Nacional de Meteorologia foram acumuladas 84,6 mm entre 3 horas da madrugada e 11 horas da manhã desta sexta-feira. A média de chuva para março é de aproximadamente 190 mm. Em outros locais da cidade, o Cemaden (centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais) registrou volumes entre 56 mm e 85 mm no período entre 5 e 11 horas.

Chuva forte também na Paraíba e em Pernambuco

As áreas de instabilidade que estão espalhadas pelo litoral do Nordeste provocam chuva forte também em outros locais. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou ainda 56 mm na região de Calcanhar (RN), entre 3 horas e 11 horas. Em Recife, choveu 65,3 mm entre 9 horas de quinta e 9 horas desta sexta-feira.

Na Paraíba, também entre 9 horas de quinta e 9 horas desta sexta-feira, o Inmet registrou 57,8 mm em Campina Grande, 48,6 mm em Camaratuba e 45,8 mm sobre a capital João Pessoa.

Em Alagoas, a região de Arapiraca acumulou 64,4 mm

Chuva enfraquece no fim de semana

Estas áreas de instabilidade continuam muito ativas nesta sexta-feira e provocam mais chuva até a noite. Há risco de chuvas fortes e volumosas no litoral na zona da mata e agreste de todo o Nordeste.

No fim de semana, as áreas de instabilidade devem enfraquecer, mas as pancadas de chuva ainda vão ocorrer.

 

Chuava forte em Natal Fonte: Cemaden

 

 

Nordeste pode esperar por ais chuva em março?