Posts com a Tag ‘santa catarina’

+ aumentar e diminuir fonte -
Cinzas do Calbuco chegam ao sul de SP
sábado, 25 de abril de 2015

Atualizado às 17h06 de 25/04/2015

Neste sábado, as cinzas do vulcão chileno Calbuco chegaram até o sul do Estado de São Paulo. Já durante a madrugada passaram por cima do Rio Grande do Sul e no fim da tarde estavam espalhadas sobre Santa Catarina e parte do Paraná, e chegaram também ao sul do Estado de São Paulo.

Nas  imagens de satélite do Eumetsat é possível ver a pluma de cinzas em tons rosados (imagem das 16h00, horário de Brasília).

 

Na região Sul do Brasil, as cinzas vulcânicas não chegaram a provocar redução de visibilidade nem cancelamento de voos nacionais. A pluma está bem alta na atmosfera e passa como se fosse uma camada de nuvens do tipo “cirrus”, aquelas nuvens finas que deixam o céu esbranquiçado. Porém, com a fuligem, o céu ficou com um tom acinzentado.

 

Porto Belo, SC. Foto tirada por Maria Angelica Fischer

Florianópolis. Foto de Leandro Puchalski, do Grupo RBS.

 

As cinzas estão sendo transportadas entre níveis médios e altos da atmosfera, aproximadamente entre 06 e 10 km de altura. Nesses níveis os ventos são mais intensos e continuam transportando a pluma em direção ao oceano Atlântico. Neste domingo essa pluma já deve estar afastada do Brasil.

 

Veja também:

Como as cinzas vulcânicas chegaram ao Brasil?

Saiba um pouco sobre modelos de dispersão da pluma vulcânica

Relembre notícias sobre o vulcão Puyehue que também trouxe cinzas vulcânicas para o Brasil

Cinzas do Puyehue chegam a Austrália

Vôos cancelados por causa das cinzas do Puyehue

Cinzas do Puyehue chegam ao Rio Grande do Sul

Cinzas do Puyehue sobre Buenos Aires e Montevideo

 

Xanxerê (SC) termina a semana com sol
quarta-feira, 22 de abril de 2015

Dois dias após a ocorrência do tornado na região de Xanxerê e de Ponte Serrada, no oeste de Santa Catarina, a maioria das áreas do Sul do Brasil ainda está muito úmida.

Uma massa de ar polar, representada pela mancha azul no litoral da Região Sul, se desloca sobre o mar e seus ventos marítimos sopram constantes sobre o Sul espalhando o ar úmido. A maior carga de umidade fica concentrada sobre as regiões próximas do litoral.

 

A região de Xanxerê e de Ponte Serrada recebem o ar seco que vem do norte da Argentina e também o ar úmido marítimo, mas que chega enfraquecido sobre a região.

Esse choque de massas de ar vai favorecer a formação de algumas nuvens no decorrer desta quinta-feira que podem provocar pancadas de chuva com raios à tarde e em parte da noite. Mas não há condições para a formação de uma tempestade como a de segunda-feira, quando houve o tornado.

Semana termina com sol

Entre a sexta-feira e o domingo, o ar fica mais seco sobre o oeste de Santa Catarina, o que vai diminuir a nebulosidade e as condições para chuva. Até o fim de abril, pouca chuva ocorre sobre o oeste catarinense.

A população deve ficar atenta para as condições do tempo dos primeiros dias de maio, quando outra frente fria forte deve passar sobre o Sul, com grande potencial para tempestades.

Frio intenso à vista

Esta frente fria vai trazer uma massa polar forte que vai fazer a temperatura cair muito na região de Xanxerê e em todo o oeste catarinense. A previsão inicial é de que a temperatura fica abaixo de 10°C no primeiro fim de semana de maio.

Veja a análise da meteorologista Josélia Pegorim

 

Confira como vai ficar a chuva no Brasil nos próximos 15 dias

Tornados no oeste de Santa Catarina
terça-feira, 21 de abril de 2015

Atualizado em 21/04/2015 às 16h35

Foi confirmada pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) a ocorrência de um tornado na cidade de Xanxerê no oeste Catarinense. Há a possibilidade do estado de calamidade pública ser decretado.

Estimativas da destruição indicam que o sistema poderia ser classificado como um EF2 ou EF3 na escala Fujita melhorada. As estimativas com base nas destruições indicam que o vento possa ter alcançado os 200 km/h.

Segundo mais informações do INMET, um outro tornado pode ter causado a destruição na cidade de Ponto Serrada também no oeste de Santa Catarina. Neste caso os ventos estimados são de 150 km/h o que o classificaria como um EF1. O fenômeno também causou destruição.

Na tarde de segunda-feira (20) um forte temporal atingiu o oeste catarinense. As fortes rajadas de vento e chuva presentes na região de Xanxerê/SC que causaram destruição levantam a possibilidade da ocorrência de um tornado.

Segundo informações da defesa civil, dados atualizados na manhã da terça-feira, pelo menos dois mortos já foram confirmados e várias pessoas ficaram feridas com a destruição de telhados e casas decorrentes do fenômeno meteorológico. Cerca de 2600 residências foram totalmente destruídas. 5 torres de energia foram arrancadas do solo provocando falta de energia elétrica em 8 bairros, pelo menos 200 mil residências estão sem energia.

Foto: Divulgação Secretaria de Estado da Defesa Civil de Santa Catarina

As imagens do satélite meteorológico mostram a presença de grandes núcleos de chuva nos tons em vermelho. Essa coloração representa nuvens com grandes topos que são capazes de gerar as chamadas super células.

Clique na imagem e veja o satélite para todo o Brasil

As imagens do radar meteorológico de Teixeira Soares (SIMEPAR) mostra na imagem das 15h30 (horário de Brasília) um núcleo de temporal forte e uma assinatura que se aproxima muito de uma vírgula. Este tipo de assinatura nas imagens dos radares meteorológicos podem estar associadas à presença de tornados.

Moradores da região filmaram e fotografaram a nebulosidade que aparenta ser um funil, aumentando ainda mais as chances do fenômeno em questão ser mesmo um tornado.

Os tornados se formam em situações de choques de massas de ar muito diferentes, exatamente por esse motivo as áreas do oeste catarinense estão sujeitas à formação deste tipo de fenômeno. As correntes de vento em superfície eram responsáveis por um transporte de massa de ar mais úmida e um pouco mais fria vinda de sul, mas também é possível ver a presença de uma forte corrente de vento vinda de norte que é mais seca e quente.

Chance de temporal diminui sobre o oeste de Santa Catarina

O ar seco vai ganhar força sobre o oeste de Santa Catarina a partir da quarta-feira (22). O sol vai brilhar forte e a temperatura tende a subir, não há a presença de umidade no ar o suficiente para provocar mais pancadas de chuva ou novos temporais.

Essa condição deve se manter até o sábado (25) quando o ar seco também ganha força sobre áreas gaúchas e paranaenses.

O meteorologista César Soares também comentou a ocorrência do fenômeno no Climatempo News.

Veja também: Brasil também é terra de tornados

Quer saber mais? Veja como se formam os tornados no Explicando o Tempo!

Região Sul terá mais temporais
segunda-feira, 20 de abril de 2015

Fortes áreas de instabilidade avançaram pelo oeste gaúcho e provocam temporais em diversas cidades. Os volumes acumulados de chuva se elevam, em São Luíz Gonzaga choveu em apenas duas horas um total de 88mm segundo informações da estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET).

Nas imagens do satélite meteorológico entre a madrugada e a manhã de segunda-feira (20) é possível ver a chegada de grandes nuvens de temporal que são capazes de provocar alagamentos nos tons em vermelho.

Clique na imagem e acompanhe o satélite para todo o Brasil

As demais áreas do Sul do país também tem o risco de temporais ao longo da segunda-feira (20). A presença de um sistema de baixa pressão atmosférica na costa catarinense vai fazer com que as instabilidades se organizem e se espalhem pelo centro-sul do Paraná, Estado de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, onde pode chover a qualquer momento.

 

Mais chuva e mais frio para o Sul

A semana será marcada por grandes mudanças nas condições do tempo para a Região Sul do Brasil. As instabilidades ainda vão provocar chuva entre a terça-feira (21) e a quarta-feira (22), mas já há um enfraquecimento da chuva especialmente sobre o centro-sul gaúcho. O ar polar vai começar a entrar com uma facilidade maior e fazer com que a temperatura caia nesta área.

Mas a chegada de uma nova frente fria ainda nesta semana promete trazer mais chuva para Santa Catarina e Paraná ainda na quarta-feira.

Fim de semana com muita chuva no Sul
sexta-feira, 17 de abril de 2015

O fim de semana é de alerta para Sul do Brasil por causa de chuva forte e ventos fortes. Uma frente fria avança sobre Paraguai e sobre a Região Sul espalhando nuvens muito carregadas, com potencial para temporais.

No centro-sul gaúcho a chance de chuva é baixa devido a entrada de ar seco polar. A nebulosidade tende a diminuir a faz um pouco de frio.

Atenção com o mar agitado!

A chuva não vai dar trégua no Sul durante o fim de semana prolongado pelo feriado de Tiradentes. A frente fria que avança sobre a Região neste sábado segue para o Sueste no domingo, mas oura frente fria já está sendo esperada para segunda-feira e que também deve provocar chuva forte.

Confira a previsão para a Região Sul.

A população deve se preparar para a forte e prolongada queda da temperatura logo após o feriado.

 

Confira também a análise de chuva para o Brasil para 15 dias

Temporais no Rio Grande do Sul
sexta-feira, 17 de abril de 2015

Frente fria avança pelo Sul e organiza instabilidades sobre a Fronteira Oeste Gaúcha, oeste de Santa Catarina e do Paraná. Nuvens carregadas provocam temporais e os acumulados de chuva podem acarretar em alagamentos e inundações.

Nas imagens do satélite meteorológico é possível ver a chegada das nuvens carregadas pelo oeste e a presença de nuvens grandes nas áreas em vermelhas.

Clique na imagem e acompanhe as imagens de satélite para todo o Brasil

Durante a sexta-feira (17) as instabilidades se espalham e há o risco de temporais em toda a Região Sul. A chuva vem acompanhada de raios e as rajadas de vento podem se intensificar.

Feriado prolongado terá uma nova frente fria

A frente fria que passa pelo Sul no sábado (18) vai provocar temporais em diversas áreas da Região. Mas já no domingo (19) a tendência é de enfraquecimento das nuvens carregadas e até mesmo um pouco de ar polar nas áreas de fronteira com o Uruguai e a Argentina a ponto de trazer um pouco de frio.

Ainda durante o feriado prolongado, mais precisamente na terça-feria (21) uma nova frente fria avança pelo Sul, mas a chuva já ocorre na segunda-feira (20) com risco de temporais, alagamentos e inundações principalmente sobre o Estado gaúcho. A nebulosidade ganha força e a tendência é de chuva a qualquer momento.

Semana termina com tempestades no Sul
quinta-feira, 16 de abril de 2015

Quinta-feira (16) começou com mais sol na Região Sul do Brasil. A temperatura vai subir em todas as áreas, e o predomínio do ar seco vai impedir a presença de chuva na maior parte da Região.

Pelas imagens do satélite meteorológico é possível ver o predomínio de um ar mais seco principalmente sobre as áreas do oeste. Já nas áreas do leste ainda há a presença de um ar mais úmido que pode acarretar em pancadas de chuva.

Clique na imagem e veja o satélite para todo o Brasil

A circulação de umidade vinda do oceano pode provocar pancadas de chuva no leste de Santa Catarina, litoral norte gaúcho, leste e norte do Paraná. Há o risco de chuva forte devido o aquecimento da atmosfera durante o dia.

 

Temporais e frente fria para os próximos dias

Mas os dias de sol para a maior parte da Região Sul já estão contados. Isso porque na sexta-feira (17) uma frente fria se aproxima e vai trazer temporais principalmente para a Fronteira Oeste Gaúcha, Noroeste do Rio Grande do Sul, oeste de Santa Catarina e do Paraná. Nas demais áreas também há o risco de chuva forte, mas principalmente a partir do período da tarde quando as áreas de instabilidade conseguem avançar do oeste.

O risco de chuva ainda estará presente no fim de semana, somente em áreas gaúchas que o sol já vai brilhar forte e não deve chover no domingo (19).

Dias de muita chuva para o Sul do Brasil
terça-feira, 14 de abril de 2015

A falta de chuva em grande parte do Sul do Brasil vem comprometendo o desenvolvimento da agricultura em algumas áreas. Alguns rios em Santa Catarina estão em estado de alerta por causa da estiagem.

 

Áreas de instabilidade que já estão sobre a Região são reforçadas pela chegada de uma frente fria nesta quarta-feira. Mas este sistema se afasta rápido do Sul. A grande expectativa de chuva está em uma segunda frente fria que começa a influenciar o Sul na sexta-feira, 17 de abril. Esta frente fria deve ficar bloqueada sobre a Região até o dia 20. Muitas áreas de instabilidade vão passar sobre o Sul, com forte intensidade.

A previsão para os próximos dias é de muita chuva para os Estados do Sul e que poderá aliviar os problemas de estiagem, mas ao mesmo tempo causar outros pelo excesso de chuva.

A meteorologista Josélia Pegorim comenta sobre a chuva e sobre o frio que vem no fim de semana prolongado pelo feriado de Tiradentes.

 

 

Frio à vista para o feriadão

 

Volta a chover no Sul do Brasil
segunda-feira, 13 de abril de 2015

Muitas áreas no Sul do Brasil estão precisando de chuva. A chuva de março e de fevereiro ficou abaixo da média em grande parte da Região.

As condições para chuva começam a aumentar nesta terça-feira com a chegada de uma nova frente fria ao sul do Rio Grande do Sul e com  expansão de áreas instabilidade sobre o norte de Argentina e o Paraguai. Os dois sistemas ajudam a espalhar nuvens de chuva sobre várias regiões do Sul, mas as pancadas de chuva nesta terça-feira não vão ocorrer em todas as áreas.

A terça-feira promete calor  e pancadas de chuva à tarde e à noite em áreas dos três estados. Pode chover com moderada intensidade e com raios. Veja o mapa da previsão.

A nova frente fria avança para o litoral de Santa Catarina até a quinta-feira, mas é um sistema fraco, com pouca instabilidade. Uma segunda frente fria deve entrar forte no Sul no fim da semana.

Confira comentário da meteorologista Josélia Pegorim.

 

Santa Catarina tem rios em alerta de estiagem

Órgãos de monitoramento ambiental e meteorológico de Santa Catarina monitoram o nível de rios no estado que estão muito abaixo da média. Alguns rios estão e situação de alerta e atenção para a estiagem. Segundo o boletim de monitoramento hidrológico elaborado em conjunto pela ANA e Epagri/Ciram, o quadro é de alerta na região de Saltinho em Alfredo Wagner, José Boiteux e Tangará. Na região de Chapadão do Lageado, Orleans – Montante, Joaçaba, e São João Batista, a situação é de atenção para estiagem.

 

Trigo no PR precisa de chuva, mas RS quer sol para a colheita de soja

Produtores de trigo no sul do Paraná estão querendo chuva para garantir a germinação e crescimento inicial. Já em Cachoeira do Sul, no Rio Grande do Sul, os produtores querem temo seco para a colheita da soja.

Confira o boletim agrícola com Lívia Fernanda

Mar se agita na Região Sul
domingo, 12 de abril de 2015

Ao longo da semana, dois Ciclones Extratropicais em alto mar vão formar uma pista de ventos no oceano e provocar agitação marítima na costa da Região Sul.

O primeiro Ciclone Extratropical provoca agitação no mar a partir da noite de segunda-feira na costa do Rio Grande do Sul com ondas de até 2 metros até a manhã da terça-feira. Como mostra a figura abaixo do dia 14 de abril às 9h, horário de Brasília.

 

No Estado de Santa Catarina, o mar também sobe e as ondas chegam à no máximo 2 metros na costa do sul e do leste entre a noite da terça-feira e a manhã da quarta-feira. Como mostra a figura abaixo do dia 14 de abril às 21h, horário de Brasília.

 

Mas no final da semana, um segundo Ciclone Extratropical com maior intensidade forma uma segunda pista de ventos mais intensa e o mar fica bastante agitado, com risco de ressaca na costa do Rio Grande do sul e de Santa Catarina.

No Rio Grande do Sul, o mar começa a se agitar novamente durante a sexta-feira e as ondas alcançam os 2,5 metros durante o sábado, com picos de 3 metros e risco de ressaca em toda a costa. Como mostra a figura abaixo do dia 18 de abril às 9h, horário de Brasília.

á

Em Santa Catarina, o mar começa a se agitar novamente entra a sexta-feira e o sábado, e as ondas chegam à também 2,5 metros no sábado, com picos de 3 metros e risco de ressaca na costa sul. Como mostra a figura abaixo do dia 14 de abril às 15h, horário de Brasília.