Posts com a Tag ‘santa catarina’

+ aumentar e diminuir fonte -
RS e SC tem trégua na chuva
domingo, 19 de outubro de 2014

Uma frente fria se afasta rapidamente e uma nova massa de ar seco polar avança sobre o Sul do Brasil, afastando as nuvens pesadas de SC e do RS nesta segunda-feira (20). Pela manhã ainda pode chuviscar no norte gaúcho e em muitas localidades catarinenses, mas já durante a tarde o sol aparece entre nuvens e o tempo volta a ficar firme. As demais localidades gaúchas já amanhecem com predomínio de sol, apenas com um pouco de névoa. Esta massa seca traz um pouco de frio para a Região e a temperatura fica bem amena, apesar do retorno do sol. Faz frio pela manhã, principalmente na fronteira com o Uruguai. À noite a temperatura cai um pouco mais e a madrugada de terça-feira deve amanhecer fria em quase todo o RS e em muitas áreas de SC, porém sem risco de geada. Há condições para a formação de nevoeiro no começo das manhãs. Esta massa seca vai garantir mais uma dias ensolarados nos dois Estados e abre o tempo também no PR a partir de terça. Somente a partir da tarde de sexta-feira é que voltam a ocorrer algumas pancadas de chuva entre o oeste do RS e o norte do PR por conta do aquecimento e da umidade vinda do interior do continente.

Fim de semana com temporais no Sul
sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Os temporais desta semana no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina causaram grandes danos por causa da chuva intensa, granizo e ventania. As rajadas de vento nesta sexta-feira alcançaram 92 km/h em Passo Fundo (RS) e em Major Vieira (SC).

 

Raios durante uma tempestade em Imbituba, sul de Santa Catarina, em 16 de outubro de 2014. Foto de SergioFilho

Em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, o granizo formou uma grossa camada de gelo pelas ruas. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 80,1 mm de chuva entre 9 horas de 16 de outubro e 9 horas de 17 de outubro. Foi o segundo maior volume de chuva acumulado em 24 horas deste ano. O total de chuva em outubro subiu para 139 mm e superou em 22% a média mensal, que é de 114 mm.

 

A população dos três estados da Região Sul do Brasil deve se preparar para enfrentar uma fim de semana de temporais. O ar muito quente que está por quase todo o Brasil entra choque com o ar polar de uma frente fria que avança pelo litoral da Região Sul. Este choque térmico e uma circulação de ventos especial nos níveis mais elevados da atmosfera vão gerar muitas nuvens carregadas com potencial para temporais.

No sábado, a chuva intensa ocorre principalmente sobre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, mas no domingo o Paraná também vai sentir o aumento da Instituto Nacional de Meteorologia.

A temperatura começa a baixar durante o domingo. Nesta sexta-feira, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 40,1°C em Marechal Cândido Rondon, o oeste do Paraná.

Quando a onda de calor termina?

Grandes volumes de chuva no centro-leste de SC
terça-feira, 14 de outubro de 2014

As fortes áreas de instabilidade que avançaram do norte e serra do Rio Grande do Sul para o sul e leste de Santa Catarina provocaram diversos transtornos. A cidade de Lages teve problemas sérios com o granizo que destruiu carros e telhados. Segundo informações das agências de notícias, o governo da cidade decretou estado de calamidade pública por conta dos temporais.

A imagem do radar meteorológico mostra a presença de chuva muito forte nas proximidades de Lages. A área em rosa significa temporais, note que há um ponto branco no centro da área em rosa, que indica uma condição de tempo ainda mais severo.

Imagem do radar meteorológico do Morro da Igreja-SC às 15h35 do dia 13/10/2014

Os volumes de chuva também foram bastante elevados, na tabela abaixo confira os maiores volumes acumulados entre às 9h da manhã da segunda-feira (13) e da terça-feira (14).

Devo esperar mais temporais hoje?

Depois de um dia com tempo tão severo, esta é a pergunta que as pessoas costumam se fazer.”Será que hoje vem granizada de novo?”. O granizo e os temporais de segunda-feira (13), vieram por conta de um choque de massas de ar de propriedades tem diferentes. A massa de ar que estaca sobre Estado de Santa Catarina era quente e seca, bem diferente das áreas de instabilidade que vinham do Rio Grande do Sul que eram um pouco mais frias e muito mais úmidas. Essa condição favorece a formação de nuvens do tipo Cumulominbus (Cb) que são as responsáveis pelos temporais.

Nesta terça-feira (14) o ar segue bastante úmido o que favorece a formação de novas áreas de instabilidade e chuva, mas o sol não aparece tanto, dessa forma as nuvens não devem crescer tanto. Não está descartada a ocorrência de chuva forte, mas não devemos ter uma condição de tempo tão severo quanto a observada na segunda-feira.

Mais chuva ao longo desta semana

O bloqueio atmosférico que impede o avança de frentes frias para o Sudeste, vai favorecer a condição de chuva para a Região Sul. Ao longo da semana novas frentes frias se formam e a partir da quinta-feira (16) a condição de chuva será generalizada sobre os Estados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, são esperados grandes volumes de chuva nestes dois estados. Há o risco de novos temporais, acompanhado de granizo.

As áreas de chuva se reforçam no sábado (18) e a condição de chuva se mantém pelo domingo (19) incluindo desta vez o Estado do Paraná.

No mapa de acumulado de chuva para os próximos 5 dias é possível verificar os volumes de chuva previstos. As áreas em verde no centro do Rio Grande do Sul representam volumes que superam os 200mm. No centro-leste de Santa Catarina os volumes chegam aos 50mm no mesmo período.

Grandes nuvens provocam chuva forte no norte do RS
segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Áreas de instabilidade avançam pelo pelo sul e provocam pancadas de chuva principalmente sobre os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Como pode ser visto nos tons em azul e roxo sobre o sul de Santa Catarina, o norte e serra gaúcha.

Na imagem do satélite a nebulosidade possui topos bastante elevados, tais nuvens são capazes de provocar temporais.

As imagens do radar meteorológico do Morro da Igreja-SC seguem a mesma linha e mostram nuvens carregadas que são capazes de provocar chuva com intensidade forte. As áreas em vermelho escuro indicam chuva mais forte que vem acompanhada de raios. Há o risco de granizo.

Mais chuva para os próximos 15 dias

A passagem frequente de frentes frias pela Região Sul que não conseguem avançar para o Sudeste devido a presença de um bloqueio atmosférico, fará com que os volumes de chuva subam bastante ao longo dos próximos 15 dias principalmente sobre o Rio Grande do Sul. sul de Santa Catarina onde os volumes podem superar os 200mm acumulado no período. Isso pode ser visto no mapa de previsão de chuva para os próximos 15 dias nos tons em verde escuro.

Essa semana será marcada novamente pela chuva no Região Sul do Brasil. Áreas de instabilidade ainda se formam e provocam pancadas de chuva localizadas. Mas na quinta-feira (16) a passagem de uma frente fria irá trazer mais nebulosidade e nuvens ainda maiores para a Rio Grande do Sul e provocará temporais. Essa condição agrava os problemas com a cheia do Rio Uruguai que atingiu níveis bastante altos pela segunda vez em menos de 6 meses. Há o risco de alagamentos e extravasamentos de rios.

Temperaturas continuam baixas no Sul
sexta-feira, 3 de outubro de 2014

O ar polar segue sobre a Região Sul do Brasil e os registros de temperatura ainda estão baixos. As estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia registrou temperaturas mínimas abaixo dos 10°C em algumas cidades.

As imagens do satélite meteorológico mostram também a formação de poucas nuvens sobre a Região. As áreas que possuem mais nebulosidade são o Paraná, Campanha e sul gaúcho. O tempo aberto também favorece a queda de temperatura. A sensação de frio é ainda mais intensa, por conta dos ventos que ainda sopram um pouco mais fortes.

Frio segue no fim de semana

O ar polar ainda age sobre a Região Sul durante o fim de semana. No sábado as temperaturas seguem mais baixas, tanto pelos ventos de sul quanto pelo tempo mais firme que favorece a rápida perda do calor acumulado ao longo do dia pela atmosfera. Somente a faixa leste catarinense que tem o risco de garoa pela manhã. A nebulosidade é um pouco mais densa sobre o leste do Paraná e Grande Curitiba.

Tempo para o domingo de eleições

O ar seco de origem polar ainda predomina sobre a Região Sul durante o domingo de eleições. O eleitor terá de se preocupar em sair de casa com agasalho por conta da sensação de frio. Somente na Campanha, Fronteira Oeste e Noroeste Gaúcho que os eleitores terão de se preocupar com a chuva caso escolham o período da tarde para se deslocarem até o colégio eleitoral.

Região Sul: frio depois dos temporais
quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Após diversos dias com chuvas torrenciais sobre a Região Sul do Brasil, particularmente sobre o oeste, as áreas de instabilidade de afastam e a chuva já começa a enfraquecer. Os ventos mudaram de direção e estão trazendo um ar de origem polar, desta forma a chuva vai embora, mas vem o frio.

Chuva volumosa no Sul e alagamentos em Santa Catarina

A chuva veio com forte intensidade e durou vários dias pela Região Sul do Brasil. Essa condição favoreceu o aumento do volume de água em rios e reservatórios, e acabou provocando alagamentos e extravasamentos. No município de Santo Cristo, em Santa Catarina, um ônibus foi arrastado pela água no Rio Amandaú. O motorista, o cobrador e uma passageira passaram 4 horas de tensão na última terça-feira (30), mas foram resgatados.

Aloísio João Reis/ Prefeitura Municipal de Santo Cristo

O volume de chuva acumulado em diversas cidades chegaram a superar os 400mm em algumas áreas do oeste da Região Sul.Os tons em verde indicam chuva com até 500mm acumulado no mês.

Volume de chuva acumulado no mês de setembro segundo o INMET

A chuva volumosa observada foi superior à média climatológica para o mês de setembro em diversas áreas. No mapa de anomalia, os tons em azul indicam chuva com até 200mm acima da média normal para o mês. Áreas como o Vale do Itajaí em Santa Catarina, sul do Paraná e litoral sul do Rio Grande do Sul ainda tiveram chuva abaixo da média.

Chuva vai embora e o frio chega

As áreas de instabilidade perdem intensidade e a chuva enfraquece ao longo dos próximos dias. Somente as áreas do Vale do Itajaí e leste do Paraná ainda tem o risco de chuva fraca até a sexta-feira. O ar seco já começa a predominar na maior parte da região e prejudica a formação de nebulosidade. Os ventos de sul trazer o ar de origem polar e a temperatura fica baixa até o fim da semana.

Chuva enfraquece no Sul
quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Fortes áreas de instabilidade provocaram grandes volumes de chuva desde o início da semana na Região Sul. Os grandes volumes de chuva acumulados acarretaram em diversos transtornos como alagamentos e transbordamentos de rios principalmente sobre as cidades do oeste.

Acumulado de chuva entre as 11h do dia 30/09 e as 11h do dia 01/10

A frente fria já se distanciou da Região Sul, mas ao longo desta quarta-feira (01) novas áreas de instabilidade se espalham e provocam pancadas de chuva principalmente sobre o Paraná.

Chuva enfraquece ao longo da semana

Após diversos dias com chuva, as áreas de instabilidade se enfraquecem sobre a Região Sul a partir da quinta-feira (02). Somente o leste de Santa Catarina e do Paraná devem ter a presença de chuva fraca e chuviscos ao longo do dia. Nas demais áreas o ar mais seco já começa a atuar e deixa o tempo mais firme, mesmo com o desenvolvimento de algumas nuvens não há condições para chuva.

Tempo firme e temperatura amena no domingo de eleições

O ar seco vai ganhando força ao longo dos próximos dias. E impedindo a formação de nuvens. Não há a previsão de chuva em toda a Região. O sol aparece, mas os ventos de sul não vão deixar a temperatura subir tanto.

Mais de 70 mm no Oeste de SC
domingo, 28 de setembro de 2014

Hoje foi mais um dia marcado por chuvas fortes no Sul do Brasil. Entre o período da manhã e o fim da tarde deste domingo foram acumulados, segundo o Inmet, 72 mm em Novo Horizonte e 78 mm em Dionísio Cerqueira, cidades que ficam no Oeste catarinense.

Sul: chuva diminui no RS e ainda é forte em SC e no PR
quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Atualizado às 10h35 do dia 26 de setembro de 2014

Áreas de instabilidade continuam ativas sobre o Sul do Brasil nesta sexta-feira e são reforçadas por uma frente fria que já está no litoral do Paraná. É justamente sobre este estado que as nuvens estão mais carregadas e onde a chuva cai  mais forte. Em Nova Tebas, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 106 mm de chuva entre 9h de ontem e 9 horas de hoje.

Ao longo desta sexta-feira, vai chover mais sobre o Paraná e também sobre Santa Catarina. O risco de chuva forte é alto, e também de raios e ventania. As rajadas podem passar dos 80 km/h. Sobre o Rio Grande do Sul, ainda chove de forma moderada no norte do estado, na divisa com Santa Catarina.

 

 

As imagens de satélite da tarde da quinta-feira já mostravam o rápido desenvolvimento de vários aglomerados de nuvens muito carregadas sobre os três estados.

 

Estas áreas de instabilidade vão continuar crescendo e se espalhando sobre o Sul do Brasil na noite desta quinta-feira e também na madrugada e manhã da sexta-feira, provocando tempestades. A situação é de alerta, pois há risco de chuva realmente intensa, capaz de provocar alagamentos repentinos, granizo e ventania. Várias As rajadas de vento poderão superar 80 km/h.

As áreas com chuva forte avançam do oeste para leste. Na imagem do radar meteorológico de Santiago, operado pela aeronáutica, as manchas em vermelho intenso e em rosa indicam sinas de tempestade, até com granizo.

 

 

Frente fria reforça instabilidade

Uma nova frente fria avança pelo litoral da Região Sul nesta sexta-feira e reforça as áreas de instabilidade que crescem sobre a Região, aumentando o potencial para chuva. A passagem desta frente fria causou tempestade de granizo e chuva torrencial sobre parte da Grande Buenos Aires e do Uruguai. Ventos quentes e úmidos vindos do Norte do Brasil ajudam a aumentar o potencial para temporais.

 

 

Uma outra frente fria deve passar pelo Sul do Brasil entre o domingo e a segunda-feira ajudando a formar mais nuvens pesadas, que vão provocar mais chuva. A chuva mais volumosa deve ocorrer sobre o Paraná e Santa Catarina.

 

Leia também:

Tempestades sobre o Paraná

Bloqueio atmosférico mantém chuva no Sul

 

 

Chuva volumosa para SC, PR, SP e MS
quarta-feira, 24 de setembro de 2014

A primeira frente fria da primavera trouxe temporais para os três estados do Sul e também para algumas regiões de São Paulo e de Mato Grosso do Sul. A chuva forte com ventania começou na noite de terça-feira pelo Rio Grande do Sul. Na madrugada desta quarta-feira, 24, nuvens carregadas avançaram sobre Santa Catarina e Paraná e no fim da manhã já estavam provocando temporais em Mato Grosso do Sul e em São Paulo.

Entre 19h do dia 23 e 19h de 24 de setembro, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 62,8 mm em Sete Quedas, sul de Mato Grosso do Sul, 52,8 mm em Dionísio Cerqueira, oeste de Santa Catarina, 52,4 mm em Marechal Cândido Rondon, oeste do Paraná, 51 mm em Planalto e 50,4 mm em Foz do Iguaçu, as duas cidades no sudoeste do Paraná. Em São Paulo, o maior volume de chuva acumulado neste período, onde o Inmet tem instrumento de medida, foi em Rancharia, com 30,6 mm.

Foto do destaque: chuva forte avançando sobre o rio Paraná vista de Pauliceia, São Paulo, na divisa com o Mato Grosso do Sul, fotografada em 19 novembro de 2013, por Tsutomu Machino

Mais chuva

As imagens de satélite mostram que muitas nuvens carregadas ainda estão crescendo entre o Mato Grosso do Sul, São Paulo e Santa Catarina. As pancadas de chuva vão continuar nesta quarta-feira e ainda por vários dias. Até a segunda-feira pode-se esperar por vários temporais em diversas áreas destes estados.

O mapa mostra o volume de chuva estimado até o dia 29 de setembro. Os tons de verde brilhante e indicam mais de 100 mm acumulado no período. O verde escuro indica mais de 200 mm.

A frente fria que iniciou esta nova onda de temporais chegou ao litoral paulista e se afasta para alto-mar. Há um bloqueio na atmosfera que vai forçar a formação de mais áreas de instabilidade entre Mato Grosso do Sul, São Paulo e Santa Catarina. A meteorologista Josélia Pegorim explica esta situação.