Posts com a Tag ‘São Francisco do Sul’

+ aumentar e diminuir fonte -
Fumaça diminui no litoral do PR e de SC
quinta-feira, 26 de setembro de 2013

As imagens de satélite abaixo foram capturadas pelo satélite Terra, operado pela NASA, dos Estados Unidos. São imagens em alta resolução, em falsa cor, a 250 metros de altura.

A pluma de fumaça de nitrato de amônia que foi expelida do depósito de fertilizantes em São Francisco de Sul, no litoral norte de Santa Catarina, aparece em cor azulada. Note que na imagem 1, do dia 25 de setembro de 2013, a pluma é mais visível e densa, e já havia avançado pelo litoral do Paraná. Na imagem 2, a pluma já não está tão visível, o que indica uma dissipação.

Satélite vê fumaça em S. Francisco do Sul (SC)
quarta-feira, 25 de setembro de 2013

A explosão de um depósito de fertilizantes em São Francisco do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, expeliu uma pluma de fumaça tão grande e densa que pode ser captada por satélites.

A imagens são do satélite Aqua-Modis, operado pela NASA, dos Estados Unidos. Veja a pluma no canto superior direito da imagem. A pluma se espalhava pelo mar, na borda do litoral, até a baía de Paranaguá, no litoral do Paraná.

Veja a imagem em alta resolução:

A preocupação com a direção dos ventos é importante, pois é o vento que transporta a pluma de fumaça de um lugar para outro.

A presença de uma ciclone extratropical no oceano, entre o litoral de Santa Catarina e de São Paulo provoca ventos moderados a fortes, das direções sudoeste a sul. Estas direções favorecem o deslocamento da fumaça para o litoral do Paraná e de São Paulo. Porém, como os ventos são relativamente fortes, parte da pluma vai se dispensando pelo caminho. Mesmo assim, não dá para descartar a possibilidade de que um pouco da fumaça chegue ao litoral destes estados.

Muito calor no Sul do Brasil
terça-feira, 20 de dezembro de 2011

O calor da tarde desta terça-feira, 21 de dezembro, está chamando a atenção em todos os Estados da Região Sul. Os termômetros estão beirando os 40ºC especialmente no interior do Rio Grande do Sul. Às 15 horas, pelo horário de Brasília, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), registrava 39,5ºC em Uruguaiana, 38,9ºC em Santana do Livramento e 38,6ºC em São Luiz Gonzaga. A região de Alegrete estava com 37,7ºC. O aeroporto de Santa Maria registrava 40ºC!

O calor também era intenso em Santa Catarina. O aeroporto de Joinville estava com 38ºC, às 3 horas da tarde desta terça-feira e em Itapoá, a temperatura também estava nesta marca, segundo o Inmet. São Francisco do Sul, no litoral norte catarinense, registrava quase 37ºC e em Florianópolis, o calor era de 34ºC.

No Paraná, o calor era mais intenso no oeste e noroeste do Estado, com a temperatura chegando aos 37ºC em Diamante do Norte e Paranapoema e aos 36ºC em Foz do Iguaçu.

Além das elevadas temperaturas,  baixo teor de umidade também causava desconforto. Níveis de umidade na faixa do “estado de alerta”, entre 12% e 20%, eram observados em várias áreas da Região. Esta massa de ar muito quente e seca também influencia o Paraguai, a parte centro-norte da Argentina e o Uruguai e vai predominar até a quinta-feira. Até lá, o Sul do Brasil terá pouca chuva e muito calor. Mas neste dia, 22 de dezembro, início do verão, uma frente fria chega do Rio Grande do Sul trazendo chuva e ar frio. A temperatura vai começar a cair só na sexta-feira, mas muita gente no Sul do Brasil vai dormir com cobertor na noite de Natal.

Perigo no vale do Itajaí (SC): risco de deslizamentos aumenta
quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O risco de deslizamentos no vale do Itajaí e no litoral norte de Santa Catarina é cada mais alto, por conta do excesso de chuva que já é observado sobre a região. Em Indaial, pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia, já foram acumulados em torno de 250 milímetros na primeira quinzena de fevereiro. A média normal de chuva para este mês é de 195 milímetros. As chuvas de janeiro foram bastante acima da média em Indaial. Choveu mais do que o dobro da média no mês passado. Foram acumulados aproximadamente 420 milímetros de chuva, sendo que a média normal é de 170 milímetros.

O vale do Itajaí e o litoral norte de Santa Catarina estão debaixo de chuva constante desde o último domingo. Conforme as medições do Epagri/Ciram, só entre 7 horas de ontem e 7 horas desta quarta-feira choveu quase 55 milímetros em Joinville. Em São Francisco do Sul, no litoral norte catarinense, foram acumulados aproximadamente 90 milímetros. A região de Itapoá, na mesma região e período acumulava quase 78 milímetros.

Municípios Precipitação (mm)

7h 15 de fev até 7h 16 fev

Litoral Norte E Médio Vale
Itajaí 11,4
São Francisco do Sul 89,8
Indaial 9,2
Itapoá 77,8
Quiriri (Joinville) 54,6
Massaranduba 7,8
Alto Vale Do Itajaí
Aurora 0,0
Rio do Oeste 0,2
José Boiteux 3,4
Ituporanga 0,8
Grande Florianópolis
Florianópolis 23,8
Biguaçu 4,8
Planalto Norte
Canoinhas 22,6
Itaiópolis 4,8
Rio Negrinho 11,2
Papanduva 0,8
Monte Castelo 1,0
Litoral Sul
Laguna 6,6
Turvo 4,2
Timbé do Sul 14,0

Fonte: Estações meteorológicas automáticas da Epagri/Ciram.

Estas quantidades de chuva são bastante elevadas, para um período de 24 horas, e é preciso lembrar que toda essa água caiu sobre áreas que já haviam recebido muita chuva desde o início do ano. Com o solo encharcado e a expectativa de que continue chovendo constante por mais 48 horas, o risco de deslizamentos é muito alto. O litoral do Paraná também está na mesma condição. A situação é de alerta.

A continuidade da chuva até o fim da semana está associada a proximidade de uma frente fria, que entre o Paraná e São Paulo, que colabora para a formação de nuvens carregadas no vale do Itajaí, no litoral de Santa Catarina e do Paraná. Além disso, a persistência de ventos marítimos moderados está levando muita umidade para estas regiões, aumentando o potencial de chuva das nuvens.