Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

2010 começa com mais chuva no Sudeste

31/12/2009 às 17:43
por Josélia Pegorim

O gr
ande aumento da quantidade de chuva, por quase todo país, foi um dos fatos mais marcantes do ano de 2009. As precipitações do inverno e da primavera foram muito acima do normal na maioria das áreas dos Estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Sob as graças do El Nino, a chuva deu muita dor de cabeça até no finalzinho do ano, caindo sem trégua sobre a cidade do Rio do Rio de Janeiro. Os últimos dias do ano foram marcados por temporais. Segundo a Georio, empresa que monitora as precipitações nas encostas, volumes de chuva acima de 100 milímetros foram acumulados em 24 horas, em muitas áreas da cidade.  Algumas regiões receberam até mais de 200 milímetros, em apenas 1 dia. É como se quase toda a chuva de dezembro tivesse caído em 24 horas. No período entre 17h30 do dia 3o até 17h30 do dia 31 de dezembro de 2009, foram acumulados 126 mm na ilha do Governador e no bairro de Bangu. Em Mendanha choveu 193 mm, na Penha 110 mm, em Campo Grande 130 mm, 101 em Irajá.  A região de Piedade acumulou 109 mm neste período. Para comparação, nos últimos 5 anos, a média de chuva em dezembro, no centro do Rio de Janeiro, foi de 168 mm, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia. O ano de 2010 começa com uma frente fria perto do litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro. A chuva diminui na cidade do Rio de Janeiro e também em regiões como Angra dos Reis e o litoral norte paulista, que sofreram com o tempo chuvoso nas festas do Ano Novo. Mas a chuva não acabou e não vai dar sossego aos meteorologistas, por enquanto. A nova frente fria ajuda a manter as nuvens de chuva não apenas no Sudeste, mas também no Centro-Oeste do país. Estados como o Pará, o Amapá, Tocantins, Maranhão e Bahia podem ter chuvas fortes nestes primeiros dias de 2010. O Sul do Brasil que tanto sofreu com as chuvas de 2009, começa o novo ano em situação tranqüila. O sol predomina na Região e a previsão é de pouca chuva até o domingo.