Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Chuva no oeste do RS já supera a média

11/11/2015 às 12:25
por Josélia Pegorim

Atualizado 11/11/2015 às 13:32

Com a chuva volumosa que ocorreu nas últimas 48 horas sobre o Rio Grande do Sul, regiões próximas da fronteira com a Argentina, no oeste gaúcho, já acumulam mais chuva do que o normal para o mês de novembro.

Foi o que aconteceu em São Luiz Gonzaga. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, do dia 1 até 10 horas do dia 11 de novembro, choveu 270,2 mm, sendo que a média histórica para este mês fica em torno de 150 mm.

 

 

 

 

Apenas com a passagem de nuvens muito carregadas entre a noite do dia 9 e a manhã do dia 11, São Luiz Gonzaga recebeu 179,8 mm de chuva, mais do que a média normal para todo o mês.

 

O mapa mostra a anomalia (diferença em relação à média) de chuva de novembro. Os tons de azul que predominam no oeste gaúcho, que aparece dentro do círculo, indicam que a chuva superou a média.

 

 

Mais chuva

Grandes áreas de nuvens muito carregadas continuam a se espalhar sobre o Sul do Brasil e provocam mais chuva forte nos próximos dias. Além da chuva volumosa, há risco de raios e de granizo. Novos deslizamentos e enchentes poderão ocorrer. Muitos rios ainda estão com nível acima do normal por causa da chuva excessiva dos últimos meses.

A persistência de uma forte área de baixa pressão atmosférica entre o norte da Argentina e o Paraguai vai manter o processo de formação destas nuvens carregadas e que vão continuar a avançar para o Sul do Brasil.

Os núcleos de nuvens carregadas se originam entre o norte da Argentina e o Paraguai, mas as correntes de vento arrastam estas nuvens para a região Sul.

Pelo menos até o domingo, o valor mínimo do centro da baixa pressão se mantém próximo a 1000 hPa e pode até ficar um pouco abaixo deste valor. Centros de baixa pressão deste tipo (pressão próxima ou abaixo de 1000 hPa) são potencialmente perigosos, pois são podem gerar tempestades.

As enormes nuvens negras carregadas de chuva e de raios voltaram a se espalhar sobre o Sul do Brasil e passaram também sobre Chapecó, no oeste de Santa Catarina.