Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

MS terá mais temporais

18/11/2015 às 15:49
por Josélia Pegorim

Atualizado 18/11/2015 às 21:56

Cidades do sul de Mato Grosso do Sul voltaram a ficar cobertas por nuvens carregadas que provocaram grandes volumes de chuva nas últimas 24 horas. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, choveu 76,4 mm em Ponta Porã entre 10 horas do dia 17 e 10 horas do dia 18, pelo horário de Brasília. Este foi o maior volume de chuva em Mato Grosso do Sul neste período, em todo o Centro-Oeste e o terceiro maior no país.

 

 

 

As tempestades no Sul de Mato Grosso do Sul estão acontecendo desde a segunda-feira quando fortes áreas de instabilidade começaram a se formar entre o norte da Argentina e o Paraguai e avançaram para o Brasil. Além de Mato Grosso do Sul, a passagem destas áreas de instabilidade provocam tempestades também sobre o Sul do Brasil.

 

 

 

As nuvens carregadas estão sendo geradas por um forte centro de baixa pressão atmosférica localizado entre o norte da Argentina e o Paraguai e que vai continuar influenciando o Brasil por mais 48 horas. Esta baixa pressão se afasta entre a noite de sexta e a madrugada de sábado e um sistema de alta pressão vai predominar sobre o Sul do Brasil e o Paraguai no fim de semana. A alta pressão terá o efeito contrário da baixa pressão e vai dificultar a formação das nuvens de temporal.

 

 

 

 

Calor e pancadas de chuva no Centro-Oeste

Este centro de baixa pressão só tem uma influência direta sobre o Mato Grosso do Sul. Os demais estados do Centro-Oeste e o Distrito Federal também vão ter mais pancadas de chuva nos próximos dias, e com risco de temporais, mas por causa do calor e da umidade do ar que já está elevada.

Na tarde de terça-feira, um temporal que caiu sobre Brasília causou rajadas de vento de 103 km/h no aeroporto local.

 

 

 

 

 

Veja também:

El Niño pode aumentar a ocorrência de raios no verão

- [eBook] O perigo dos sistemas severos na construção civil

- Segundo OMM, El Niño 2015 pode ser o mais forte da história