Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

São Paulo tem a tarde mais fria do ano

01/03/2016 às 17:37
por César Soares

Atualizado 01/03/2016 às 18:19

Chuva, céu nublado e a entrada de ar polar derrubaram a temperatura na cidade de São Paulo. Pela segunda vez na semana São Paulo tem a tarde mais fria do ano de 2016. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia a temperatura máxima durante a tarde de terça-feira (01) foi de 19,7°C. Na segunda-feira a mesma estação do Mirante de Santana registrou 21,2°C.

 

Para um dia de março, a tarde desta terça-feira foi a mais fria desde 17/03/2008 quando a temperatura máxima foi de 19,3°C. No ano passado, a menor temperatura máxima em março foi de 22,8°C no dia 22/03/2015.

A madrugada de 1 de março foi a segunda mais fria do ano até agora na cidade de São Paulo. Segundo Instituto Nacional de Meteorologia, a temperatura mínima foi de 16,2°C. A menor temperatura em 2016 até agora é de 15,7°C registrada em 22 de janeiro. Em 2015, a menor temperatura em março foi de 17,1°C nos dias 23 e 25.

 

São Paulo ficou completamente nublada no dia 1 de março de 2016.

 

 

Mais chuva na quarta-feira

A circulação de umidade vai aumentar o risco de chuva que pode vir em forma de temporais principalmente ao longo da tarde e da noite sobre a Grande São Paulo, Vale do Paraíba, em áreas do litoral norte e Baixa Santista.

 

Mas o risco de chuva forte e volumosa será ainda maior na quinta-feira.  As áreas de instabilidade persistem sobre o Estado de São Paulo e uma queda mais acentuada da pressão atmosférica no litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro vai ajudar a manter as nuvens carregadas sobre a Grande São Paulo. A chuva deve voltar forte também sobre o litoral, mas os volumes esperados não devem ser tão elevados como no dia 29 de fevereiro.

As áreas de instabilidade enfraquecem no fim de semana, o que vai permitir a diminuição da nebulosidade. A Grande São Paulo terá mais sol e calor no fim de semana e as pancadas de chuva voltam a ocorrer à tarde e à noite.

 

A meteorologista Josélia Pegorim explica o aumento do risco de temporais associado com a formação da área de baixa pressão.