Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Por que maio de 2016 foi tão frio no centro-sul do BR?

07/06/2016 às 23:46
por Josélia Pegorim

No fim de abril de 2016, a temperatura no centro-sul do Brasil deu uma guinada de 180° para baixo. Depois de recordes históricos de calor, o mês terminou com temperatura negativa e geada no Sul com a entrada de uma grande e forte onda de frio que esfriou até parte da Região Norte.

A onda de frio da última semana de abril causou uma profunda mudança na atmosfera na América do Sul, como que abrindo as portas para outras massas polares que chegaram em maio de 2016 e fizeram o centro-sul do país esfriar muito. Foram quatro fortes massas polares num período de cerca de 30 dias, com pouco espaço para aquecimento do ar entre uma e outra.

Foi tanto ar polar sobre o Rio Grande do Sul que Porto Alegre, a capital gaúcha, teve o maio mais frio desde 1988. A passagem frequente do ar polar sobre São Paulo, além do excesso de nebulosidade e chuva fizeram com que a temperatura em maio na capital paulista ficasse muito próxima da média climatológica.

 

O frio e o El Niño

Com tanto frio em maio, muita gente se perguntou o que foi feito do El Niño? Ainda estava influenciando o clima no Brasil? O que aconteceu no ar e no mar que permitiu que as massas polares começassem a chegar com tanta frequência e força ao Brasil?

 

Os mapas mostram a anomalia da temperatura média no Brasil em maio de 2015, quando o fenômeno El Niño começou a se fortalecer e em maio de 2016, quando o El Niño já estava no fim.

 

 

 

 

 

 

O enfraquecimento do fenômeno El Niño, caracterizado pelo aquecimento acima do normal das águas da porção central-leste do oceano Pacífico Equatorial explica em parte a reviravolta da temperatura em maio no centro-sul do Brasil. A mudança na temperatura da água do oceano Atlântico Sul na costa da Região Sudeste também tem muita importância.

Os mapas mostram a anomalia (diferença em relação à media) da temperatura superficial da água do mar nos oceanos. Os tons de vermelho ao laranja indicam águas quentes, com temperatura acima do normal. Os tons de azul representam a anomalia negativa, isto é, águas com temperatura abaixo do normal.

 

A grande mancha vermelha no centro da figura no oceano Pacífico, entre a costa oeste da América do Sul e a Indonésia representa a temperatura acima do norma que caracteriza do El Niño. O período de novembro a dezembro o El Niño estava muito forte, a água do Pacífico Equatorial estava com temperatura cerca de 3°C acima do normal

 

 

Este segundo mapa (abaixo) representa a situação da temperatura da água do mar entre o início de maio e o começo de junho de 2016, com o El Niño praticamente desfeito. Note a mancha azul exatamente na mesma região onde estava muito quente (vermelho) entre novembro e dezembro. O tom azul indica que a água esfriou e já está com temperatura até um pouco abaixo da média.

 

 

 

O meteorologista Alexandre Nascimento explica como o El Niño dificulta o avanço do ar polar das frentes frias pelo Brasil e o que muda daqui para frente sem a influência deste fenômeno. O que esperar do frio no inverno de 2016? Será ainda mais intenso do que o frio do fim do outono? O solstício de inverno ocorre no dia 20 de junho, às 19h34 pelo horário de Brasília.