Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Furacão Matthew ameaça Jamaica, Haiti e Cuba

01/10/2016 às 18:59
por Josélia Pegorim

Atualizado 03/10/2016 às 00:26

Matthew é furacão categoria 4

Os governos da Jamaica, Haiti e Cuba emitiram alerta para a população por causa dos efeitos desastrosos que a chuva e os ventos do furacão Matthew poderão causar nos próximos dias. O grande volume de chuva e os ventos com mais de 200 km/h têm potencial para causar grande destruição e mortes.

Matthew se originou no dia 28 de setembro de 2016 no mar do Caribe, na região das Pequenas Antilhas, mas teve uma rápida intensificação e no fim da tarde do dia 29 já era um furacão. No decorrer do dia 30 de setembro, Matthew se transformou num grande e perigoso furacão de categoria 4 na escala Saffir-Simpson que vai de 1 a 5, com ventos de aproximadamente 240 km/h.

 

 

Furacão lento

Matthew reduziu muito sua velocidade de deslocamento nas últimas 24 horas. No fim da tarde do dia 30 setembro, sua velocidade era estimada em 15 km/h e no fim da tarde do sábado, 1 de outubro, se movimentava com apenas 6 km/h próximo ao litoral do extremo norte da Colômbia. Todo o litoral norte da Colômbia e da Venezuela estão sob chuvas intensas de Matthew há três dias. O lento deslocamento aumenta o potencial para destruição fazendo com que a chuva e os ventos intensos atuem por mais tempo em uma área.

Por enquanto, a maior parte da instabilidade está sobre o mar, mas Matthew deve se mover para norte neste domingo indo direção à Jamaica, mas no caminho também terá forte influência sobre o Haiti.

 

Há 28 anos Jamaica não enfrenta um furacão tão intenso

O último furacão que passou sobre a Jamaica foi o Sandy, em setembro de 2012, que teve categoria 1 na região sobre o país.

Gilbert, em setembro de 1988, foi o último grande furacão a atingir a Jamaica. Este furacão passou sobre o país com variação entre as categorias 3 e 4 na escala Saffir-Simpson que vai de 1 a 5.

 

 

 

Ventos com mais de 200 km/h

Na análise das 21 UTC de 1 de outubro (18 horas em Brasília) do Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, na sigla em inglês), Matthew tinha ventos constantes em torno 240 km/h. A pressão mínima no centro da baixa pressão era de 940 hPa.

A velocidade de deslocamento era de 6 km/h. O olho de Matthew estava a 580 km ao sul/sudoeste de Porto Príncipe, capital do Haiti, e a 620 km a sudeste de Kingston, capital da Jamaica.

 

 

 

A projeção de deslocamento indica que Matthew passará sobre a Jamaica (atingindo também o Haiti) na segunda-feira, 3, no sul de Cuba na terça e sobre as Bahamas na quarta-feira,  5 de outubro. O furacão deve enfraquecer ao passar sobre o sul de Cuba, mas a previsão é que se fortaleça novamente e atinja Bahamas como um furacão "major", com ventos acima de 177 km/h.

Durante o dia 6 de outubro,  Matthew deve avançar muito perto da costa leste da Flórida, ainda com bastante força.

 

 

Curiosidade

 

O furacão Matthew está passando bastante próximo do extremo norte da América do Sul, o que não é muito comum. As cartas meteorológicas da América do Sul mostram a presença deste poderoso furacão. Veja como Matthew aparece na carta sinótica da Marinha do Brasil de 30 de setembro de 2016, às 21 horas (Brasília)