Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Terremotos atingem centro da Itália

27/10/2016 às 14:41
por Redação

Milhares passam a noite fora de casa com medo das mais de cem réplicas que abalaram a região. Governo afirma que foi um "milagre" que ninguém tenha morrido.


Autoridades italianas informaram nesta quinta-feira (27/10) que milhares de pessoas passaram a noite fora de suas casas na região de Marcas, no centro da Itália, após os terremotos que atingiram diversas localidades nas proximidades da cidade de Perúgia. Os tremores não deixaram mortos.

De acordo com as primeiras estimativas dos prefeitos das cidades de Camerino, Muccia, Visso, Ussita e Castelsantangelo sul Nera, as pessoas abandonaram suas casas, apesar da chuva e do frio na região, tanto pelos danos causados pelos terremotos ou pelo medo das réplicas que ocorreram durante toda a madrugada.


O ministro italiano do Interior, Angelino Alfano, disse que foi um "milagre" que ninguém tenha morrido em razão dos terremotos e das mais de 100 réplicas que atingiram a região num espaço de 12 horas. "Dada a intensidade dos tremores, o saldo final em termos de vítimas é milagroso", disse Alfano.

 

Os dois tremores, de magnitude 5,4 e 6,0 na escala Richter, registrados pelo Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV) da Itália e o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) na noite de quarta-feira, aconteceram na mesma região afetada há dois meses por outro forte terremoto, que causou a morte de quase trezentas pessoas.


O primeiro sismo ocorreu às 19h10 locais (15h10 em Brasília) e durou alguns segundos. O tremor foi sentido também em Roma. De acordo com o USGS, que monitora a atividade sísmica mundial, o epicentro ocorreu a cerca de seis quilômetros da vila de Visso, na província de Macerata, a 10 quilômetros de profundidade.

Duas horas depois, um segundo terremoto, de magnitude 5,9, segundo o INGV, ou 6,0, segundo o USGS, atingiu a mesma região no centro da Itália, também perto de Visso. O tremor, ocorrido a 8 quilômetros de profundidade também foi sentido em Roma. Na manhã desta quinta feira, o INGV registrou um novo sismo de magnitude 4,4, a 9 quilômetros de profundidade.

Agências de notícias internacionais relataram pânico entre os moradores e danos a edifícios e serviços de abastecimento de energia. "Estamos sem energia, esperando as equipes de emergência", declarou o prefeito da pequena cidade de Castelsantangelo sul Nera. "Não conseguimos ver nada. Está difícil. Muito difícil."

O prefeito de L'Aquila confirmou que em sua cidade não houve danos substanciais. Em 2009, a cidade foi palco do sismo mais fatal da história recente do país.

A agência de notícias Ansa informou que houve ao menos uma morte relacionada aos terremotos, ainda que tenha ocorrido de modo indireto. Um homem de 73 anos da cidade de Tolentino morreu de um ataque cardíaco, possivelmente ocasionado em razão dos tremores.

Em Visso, uma pessoa foi hospitalizada e dezenas pediram atendimento médico: Segundo a Defesa Civil, nenhum dos feridos estava em estado grave.

Em 24 de agosto último, um terremoto de magnitude 6 deixou 297 mortos e causou numerosos danos no centro da Itália, especialmente nas localidades de Amatrice, Accumoli e Arquata del Tronto. O desastre gerou aproximadamente 4 bilhões de euros em danos. Atualmente, cerca de 1.400 pessoas ainda vivem em alojamentos temporários.


RC/EK/efe/dpa/rtr/ap/ots