Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Calor (ão) à vista

06/10/2014 às 21:45
por Josélia Pegorim

Uma
grande e forte massa de ar polar entrou na América do Sul na semana passada causando forte queda da temperatura na Argentina, Uruguai, em parte do Paraguai e também do Brasil. Para os padrões normais de outubro, as temperaturas ficaram bastante baixas. Nesta segunda-feira, embora o centro-polar já tivesse enfraquecido, temperaturas pouco acima de 1°C foram registradas na Serra da Mantiqueira, no Sudeste. Os quatro estados da Região ainda registraram temperaturas abaixo dos 10°C. No sul da Bahia, na cidade de Vitória da Conquista, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou temperatura mínima de 10,9°C.   Na cidade de São Paulo, a temperatura mínima desta segunda-feira, 6 de outubro, foi de 10,7°C, o valor mais baixo para um dia de outubro desde 13/10/2010 quando fez 10,2°C. No Rio de Janeiro, a madrugada desta segunda-feira (06) foi bastante fria Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, a temperatura mínima foi de 11,2°C na Vila Militar, a menor desde 8 de agosto, quando foi verificada a mínima de 9,5°C Para um mês de outubro, a mínima de hoje aparece como a mais baixa há pelo menos 10 anos. A última vez que fez tanto frio em um mês de outubro foi em 2010, quando foi registrada a mínima de 12°C, no dia 13. Calor (ão) à vista O ar polar se afasta cada vez mais do Brasil nos próximos dias e a tendência é de rápida elevação de temperatura em todo o país. Embora no Sudeste as madrugadas ainda sejam frescas até o fim da semana, as tardes ficarão cada vez mais quentes. O calor aumenta e o ar fica mais seco. Temperaturas em torno dos 40°C voltam a ser observadas especialmente a partir do fim desta semana em áreas do Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Em algumas áreas do Sudeste, a temperatura também poderá ficar próxima deste valor.     Bloqueio Mas o Brasil vai ficar não só mais quente como também mais seco. A chance de chuva diminui em grande parte do Brasil nos próximos 10 dias. A meteorologista Josélia Pegorim explica esta situação e mostra como ficará a distribuição da chuva no país nos próximos 15 dias.