Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Chuva continua irregular no Rio Grande do Sul

04/01/2011 às 10:30
por Josélia Pegorim

O pa
drão de chuva anual do Rio Grande do Sul é completamente diferente da maioria dos demais estados brasileiros. As médias de chuva não variam tanto como em São Paulo, por exemplo, onde em geral chove muito nos meses de verão e pouco no outono-inverno. No Rio Grande do Sul, a quantidade de média mensal de chuva é mais ou menos igual ao longo de todo o ano. Em anos normais, o estado tem chuvas regulares o ano todo, o que permite a continuidade do abastecimento e da produção agrícola. O Rio Grande do Sul é a porta de entrada das frentes frias, mas é também quem mais sofre com fenômenos climáticos globais como El Niño e La Niña. A chuva e a temperatura da primavera de 2010 foram alteradas pelo La Niña e fizeram os gaúchos sentirem mais frio, e por mais tempo, do que o normal. A chuva ficou mais irregular e escassa, em particular no sul do Estado, em áreas como Campanha Gaúcha, na fronteira com o Uruguai. Bagé, uma importante cidade na região da Campanha, vem sofrendo os efeitos da falta de chuva provocada pelo La Niña. Desde agosto tem chovido bem menos do que o normal. A média de chuva na região varia de 105 milímetros em dezembro a quase 150 milímetros em setembro. No segundo semestre de 2010, segundo as medições do Instituto Nacional de Meteorologia, a maior quantidade de chuva ocorreu em setembro quando choveu em torno de 110 milímetros. Nos outros meses, o máximo ficou em torno de 60 milímetros. O ano de 2011 começou com um aumento da umidade e das condições de chuva por todo o Sul do Brasil.  Pancadas de chuva voltaram a ocorrer ontem em muitas áreas do Rio Grande do Sul, mas em geral, a chuva foi rápida em pequenas áreas. A diferença na quantidade de chuva de um lugar para outro foi muito grande, até dentro de uma mesma região do Estado. Os maiores volumes de chuva ocorreram em localidades do oeste e noroeste do Rio Grande do Sul. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, entre 10 horas de ontem e 10 horas desta terça-feira, choveu aproximadamente 44 milímetros em São Luís Gonzaga e 36 milímetros em Santo Augusto. Mas em São Borja, que também fica no oeste, nem choveu. A região de Uruguaiana acumulou apenas 2 milímetros. Várias localidades do sul e do leste do Rio Grande do Sul também registraram pancadas de chuva durante a segunda-feira, em geral com pouco volume. Os totais acumulados entre 10 horas do dia 3 e 10 horas do dia 4 de janeiro em geral não passou dos 5 milímetros. Algumas áreas como Caçapava do Sul, Camacuã e Torres registraram de 10 a 12 milímetros e Canguçu acumulou 17 milímetros. No decorrer da semana, as pancadas de chuva vão continuar ocorrendo no Rio Grande do Sul, mas ainda mal distribuídas sobre as diversas regiões do Estado e em quantidades bastante variadas. A chance de chuva generalizadas aumenta no fim de semana que vem, quando uma nova frente fria deverá passar sobre o Estado. Mesmo assim, a chuva que ocorrer não deve regularizar a situação em áreas secas, que estão em racionamento.