Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Chuva de Monções ainda caem fortes no Paquistão

03/08/2010 às 16:00
por Josélia Pegorim

Cheias no Paquistão afetam mais de 3,2 milhões de pessoas Depois de uma pequena trégua, as chuvas voltaram a castigar o Paquistão. As cheias são as piores dos últimos 80 anos e de acordo com a ONU – Organização das Nações Unidas - já afetou mais de 3,2 milhões de pessoas, sendo 1,4 milhão de crianças. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha estima que 2,5 milhões de pessoas estão desabrigadas só no noroeste do país, quase 30 mil casas foram danificadas e já foram contabilizados 1,2 mil mortos. Mas, esses números devem aumentar, pois muitas áreas continuam isoladas. As inundações destruíram pontes e estradas e o trabalho por meio de helicópteros foi suspenso por causa dos temporais, o que impede o resgate milhares pessoas e deixa hospitais desamparados. A região mais afetada é a Khyber-Pakhtunkhwa, onde já foram registradas 800 mortes e mais de 100 desaparecidos. A OMS – Organização Mundial da Saúde - está preocupada com a proliferação de doenças principalmente as relacionadas a água contaminada, como diarréia,  e doenças de pele. Aproximadamente, 100 mil pessoas estão em risco grave de contrair doenças como cólera. A previsão é de mais chuvas durante todo o mês de agosto, quando as chuvas de monções são comuns. As duas imagens abaixo, com aproximadamente 1 ano de diferença, mostram o impacto da chuva das monções sobre o rio Indus.  O percurso deste rio aparece no tom azul esverdeado, na parte central das imagens.  A primeira imagem é do dia 31 de julho de 2010. A cheia do rio pode ser identificada pelo alargamento deste veio azul-esverdeado. Compare com a segunda imagem, do dia 1 de agosto de 2009, que mostra o rio Indus numa situação normal. As imagens foram capturadas pelo sensor MODIS do satélite Terra, operado pela NASA/EUA. A quantidade de chuva que caiu sobre esta parte do Paquistão no fim de julho e agora no início de agosto foi muito acima do normal, para esta época do ano. 1 de agosto de 2010