Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Baixa pressão se intensifica no mar entre SP e SC

09/03/2015 às 23:05
por Josélia Pegorim

Atua
lizado às 14h20 de 10/03/2014 Uma área de baixa pressão se intensifica entre o litoral de São Paulo e de Santa Catarina e no decorrer desta terça-feira poder se transformar em um novo ciclone subtropical . Na carta de pressão ao nível do mar analisada pela Marinha do Brasil das 9 horas, de Brasília (12 UTC), o sistema ainda era uma depressão subtropical, que  é um estágio anterior a um ciclone subtropical. O valor mínimo de pressão foi avaliado em 1008 hPa. O centro de baixa pressão se movimentava para sul, com 5 nós, aproximadamente 9 km/h.   A pressão do ar deve baixar ainda mais até a quarta-feira e poderá alcançar até 1000 hPa.  Nas imagens de satélite, é possível observar as áreas de instabilidade geradas por este centro de baixa pressão.  A instabilidade aparece como uma grande quantidade de nuvens carregadas (dentro do círculo vermelho) sobre o mar e também em parte da costa entre o Rio Grande do Sul e o Rio de Janeiro. Até a quinta-feira, o centro de baixa pressão se movimenta sobre o mar, ao largo da costa da Região Sul e na sexta-feira começa a se afastar em alto-mar. Se esta área de baixa pressão continuar se intensificado e de fato chegar ao nível de um ciclone subtropical será batizado de Cari, conforme lista de nomes definidos pela Marinha do Brasil para ciclones na costa brasileira. Este será o segundo ciclone subtropical de 2015. No dia 5 de fevereiro de 2015 houve a formação do ciclone subtropical Bapo e na mesma região onde está se formando o sistema Cari. Na animação, os mapas mostram a projeção da intensidade e do deslocamento do centro de baixa pressão atmosférica. A letra “B” representa o centro da baixa pressão, o menor valor da pressão do ar e sua intensidade medida em hPa (hectopascal). A previsão é de que a menor pressão do ciclone subtropical Cari seja de 1000 hPa. Quanto menor a pressão, mais intenso é o sistema. Furacões e tufões, que são ciclones tropicais, têm pressão abaixo de 1000 hPa. Chuva forte Uma área de baixa pressão é como se fosse um ralo que suga a umidade do seu redor. O ar úmido tende a concentrar na região de baixa pressão, o que facilita a formação de grandes nuvens, com potencial para chuva. A grande massa de nuvens (manchas coloridas em azul, amarelo e verde) entre o litoral de Santa Catarina, São Paulo, o sul de Minas e o Rio de Janeiro já está se concentrando ao redor do centro da baixa pressão. Repare como as nuvens tendem a se movimentar no sentido horário, que é o giro da baixa pressão. Nesta terça-feira, mesmo com a volta do sol, fortes pancadas de chuva devem ocorrer no leste de Santa Catarina, do Paraná, em São Paulo, no Rio de Janeiro e no centro-sul de Minas Gerais.     Março é o mês dos ciclones subtropicais no Atlântico Sul? Se o ciclone subtropical Cari se formar, não será o primeiro e nem será o último a surgir no Atlântico Sul. Depois do Catarina, não podemos mais dizer que furacões não se formam no Atlântico Sul. Em 2011 houve o ciclone subtropical Arani e em 2010 o ciclone tropical Anita. O ciclone subtropical Bapo se formou em fevereiro de 2015 Com exceção de Bapo, todos os outros sistemas se formaram durante o mês de março. Por que? O que acontece em março para ter tantos ciclones? Acompanhe a entrevista que a meteorologista Josélia Pegorim fez com o meteorologista Luiz Gozzo, doutor em climatologia de ciclones subtropicais. Ele explica o que esperar do novo ciclone Cari e porque março já pode ser batizado como o “mês dos ciclones subtropicais” no Atlântico Sul.     Água do mar quente Ciclones tropicais e subtropicais, assim como os furacões e tufões, se sustentam sobre águas quentes, do aquecimento do ar gerado por regiões de água quente. Eles enfraquecem e até se dissipam quando passam por regiões oceânicas de águas frias ou entram em terra firme. O mapa mostra a anomalia (diferença em relação a uma média) da temperatura da superfície do mar. Os tons em laranja e vermelho representam anomalias positivas (águas com temperatura acima da média) e os tons em azul, a anomalia negativa, águas com temperatura abaixo da média. O cinza representa temperaturas apenas 0,5°C abaixo ou acima da média, isto, uma temperatura dentro da normalidade. No manhã de 1o de março de 2015 vários ciclones e baixas pressões eram observados no Hemisfério Sul     As águas na costa da Região Sul e de São Paulo estão com temperatura acima da média.     Temperatura define o tipo de sistema A principal diferença entre eles é a temperatura nas diversas camadas de ar, em altitudes diferentes,  na região onde se forma o sistema. Observe o gráfico que representa temperatura da região do centro de um ciclone. Se fosse um ciclone extratropical, a temperatura seria baixa e em todas as camadas do sistema estariam na porção azul. Se fosse um furacão ou um tufão estaria na região vermelha. A porção rosa representa o ciclone subtropical que é quente em superfície e frio nos níveis mais elevados     Mar agitado na costa Sul do Brasil  - ressaca Teremos um El Niño?  Previsão de chuva  no Brasil para 15 dias