Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Evite doenças do verão com prevenção

22/01/2014 às 14:54
por Redação

Os 2
0 primeiros dias de janeiro bateram um recorde histórico: a média das temperaturas máximas desse mês é a maior desde 1943, quando começaram as medições da cidade de São Paulo. Mas, não adianta reclamar do calor: a previsão é que o cenário continue tão quente quanto agora pelas próximas duas semanas - então, vale a pena ficar de olho em recomendações básicas e se preparar. O aumento da temperatura gera uma série de mudanças no organismo e no ambiente externo, o que pode levar a alguma disfunção mais preocupante do que o desconforto com o clima. De acordo com a clínica geral Márcia Gomes Massironi, coordenadora da Área Técnica da Saúde do Adulto da Secretaria Municipal da Saúde, há algumas consequências típicas do verão que podem ser evitadas. 1. Desidratação: os sintomas são a sensação de boca seca e necessidade menor de fazer xixi. Quanto mais água, chás, sucos, e líquidos em geral, menor a chance de ficar desidratado. 2. Intoxicação alimentar: o aumento da temperatura pode fazer um alimento estragar mais rápido. Percebe-se que algo está errado quando há mal estar, diarreia, enjôo e vômitos. Para prevenir, é importante priorizar alimentos frescos e sempre conferir a data de validade dos produtos. 3. Insolação: evitar ficar exposto ao sol durante o horário de pico, entre as 10h e as 16h, é a principal recomendação, além de usar protetor solar mesmo se estiver na sombra. A pessoa com insolação sente falta de ar, dor de cabeça, mal estar, febre e possível desidratação, ardor e queimaduras de pele. 4. Micoses: o suor é um fator que aumenta a incidência de micoses, que se proliferam em ambientes de água parada muito frequentados, em roupa molhada e até pelo uso constante de tênis. Os sinais de que há um micose por ali aparecem com coceira, vermelhidão, formação eventual de bolhas e alterações de pele. 5. Ouvido: problemas no ouvido são mais comuns no verão ao passar muito tempo na água. Normalmente, as crianças sofrem mais desse mal e, antes de procurar um médico, vale conferir se há inchaço, dor, vermelhidão e, eventualmente, alguma secreção. 6. Olhos/conjuntivite: O cloro da piscina e a sujeira da praia, que passa pela água e a areia, facilitam a inflamação do olho, principalmente por causa do contato com as mãos. Ao sentir inchaço, vermelhidão, secreção e sensação de areia nos olhos, a orientação é procurar um médico. Para evitar problemas, recomenda-se lavar os olhos com água boricada e manter as mãos limpas.