Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Furacão Catarina - 10 anos

26/03/2014 às 04:45
por César Soares

Há dez anos um sistema bastante curioso agiu sobre a costa de Santa Catarina. Após alguns estudos se chegou a conclusão de que se tratava de um furacão, um evento meteorológico que não é muito comum sobre a faixa brasileira do Atlântico Sul.

A computação e os modelos de previsão evoluíram bastante nesses 10 anos e a melhora na disponibilidade de informações permite uma melhor análise das condições atmosféricas locais.

 A figura acima mostra um centro de baixa pressão atmosférica com intensidade em cerca de 1005hPa, sobre o Oceano Atlântico Sul. Isso já indica um sistema que é capaz de organizar muitas nuvens carregadas e provocar chuva forte, entretanto uma baixa pressão de tal magnitude não indica especificamente a existência de um furacão. É necessário então verificar outros níveis na atmosfera para confirmar. É possível notar também a presença de uma alta pressão atmosférica, com intensidade de cerca de 1025hPa, mais a leste da baixa pressão o que dificultaria o movimento em direção à costa africana.

Carta_Geopotencial_500hPa

A carta de níveis médios, mostra a presença de um cavado. Esta ondulação favorece a formação de sistemas de baixa pressão atmosférica em superfície. Desta forma é possível compreender a existência daquela baixa pressão em superfície que acabou dando origem ao Furacão Catarina.

Carta_Vento_500hPa

A carta de ventos em níveis médios da atmosfera, cerca de 10 km de altura da superfície, também mostra a presença de uma baixa pressão no Atlântico por meio do giro de ventos no sentido horário.

Carta_Vento_1000hPa

Em alturas próximas à superfície, o vento mostra uma intensificação e um giro ciclônico indicando a presença de uma baixa pressão atmosférica.

Analisando verticalmente o conjunto de figuras, é possível notar que os sistemas se encontram praticamente sobre a mesma posição. Essa situação é bastante comum em estágios finais de ciclones extratropical (que dão origem às frentes frias, que são muito comuns nesta área da costa do Brasil) e em ciclones tropical, neste caso furacão.

Você viveu o furacão Catarina? Conte-nos a sua história. Onde você estava, quantos anos você tinha quando tudo aconteceu? O que você viu e sentiu? Envie sua história. Participe por todas as redes sociais: #catarina10anos.