Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Mulheres no Cockpit

24/03/2010 às 15:08
por Redação

Quem
pensa que competições de barco e corridas em alta velocidade é uma paixão exclusiva para os homens se engana. Desde o início dos campeonatos, o esporte atrai o interesse do chamado “sexo frágil”. Quando a americana Betty Cook surgiu, em 1970, muitos pensaram ser mais uma dondoca rica que tentava mudar a visão machista dentro dos esportes náuticos. Mas, ela quebrou muitos tabus e provou o contrário ao vencer o seu primeiro campeonato mundial, na Flórida. Depois deste veio muitos outros como os dois World Championship e três American Powerboat Association e em 1978, se consagrou sendo a primeira mulher a completar, em um único dia, a prova do golfo da Califórnia, de 580 milhas marítimas. Cook foi pioneira na modalidade e abriu caminho para outras mulheres. No começo do século XX, as mulheres já eram presenças constantes nas competições e já faziam parte das equipes. Miss Dorothy Levitt foi uma das que ao se aventurar na modalidade não se intimidaram com os homens. Além de jornalista, aviadora, piloto de corrida - com o recorde mundial feminino de velocidade em terra e escritora, ela era uma verdadeira apaixonada pela velocidade e em 1903, ela venceu o campeonato inaugural de barcos de velocidade na Grã-Bretanha: o famoso troféu Harmsworth com a embarcação “Napier”. Com o Napier, um barco de aproximadamente 12 metros, a jovem piloto atingiu os 31.1km/h e garantiu de vez a participação de mulheres nas provas. Hoje, a Class 1, maior competição de lanchas e comparada a Fórmula 1 em mar aberto, tem Marit Stromoy participando. Com 33 anos, ela disputa corridas de barco desde os 12, Stromoy chegou ontem ao Rio de Janeiro e será a única mulher no grid de largada. Essa é a estréia da norueguesa na categoria que desde 1992 não contava com o gênero feminino, a última foi Monica Rampezotti. Na década de 80, as italianas Giovanna Repossi e Amanuela Colletta participaram da competição, mas nenhuma bateu os recordes de Cook. “Se eu conquistar a metade do que a Betty conquistou já vou estar satisfeita” afirmou Stromoy.