Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

O que esperar de fevereiro?

30/01/2015 às 19:42
por Josélia Pegorim

Jane
iro de 2015 termina com chuva bastante abaixo da média na maior parte do Brasil. A constatação é preocupante, pois janeiro é o primeiro ou o segundo mês com maior quantidade de chuva média anual, por quase todo o país. O mapa da anomalia da chuva de janeiro mostra o quadro geral no país até o dia 29. A anomalia é a diferença em entre a média normal e o que foi realmente observado. Os tons em azul indicam chuva acima da média histórica. Os tons em alaranjado representam chuva abaixo da média.   Apenas o Rio Grande do Sul, a maioria das áreas de Santa Catarina e algumas regiões dos Estados da Região Norte devem terminar janeiro de 2015 com mais chuva do que a média. A deficiência é grande por quase todo o país. Ainda que janeiro seja época de pouca chuva na maioria das áreas do Nordeste, janeiro vai terminar devendo chuva também nesta Região.   Mas a pior situação está nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste. A deficiência em muitas áreas destas regiões é de pelo menos 200 milímetros. Na maior parte do Sudeste choveu menos da metade do normal para janeiro. Alguns exemplos da seca de janeiro de 2015 Vitória, capital do Espírito Santo: sem chuva até o dia 30 Itaperuna, no norte do Rio de Janeiro: pouco mais de 10 mm de chuva acumulados em 30 dias, sendo que a média para o mês fica em torno dos 160 mm Lavras, no sul de Minas Gerais: média de chuva para janeiro é de aproximadamente 290 mm e em 30 dias choveu cerca de 70 mm Rio Verde, no sul de Goiás: acumulado de aproximadamente de120 mm e média de chuva em torno de 260 mm. Em Brasília choveu 94 mm em 30 dias, para uma média em janeiro de 240 mm. Algumas áreas de São Paulo vão terminar janeiro com um pouco mais do que a metade da média de chuva para o mês. Mas a na maior parte do Estado a deficiência de chuva será de pelo menos 50 %. A chuva do verão é mais volumosa em praticamente todo o Brasil. É ela que refaz o volume de água dos rios e das represas para abastecimento de água e para a geração de energia.       O bloqueio atmosférico que predominou sobre o Brasil até o dia 20 de janeiro impediu o deslocamento normal das frentes frias e afastou o ar polar. Isto reduziu a chuva em grande parte do país e aumentou o calor. Com um balanço tão negativo em janeiro, o que esperar da chuva e da temperatura de fevereiro? O meteorologista Alexandre Nascimento analisa a situação para o mês.     Por que a chuva do verão é tão importante? Bloqueio atmosférico de 2015