Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Quando São Paulo vai esquentar?

06/11/2013 às 11:48
por Josélia Pegorim

Quando São Paulo vai esquentar? Depois da tarde mais fria para um dia de novembro nos últimos 8 anos, São Paulo esfriou um pouco mais nesta quarta-feira. Por volta das 11h, a temperatura na região do aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista era de apenas 15°C. Com vento de 20 km/h, a sensação térmica era de 10°C. Ontem a esta hora estava menos frio e o termômetro marcava 18°C. Na tarde de 5 de novembro, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou uma temperatura máxima de apenas 17,8°C no Mirante de Santana, na zona norte da cidade de São Paulo. Foi a temperatura máxima mais baixa para um dia de novembro desde 2005. A falta do sol e o ar polar deixam a temperatura baixa na cidade. Mas para quem não curte o friozinho, a previsão é boa. O ar polar diminui sua atuação sobre São Paulo a partir de sexta-feira e o sol vai reaparecer, o que vai fazer com que a temperatura suba rapidamente. O paulistano terá sensação de calor na tarde de sexta-feira. O calor predomina no fim de semana, mas outra frente fria está prevista entre segunda e terça-feira. Veja a previsão para São Paulo.

Por que tanto frio? Como explicar tanto frio nesta época? Frentes frias e massas polares passam por São Paulo o ano todo, até no verão. Porém, numa situação normal, na primavera e no verão o ar polar já não chega ao Brasil com tanta força como acontece no outono/inverno. Mas este ano, as massas polares ainda estão passando pela costa sul e sudeste do Brasil com força acima do normal. Assim, São Paulo vem recebendo doses de ar polar fortes demais, para os padrões comuns de novembro. Isto aconteceu também em outubro, embora o mês tenha terminado com temperaturas médias próximas do normal. Um das explicações para a presença de ar polar mais forte do que o normal é que as águas do oceano Pacífico central-leste, que banha a costa oeste da América do Sul, está com temperatura um pouco abaixo do normal. A água mais fria do que a média está facilitando liberação dos pulsos de ar polar.