Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Reserva de água no Cantareira (SP) continua baixando

26/01/2014 às 20:27
por Josélia Pegorim

O calorão de janeiro tem feito a população da Grande São Paulo gastar mais água. Mas é hora de fechar mais as torneiras e economizar toda a água que pudermos. O Sistema Cantareira, o maior e principal reservatório para o abastecimento de água para a região metropolitana de São Paulo está com pouca água. Apesar dos temporais, a quantidade de água armazenada vem diminuindo desde o começo de janeiro.  Por que isto está acontecendo? Armazenamento x evaporação O balanço hídrico da atmosfera é parecido com a nossa conta bancária. Se você gasta mais do que ganha, fica com saldo negativo, no vermelho. Não sobra para guardar para situações imprevistas ou para uma época do ano com gastos maiores. Na atmosfera, se a chuva que cai não consegue compensar o que é gasto com a evaporação natural, fica faltando água no solo, nos reservatórios para abastecimento do consumo de água pela população e para a geração de energia elétrica. A evaporação é um processo natural na atmosfera que ocorre todos os dias, com maior ou menor intensidade e depende diretamente da temperatura. Quando o calor é intenso, a evaporação é maior. Quando esfria, a perda de umidade é menor, ou a evaporação é menor. A região do Cantareira, como a maioria das áreas do Estado de São Paulo, tem tido calor de mais e chuva de menos. Janeiro de 2014 vai terminar muito quente,mas com menos chuva do que deveria. Excesso de calor São Paulo tem tido dias muito quentes. Pelas medições do Instituto Nacional de Meteorologia, janeiro de 2014 está sendo o janeiro mais quente já registrado na cidade desde 1943, quando começaram as medições no Mirante de Santana, na zona norte da capital paulista. A média da temperatura máxima de 1 a 26 de janeiro foi de 31,5°C, 4,2°C acima da média climatológica de temperatura máxima para janeiro, que é de 27,3°C.

Pelas medições da Sabesp, o armazenamento no Cantareira em 1 de janeiro era de aproximadamente 27% de sua capacidade total, um valor baixo bem abaixo da média normal para esta época o ano. No dia 26 de janeiro, a porcentagem de armazenamento era de 23%, mas já chovido 87 mm.

Por que o armazenamento diminuiu, se choveu? A resposta é uma combinação de fatores - os temporais ocorrem cada dia em um local e nem sempre a chuva cai forte sobre as represas do Cantareira; - a temperatura muito acima do normal de janeiro de 2014 tem causado uma evaporação muito grande; - a perda de água por evaporação está sendo maior do que a quantidade de chuva que vem caiando sobre o Cantareira; - o calor intenso faz com que o gasto de água pela população seja maior; - tem chovido pouco sobre o Cantareira: em 26 dia de janeiro, o volume de chuva (87 mm) foi de aproximadamente 30% da média de chuva normal para janeiro, que é de quase 260 mm.

Quando a chuva vai aumentar? Nos próximos dias, as condições meteorológicas vão ficar mais desfavoráveis para a chuva em todo o Estado de São Paulo. O calor continua intenso, mas o ar tende a ficar mais seco e menos nuvens carregadas vão se formar, o que vai reduzir a chance de chover. A previsão a médio prazo indica que as fretes frias não vão conseguir chegar fortes a São Paulo pelo menos até 10 de fevereiro. Até lá, pouca ou nenhuma chuva vai ocorrer e o Cantareira, vai perder mais água. O mapa mostra a estimativa da quantidade de chuva sobre São Paulo, e em toda a Região Sudeste, nos próximos 15 dias.