Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Um novo furacão no Brasil?

04/02/2015 às 16:50
por Josélia Pegorim

Desde o começo da última semana de janeiro de 2015, as simulações atmosféricas  feitas por supercomputadores indicaram a formação de um forte centro de baixa pressão atmosférica na costa do Sul e do Sudeste do Brasil. Os meteorologistas previsores da Climatempo acompanham desde então as mudanças diárias destas simulações, pois um centro de pressão tão intenso como o que vinha sendo indicado normalmente gera ventania e chuva forte.     As projeções numéricas mostravam desde o início do surgimento deste centro de baixa pressão atmosférica, que o sistema começaria a se formar entre o litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro, se intensificaria muito entre os dias 5 e 6 de fevereiro de 2015, ao mesmo tempo se deslocaria rapidamente para alto-mar.  

  Mas outros fatores deixaram os meteorologistas da Climatempo mais intrigados no início da primeira semana de fevereiro: a tendência de formação do centro de baixa pressão era indicada em todos os níveis da atmosfera, da superfície até os níveis elevados. Baixas empilhadas, sobrepostas, é uma condição de muita instabilidade. E para complicar, a água do mar entre  o Rio de Janeiro e a região de Buenos Aires continua muito quente.     Baixa pressão sobre água quente! Será que teremos um ciclone tropical  ou subtropical? Será que teremos uma frontogênese, a formação de uma frente fria? Mas onde está o ar polar para formar a frente fria? Todas estas questões foram levantadas nos últimos dias pela equipe de previsores da Climatempo. De repente, boatos se espalharam pela internet : um novo furacão atingiria o Brasil! Como já ocorreu muitas outras vezes, a notícia foi ganhando espaço na internet, “sem pai nem mãe”, de forma precipitada, sem apuração de veracidade. Um boato de furacão leva quase que imediatamente à lembrança do Catarina, o único furacão de fato documentado que se formou no Atlântico Sul no fim de março de 2004. Para esclarecer corretamente o público, a meteorologista Josélia Pegorim conversou com o meteorologista Luiz Guzzo. Ela é da equipe de previsão do tempo da Climatempo e ele é integrante da equipe de modelagem numérica. Luiz Guzzo é a pessoa mais qualificada para falar sobre o fenômeno que está para acontecer nos próximos dias. O tema de seu doutoramento na Universidade de São Paulo foi justamente a Climatologia de Ciclones Subtropicais.   Independentemente do nome, o processo de formação do sistema de baixa pressão atmosférica nas próximas 48 horas vai estimular a ocorrência de chuva forte e volumosa e de  ventos moderados a fortes em áreas do Sul e do Sudeste do Brasil que devem causar mais transtornos. Uma preocupação é a possibilidade de voltar a chover forte no litoral de São Paulo e no centro-sul do Estado do Rio de Janeiro que já sofreu com alagamentos há menos de uma semana. O que será este forte sistema de baixa pressão no Altântico Sul? Confira!     Aquilo era sim um furacão!