Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Projeções indicam redução da safra de trigo no BR

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

7 min de leitura

A Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), representantes de regiões produtoras do grão estiveram reunidos para discutir as expectativas em relação à safra nacional do cereal.

 

“Esse é um momento muito importante para todo o setor, pois temos a oportunidade de, por meio dos relatos apresentados, termos uma visão panorâmica da produção nacional de trigo”, destacou o presidente-executivo da Abitrigo, Rubens Barbosa.

 

“Iniciamos a safra de 2021 tendo, talvez, um dos cenários mais desafiadores dos últimos anos. Tivemos uma quebra considerável do trigo em algumas regiões, como São Paulo e Paraná, e também da safra de milho, que deu sustentação aos preços do trigo. Além disso, contamos com uma volatilidade muito grande do câmbio, que tem dificultado os planejamentos dos moinhos. Enfim, um cenário desafiador para todos que estão na cadeia do grão”, destacou o Commodity Trader na Gavilon, Pedro Sampaio, moderador do evento.

 

O agrometeorologista da Climatempo, Celso Luís de Oliveira Filho, destaca o cenário climático dos próximos meses, enfatizando as previsões direcionadas ao cultivo do trigo no Brasil.

 

“Tivemos, nos últimos meses, três ondas de frio em sequência, que afetaram os campos do cereal. Nessa reta final da colheita, destacamos um cenário de neutralidade, após o La Niña. Porém, se olharmos o que vai acontecer pela frente, percebemos um resfriamento do Pacífico, que pode indicar o desenvolvimento de um novo fenômeno”, destaca Celso Oliveira. 

 

“O cenário é de chuvas fortes no Sul, mas não persistentes. Chances de queda de temperaturas, de forma acentuada, até o final de setembro e, no caso do Cerrado, um aumento de precipitações já em outubro, mas com mais certeza no decorrer de novembro”, resumiu ele.

 

Projeções da produção de trigo no Brasil

 

O diretor-técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural - Emater/RS, Alencar Paulo Rugeri, disse que o cenário da produção nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina é animador.

 

“Tivemos um incremento de 13,29% de área e 21,6% de produtividade. Temos uma expectativa de produção em torno de 3,5 mi toneladas para a safra desse ano. É um ano animador para a cultura do trigo gaúcho e para todas as culturas de inverno no estado”, destacou.

 

Para Santa Catarina, a expectativa é de um incremento de área e de produtividade, com estimativa de produção de mais de 307 mil toneladas no estado.

 

“Temos a expectativa de uma boa produção de trigo nos dois estados nesse ano, o que pode garantir a alta rentabilidade aos produtores”, concluiu Rugeri.

 

 

Trigo no Paraná

 

O Paraná já iniciou a colheita na região Norte do estado, com uma produtividade não muito alta, porém a expectativa é de uma boa safra esse ano.

 

“As lavouras estão vindo bem, se desenvolvendo em boa parte das regiões de maneira satisfatória, com previsão de alta produtividade. Temos boas estimativas para a safra paranaense até o fim da colheita”, informa o gerente de Suprimentos e Logística no Moinho Globo, Rui Souza.

 

O gerente estima que o Paraná terá uma produção de cerca de 3,3 mi toneladas.

 

Trigo em São Paulo

 

Os números de São Paulo não são animadores, de acordo com o presidente da Câmara Setorial de Trigo do estado, Victor Oliveira. Segundo ele, as geadas e a estiagem castigaram os campos paulistas, prejudicando a produção do cereal.

 

“Ainda é cedo, pois apenas 10% do trigo do estado foi colhido, mas sabemos que a expectativa é de uma safra não muito positiva. Tínhamos uma estimativa de uma safra recorde, mas os fatores climáticos impactaram a produção”, relata Victor.

 

 

Trigo no Cerrado

 

O presidente da Associação dos Triticultores do Estado de Minas Gerais (Atriemg), Eduardo Abrahim, diz que o cenário da região não é muito diferente de São Paulo. De acordo com ele, os campos foram mais afetados pelas geadas do que pelas secas.

 

“Em Minas Gerais, podemos prever uma produção de cerca de 130 mil t, o que, em comparação com o ano passado, indica uma quebra de praticamente 50%. Em Goiás, o cenário é muito parecido, porém um pouco melhor, com menos áreas afetadas pelas mudanças climáticas. A estimativa é de 150 mil t no estado. Já a Bahia, acreditamos que teremos entre 20 e 30 mil t”, conclui Abrahim.

 

 

Trigo na ração animal

 

A quebra da safra do milho impactou o mercado, que passou a buscar o trigo para a nutrição animal, pelas fábricas de ração, movimento comum no mercado nacional e internacional.

 

No mundo, cerca de 20% do volume total de trigo é utilizado para a alimentação animal. No Brasil esse número pode chegar a cerca de 6% da produção, diz o gerente Nacional de Originação de Grãos na Seara, Valdecir Martins.

 

“O uso do trigo na ração animal, de maneira geral, é um produto alternativo, entrando na composição quando o preço do milho sobe muito, atrelado a escassez, ou quando o cereal não tem qualidade para a panificação e acaba sendo comercializado para ração animal”, explica Martins

 

 

Como planejar uma safra e monitorar sua fazenda?

 

Otimizar o plantio, ficar de olho no Clima para avançar com os trabalhos no campo e observar o desenvolvimento da cultura para evitar perdas são algumas das decisões que você produtor rural precisa tomar durante a safra. 

 

Agroclima Pro é um serviço de tecnologia da Climatempo que utiliza o conhecimento meteorológico. Com ele você pode acessar o histórico de dados de Clima para sua fazenda e pode detectar áreas com menor vigor vegetativo. Além disso, você fica sabendo como será a demanda hídrica da sua lavoura nos próximos 15 dias e ainda consegue identificar os melhores dias e horários para realizar as pulverizações.

 

Faça parte da maior comunidade AGRO!
O canal oficial da Climatempo no Telegram fornece conteúdos diários e exclusivos sobre o Clima e previsão para a agricultura. Quero fazer parte!

+ mais notícias