Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

La Niña continua ativo. Como fica o clima na Agricultura

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

7 min de leitura

Chamou a atenção o registro de madrugada mais fria na Região Sul nesta última  segunda- feira (07). A temperatura mínima chegou aos 7°C em General Carneiro-PR, 5,4°C em Urupema-SC e 8,9°C em Quaraí-RS.

 

Não houve transtornos para a agricultura, mas indica que o fenômeno La Niña continua ativo. A baixa pluviometria prevista para os próximos 16 dias no Rio Grande do Sul aumenta a chance de perdas na soja. Na Fronteira Oeste, estimam-se menos de 20mm de chuva em quase duas semanas. Além disso, há previsão de muito calor (máximas em torno dos 40°C) no dia 11 de fevereiro e entre 17 e 19 de fevereiro. Atenção também ao prolongado período de chuva significativa sobre a Argentina.

 

Em Mato Grosso, após alguns dias mais quentes, a invernada retorna paralisando a colheita da soja e instalação do milho. No Rio Grande do Sul, a colheita do milho apresenta redução de produtividade pela estiagem. De acordo com a Emater, a produtividade média na região de Santa Rosa alcançou 4560 kg/ha, em Ijuí, 5100 kg/ha e Frederico Westphalen 2700 kg/ha. No Paraná, 14% das áreas de primeira safra foram colhidas e 10% das áreas de segunda safra foram semeadas. Das áreas restantes para a colheita da primeira safra, quase 40% estão em boas condições, aproximadamente 35% apresentam condições medianas e 25% estão em más condições, de acordo com o Deral.

 

Na soja, a colheita alcançou 11% no Paraná com produção abaixo do ideal. Em algumas áreas, há 50% de perda. De uma forma geral, 36% estão em boas condições, 33% em condição mediana e 31% estão em condição ruim. No Rio Grande do Sul, 22% das áreas estão em enchimento de grãos e 43% estão em floração. A umidade do solo está bem abaixo do ideal para o desenvolvimento no oeste, centro e noroeste do Rio Grande do Sul. Em Mato Grosso, quase 50% das áreas de soja foram colhidas.

 

Além do aumento da chance perdas na soja, o desenvolvimento do arroz do Rio Grande do Sul também foi comprometido pelo calor excessivo e baixo nível de reservatórios, especialmente no oeste do Estado.

 

Tendência do Clima nos próximos dias

 

Semana com chuva persistente sobre as Regiões Sudeste e Centro-Oeste. Em sete
dias, estimam-se até 175mm entre as cidades mineiras de Oliveira e Cataguases, inclusive em áreas produtoras de café. Entre Rondonópolis (MT), Barra do Garças(MT), Campo Verde(MT), na região de Sapezal(MT) e em Franca(SP), estimam-se até 150mm.

 

A precipitação mantém paralisada as atividades de colheita de hortifruti, além de piorar a qualidade dos produtos e mantê-los em preço elevado. Além disso, a colheita da soja e plantio do milho também avança muito lentamente em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso. Na cana de açúcar, as usinas reclamam do excesso de chuva e atraso no plantio.

 

Além da chuva forte no Sudeste e Centro-Oeste, estimam-se mais de 100mm no sul do Maranhão, norte do Tocantins e em boa parte do Pará. Boa parte do acumulado acontecerá a partir da quinta-feira, diminuindo o ritmo das atividades de campo.

 

Por outro lado, boa parte da semana será com tempo seco e ensolarado no Sul, oeste
de São Paulo e boa parte de Mato Grosso do Sul. A situação é preocupante para a soja do Rio Grande do Sul. A umidade do solo está baixa e a boa parte das áreas
produtoras já está em fase vulnerável à estiagem.

 

Para Santa Rosa (RS), por exemplo, a próxima precipitação acontecerá somente em 17 de fevereiro, dentro de dez dias, prevê o agrometerologista Celso Oliveira. A tendência será de retorno do calor intenso a partir do fim desta semana.

 

No Paraná, por outro lado, o tempo mais seco deverá acelerar a colheita da soja e
instalação da segunda safra de milho.

 

Para a semana entre 14 e 20 de fevereiro, a chuva permanecerá sobre o centro em norte do Brasil com acumulados que vão dos 50mm aos 125mm em Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, leste de São Paulo, nordeste de Mato Grosso do
Sul, Rondônia, Pará e boa parte do Matopiba.

 

Em Mato Grosso são poucas as tréguas de chuva previstas até o fim do segundo decêndio de fevereiro e a tendência será de diminuição no ritmo de plantio do milho em um momento que a janela ideal para a atividade se aproxima do fim.

 

Como planejar uma safra e monitorar sua fazenda?

 

Otimizar o plantio, ficar de olho no Clima para avançar com os trabalhos no campo e observar o desenvolvimento da cultura para evitar perdas são algumas das decisões que você produtor rural precisa tomar durante a safra. 

 

AgroclimaPRO é um serviço de tecnologia da Climatempo que utiliza o conhecimento meteorológico. Com ele você pode acessar o histórico de dados de Clima para sua fazenda e pode detectar áreas com menor vigor vegetativo. Além disso, você fica sabendo como será a demanda hídrica da sua lavoura nos próximos 15 dias e ainda consegue identificar os melhores dias e horários para realizar as pulverizações. 

 

Faça parte da maior comunidade AGRO! O canal oficial da Climatempo no Telegram fornece conteúdos diários e exclusivos sobre o Clima e previsão para a agricultura. Quero fazer parte!

 

+ mais notícias