Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Continuidade do La Niña na primavera e verão

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

3 min de leitura

Oferecido por

Foto: NOAA.

Com o retorno da primavera e início do período úmido, voltamos a atenção às condições oceânicas no Pacífico Equatorial. De acordo com a última atualização do International Research Institute for Climate and Society (IRI), da Universidade da Columbia, do início deste mês e também de acordo com a Agência americana de Meteorologia e Oceanografia (de sigla inglesa NOAA), o fenômeno La Niña deve prosseguir sobre o oceano Pacífico até o final da primavera, quando enfraquece e, gradualmente, dá lugar à neutralidade. Fator observado apenas no trimestre móvel JFM (janeiro-fevereiro-março). 

 

WhatsApp Image 2022-09-14 at 09.18.40.

 Foto 1: Anomalia negativas das águas do Oceano Pacífico Equatorial. Fonte: NOAA. 

 

 

Previsão climática - Mês de Outubro

 

Quanto ao mês de outubro, de acordo com a previsão climática do Modelo CFS, indica ser um mês com chuva inferior a média em quase todo o Centro-sul do Brasil. A chuva ainda demora para se consolidar, e provavelmente volta a ser mais frequente apenas na segunda quinzena do mês. Os estados de Santa Catarina, Paraná, norte do Rio Grande do Sul e o Amazonas devem registrar os maiores desvios de precipitação, ou seja, onde a chuva fica ainda mais inferior a média do mês. 

 

cfs-mon_01_apcpna_month_samer_1

Foto 2: Previsão de anomalia negativa de chuva para outubro. Fonte: CFSv2.

 

Impactos do La Niña na Primavera 2022

 

Os impactos na distribuição das chuvas no Brasil devem ser mais evidentes no Sul do Brasil, onde as chuvas devem reduzir entre a metade e o final da primavera, e no extremo norte do país, onde os eventos chuvosos devem ser mais intensos e há risco maior para períodos de invernada em algumas áreas entre o final da primavera e o verão.

 

b7476016-6246-4b4d-b591-e333117d2988.

Foto 3: Probabilidade do fenônomo La Niña nos próximos meses. Fonte: NOAA. 

 

Na área central do Brasil, a La Niña provoca um risco maior para irregularidade no retorno das chuvas no início da primavera. Ainda sob condições mais frias do Oceano Pacífico Equatorial, neste ano há um risco maior para frio tardio sobre o centro-sul do país, como já vem acontecendo na primeira quinzena de setembro no Sul do Brasil, até mesmo com episódios de geadas.

 

Leia também: Primeiros dias de semeadura no Paraná são marcados por chuva

Conteúdo em Vídeo

Notícias Recomendadas

+ mais notícias