Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Recorde calor em BH: 37,1°C ou 37,4°C?

18/10/2015 às 19:56
por Josélia Pegorim

O calor extremo no Brasil vem sendo destaque no primeiro mês da primavera 2015, que começou oficialmente em 21 de setembro. As capitais Manaus, Goiânia, Belo Horizonte e Brasília estabeleceram novos recordes históricos de calor.

A Climatempo divulgou no seu site que Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, igualou o recorde histórico de calor em 17 de outubro de 201 com a temperatura máxima de 37,1°C. Este valor iguala a marca de 31 de outubro de 2012.

Algumas pessoas questionaram esta temperatura e argumentaram em comentários públicos no site que o valor correto do recorde foi de 37,4°C, segundo Instituto Nacional de Meteorologia.

Afinal, qual é o valor correto do recorde histórico de calor de Belo Horizonte, 37,1°C ou 37,4°C? Para o nosso corpo, a diferença nos décimos da temperatura, depois da vírgula, não significa nada. A sensação de calor com 37,1°C, 37,4°Cm ou 37,0°C, ou 36,8°C é a mesma. É muito calor! Mas tecnicamente, para a história meteorológica de Belo Horizonte, o 0,1°C e o 0,4°C depois da vírgula fazem toda a diferença.

A temperatura de 37,4°C foi registrada no dia 16 de outubro de 2015 no bairro da Pampulha, por uma estação meteorológica automática mantida pelo Instituto Nacional de Meteorologia desde o dia 10 de outubro de 2006. Portanto, temos nove anos de informações meteorológicas deste local.

 

 

 

 

 

 

Já a temperatura de 37,1°C foi registrada no dia 17 de outubro de 2015 no bairro de Santo Agostinho, por uma estação meteorológica tecnicamente chamada de convencional que também é mantida pelo Instituto Nacional de Meteorologia num local deste bairro desde o dia 3 de março de 1910. São 105 anos de informações meteorológicas!

 

 

 

 

 

 

Curiosamente, no dia 17 de outubro de 2015, a temperatura máxima na estação meteorológica da Pampulha foi 37,2°C.

 

A estação automática (Pampulha) e a estação convencional (Santo Agostinho) estão em locais completamente diferentes dentro da cidade de Belo Horizonte. São dois locais de medições distintos. Tecnicamente não é correto misturar as medições de locais diferentes dentro de certa região. Podemos compará-los, mas não usar as medições de um local para tirar conclusões meteorológicas sobre outro local distante. Podemos comparar as temperaturas registradas na estação da Pampulha com as observadas na estação de Santo Agostinho e fazer um estudo, por exemplo, sobre qual lugar é mais quente, em média, ou onde chove mais.

 

 

 

 

A Climatempo vem adotando como critério para averiguação de recordes meteorológicos das capitais brasileiras, as medidas feitas pelas o Instituto Nacional de Meteorologia nas estações meteorológicas convencionais, exceto onde houve substituição, pelo próprio Inmet, para uma estação meteorológica automática. Foi o que ocorreu, por exemplo, em Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul.

A rede estações convencionais é muito mais antiga e há registros de mais de 100 anos em várias capitais. Belo Horizonte é uma delas. O Instituto Nacional de Meteorologia faz medições na estação meteorológica convencional de Santo Agostinho há 105 anos. Podemos conhecer as mudanças do clima da capital mineira analisando estas medições. Como era Belo Horizonte há 100 anos? Mais quente, mais fria, mais chuvosa?

Então, podemos afirmar que a temperatura de 37,1°C registrada na estação meteorológica de Santo Agostinho nos dias 31 de outubro de 2012 e em 17 de outubro de 2015 foi a maior temperatura em 105 anos.

Podemos afirmar também que a temperatura de 37,4°C foi a maior registrada no local onde está a estação meteorológica da Pampulha no ano de 2015. Mas será que antes do dia 10 de outubro de 2006, data em que a estação automática da Pampulha começou a funcionar neste local, houve uma temperatura maior? Não há como saber, pois não havia medição neste lugar antes!

 

Para conhecermos e definirmos o clima de um lugar, a histórica meteorológica deste lugar, é preciso analisar a temperatura, a precipitação, o vento, a insolação e vários outros fatores por um longo período de anos. A OMM – Organização Meteorológica Mundial – recomenda que para se estabelecer a climatologia de um lugar são precisos ao menos 30 anos de medições ininterruptas,  sempre num mesmo local.

Quando se diz que certo valor de temperatura é o recorde histórico de calor, ou recorde absoluto, significa que é a maior temperatura medida considerando-se todos os meses de um determinado período de anos. Quanto maior este período, mais importante, ou mais relevante é o recorde no histórico meteorológico de um local.