Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Ar seco demais e a sua saúde

15/08/2009 às 09:34
por Josélia Pegorim

Com
a forte massa de ar seco que atua por todas as regiões do Brasil, índices de umidade do ar anormalmente baixos foram observados no começo da manhã deste sábado. Abaixo, alguns exemplos de locais onde a umidade relativa do ar estava menor do que 60%, às 8 horas da manhã. Os cálculos foram feitos com valores de temperatura dos aeroportos destas cidades. Maringá (norte do PR): 37% Presidente Prudente (oeste de SP): 42% Campo Grande (MS): 43% S.José do Rio Preto (norte de SP): 49% Gavião Peixoto (norte de SP): 52% São Paulo (Congonhas - zona sul): 58% Curitiba (Bacacheri): 58% Foz do Iguaçu(oeste doPR):59% Campinas (leste de SP): 59% Bauru (centro de SP): 59% São apenas alguns exemplos, mas mostram como a grande massa de ar seco que está sobre o Brasil ainda está forte. Índices normais para o período das primeiras horas manhã estariam na faixa entre 80% e 100%. Valores confortáveis para a saúde humana à tarde estariam entre 50% e 70%. Todos estes índices vão baixar muito mais, a medida que o ar se aquece.  Em muitos locais do país, os níveis de umidade do ar devem atingir valores de alerta, entre 12% e 20%, de acordo com a a OMS - Organização Mundial da Saúde, ou mesmo abaixo dos 12%, que é a situação de emergência.  A tarde de ontem, 14 de agosto de 2009, vai entrar para o caderninho de anotações super especiais dos meteorologistas, por conta do índice de 10% de umidade relativa do ar que foi registrado na cidade de São Paulo.  É um dado histórico. O valor foi medido pelo Instituto Nacional de Meteorologia às 15 horas, no Mirante de Santana, na zona norte da capital paulista.  As duas estações medidoras, a convencional e a automática, registraram este valor, que é comparável ao que se observa em um deserto. O ar muito seco é prejudicial à saúde.  O que fazer para aliviar os efeitos da secura? Aqui estão algumas dicas. - Beba mais água do que o normal, ou outros líquidos não alcoólicos - Molhe  a boca e narinas com  água, várias vezes durante o dia ( a parte interna das narinas pode ficar muito ressecada e o esforço de assoar o nariz pode causar o rompimento dos delicados vasos sanguíneos, o que gera sangramento) - Em lugares onde não chove há muitos dias, o ar tende a ficar empoeirado, com partículas muito grandes para  as vias respiratórias do corpo humano. Assim, estas partículas podem causar irritação na garganta, uma tosse seca. Beba mais água! - Atenção com os olhos porque também tendem a ficar ressecados. Molhe-os com água ou use colírios adequados. - Evite fazer esforços físicos prolongados.  Quase todo o país tem um sábado com sol forte, com poucas nuvens. O excesso de luz solar gera a formação de ozônio na camada de ar que respiramos. Nesta situação, o ozônio vira um poluente e um dos efeitos é a ardência nos olhos. -Atenção especial com as crianças e pessoas idosas, não apenas com a situação de ar muito seco, mas com o calor e o sol em excesso. - O uso de aparelhos umidificadores dentro de casa também aumenta os níveis de umidade no ambiente, deixando-os em padrões confortáveis para a saúde humana. - Panos molhados nos cantos do ambiente interno ou bacias com água ajudam a aumentar a umidade do ar. - O uso de cremes hidratantes no corpo ajuda a renovar a umidade da pele que também tende a ficar ressecada na situação de índices de umidade do ar muito baixos. Acompanhe a evolução das condições do tempo em todo o Brasil pelo site da Climatempo. Nossos meteorologistas estão atentos a esta situação de ar muito seco sobre o país.  Agosto é um mês tradicionalmente de pouca chuva e ar seco em quase todo o Brasil. Mesmo em setembro e outubro, antes que comece a chover com regularidade por quase todo o país, situações de ar muito seco e calor extremo ainda serão observadas em muitas áreas do país. Só uma chuvarada aliviaria a secura do ar e do solo. Em muitas áreas do Brasil, a temperatura tem ficado muito alta no período da tarde. Se os níveis de umidade do ar não estivessem tão baixos, como agora, esse calor formaria muitas nuvens que poderiam provocar as pancadas de chuva no fim da tarde, típicas de dias quentes. O problema é que, na situação atual, está faltando umidade e assim, não tem esse tipo de chuva. A grande massa de ar seco que está sobre o Brasil tem dificultado o deslocamento normal das frentes frias, que normalmente provocam chuva em muitos locais do país. Neste fim de semana, uma nova frente fria se aproxima do Rio Grande do Sul e até a noite do domingo deve favorecer a ocorrência de chuva para várias áreas do Sul do Brasil. Na segunda-feira, este sistema poderá levar um pouco de chuva para áreas dos estados de São Paulo e de Mato Grosso do Sul, mas esta chuva não virá para todos e nem em grande volume. Em meados da semana que vem, outra frente fria deve entrar com mais força no Brasil, trazendo maior quantidade de chuva e para um maior número de localidades do centro-sul do país.