Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Centro-Oeste terá mais chuva

11/11/2014 às 18:18
por Josélia Pegorim

O Ce
ntro-Oeste tem pressa! As máquinas estão no campo e trabalham até em parte da noite espalhando as sementes de soja. O plantio atrasou este ano por causa seca. As pancadas de chuva voltaram a ocorrer sobre o Centro-Oeste já durante o mês de setembro, mas foi só durante o mês outubro a chuva ficou mais persistente e começou a deixar o solo com alguma condição de plantio. Mesmo assim, o plantio da soja está atrasado em relação ao ano passado e os agricultores trabalharam em dobro.   As pancadas de chuva, ar abafado e períodos com sol é situação típica desta época do ano no Centro-Oeste. Também já é época de temporais. Nesta quarta-feira, as pancadas de chuva voltam a ocorrer por todo o Centro-Oeste especialmente à tarde e à noite. Pode chover forte A chuva vai ficar mais volumosa nos próximos 15 dias. A circulação dos ventos sobre o América do Sul e a passagem de frentes frias pelo litoral da Região Sudeste vão ajudar a formar e a manter muitas áreas de instabilidade sobre o Centro-Oeste. A previsão é de que até o dia 26 de novembro chova pelo menos 150 mm em grande parte da Região. Várias regiões de Goiás e de Mato Grosso poderão acumular 200 mm.  A chuva só não deve ser volumosa sobre o sul de Mato Grosso do Sul.     Granizo em Brasília O calor e a umidade alta formaram nuvens carregadas, do tipo cumulonimbus, sobre Brasília que provocaram chuva com granizo na tarde desta terça-feira. O internauta Messi comentou: " Depois de uma manhã e começo de tarde abafada , um intenso temporal atingiu boa parte do DF por volta agora das 15:00 e ainda continua . Muita chuva e rajadas de vento muito forte , intensa queda de granizo , que alguns lugares as ruas já estavam com uma boa camada de gelo . Ruas já estão alagadas com a intensidade da chuva , e já há registro de queda de arvores" Veja as nuvens carregadas que cresceram sobre o Distrito Federal Jardins nas paredes para a ajudar a limpar o ar que respiramos Energia: Brasil está pior do que na época do apagão