Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Rio de Janeiro: relevo da cidade colaborou para tempestade

26/04/2011 às 14:31
por Josélia Pegorim

A te
mpestade que caiu sobre o Rio de Janeiro entre a noite de segunda-feira e a madrugada de terça-feira, 26 de abril, despejou sobre a cidade as maiores quantidades de chuva de 2011 em quase todas das áreas. Pelo levantamento da Georio, órgão que monitora as precipitações e encostas da capital fluminense, no período entre 14 horas do dia 25 e 14 horas do dia 26 de abril, o acumulado de chuva chegava a aproximadamente 276 milímetros na Tijuca/Muda e em outro ponto, no mesmo bairro, choveu quase 220 milímetros. No mesmo período, a região do Grajaú acumulou 185 milímetros de chuva, o Alto da Boa Vista recebeu 176 milímetros, Santa Teresa 107 milímetros e São Cristóvão 162 milímetros. A chuva foi forte também nas outras regiões do Rio, mas os acumulados não foram tão altos e impressionantes como estes listados. A mistura de mar e montanha sempre foi uma das características geográficas mais apreciadas do Rio de Janeiro e conferem à cidade uma beleza especial. Mas as montanhas e o mar do Rio também podem se unir para machucar a cidade. Os maiores volumes de chuva no Rio aconteceram justamente em bairros próximos das encostas. Dependendo da direção dos ventos, os morros da capital fluminense funcionam como paredões que barram o espalhamento da umidade que os ventos marítimos levam para a cidade. A umidade fica bloqueada sobre a cidade e alimenta as nuvens, gerando mais gotas de chuva e maiores. As nuvens que provocaram a tempestade sobre o Rio de Janeiro começaram a se formar no sul do Estado do Rio e avançaram para a capital, encontrando um ar abafado. Ao mesmo tempo, ventos marítimos soprando diretamente sobre a cidade injetavam cada vez mais umidade dentro das nuvens, aumentando a produção de gostas de chuva. O Rio de Janeiro ainda terá um pouco mais de chuva até o fim desta semana, mas sem o risco de temporais. O ar polar que entrou na cidade vai colaborar para esfriar a atmosfera, inibindo o crescimento das nuvens. Os ventos úmidos e frios continuam soprando sobre a cidade.