Arquivo da Categoria ‘Nordeste’

+ aumentar e diminuir fonte -
Primavera será de pouca chuva no Nordeste
sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Como será a primavera 2014 no Nordeste do Brasil? Muito calor? Será que as chuvas voltarão dentro da normalidade, abaixo ou acima da media?   O meteorologista Alexandre Nascimento esclarece todas essas dúvidas e fala da tendência da estação para toda a Região! Confira!

Veja também:

Como será a primavera 2014?

El Niño deve trazer chuva regular para o Sul

Primavera vai trazer chuva para o Sudeste?

Centro-Oeste deve ter chuva dentro dos padrões da primavera

O grande vilão da primavera

 

Brasil está muito quente
quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Brasília bate recorde de calor de madrugada mais quente do ano pelo segundo dia consecutivo

A madrugada desta quinta-feira, 18 de setembro, foi a mais quente do ano em Brasília. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou a temperatura mínima de 20,9°C. O recorde ocorreu pelo segundo dia consecutivo, superando os 20,7°C registrados na madrugada de ontem. Brasília teve ontem também a tarde mais quente de 2014, com temperatura máxima de 33,1°C. Foi também a maior temperatura na capital federal desde 31 de outubro de 2012, quando houve registro de máxima de 33,7°C.

 

Calor recorde em Goiânia

Goiânia, capital de Goiás, teve duplo recorde de calor ontem. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou a maior temperatura mínima e a maior temperatura máxima de 2014. A máxima foi de 37,7°C. No ano passado, a maior temperatura em Goiânia foi de 37,9°C, em 27 de setembro.

 

Brasil dos 40°C

A primavera é época de grande aumento do calor sobre o Brasil. Temperaturas em torno dos 40°C são comuns especialmente no Centro-Oeste, Norte e interior do Nordeste. Mas o Sudeste e o Sul também podem registrar temperaturas muito elevadas.

Ontem, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 40,0°C em Goiás, cidade do Estado de Goiás. São Romão, no noroeste de Minas Gerais teve calor de 39,0°C. Fez 39,5°C em Uruçuí, no Piauí,  39,1°C em Ibotirama, na Bahia. Ituverava, no norte de São Paulo bateu nos 37,8°C.

Muitas cidades do Centro-Oeste e do Nordeste registraram ontem temperaturas em torno dos 38°C na tarde de ontem e o calor intenso vai continuar no decorrer da segunda quinzena de setembro.

Fornalha de setembro
terça-feira, 16 de setembro de 2014

Secura e calor no Brasil

A primeira quinzena de setembro teve vários eventos de ar muito seco e calor recorde no Brasil. Nesta terça-feira, 16, Brasília voltou a registrar a temperatura máxima de 31,6°C, igualando o recorde de calor para 2014 registrado em 15 de setembro. As medições são do Instituto Nacional de Meteorologia. Níveis de umidade do ar abaixo de 15% foram observados em áreas do Nordeste, do Norte, Centro—Oeste e Sudeste. Os menores valores desta terça-feira registrados pelo Instituto Nacional de Meteorologia foram de 11% no interior do Piauí, nas cidades de Bom Jesus do Piauí e de Caracol, e em Montalvânia, no norte de Minas Gerais.

Confira as capitais que registraram recorde de calor para 2014 em setembro

Brasília (DF): 31,6°C – dias 15 e 16

Cuiabá (MT): 40,1°C – dia 14

Campo Grande (MS): 36,3°C – dias 12 e 14

Palmas (TO): 40,4°C – dia 13

Teresina (PI): 38,3°C – dia 11

Rio Branco (AC): 37,0°C – dia 7

Manaus (AM): 37,0°C – dia 5

 

Mas o calor de setembro está só começando. A segunda quinzena promete ser, ou pelo menos começar, com uma verdadeira fornalha.

As simulações atmosféricas indicam que o ar polar vai ficar retido por vários dias no centro-sul da Argentina. A circulação dos ventos em diversos níveis da atmosfera vai bloquear a passagem do ar polar para o Brasil. Os ventos frios vão ter dificuldade para entrar até sobre a Região Sul.

 

 

 

Sem ar polar e com a falta de umidade para formar grandes nuvens e um barrar um pouco o sol forte, um forte aquecimento pode ser esperado para os próximos dias por quase todo o país. Temperaturas extremamente elevadas, em torno dos 40°C, poderão ocorrer no Norte, Centro-Oeste e  no Nordeste. Mas calor próximo dos 40°C também poderá ser observado em alguns locais do Sudeste como norte de  Minas Gerais e de São Paulo.

Enquanto o calor e a secura do ar prometem incomodar a população em grande parte do Brasil, na Região Sul, a segunda quinzena de setembro promete tempestades.

Tendência para a primavera – Brasil

 

O que vem por aí?
domingo, 14 de setembro de 2014

Entramos na última semana do inverno e ele acabará com fortes emoções no centro-sul do Brasil. Confira algumas situações meteorológicas especiais que os previsores do tempo vão ter que lidar esta semana.

 

Segunda-feira – 15 de setembro

 

- Uma frente fria se organiza e avança pela Região Sul. Esse sistema está associado à um ciclone extratropical, portanto, além da chuva, estão previstos ventos fortes e mar agitado para a Região.

 

- O bloqueio é rompido em São Paulo e entre a tarde e a noite ocorrem pancadas de chuva em todo o Estado.

 

 

Terça-feira – 16 de setembro

 

- Uma massa de ar polar avança pela Região Sul e a temperatura cai bastante comparada com os últimos dias no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná.

 

- Frente fria continua avançando pelo Sudeste e há previsão de chuva para o Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Temperaturas amenas no leste de SP e no RJ.

 

 

Quarta-feira – 17 de setembro

 

- Novas instabilidades começam a se formar entre o Paraguai e a Argentina e avançam para o oeste da Região Sul durante a noite.

 

- Ar muito seco em Goiás, no Tocantins e no interior do Nordeste.

 

 

Quinta-feira – 18 de setembro

 

-  Um novo sistema de Baixa Pressão se intensifica e provoca temporais no Sul do país. Risco de chuva volumosa acompanhada de ventos fortes em Santa Catarina, no Paraná e no norte do Rio Grande do Sul.

 

 

Sexta-feira – 19 de setembro

 

- Uma nova frente fria se organiza e avança para o Sudeste. O Ciclone Extratropical associado à esse sistema provoca ventos fortes na região Sul, em SP e no RJ.

 

 

Em busca do green flash light!
sexta-feira, 12 de setembro de 2014

por Maira Di Giamo

O pôr do sol, por si só, já é um evento lindíssimo de se observar em qualquer lugar do mundo. Mas se ele vier com o green flash light no final, aí será inesquecível! Confira o que é o flash de luz verde e as dicas para observá-lo.

Confira fotos do fenômeno capturado por astrônomos:

Fenômeno green flash durante o pôr do sol. Crédito: Juan José Manzano (Grupo de Observadores Astronômicos de Tenerife) / NASA

Fenômeno green flash durante o pôr do sol. Crédito: Daniel López (El Cielo de Canarias) / NASA

 

10% de umidade no ar em SP e MG
quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Secura diminui no Sudeste (por pouco tempo…)

A passagem de uma frente fria pelo litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro muda os ventos sobre o Sudeste. Apesar de fraca no interior da Região, sem força para provocar chuva, os ventos marítimos gerados por esta frente fria entram no interior e elevam a umidade. O aumento da umidade será suficiente para formar algumas nuvens pequenas, sem chuva.

Passagem de frente fria pelo oceano faz com que ventos úmidos marítimos cheguem fracos ao interior do Sudeste

 

A sexta-feira não será úmida, apenas menos seca e um pouco menos quente. Mas no fim de semana, a umidade volta a diminuir e o calor aumenta. Porém, uma frente fria está sendo esperada para semana que vem, com força para provocar um pouco de chuva em parte da Região Sudeste. Confira a previsão!

 

10% de umidade em SP e MG

Esta penúltima semana do inverno está sendo marcada por ar muito seco na maioria das áreas da Região Sudeste. Na tarde desta quinta-feira, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 10% de umidade no ar Barra Bonita (SP), 12% em Ariranha (SP), Pradópolis (SP), Itapira (SP) e em Passos (MG). O aeroporto de Varginha registrou 10% de umidade no ar e em Ribeirão Preto, o aeroporto local chegou aos 12% também. Na zona oeste do Rio de Janeiro, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou apenas 14% em um momento.

 

 

Em muitas outras áreas do Sudeste, e também do Centro-Oeste, estados como o Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará e o oeste da Bahia, os níveis de umidade do ar esta semana ficaram entre 20% e 30% ou até abaixo dos 20% por muitas horas seguidas. Pelos padrões da Organização Mundial da Saúde, o nível de umidade deve ser manter em torno dos 60% para o conforto humano

O ar extremamente seco que vem predominando esta semana em grande parte do Brasil é prejudicial à saúde fazendo com o nosso corpo entre até no início de uma desidratação.

A meteorologista Josélia Pegorim conversou com Sergio Vaisman, médico clínico e cardiologista, dedicado à medicina preventiva, que alerta para os problemas da falta de água no nosso corpo. A chuva faz a faxina no céu. A água faz a limpeza do nosso corpo. Sua boa sede é um alerta amarelo!

 

 

Chuva aumenta no litoral de SE e de AL
quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Os ventos úmidos que sopram do mar em direção ao continente, são intensificados com a presença de um sistema de alta pressão no oceano Atlântico Sul. Isso favorece o desenvolvimento de nuvens bastante carregadas que provocam chuva desde a manhã da quinta-feira (11) principalmente sobre o litoral de Sergipe e de Alagoas.

Imagem de satélite do canal do infravermelho realçado

 

Em apenas 3 horas Coruripe-AL registrou um acumulado de chuva de 11mm. No mesmo período a capital do Sergipe, Aracaju, registrou cerca de 5mm.

Mais chuva para Sergipe, Alagoas e Bahia

A sexta-feira (12) ainda terá tempo bastante instável sobre Sergipe e Alagoas. Os volumes de chuva tendem a aumentar com a persistência da nebulosidade e dos ventos provenientes do mar se intensificando. No sábado (13) as áreas de chuva mais forte se distribuem sobre o leste da Bahia, o céu ficará carregado de nuvens e há previsão de chuva forte.

As áreas de instabilidade perdem força no domingo (14) e a tendência é de que ocorram apenas rápidas pancadas de chuva para aliviar as altas temperaturas.

Mapa de previsão de chuva para os próximos 5 dias

 

O grande vilão da primavera
quarta-feira, 10 de setembro de 2014

A primavera começa oficialmente no dia 22 de setembro, às 23h29, pelo horário de Brasil. Diante da grave crise hídrica pela qual o Brasil está passando, a ansiedade pela chuva da primavera é cada vez maior. Ela já começou a cair esporadicamente, mas os períodos de dias secos ainda são muito maiores do que os dias com chuva.

Em anos normais, a chuva aumenta gradualmente no decorrer da primavera, mas junto com a chuva vem também o aumento do calor. A primavera é naturalmente a estação do aumento das temperaturas.

O mapa mostra o trimestre com maiores médias de temperaturas do ar no Brasil. Os marcadores em roxo, azul e verde claro aparecem em grande parte do país e incluem todos os meses de primavera: roxo (agosto, setembro, outubro), verde (setembro, outubro, novembro), azul (outubro, novembro, dezembro).

 

 

A primavera é também a estação do retorno gradual da chuva, mas por causa do aumento do calor, a perda por evaporação natural também é muito alta.

Os mapas mostram a média de chuva e a evaporação. A média de chuva só começa efetivamente ser maior e compensar a evaporação durante o mês de novembro.

 

 

 

 

A meteorologista Josélia Pegorim explica porque o calor que vem por aí poderá ser o grande vilão da primavera.

 

Litoral de PE, PB e RN: chuva diminui, mas situação é de atenção
terça-feira, 9 de setembro de 2014

As áreas de instabilidade que provocam  muita chuva desde domingo em parte da costa leste do Nordeste já estão perdendo força. A chuva já diminuiu bastante no litoral de Pernambuco e da Paraíba, inclusive sobre as capitais Recife e João Pessoa. Na região de Natal, capital do Rio Grande do Norte, a chuva também já dava sinais de enfraquecimento no começo da noite desta terça-feira.

As imagens de satélite mostram a diminuição da nebulosidade na costa leste do Nordeste. As nuvens com maior potencial para chuva moderada a forte (manchas amarelas no litoral do Rio Grande do Norte) estão se dissipando.

 

 

Para a quarta-feira, a previsão é de que ainda chova ao em vários locais da costa leste do Nordeste, mas a chuva não deve ser persistente e constante como foi entre o domingo e esta terça-feira. As pancadas podem ocorrer a qualquer hora, mas já com a presença do sol.

Atenção com a quinta-feira

Porém, ainda há motivo de preocupação. As simulações das áreas de chuva para os próximos dias feitas em supercomputadores indicam uma nova intensificação da instabilidade na quinta-feira. Se as previsões se confirmarem, a chuva volumosa desta vez deve ocorrer entre Recife e Aracaju.

A região metropolitana de Recife, de João Pessoa e de Natal sofreram com a chuva volumosa nos últimos dias. Alagamentos, deslizamentos de terra, queda de árvores e transbordamento de lagoas de captação de água para abastecimento foram alguns dos problemas causados pela chuva forte, que já não é comum nesta época. A chuva foi tão volumosa e atípica entre 7 e 9 de setembro, que as três capitais registraram mais chuva do que normalmente ocorre durante todo o mês de setembro.

O gráfico mostra a quantidade de chuva acumulada entre os dias 1 e 9 de setembro, até 9 horas da manhã,  e a média normal para setembro, com dados dos Instituto Nacional de Meteorologia.

Leia também: João Pessoa vem tendo chuva atípica em setembro nos últimos 5 anos

Compartilhe a informação sobre as condições do tempo na sua cidade com a Climatempo

Participe!

Pelo site:  envie sua foto

Pelas redes sociais: #fotografeotempo

Pelo Whatsapp: (11) 9 9420-7548

Chuva atípica em João Pessoa!
terça-feira, 9 de setembro de 2014

por Maria Clara Machado

Os meses de setembro têm sido atípicos em João Pessoa, na Paraíba, com eventos de chuvas volumosas e processo erosivo em praias da região. Nestes primeiros nove dias de setembro de 2014, o acumulado de chuva na capital já chega a 159 milímetros, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia. O volume representa quatro vezes mais do que a média de chuva para setembro. Acompanhe o que diz o Diretor de Minimização de Desastres da Defesa Civil de João Pessoa (PB), Alberto Sabino.

A costa leste do Nordeste ainda vai permanecer em atenção nos próximos dias. Na quinta-feira, a chuva volta a se intensificar e há risco de chuva forte em áreas litorâneas, especialmente entre João Pessoa e Aracaju.

Céu carregado em João Pessoa nesta terça-feira. Foto: Emanuel Cavalcante

Veja mais:

Muita chuva em João Pessoa (PB)