Arquivo da Categoria ‘São Paulo’

+ aumentar e diminuir fonte -
Seca aumenta em 70% a venda de caixas d’água
terça-feira, 30 de setembro de 2014

por Maira Di Giamo

A situação em São Paulo continua bastante complicada. O Sistema Cantareira começa o mês de outubro com menos de 7% de sua capacidade, e o Alto Tietê com 12,5% da reserva. O medo da falta de água tem mudado os hábitos de muitos brasileiros. O consumo de alguns itens, como caixas d’água, aumentou. A população teme o racionamento e pensa em formas de armazenar a água. Além disso, produtos que ajudam na economia de água também estão em alta.  O gerente do setor de materiais de construção da Leroy Merlin, Flávio Dionísio, conta o que os consumidores têm procurado para combater as consequências da estiagem prolongada.

 

 

A temporada de chuva começou, porém mesmo entre os meses de outubro e março, o volume não será suficiente para recuperar completamente os reservatórios, e 2015 ainda deve ser um ano bastante crítico.

 

Ar abafado e risco de chuva na Grande SP
terça-feira, 30 de setembro de 2014

A presença de muitas nuvens no céu da Grande São Paulo e de ventos provenientes de norte, que transportam ar mais quente, provocam a sensação de abafamento.

A imagem do satélite meteorológico mostra a presença de nuvens com pouco desenvolvimento vertical nos tons em verde. Essas nuvens são responsáveis por reter parte do calor, além disso os ventos estão soprando de norte e trazem o ar de origem equatorial que é mais quente.

O abafamento do ar ainda favorece o crescimento de nuvens mais altas da atmosfera ao longo da tarde. Há previsão de pancadas de chuva especialmente entre o final da tarde e ao longo da noite. De forma mais pontual pode chover forte e acompanhado de raios.

Mais chuva para a Grande SP, mas nem tanto!

Após a passagem da frente fria, os ventos úmidos provenientes do mar ainda vão favorecer a formação de chuva fraca entre a quinta-feira (02) e o sábado (04). O sol aparece pouco por conta da quantidade de nuvens e a tendência é de queda da temperatura.

O domingo (03) de eleição deverá ter um tempo com muitas nuvens, mas sem o risco de chuva. Os ventos mudam de direção e passam a trazer um ar um pouco mais frio.

Você sabe como o meteorologista se guia pelo vento? Confira com o meteorologista César Soares no Climatempo News! Veja o vídeo abaixo

Calor e temporais em SP
segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Mais uma frente fria chegou ao litoral paulista, mas seu ar polar não foi forte o suficiente para espalhar pelo interior do Estado. Apenas as praias ficaram com temperatura amena nesta segunda-feira. Na capital, a temperatura chegou aos 31°C e pelo interior, o calor foi de 37°C em cidades do norte do Estado.

 

Temperaturas (valor aproximado) por volta das 13 horas de 29/9/2104. Fonte: Inmet e Aeronáutica

 

Os paulistas terão dias mais frescos no fim da semana, pelo menos as noites devem ficar mais confortáveis para dormir. Mas antes, o ar abafado e o risco de temporais.

A frente fria que já está perto do litoral paulista será reforçada nas próximas 48 horas e mais áreas de instabilidade avançam do Sul para São Paulo. Assim, até a quarta-feira, todas as regiões paulistas terão várias horas com chuva que pode ser moderada a forte. Há risco de raios e de fortes rajadas de vento entre 60 km/h e 90 km/h.

Após a passagem desta frente fria, as áreas de instabilidade se afastam de São Paulo e se inicia uma sequência de 7 a 10 dias praticamente em chuva. A chance de chuva na sexta-feira é baixa. Confira a previsão para o Estado de São Paulo.

O mapa mostra a estimativa de chuva para a Região Sudeste até 4 de outubro. A chuva mais volumosa ocorre no sul e centro-leste do Estado. No mapa seguinte, a cor branca que predomina sobre São Paulo indica que não há expectativa de chuva.

 

 

 

 

Participe do Desafio Fotografeotempo!  E viva a chuva!

 

 

Foto do destaque: Nuvens carregadas sobre Pindamonhangaba (SP). Foto de João Marcelo

Chuva se espalha sobre a Grande SP
segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Atualizado em 29/9/2014m às 14h20

Áreas de instabilidade de uma frente fria se intensificam sobre a Grande São Paulo. Por volta das 14 hroas, radares meteorológicos já detectavam chuva em vários locais como na região de Santana de Parnaíba, Cotia e nas zonas norte e leste da capital.

Vento polar entrou na capital

Uma nova frente fria chegou ao litoral paulista e seus ventos frios, de origem polar, já são sentidos na região da capital. A chegada do vento polar trouxe brusca queda da temperatura. Às 13 horas, o aeroporto de Congonhas estava com 23°C, na zona sul, e na zona norte, onde o vento polar ainda não atuava, a temperatura era de 31°C.

Após um fim de semana de céu carregado de nuvens e chuva fraca, a segunda-feira (29) começou com mais sol já pela manhã. Isso favorece a elevação da temperatura que associada com  a umidade presente no ar deixa a sensação de abafamento.

Na imagem do satélite meteorológico as áreas em verde mostram a presença de nebulosidade sem grande profundidade na atmosfera. Dessa forma, o calor fica retido e a sensação é de mais calor do que o termômetro registra.

Chuva persiste sobre São Paulo, mas com acumulado baixo

Novas áreas de instabilidade vão circular por São Paulo ao longo dos próximos dias. Os modelos meteorológicos indicam a presença de pancadas de chuva especialmente no período da tarde e da noite. Porém os volumes de chuva acumulados sobre a Grande São Paulo não devem ser superiores a 100mm nos próximos 15 dias.

Pouca chuva sobre o Sistema Cantareira

Com a chegada da primavera, a chuva se torna mais presente sobre o Sudeste do Brasil. Os volumes de chuva se elevam sobre diversas áreas. Mas não é agora que os problemas do Sistema Cantareira serão solucionados. Os volumes previstos para os próximos dias não superam os 30mm diários, como pode ser visto na previsão de chuva. Essa condição não consegue reverter a seca que passamos desde o final do ano de 2013.

Enfim, choveu no Cantareira!
sábado, 27 de setembro de 2014

Em quase toda esta semana o tempo ficou instável no Estado de São Paulo, no entanto, até a quinta-feira (25) a capital e o sistema Cantareira só haviam recebido poucos períodos de chuva muito leve que não chegava nem a acumular 1 mm no pluviômetro.

Ontem finalmente a chuva tão esperada chegou. Uma frente fria vinda do Sul do Brasil reforçou as áreas de instabilidade que já estavam sobre São Paulo e provocou chuva de moderada a forte intensidade que acumulou volumes expressivos.

De acordo com os dados da SABESP, a chuva de ontem acumulou aproximadamente 23 mm no Sistema Cantareira. Esta chuva ainda não conseguiu elevar o volume armazenado, mas, pelo menos, ajudou com que não diminuísse. Hoje o Sistema Cantareira manteve os mesmos 7,2%  que havia sido registrado antes da chuva.

No Sistema Alto Tietê, a chuva foi mais volumosa e, segundo a SABESP, foram acumulados 64,2 mm. Antes desta chuva, o volume armazenado neste reservatório era de 11, 9%. Hoje, após a chuva, o volume passou para 12,3%.

Cantareira terá chuva nos próximos dias
sexta-feira, 26 de setembro de 2014

As áreas de instabilidade que provocaram chuva forte sobre a Grande São Paulo na sexta-feira, 26 de setembro, avançaram em direção ao Sul de Minas Gerais e no caminho provocaram chuva forte sobre o Sistema Cantareira.

Uma das maiores provas da chuva forte é esta imagem captada pelo radar meteorológico de São Roque, operado pela Aeronáutica. A área do Sistema Cantareira está esquematizada em branco. As manchas amarelas, alaranjadas e vermelhas indicam a chuva moderada a forte.

 

 

 O quanto choveu, a Sabesp dirá neste sábado. No começo da manhã do dia 26 de setembro, a reserva de água do Cantareira era menor do que se tinha em 15 de maio, quando se começou a usar o volume morto.

 

 

A quantidade de água do Sistema Alto Tietê também já está crítica. Estes dois reservatórios são os principais para garantir o abastecimento de água para a Grande São Paulo.

 

 

Mais áreas de instabilidade e outra frente fria vão passar sobre São Paulo até a terça-feira, 30 de setembro e há chance de voltar a chover forte sobre a Grande São Paulo, na região do Alto Tietê e do Cantareira. Porém, a deficiência de água é extremamente grande e não será a chuva forte de uma ou duas frentes frias que vai repor a água que o verão de 2013/2014 não deu. Serão precisos mais de uma primavera e mais de um verão com chuva para deixar o nível de água dentro da normalidade.

Os mapas mostram a chuva estimada diária sobre o Cantareira que aparece em contorno roxo.

 

 

 

 

Participe da campanha  SP: vida sem água

Leia também 

Alto Tietê: crise continua em 2015

Racionamento é o melhor caminho para São Paulo?

O uso ilegal da água

 

 

Grande SP terá mais chuva no fim de semana
sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Nuvens carregadas que vieram do Paraná, a  passagem de uma frente fria pelo litoral trouxeram muita chuva para a Grande São Paulo nesta sexta-feira. Choveu e ventou forte e capital paulista teve até  alguns alagamentos, o que não acontecia há muito tempo.

 

Chuva sobre Sao Paulo na tarde de 26 de setembro de 2014, vista da região da avenida Faria Lima. Foto de Leonardo

 

Diante da seca pela qual passa a Grande São Paulo, a chuva forte numa tarde de sexta-feira foi recebida com alegria por muita gente. E tem mais chuva para o fim de semana.

Tecnicamente, a frente fria já está no litoral do Estado do Rio de Janeiro e vai se afastando para alto-mar durante este sábado. Mas muitas áreas de instabilidade voltam a se formar sobre o Estado de São Paulo mantendo as condições para chuva também sobre a Grande São Paulo.

 

Fim de semana abafado

O primeiro fim de semana da primavera será abafado na cidade de São Paulo. A frente fria que chegou a cidade nesta sexta-feira trouxe chuva forte, mas pouco ar polar. Assim, não há expectativa de queda acentuada da temperatura no fim de semana.

Com a grande quantidade de nuvens, ventos de origem polar e a chuva, a temperatura neste sábado não sobe muito. Algumas pessoas poderão ter uma ligeira sensação de frio à noite e no começo da manhã. Mas o domingo já será quente, com o sol aparecendo por mais tempo e ventos quentes soprando de novo sobre a cidade. Mas as pancadas de chuva voltam a ocorrer à tarde e à noite. Há possibilidade de algumas pancadas fortes no fim de semana.

Outra frente fria está prevista para chegar ao litoral de São Paulo na segunda-feira, 29 de setembro, aumentando o risco de chuva forte.

 

Chuva forte sobre a Grande São Paulo

Confira alguns volumes de chuva acumulados até as 16h40, com dados do SAISP – Sistema de Alerta e Inundações de São Paulo e pelo Instituto Nacional de Meteorologia

 

 

Qualidade do ar melhora

A chuva melhorou a qualidade do ar  na Grande São Paulo. O fim de semana será úmido e a população não sentir os transtornos do ar muito seco e com maior concentração de poluentes.

Mas você sabia que a poluição mata 35 pessoas por dia em São Paulo?

 

Usina de Três Marias atinge menor nível em 84 anos
sexta-feira, 26 de setembro de 2014

por Maria Clara Machado

A Usina de Três Marias, em Minas Gerais, registra o pior armazenamento da história com o volume útil de 5,6% registrado na última quarta-feira, 24 de setembro. A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) afirma que não se observava uma situação tão ruim desde 2001, o ano do apagão no Brasil, quando o armazenamento do reservatório chegou a 8%.

Um grupo formado por diversos representantes, coordenado pela Agência Nacional das Águas (ANA), com participação do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), participação da Cemig e outros usuários como prefeituras locais, se reúne com determinada frequência para analisar a situação do reservatório.

Na próxima semana, mais uma reunião deve acontecer para avaliação de uma possível redução na vazão que atualmente está sendo liberada. O objetivo, segundo a Cemig, é preservar o pouco de água que resta do reservatório, até a chegada da chuva.

“O fabricante das turbinas foi consultado e, em tese, o reservatório pode gerar energia até mesmo com o armazenamento mínimo do volume útil”, afirma Marcelo De Deus Melo, gerente de planejamento energético da Cemig.

O Projeto Jaíba, de agricultura irrigada na região, é o principal usuário que demanda grande quantidade de água, e já a partir de outubro deve sofrer impacto imediato com uma redução significativa. Apesar da medida, a Cemig avalia que a adaptação é necessária diante do cenário. Algumas culturas entram na fase de colheita e não necessitam, neste momento, da irrigação complementar.

Acompanhe o que diz Marcelo de Deus Melo, gerente de planejamento energético da Cemig, sobre a situação da Usina de Três Marias (MG):

Veja qual a tendência para a primavera na Região Sudeste.

Chuva intensa já se afastou da Grande São Paulo
sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Atualizado às 16h45 em 26/09/2014

A chuva caiu forte em várias áreas da Grande São Paulo nesta tarde. Uma forte linha de instabilidade (conjunto organizado de nuvens Cumulonimbus (Cb), nuvens que podem provocar temporais) veio do Sul do Estado de São Paulo e passou sobre a região de Sorocaba, Grande São Paulo e Baixada Santista. Chuva forte veio com raios e vento forte  e também causou alguns alagamentos na cidade de São Paulo.

Até 16h10, o CGE – Centro de Gerenciamento de Emergências – havia registrado  três pontos de alagamentos, mas todos transitáveis, e dois ainda estavam ativos por volta das 16h40

As imagens dos radares meteorológicos das 16h30 mostravam que a chuva intensa já havia se afastado da Grande São Paulo.

Grandes volumes de chuva

Choveu forte em várias áreas da Grande São Paulo. Abaixo, os maiores volumes registrados pelo SAISP – Sistema de Alerta e Inundações do Estado de São Paulo.

61,4 mm em Salesópolis (barragem de ponte nova)
45,8 mm em Biritiba Mirim
59,2 mm em Mogi das Cruze
33 mm em Mauá
30 mm em São Bernardo do Campo
11 mm em 1h na automatica do Mirante
Até as 16h, 11,4 mm na medição do automática do Inmet

Por volta das 11h, o radar meteorológico de São Roque – operado pela Aeronáutica – detectava áreas de chuva forte (manchas vermelhas) passando pelo extremo sul da capital paulista, região de Parelheiros, e já atingindo também parte da Baixada Santista. Outras áreas com chuva forte já estavam próximas de São Roque com tendência a avançar para a Grande São Paulo nas próximas horas.

O radar também detectava uma área de chuva forte, no sul do Estado de São Paulo. Esta instabilidade também tende a se deslocar para a Grande São Paulo e para a Baixada Santista nas próximas horas.


Risco de chuva forte

As nuvens carregadas são de áreas de instabilidade associadas a uma nova frente fria que avança do Sul para São Paulo. As pancadas de chuva devem ocorrer na tarde e noite desta sexta-feira em todas as regiões paulistas. Há risco de chuva e vento forte.

 

Imagem de câmera do site Vejo ao vivo- praia da enseada, Guarujá (SP)

Fim de semana

A nova frente fria que chega sexta-feira ao litoral  paulista influencia o Estado em parte do sábado, enquanto se afasta em alto-mar. Mas as nuvens carregadas crescem e provocam mais pancadas de chuva. Há risco de fortes pancadas de chuva no fim de semana, mas o tempo não fica chuvoso. O sol aparece entre muitas  nuvens. Não há previsão de frio.

Outra frente fria está prevista para chegar ao litoral de São Paulo na segunda-feira, 29 de setembro.

O mapa mostra o volume de chuva estimado para a Região Sudeste até o dia 1 de outubro. A maior quantidade de chuva acumulada será sobre o centro-oeste e sul de São Paulo.


Seca em SP ainda está muito longe de acabar, apesar do retorno gradual da chuva.

Poluição mata 35 pessoas por dia em São Paulo

Sexta com frente fria em SP
quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Temporal em Ourinhos

Nuvens muito carregadas que vieram do Paraná na noite de quinta-feira, 25 de setembro, passagem sobre Ourinhos no sudoeste de São Paulo e provocaram um temporal. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou uma rajada de vento e 81 km/h às 21 horas. Choveu 15 mm entre 20h e 21 h, o que é considerado uma chuva forte para o período de apenas 1 hora.

 

Frente fria chega ao litoral até a noite

A sexta-feira deve ser um dia bastante instável em São Paulo. O risco de chuva aumenta em todo o estado com a chegada de áreas de instabilidade vindas do Sul do Brasil e de uma nova frente fria.

As áreas de instabilidade estão se expandiram muito rapidamente sobre a Região entre a tarde e a noite desta quinta-feira espalhando nuvens carregadas que já provocaram chuva forte e granizo no Sul.

 

A nova frente fria desloca-se rapidamente pelo litoral da Região Sul do Brasil e chega ao litoral paulista até noite desta sexta-feira, 26 de setembro trazendo parte da instabilidade do Sul para São Paulo.

 

As nuvens de chuva voltam a se espalhar sobre São Paulo já na madrugada de sexta. Deve chover pela manhã em grande parte do estado, incluindo a Grande São Paulo.

No decorrer desta sexta-feira, há risco de chuva forte sobre todas a regiões paulistas, com raios e ventos rajadas de vento intensas que podem chegar aos 80 km/h.

 

Fim de semana

A nova frente fria que chega sexta-feira ao litoral  paulista influencia o Estado em parte do sábado, enquanto se afasta em alto-mar. Mas as nuvens carregadas crescem e provocam mais pancadas de chuva. Há risco de fortes pancadas de chuva no fim de semana, mas o tempo não fica chuvoso. O sol aparece entre muitas  nuvens. Não há previsão de frio.

Outra frente fria está prevista para chegar ao litoral de São Paulo na segunda-feira, 29 de setembro.

O mapa mostra o volume de chuva estimado para a Região Sudeste até o dia 30 de setembro. A maior quantidade de chuva acumulada será sobre o centro-oeste e sul de São Paulo.

 

Bloqueio mantém chuva no centro-sul do Brasil nos próximos 10 dias.

Seca em SP ainda está muito longe de acabar, apesar do retorno gradual da chuva.