Arquivo da Categoria ‘São Paulo’

+ aumentar e diminuir fonte -
Cantareira entra na segunda cota do volume morto
sexta-feira, 24 de outubro de 2014

O fundo do fundo do poço.

O nível de armazenamento dos mananciais operados pela Sabesp costuma ser atualizado todos os dias por volta das 9 horas da manhã, mas nesta sexta-feira, 24 de outubro, foi diferente, mais tarde.

A surpresa: o armazenamento do Cantareira que era de 3,0% na manhã de 23 de outubro subiu para 13,6%, apesar de não caído uma gota de água por lá nas últimas 24 horas.

 

 

 

A mágica: a Sabesp começou a usar a segunda cota do chamado “volume morto”. O volume acrescido corresponde a aproximadamente 10,7% da capacidade total. Ou seja: esse valor foi somado aos 18,5% que já haviam sido acrescentados em 18 de maio de 2014.

 

 

Previsão de chuva para os próximos dias

As pancadas de chuva estão voltando a ocorrer, mas ainda sem muita regularidade. Porém, a situação de bloqueio e de calor extremo já terminou. O Sudeste do Brasil vai receber mais umidade do Norte do país nos próximos dias, o que vai facilitar a ocorrência de chuva.

A chuva está voltando e poderá ser generalizada e volumosa nos últimos dias de outubro e no começo de novembro. A previsão é de que a circulação de ventos sobre o Brasil e a chegada de uma grande frente fria ajudem a formar e a manter grandes áreas de instabilidade sobre o Sudeste, que devem provocar chuva forte e volumosa sobre o Cantareira.

 

 

O que é  volume morto?

O volume morto é uma reserva técnica de água, de difícil acesso, que nunca havia sido usada antes da grave crise hídrica pela qual está passando o Estado de São Paulo. Para usar esta água, o governo estadual teve que pedir permissão para a ANA – Agência Nacional das Águas -, órgão federal que coordena o uso da água no país, e teve que fazer obras especiais de engenharia para a captação desta água.

 

 

Em 18 de maio de 2014, a Sabesp começou a usar a primeira cota do volume morte, contando com mais 982,07 bilhões de litros de água.

Em 24 de outubro de 2014, a Sabesp começou a usar a segunda cota do volume morto, que correspondem a 105,0 bilhões de litros de água.

 

Drone da Climatempo capta imagens dramáticas da seca em SP

Seca do Cantareira é de destaque no site da NASA

Participe da Campanha  SP: vida sem água Dê seu depoimento!

 

 

Mais calor e pancadas de chuva na Grande SP
sexta-feira, 24 de outubro de 2014

A menor quantidade de nuvens e o sol aparecendo forte já faz as temperaturas subirem na Grande São Paulo. Na quinta-feira (23) o maior período com sol forte já refletiu diretamente na temperatura máxima. Segundo informações da estação convencional do Instituto Nacional de Meteorologia no Mirante de Santana (Zona Norte), a maior temperatura do dia foi de 29,5°C.

A imagem do satélite meteorológico mostra o ar seco ganhando força nos tons em marrom, as áreas em verde ainda representam um ar um pouco mais úmido e no norte do Estado a presença de áreas de instabilidade que provocam chuva já na manhã de sexta-feira (24).

A umidade cai um pouco pela manhã e não há a presença de muito vento, por isso a qualidade do ar vai caindo na cidade de São Paulo. E novamente, as estações de medição da CETESB tem registros de qualidade do ar moderada em diversos pontos da capital.

Qualidade do ar às 9h do dia 24/10 segundo estações da CETESB

A chegada de umidade tanto vinda do interior quanto do oceano, vai favorecer a formação de pancadas de chuva entre a tarde e a noite. Como a chuva deve vir de forma rápida, não são esperados grandes volumes. A previsão é de chuva localizada, mas que pode vir com forte intensidade nas áreas em que ocorrerem.

Sol e mais chuva para o fim de semana

A nebulosidade vai aumentar um pouco já na manhã de sábado (25), mas o sol não será totalmente encoberto isso vai favorecer a sensação de abafamento no ar uma vez que a temperatura ficam pouco abaixo dos 30°C e há muita umidade disponível no ar. As chances de chuva aumentam e podem ocorrer entre a tarde e a noite. Essa condição também será vista  no domingo (26), ou seja, muitas nuvens, abafamento no ar e risco de pancadas de chuva pela tarde e noite.

Seca do Cantareira é destaque no site da NASA
quinta-feira, 23 de outubro de 2014

A gravíssima e histórica seca pela qual a Região Sudeste do Brasil está passando foi destaque no site Earth Observatory, da NASA, dos Estados Unidos, em de 23 de outubro de 2014.

As imagens da represa Jaguari captadas em alta resolução pelo satélite Landsat 8 mostram claramente a perda de massa líquida e o aumento das áreas de terra por causa da falta de chuva. Entre uma e outra tem mais ou menos 1 ano de diferença.

 

Imagens do satélite Landsat 8 - Earth Observatory - NASA

A primeira imagem que mostra a represa com grande massa de água, que aparece num tom de verde escuro, foi captada em 16 de agosto de 2013.

Imagens do satélite Landsat 8 - Earth Observatory - NASA

A segunda imagem mostra o quadro de seca em 3 de agosto de 2014.

 

Imagens do satélite Landsat 8 - Earth Observatory - NASA

É assustador! Repare na transformação das bordas da represa indicadas pelas setas. Veja como a terra tomou conta da área dentro do círculo amarelo.

A represa Jaguari é uma das represas que compõem o Sistema Cantareira, maior e principal reservatório para o abastecimento da Grande São Paulo e de outras cidades do Estado de São Paulo.

O severo quadro de seca em que encontra São Paulo e o Cantareira foi uma das consequências da falta de chuva no verão 2013/2014.

 

Chuva (volumosa) à vista

As pancadas de chuva estão voltando a ocorrer, mas ainda sem muita regularidade. Porém, a situação de bloqueio e de calor extremo já terminou. O Sudeste do Brasil vai receber mais umidade do Norte do país nos próximos dias, o que vai facilitar a ocorrência de chuva.

A chuva está voltando e poderá ser generalizada e volumosa nos últimos dias de outubro e no começo de novembro. A previsão é de que a circulação de ventos sobre o Brasil e a chegada de uma grande frente fria ajudem a formar e a manter grandes áreas de instabilidade sobre o Sudeste, que devem provocar chuva forte e volumosa sobre o Cantareira.

 

 

Se as previsões se confirmarem, será a maior quantidade de chuva em mais de um ano. Algumas estimativas apontam que entre 1 e 6 de novembro poderá chover em torno de 230 mm. Se isto ocorrer, em uma semana o Cantareira receberia quase a média de chuva de outubro e de novembro de uma só vez! Pelas informações da SABESP, a média de chuva para a outubro é e aproximadamente 131 mm e para novembro de 164 mm.

 Leia a matéria no site da NASA, em inglês

Pior seca em SP em 70 anos – dramáticas imagens da seca captadas pelo drone da Climatempo

Previsão de chuva forte para o Cantareira

 

Calor e mais pancadas de chuva em SP
quinta-feira, 23 de outubro de 2014

A quinta-feira (23) teve uma tarde com algumas pancadas de chuva no norte do Estado de São Paulo. As cidades de Ituverava e Birigui tiveram a presença de pancadas de chuva com intensidade de moderada a moderada fraca, segundo informações do radar meteorológico do IPMET/UNESP.

A previsão é de mais chuva ao l0ngo dos próximos dias. Na sexta-feira (24) a circulação de algumas áreas de instabilidade vão provocar pancadas de chuva principalmente ao longo da tarde e da noite. O sol vai aparecer forte e vai fazer a temperatura subir muito. A associação de calor e umidade presente em algumas cidades podem provocar chuva forte.

Mais chuva para o Estado de São Paulo

No fim de semana as áreas de instabilidade ganham força e a tendência é de que a chuva ocorra com mais frequência sobre o interior paulista. Os riscos para temporais aumentam e a temperatura tende ao sofrer uma ligeira queda por conta da maior quantidade de nuvens no céu.

São esperados grandes volumes de chuva ao longo dos próximos dias. Veja mais em: Centro-Oeste e Sudeste terão muita chuva

No entanto esta chuva não soluciona o problema das secas nos reservatórios. Veja mais em: São Paulo vive a pior seca em 70 anos

Estado de São Paulo vive pior seca em 70 anos
quinta-feira, 23 de outubro de 2014

por Maria Clara Machado

O Estado de São Paulo vive a pior seca em pelo menos setenta anos e os números da crise hídrica crescem a cada dia. Outubro de 2014 vai terminar com falta de água nas torneiras em 69 municípios e com mais de 15,6 milhões de pessoas com problemas no abastecimento. Há relatos de 40 cidades em racionamento e os cortes diários já atingem cerca de 38% da população.

Em determinadas áreas do estado o cenário é chocante, como o Rio Piracicaba que está com a menor vazão em 30 anos. O município de Itu enfrenta racionamento há nove meses e em Iracemápolis, a represa Iracema  já secou. Na região metropolitana de São Paulo, o nível dos reservatórios continua caindo, mesmo após o retorno de algumas pancadas de chuva este mês. Nesta quinta-feira, dia 23, o Sistema Cantareira atingiu o valor crítico de 3% e o Alto Tietê de 8,2%.

 

 

O Drone Climatempo sobrevoou áreas secas do Estado de São Paulo durante reportagens especiais. Confira!

 

Veja outros especiais:

Como fica o Cantareira em 2015?

Seca pode ser consequência do aquecimento global?

Tirar segunda cota do volume morto é inevitável?

O racionamento seria o melhor caminho para São Paulo?

 

Participe da nossa Campanha SP: vida sem água e dê seu depoimento.

Mais sol e mais calor para São Paulo
quinta-feira, 23 de outubro de 2014

A quinta-feira (23) começou com um nevoeiro que até pode “assustar” as pessoas. Mas o dia será de muito sol na cidade de São Paulo, afinal já dizia o ditado: “Neblina de baixa é sol que racha…” O ar seco começa a ganhar força pelo interior como mostra as imagens do satélite meteorológico, a nebulosidade tende a diminuir e com o maior período com sol o calor começa a voltar.

A tendência é de que o ar seco se espalhe até mesmo para as áreas do leste do Estado de São Paulo incluindo a capital paulista. O sol já apareceu ao longo da manhã em algumas áreas da cidade de São Paulo, essa condição já refletiu no aeroporto de Congonhas onde a temperatura mínima já foi 1°C mais quente do que na quarta-feira (22) e os ventos já passaram a soprar de norte.

Chuva volta no fim de semana

A sexta-feira (24) terá muito sol a temperatura sobe ainda mais. Há o risco de pancadas de chuva por conta da chegada de umidade vinda do mar. De forma pontual, pode chover forte.

Entre o sábado (25) e o domingo (26), um sistema de baixa pressão atmosférica se posiciona ao largo da costa do Estado paulista e vai organizar áreas de instabilidade. Ambos os dias começarão com muitas nuvens e a tendência é de chuva ao longo da tarde e da noite.

A primeira semana de novembro promete trazer mais chuva para o Sudeste e Centro-Oeste. O meteorologista César Soares comentou no Climatempo News.

Após a queda de temperatura Sudeste volta a esquentar
quarta-feira, 22 de outubro de 2014

A frente fria que provocou um pouco de chuva sobre o Sudeste já se afasta e com isso as áreas de instabilidade mais fortes já se afastam. A nebulosidade ainda permanece no Rio de Janeiro e no leste de São Paulo por conta da circulação de ventos úmidos provenientes do mar. A imagem do satélite meteorológico mostra a presença da frente fria na divisa entre o norte do Espírito Santo e o sul da Bahia.

Com os ventos mudando de direção e passando a transportar o ar de origem polar, as temperaturas sofreram uma queda. Confira nos gráficos das capitais, como a temperatura se comportou antes e depois da passagem da frente fria.

Mais sol e mais calor para o Sudeste

E após a passagem da frente fria, o ar seco vai voltar para o Sudeste e o sol vai aparecer mais. Com isso, a tendência será de aquecimento para os próximos dias. Mas não espere o calor que quebrou recordes da semana passada, as temperaturas máximas esperadas até o fim desta semana estarão dentro da média climatológica para o mês de outubro.

A chuva irá voltar no fim de semana, mas em forma de rápidas pancadas entre a tarde e a noite, principalmente.

Grande SP: muitas nuvens e pouca chuva
terça-feira, 21 de outubro de 2014

A terça-feira foi marcada por muita umidade e temperatura amena na Grande São Paulo. Na capital, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou a temperatura máxima de apenas 20,0°C, a mais baixa desde o dia 4 de outubro quando o termômetro não passou dos 19,3°C.

 

Grande quantidade de nuvens sobre Barueri (SP). Foto de Rodrigo Moraes 21-10-2014

 

São Bernardo do Campo com muitas nuvens. Foto de osoneca 21-10-2014

 

A turma do “#adorofriozinho” terá mais esta quarta-feira para curtir a temperatura amena porque o calor volta a partir de quinta. O tempo ainda fica muito úmido nesta quarta-feira na Grande São Paulo e no leste do estado, com muitas nuvens, névoa e sol fraco, mas pouca chance de chuva

 

A forte queda da temperatura foi um dos efeitos da frente fria que passou pelo Estado de São Paulo trazendo chuva, o ar úmido e o alívio do calor. A temperatura caiu em todas as regiões paulistas, mas volta a subir com o afastamento do ar polar. 

Calor normal

Ninguém precisa temer a volta do calorão da semana passada. Vai esquentar de novo, mas o calor esperado para os próximos dias será o normal para esta época do ano, com temperaturas de 32°C a 35°C no interior e de até 32°C na capital e pelo litoral.

 

Pancadas de chuva

A semana vai terminar quente e com a volta também das pancadas de chuva. Mas não há previsão de nova frente fria, apenas maior aquecimento e ar úmido disponível para formar nuvens que podem provocar a chuva da tarde e da noite. A próxima frente fria a chegar forte em São Paulo é esperada entre os dias 30 e 31 de outubro.

Dia muito úmido em São Paulo
terça-feira, 21 de outubro de 2014

Os ventos mudaram de direção na cidade de São Paulo e mudaram as condições do tempo. A nebulosidade segue sobre a capital paulista e impede a entrada dos raios solares, essa condição associada com os ventos de sul não deixa as temperaturas subirem tanto.

As imagens do satélite meteorológico mostram a presença de algumas nuvens que não tem topos tão altos. Dessa forma, há a condição de chuva, mas não em forma de temporais. A intensidade da chuva é fraca, mas pode se manter ao longo do dia.

 

As condições do céu de São Paulo também refletiu na temperatura. O aeroporto de Congonhas registrou 21°C às 9h da manhã de segunda-feira (20), na terça-feira (21) no mesmo horário os termômetros já estavam nos 16°C, uma queda de 5°C.

Com o ar mais úmido sobre a cidade, a qualidade do ar melhorou bastante. Segundo informações da CETESB o dia começou com todas as estações medindo qualidade do ar boa.

Registro de qualidade do ar nas estações da CETESB às 9h da manhã

 

Mais calor e menos umidade

O ar seco vai ganhar força ao longo dos próximos dias.  Com o predomínio do sol forte as temperaturas voltam a subir e as condições de chuva diminuem. Volta a fazer calor, mas as temperaturas máximas firam ficar dentro da normalidade para a época do ano, não teremos valore equivalentes aos registrados ao longo da última semana quando tivemos recordes absolutos de calor.

Na sexta-feira (24) há o risco de chuva forte e localizada ao longo do período da tarde e na noite. Não por conta de uma frente fria, desta vez a responsável pela chuva será o próprio calor e a entrada da brisa do mar que vai umidificar a atmosfera o suficiente para provocar pancadas de chuva chuva.

Cantareira: a chuva que não faz diferença
segunda-feira, 20 de outubro de 2014
O calor intenso e a chegada de uma frente fria a São Paulo estimularam a formação de áreas de instabilidade que provocaram fortes pancadas de chuva em muitas regiões paulistas.
A chuva caiu com moderada a forte intensidade também sobre o Sistema Cantareira.  O volume acumulado variou de cerca de 10mm e 30mm sobre as barragens do Sistema Cantareira, segundo medições do Sistema de Alerta a Inundações de São Paulo, da Fundação Centro de Tecnológico de Hidráulica.  Em um local choveu aproximadamente 32 mm, o que corresponde a 24% da média de chuva para outubro no Cntareira, que fica em torno de 131 mm.
​Apesar da chuva forte, o nível do Sistema Cantareira baixou 0,1% entre a manhã do dia 19 e a manhã de 20 de outubro. O Sistema Alto Tietê baixou 0,2%.

Afinal, que chuva é essa que cai e não faz diferença no nível dos reservatórios? A meteorologista Josélia Pegorim explica o efeito das primeiras chuvas da primavera.

Os mapas  mostram a estimativa de chuva para os próximos 15 dias para o Sistema Cantareira, que aparece desenhado em roxo. A chuva diminui até a a quinta-feira e volta a aumentar a partir da sexta, 24 de outubro.

 

 

 

 

Frente fria provocou chuva sobre o Cantareira

 

Como fica o Cantareira em 2015?

 

 

Quela a tendência da chuva em novembro no Brasil?