Arquivo da Categoria ‘São Paulo’

+ aumentar e diminuir fonte -
Segundo dia sem chuva no Cantareira
terça-feira, 3 de março de 2015

O ar seco chegou com força sobre as áreas de captação do Sistema Cantareira e pelo segundo dia consecutivo as estações de medição da Sabesp não registraram chuva. Mesmo sem chuva o sistema continua estável. Os demais reservatórios, Alto do Tietê e Guarapiranga, chegaram a registrar uma elevação em relação aos volumes observados na segunda-feira (02).

 

A economia de água feita pela população e a água vinda dos afluentes também auxiliam em tal estabilidade. Até o momento com volume de 11,7%, o sistema Cantareira a dívida da 2ª cota da reserva técnica foi saudada, retirada em 24/10/2014. Para cobrirmos a 1ª cota da reserva técnica é necessário que o volume disponível para consumo alcance 18,5%.

Desde o início de fevereiro, o Sistema Cantareira registra elevação ou estabilidade. A média de elevação é de 0,2% ao dia.  Se mantivermos este índice de elevação ao dia, em 15 de março o nível de armazenamento chegaria aos 14,1%, marca almejada pelo governo paulista para evitar um racionamento amplo oficial.

Há exatamente um ano, no dia 03 de março de 2014, o nível do reservatório estava em 16,4% de armazenamento só que do volume útil.

E a previsão ao longo dos próximos dias também não é animadora para as áreas de captação de agua de São Paulo. O forte ar seco impede a formação de grandes nuvens de chuva e a organização de grandes áreas de instabilidade. Até o fim desta semana a tendência é de pouca chuva sobre o Cantareira, Alto do Tietê e Guarapiranga, o que pode afetar diretamente os volumes disponíveis para consumo dos três reservatórios. Entre o fim desta semana e o início da próxima, já há o risco de pancadas de chuva forte que vão trazer volumes maiores de chuva para os reservatórios.

A animação com a previsão de chuva até o dia 17 de março, mostra que ao longo da próxima semana a tendência é de mais chuva tanto sobre a Região Metropolitana de São Paulo quanto sobre o sul de Minas Gerais onde ficam as áreas de captação dos principais reservatórios que abastecem a cidade. Os tons em verde representam volumes de chuva que podem atingir os 100mm acumulados, já os tons em laranja indicam acumulados que dificilmente chegam aos 15mm.

Cantareira tem dia sem chuva
segunda-feira, 2 de março de 2015

A passagem de uma  massa de ar polar pela costa da Região Sudeste reduz ao níveis de umidade entre o sul de Minas Gerais e o leste de São Paulo diminuindo as condições para chuva sobre o Sistema Cantareira e os demais reservatórios que abastecem a Grande São Paulo.

A terça-feira deve ser com predomínio de sol, com a presença de algumas nuvens, mas não há expectativa de chuva. A falta de chuva é ruim, embora resfriamento do ar provocado pela massa polar cause alguma redução da evaporação.

O nível de armazenamento dos reservatórios tende a ficar estável ou diminuir nesta terça-feira. As condições para chuva tendem a aumentar gradativamente até o fim da semana

Segundo a Sabesp, não houve registro de chuva entre os dias 1 e 2 de março sobre o Cantareira.

 

 

A previsão indica um aumento da chuva para o fim da semana, quando pode voltar a chover forte.

 

 

 

A dívida do volume morto

A chuva de fevereiro repôs a segunda cota de 10,7% de água “emprestada” em 24 de outubro de 2017. A primeira cota no total de 18,5% está começando a ser paga agora. O nível do Cantareira estava em 11,7% na manhã de 2 de março. Há um ano o armazenamento era de 16,5%, mas de água do volume útil.

 

 

 

Efeito enganador da chuva de fevereiro sobre o Cantareira

Mais calor na Grande SP
segunda-feira, 2 de março de 2015

Atualizado em 03/03/2015 às 09h15

A terça-feira (03) começou com algumas nuvens na cidade de São Paulo e temperaturas mínimas na casa dos 18°C no aeroporto de Congonhas. Ao longo das próximas horas o sol aparece forte e a temperatura sobe rápido. Faz calor em toda a Grande São Paulo e não há previsão de chuva. A umidade relativa do ar tende a cair ainda mais, na segunda-feira (02) o Mirante de Santana registrou índices de umidade relativa do ar de 35%.

Ainda faltam quase três semanas para terminar o verão, mas a presença de uma massa de ar frio polar moderada na costa da Região Sudeste fez com que a temperatura baixasse em todo o Estado de São Paulo.

A parte mais intensa do ar polar está sobre o mar e tende a se afastar do Brasil, mas nesta terça-feira,  todo o Estado de São Paulo ainda vai sentir um ventinho fresco para afastar o calor e a sensação de abafamento da semana passada.

 

Além da queda da temperatura, o ar polar reduziu os níveis de umidade e a pouca chuva esta sendo esperada para esta terça-feira. O dia amanhece com temperatura agradável e novamente um pouco abaixo dos 20°C em grande parte do Estado. Não deve chover sobre o leste do Estado. O sol deve predominar na Grande São Paulo, no litoral, nos vales do Paraíba e do Ribeira. Não há previsão de chuva para a região do Sistema Cantareira.

 

Por-do-sol em Presidente Epitácio (SP), por JReoli, 1-3-2015

 

Semana termina em temporais e calor

Quem não curte o calor, não deve se animar muito com o ar outonal do início da semana. O ar polar se afasta e o calor volta. A umidade aumenta e a semana deve terminar abafada e com risco de temporais em todo o Estado de São Paulo, incluindo a Grande São Paulo.

Programa-se! Aproveite os dias sem o calorão e sem a chuva na região da capital até a quarta-feira. As pancadas de chuva voltam a partir da tarde de quinta-feira.

 

Mantiqueira abaixo dos 10°C

Falar em frio é exagero, mas março começou com ares de outono. Na capital, a madrugada de 2 de março foi a segunda mais fria do ano, segundo do Instituto Nacional de Meteorologia, com temperatura mínima de 17,2°C. O recorde atual de menor temperatura de 2015 é de 17,1°C, em 8 de fevereiro. Em Campos do Jordão, a temperatura mínima  foi de 8,2°C, a menor do Brasil nesta segunda-feira. A maioria das cidades paulistas amanheceu com temperatura abaixo dos 20°C.

Além da queda da temperatura, o ar polar reduziu os níveis de umidade e a pouca chuva ocorreu nesta segunda-feira. Na capital, o Inmet registrou até 35% de umidade no ar, um valor baixo para esta época do ano.

 

 

Chuva de fevereiro deu apenas pequeno alívio na crise energética

Já fotografou o tempo hoje?

Previsão de chuva para o Brasil para 15 dias

 

Que frio é esse? Temperatura cai no Sudeste
segunda-feira, 2 de março de 2015

Algumas áreas da Região Sudeste do Brasil foram surpreendidas com uma dose de ar polar relativamente forte neste início de março, o que causou um resfriamento acentuado. Temperatura abaixo dos 10°C foram registradas em vários locais das regiões serranas entre São Paulo e Minas Gerais e no Rio de Janeiro. A cidade paulista de Campos dos Jordão foi o lugar mais frio do Brasil nesta segunda-feira, com temperatura mínima de 8,2°, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet)

Recorde de frio no Rio de Janeiro (RJ)

A cidade do Rio de Janeiro teve a madrugada mais fria do ano, com temperatura mínima de 18,6°C no Alto da Boa Vista segundo o Instituto Nacional de Meteorologia. O recorde anterior era de 18,7°C, em 3 de fevereiro.

Na cidade de São Paulo, a madrugada de 2 de março  foi a segunda mais fria de 2015, com temperatura mínima de 17,2°C

O mapa mostra as menores temperaturas registradas pelo Inmet em 2 de março de 2015.

 

Por que a temperatura caiu tanto?

A queda da temperatura ocorreu por causa da influência de uma massa de ar polar que chegou moderada ao litoral da Região Sudeste e da pouca nebulosidade durante a noite. A falta de nuvens à noite facilitou a perda de calor na atmosfera fazendo com o que o ar se resfriasse mais.

 

 

É comum esfriar assim no verão?

Massas polares estão sempre associadas com frentes fias e chegam ao Brasil durante todo o ano, mas são mais fortes no outono/inverno. Tecnicamente não há nada que impeça o ar polar de avançar até o Brasil durante o verão. O verão 2014/2015 começou com uma forte lufada polar, que não pegou muito no Sudeste, mas esfriou bastante o Sul. Em Curitiba, a temperatura em 24 de dezembro baixou para 14,1°C. Em Florianópolis fez 16,9°C no dia 25 de dezembro e em Porto Alegre, no dia 23 de dezembro de 2014, a temperatura mínima foi de 14,1°C. Os dados são do Instituto Nacional de Meteorologia.

Mas nas vésperas do verão 2014/2015 começar, o Sudeste também recebeu uma dose forte de ar polar que fez a temperatura baixar para menos 10°C. Vejas as temperaturas registradas em 16 de dezembro de 204.

 

O verão vai terminar oficialmente no dia 20 de março.

 

Vai esfriar mais?

O ar polar permanece na costa do Sul e do Sudeste do Brasil nas próximas 48 horas e será até reforçado. Mas a porção mais intensa da massa de ar frio fica em alto-mar. As noites de terça e quarta-feira ainda serão um pouco frias em parte do Sul e do Sudeste

A meteorologista Josélia Pegorim explica o que acontece de decorrer da semana.

 

 

Frio de inverno no verão?

Confira a previsão de chuva para o Brasil para 15 dias

 

São Paulo tem segunda madrugada mais fria do ano
segunda-feira, 2 de março de 2015

Atualizado às 11h08 de 02/03/2015

Frio na capital paulista

A madrugada desta segunda-feira, 2 de março, foi a segunda mais fria do ano até agora na cidade de São Paulo.  Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, a temperatura mínima no Mirante de Santana foi de 17,2°C. O recorde atual do frio para 2015 na capital paulista é de 17,1°C, em 8 de fevereiro.

O “friozinho” da madrugada e amanhecer desta segunda-feira virou comentário geral na Grande São Paulo. Muita gente saiu de casa com um agasalho leve. A queda acentuada da temperatura foi provocada pela presença de uma massa polar moderada que atua na costa do Sudeste do Brasil.

No interior, o Inmet registrou 8,2°C em Campos do Jordão, na Serra da Mantiqueira e foi a temperatura mais baixa no Brasil nesta segunda-feira.

Ar polar

Essa massa polar veio com a passagem de uma frente fria  no fim de semana, que também trouxe chuva para algumas áreas  da capital e da Grande São Paulo, além da chuva o “refresco” das temperaturas. No aeroporto de Congonhas, a segunda-feira (02) começou com temperatura mínima de 18°C às 4h da manhã. A temperatura registrada no aeroporto só foi subir em 1°C depois das 8h da manhã.

As imagens do satélite meteorológico mostraram a presença de nuvens em toda a Grande São Paulo na madrugada e começo da manhã, mas essa nebulosidade não era grande o suficiente para provocar chuva.  A temperatura sobe longo do dia e a tarde será quente.

Clique na imagem e veja o satélite para todo o Brasil

Diferente do sábado a segunda-feira será marcada pela ausência da chuva na Grande São Paulo. A circulação de vento nos níveis médios atmosféricos, 500hPa (aproximadamente 6 km de altura com relação à superfície), impede o crescimento de nuvens carregadas ao longo do dia.

O sol vai aparecer e a temperatura sobe ao longo da tarde, mas por conta da presença de um pouco de ar polar, a sensação de abafamento não será grande como na semana passada, quando as temperaturas máximas passavam dos 30°C.

 

Semana de pouca chuva em São Paulo

Com o ar seco descendo dos níveis médios atmosféricos para os níveis superficiais, a tendência é de um início de semana com pouca chuva na região da cidade de São Paulo. As temperaturas na madrugada seguem amenas. O sol vai brilhar forte e a temperatura vai subir, mas as pancadas de chuva de final de tarde só vão devem retornar a partir da quinta-feira (05). A semana que começou seca poderá terminar em temporais.

Chuva de fevereiro deu apenas pequeno alívio na crise energética

Já fotografou o tempo hoje?

Expectativa de madrugada mais fria do ano em São Paulo
domingo, 1 de março de 2015

A passagem de uma frente fria pelo oceano no fim de semana provocou chuva moderada a forte sobre a cidade de São Paulo no último sábado, 28 de fevereiro. No domingo, 1° de março, o dia amanheceu com 18°C e  chuva fraca e passageira. Ao longo do dia, o sol apareceu entre nebulosidade variável e a temperatura ficou amena, atingindo máxima de 26°C à tarde.

Até terça-feira (03), a presença de um sistema de alta pressão no oceano mantém o tempo firme sobre a faixa leste paulista. Os ventos frios  do quadrante sul sopram moderado e aumentam a sensação de frio nas madrugadas. Nesta segunda-feira (02), há expectativa de recorde de frio na capital paulista, com mínima de apenas 16°C. A madrugada mais fria do ano foi registrada em 8 de fevereiro, com temperatura  17,1°C, segundo o  INMET.

As condições para pancadas de chuva associadas ao calor retornam a partir da quarta-feira (04). Os modelos de previsão do tempo indicam chuva forte e volumosa no próximo fim de semana, com a formação de um sistema de baixa ao largo da costa paulista.

Cantareira: efeito enganador da chuva de fevereiro
sábado, 28 de fevereiro de 2015

Depois dos 28,7 mm de chuva que caíram entre os dias 27 e 28 de fevereiro de 2015, o nível de armazenamento do Sistema Cantareira subiu 0,3% e fevereiro terminou com 11,4%. No dia primeiro de fevereiro, o nível do Cantareira estava em 5,0%. Em 28 de fevereiro de 2014, o nível estava em 16,4%, mas a água era do volume normal, útil, e não do volume morto.

A chuva frequente durante o mês de fevereiro de 2015 possibilitou uma grande recuperação do Cantareira. Ao longo do mês não houve nenhuma diminuição no nível de armazenamento, apenas estabilidade ou elevação. O gráfico mostra o comportamento da elevação do Cantareira desde o início de 2015. A cor vermelha indica queda, o amarelo, estabilidade e o roxo representa elevação.

 

 

O nível do sistema Alto Tietê ficou estável entre os dias 27 e 28 de fevereiro e o Guarapiranga subiu 0,2%. Entre estes dois dias choveu 2,6 mm sobre o Alto Tietê, mas não houve registro de chuva sobre o Guarapiranga.

 

 

Acabou a seca?

A chuva foi frequente sobre os mananciais que abastecem a Grande São Paulo ao longo todo o mês de fevereiro de 2015. Choveu forte em vários dias. Pelas medições da Sabesp, o volume de chuva acumulado no fim do mês superou média histórica em quase todos os mananciais. Apenas o Sistema Rio Grande fechou o mês com acumulado de chuva ligeiramente abaixo da média.

O Sistema Cantareira chegou ao fim de fevereiro com 322,4 mm de chuva acumulados, o que representa 62% de chuva acima da média histórica, que é de 199,1 mm. Segundo dados da Sabesp, fevereiro de 2015 foi o fevereiro com maior quantidade de chuva sobre o Cantareira desde 1995, quando choveu 388,0 mm. Foi o fevereiro mais chuvoso em 20 anos.

 

Mesmo com a grande recuperação dos mananciais neste mês de fevereiro, a crise hídrica em São Paulo está muito longe de terminar. O nível de armazenamento de 11,4% do Cantareira no fim do mês paga apenas a segunda cota de água (10,7%)  retirada do volume morto das represas. No total, foram “emprestados” 29,2% de água em duas cotas. A dívida da segunda cota é de 18,5% e está começando a ser saldada.

Ainda há previsão de chuva para março, mas que não deve ser tão generosa como a de fevereiro. A partir de abril, as condições para chuva vão ser reduzidas naturalmente. O número de dias sem chuva vai aumentar nos meses de outono e inverno, época de estiagem normal. Um dos problemas a partir de agora será o “efeito enganador” da chuva de fevereiro, que pode fazer com que muita gente relaxe na atitude de economizar água. O aumento do consumo acima da média estabelecida para cada contribuinte já reflete num aumento do quanto se paga no fim do mês, mas mesmo assim, a melhora do Cantareira em fevereiro poderá ter um efeito emocional negativo: gasto mais e banco a conta. Será?  A população não pode parar de economizar, não pode relaxar na economia.  O céu vai fechar de vez a torneira brevemente.

 

Previsão para o começo de março

A previsão indica mais chuva nos próximos 15 dias. Todos os mananciais devem continuar tendo pancadas de chuva frequentes. Porém, a tendência é de que a chuva seja menos frequente após o dia 10.

 

 

 

 

Chuva de fevereiro deu apenas pequeno alívio na crise energética

Já fotografou o tempo hoje?

O que significa o Cantareira em 14%, nível desejado pelo governo paulista para afastar um racionamento?

Calor diminui na Grande SP no fim de semana
sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Uma frente fria avança pelo litoral passa pelo litoral da Região Sudeste no fim de semana e alcança o litoral do Espírito Santo até a noite de sábado. Com a passagem da frente fria, os ventos marítimos se intensificam sobre o Sudeste e vão trazer mais umidade para também para São Paulo. O aumento da velocidade dos ventos vai ajudar a aliviar o calor em todas as regiões paulistas. Na capital, a temperatura fica abaixo dos 30°C durante todo o fim de semana.

As rajadas podem ser moderadas na Grande São Paulo, no litoral, em áreas como Sorocaba, Jundiaí, Campinas. A injeção de umidade vai ajudar a formar mais muitas nuvens durante o fim de semana. Há risco de chuva moderada também na Grande São Paulo.

Saiba porque os ventos vão aumentar de intensidade.

 

 

Mar agitado

Se você vai para a praia no fim de semana, redobre os cuidados na água. O mar vai ficar agitado e as ondas podem chegar aos 2 metros. Confira as informações detalhadas.

Radares Climatempo USP você pode ver também nos apps

Confira a previsão de chuva para o Brasil para 15 dias

Já fotografou o tempo hoje?

 

Cantareira volta a subir
sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

O nível de armazenamento do Sistema Cantareira voltou a subir nas últimas 24 horas.  Na última sexta-feira o sistema estava com 11,1%. Segundo a Sabesp foram acumulados cerca de 28,7 mm sobre o sistema como um todo. O nível do sistema Alto Tietê ficou estável e o Guarapiranga subiu 0,2%.

 

 

A chuva foi frequente sobre os mananciais que abastecem a Grande São Paulo durante ao longo de fevereiro de 2015 e com vários eventos de chuva forte. Pelas medições da Sabesp, o volume de chuva acumulado a manhã do dia 27 superava a média histórica em quase todos os mananciais. Apenas o Sistema Rio Claro ainda estava com nível ligeiramente abaixo da média.

 

A previsão indica mais chuva até por volta do dia 9 de março. Todos os mananciais deve continuar tendo pancadas de chuva frequentes. Porém, a tendência é de diminuição da chuva a partir do dia 10.

 

 

Já fotografou o tempo hoje?

São Paulo: chuva de fevereiro é a maior em 2 anos
quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

De temporal em temporal, fevereiro de 2015 está sendo o mês com maior quantidade de chuva sobre a cidade de São Paulo nos últimos dois anos. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, , o total de chuva acumulado até o dia 26 de fevereiro no pluviômetro do Mirante de Santana, na zona norte da cidade foi de 272,4 mm. Além de superar a média histórica para fevereiro, que é de aproximadamente 221 mm, esta é maior quantidade de chuva acumulada em um mês desde fevereiro de 2013 quando choveu 278,0 mm. Em todos os demais meses entre março de 2013 e janeiro de 2015, a quantidade de chuva foi menor do que a observada em fevereiro de 2015.

O gráfico mostra os volumes acumulados aproximados entre dezembro de 2012, quando choveu 402 mm, até fevereiro de 2015.

A quantidade de chuva que cai sobre a cidade, principalmente num dia de tempestade como a da quarta-feira, 25 de fevereiro, varia muito de um local para outro. Não chove igual em todos os lugares. A análise sobre a chuva no Mirante de Santana é apenas um exemplo. Em muitas outras áreas da cidade a chuva de fevereiro também superou a média.

 

Temporais de fevereiro: céu visto da zona oeste de São Paulo no dia 24 de fevereiro de 2015, por Macelo Pinheiro

Fevereiro termina com frente fria

Uma nova frente fria chega ao litoral paulista nesta sexta-feira e vai aumentar as condições para pancadas de chuva. O risco de chover forte aumenta para a tarde e noite, mas por enquanto não há expectativa de que chova tão forte como na quarta-feira. O fim de semana também promete mais pancadas de chuva e um pouco menos de calor. Com a passagem da frente fria, os ventos frescos de uma fraca massa polar vão chegar a sobre São Paulo ajudando e aliviar o calor.

 

Mais chuva no começo de março

As pancadas de chuva vão continuar frequentes pelo menos até por volta do dia 10 de março. Até lá, duas frentes frias vão avançar pela litoral da Região Sudeste do Brasil ajudando a aumentar a umidade e as condições para a chuva.

Os mapas mostram a estimativa de chuva para a Região Sudeste nos próximos 10 dias.  Confira a análise da meteorologista Josélia Pegorim.

 

 

 

Previsão de chuva para o Brasil em março

Radares Climatempo-USP: acompanhe a chuva em cada rua de São Paulo

Já fotografou o tempo hoje?