Arquivo da Categoria ‘Chuva’

+ aumentar e diminuir fonte -
Chuva retorna à Belo Horizonte
quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Ao longo de 2014, Belo Horizonte viveu semanas muitos secas. Nos últimos dias a capital mineira registrou índices de umidade do ar alarmantes, menores até do que 15%. Por volta do dia 18 de agosto o tempo seco deu uma pequena trégua com a chegada de uma frente fria que provocou um pouco de chuva na região, mas sem volume significativo. Na quarta-feira, a capital mineira teve o dia mais quente do inverno e a maior temperatura máxima em mais de 5 meses. O INMET registrou a máxima de 32°C na estação oficial da cidade. Uma frente fria avança pela Região Sudeste nesta quinta-feira. Confira com a meteorologista Bianca Lobo se este sistema vai levar chuva para Belo Horizonte.

Aniversário de Campo Grande com chuva
terça-feira, 26 de agosto de 2014

Áreas de instabilidade circulam pela capital sul mato-grossense e organizam nuvens carregadas. Segundo informações do aeroporto local, Campo Grande, que hoje comemora 115 anos, tem pancadas de chuva com intensidade moderada ao longo da tarde de terça-feira (26).

Imagem de satélite do canal do infravermelho realçado

As áreas de instabilidade perdem força rapidamente sobre o centro-sul de Mato Grosso do Sul. O tempo firme já volta com força a partir da quarta-feira (27). No entanto, as temperaturas seguem um pouco mais baixas por conta dos ventos vindos de sul que ainda transportam um pouco de ar polar.

Frente fria se afasta de SP nesta 4ªf
terça-feira, 26 de agosto de 2014

Atualizado em 26/08/2014 às 22h45

A frente fria que está sobre São Paulo favoreceu a formação de novas instabilidades no leste do Estado durante a noite desta terça-feira.  A imagem em destaque (de 22h26, do radar meteorológico de São Roque, operado pelo Comando da Aeronáutica) mostra núcleos de chuva forte avançando para a região do Vale do Paraíba e litoral norte de São Paulo.

No período da tarde, o grande desenvolvimento de nebulosidade favoreceu a ocorrência de granizo nas proximidades de Campinas e Capivari. Apesar da sensação de abafamento, a temperatura diminuiu bem em relação aos últimos dias. Segundo o INMET a máxima não passou de 22,8°C na capital.

Nessa quarta-feira, a temperatura cai mais. As áreas de instabilidade perdem força e a tendência é de mais nebulosidade do que chuva. Na quinta-feira (28) a circulação de umidade proveniente do mar vai favorecer a formação de mais nebulosidade e chuva fraca em toda a faixa leste do Estado. O sol volta a predominar no sábado e a temperatura volta a subir.

Depois da chuva, ventania e frio no Sul
terça-feira, 26 de agosto de 2014

A passagem de uma frente fria trouxe grandes mudanças no tempo para a Região Sul do Brasil. Para termos uma ideia, o domingo (24) teve temperaturas elevadas em Porto Alegre, a máxima foi de 34,6°C segundo informações da estação convencional do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). A segunda-feira (25) já teve temperatura amena e fortes pancadas de chuva em diversas áreas, principalmente sobre o Paraná que teve a ocorrência de granizo em algumas áreas como Londrina.

Com o afastamento das áreas de instabilidade a chuva já diminui sobre a Região Sul e começa sobre o Sudeste.As rajadas de vento seguem mais altas principalmente sobre o Estado do Rio Grande do Sul.

Imagem de satélite do canal do infravermelho realçado

Após a passagem da frente fria, vem o frio! O ar polar começa a entrar de forma mais efetiva sobre os Estados da Região Sul e a temperatura vai cair. Principalmente ao longo das madrugadas, tanto que há previsão de geada tanto para a madrugada de quarta-feira (27) quanto a de quinta-feira (28).

Previsão de geada para quarta-feira e quinta-feira

As áreas de geada devem se concentrar mais sobre a região da Campanha e sobre a Serra Gaúcha e Catarinense. As áreas do Planalto Sul de Santa Catarina também estão sujeitas a geada forte, principalmente na quinta-feira.

O meteorologista César Soares falou das mudanças no tempo por conta da passagem da frente fria no Climatempo News.

Furacão Marie volta à categoria 4
segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Com rajadas de vento de até 230 km/h o Furacão Marie é classificado como categoria 4 na escala Saffir-Simpson. O sistema se formou na semana passada e se intensificou rapidamente evoluindo em um curto período de tempo nas escalas de classificação.

No último fim de semana, as rajadas de vento chegaram aos 250 km/h. Desta forma Marie era considerada um furacão categoria 5, pela escala Saffir-Simpson.

Imagem de satélite do canal do infravermelho realçado

Os modelos de previsão do tempo indicam que o sistema continuará se movimentando para noroeste até o seu enfraquecimento e dissipação.

Rota e previsão de deslocamento do Furacão Marie

Temporais no Rio Grande do Sul
segunda-feira, 25 de agosto de 2014

A aproximação de uma frente fria organiza melhor as áreas de instabilidade e trás chuva para o Rio Grande do Sul. O contraste entre a massa de ar mais seco e quente que estava na região e o ar mais frio e úmido que vem de sul, favorece a formação de grandes nuvens carregadas e provocam  temporais em algumas áreas.

As informações do radar meteorológico do Canguçu mostram a presença de chuva com intensidade de moderada a forte. Devido a profundidade de algumas nuvens, há a presença de raios. As rajadas de vento já chegam aos 75 km/h em Rio Pardo, segundo informações da estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia.

Radar meteorológico do Canguçu-RS às 9h30 - REDEMET

A frente fria vai avançar para as demais áreas de Região Sul ao longo das próximas horas. Como ela se desloca rapidamente, os volumes acumulados não são tão elevados. Há o risco de chuva forte acompanhada de raios e rajadas de vento acima dos 40 km/h em todo o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e centro-oeste do PR. Em Curitiba, as pancadas de chuva vão começar entre o fim da tarde e o início na noite.

Imagem de satélite no canal do infravermelho

A partir da terça-feira (26) as áreas de instabilidade se afasta aos poucos do Sul. O tempo volta a ficar mais firme, mas os ventos de origem polar vão fazer a temperatura cair. Esta semana será marcada pela volta do frio.

Clima prejudica lavoura de trigo do RS
sexta-feira, 22 de agosto de 2014

O excesso de chuva e pouco sol fazem com que aumentem as doenças como ferrugem e mancha foliar. Confira qual será a tendência do acumulado de chuva para os próximos dias em todo o Brasil.

 

Chuva no leste do Nordeste
quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Nesta sexta-feira (22), áreas de instabilidade áreas de instabilidade ainda atual na costa leste do Nordeste. O sol até aparece ao longo o dia, mas ainda há o risco de pancadas de chuva por conta dos ventos úmidos que sopram do mar em direção ao continente. A chuva deve ser moderada, principalmente no litoral de Pernambuco e da Paraíba. Nas demais áreas costeiras, no norte do Piauí e do Maranhão e na região da Zona da Mata, entre Sergipe e a Paraíba a chuva ocorre de forma passageira. No sábado (23) a região costeira entre Pernambuco e o Rio Grande do Norte ainda terão céu mais carregado de nuvens e pancadas de chuva a qualquer momento. O domingo (24) será a vez do litoral norte paraibano e do Rio Grande do Norte terem tempo mais instável.

O mar segue mais agitado durante o fim de semana e há chances de ressaca principalmente sobre Pernambuco e Paraíba.

Veja também:

Mar agitado do Sul ao litoral do Nordeste

Chuva causa deslizamento e mortes no Japão
quarta-feira, 20 de agosto de 2014

As fortes chuvas que aconteceram nesta quarta-feira (20) sobre a região de Hiroshima provocaram deslizamentos de terra. Segundo informações das agências internacionais de notícias, 36 pessoas morreram e cerca de 65 mil pessoas foram aconselhadas a deixar as suas residências. Segundo informações da Agência Meteorológica Japonesa (JMA – sigla em inglês), o acumulado em 24 horas foi de 243mm.

Satélite meterológico canal do infravermelho realçado (19h UTC)

A grande convergência de umidade se deu com a presença de um sistema de baixa pressão atmosférica nos níveis mais próximos à superfície, o que favoreceu a organização das áreas de instabilidade e provocou o desenvolvimento de nuvens bastante carregadas.

A presença de um cavado nos níveis mais elevados da atmosfera também deu suporte para a melhor convergência de umidade e desenvolvimento de grandes nuvens. Segundo os modelos de previsão do tempo, ainda há previsão de mais chuva. Há o risco de novos transtornos por conta dos volumes acumulados.

Chuva atrasa plantação de algodão em MT
quarta-feira, 20 de agosto de 2014

A chuva em excesso atrasou a plantação de algodão no estado de Mato Grosso. Agora os agricultores precisam correr na colheita antes que as chuvas de setembro comecem!