Arquivo da Categoria ‘Sul’

+ aumentar e diminuir fonte -
Fim de semana com calor no Sul
sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Tempo seco predomina no Sul

O sol e o tempo seco devem predominar sobre o Sul do Brasil neste fim de semana de eleições. No primeiro turno, a chuva causou problemas especialmente sobre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A cheia do rio Uruguai, na fronteira com a Argentina, deixou cidades debaixo d´água.

Ar seco

Uma massa de ar seco já atua forte sobre o Rio Grande do Sul e vai se expandir sobre toda a Região no fim de semana, afastando as nuvens carregadas que ainda crescem no Paraná. Neste estado, a chuva foi forte em vários locais nesta sexta-feira e ainda há previsão de pancadas de chuva moderadas a fortes neste sábado. Pouca ou nenhuma chuva ocorre sobre Santa Catarina e Rio Grande do Sul, apesar da presença de nuvens.

 


Calor

Não há previsão de entrada de ar polar sobre o Sul nos próximos dias. A tendência é de aquecimento em toda a Região e a sensação de calor vai predominar ainda por vários dias. Nesta sexta-feira, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 33,3°C em São Luiz Gonzaga (RS), 31,0°C em Urussanga (SC) e 33,8°C e  Foz do Iguaçu (PR)

 

 

Por do sol em Itajuba- Barra velha -SC - por Maria Catarina, de Jaraguá do Sul (SC)


Sudeste e Centro-Oeste terão chuva volumosa
sexta-feira, 24 de outubro de 2014

As pancadas de chuva, e até temporais, voltaram a ocorrer desde setembro sobre o Centro-Oeste e sobre o Sudeste, mas em pequenas áreas e com muita irregularidade. Entre uma chuva e outra, muitos locais das duas Regiões passaram vários dias com tempo seco.

A irregularidade da chuva ainda predomina em outubro e a onda de calor que vigorou entre os dias 12 e 19 piorou o quadro de seca, pois o calor intenso aumentou a evaporação.

O mapa mostra a anomalia de chuva sobre o Brasil. O predomínio dos tons de alaranjado indica que chuva abaixo da média mensal.

 

 

Uma grande frente fria avançou sobre o país entre os dias 19 e 21 de outubro quebrando o bloqueio atmosférico causado por um poderoso anticiclone, caracterizado pelo ar seco. Sem o bloqueio, as correntes de ar úmido podem se espalhar novamente do Norte para o Centro-Oeste e para o Sudeste. É isto que começou a ocorrer nos últimos fazendo com que nuvens carregadas de chuva voltassem a se formar sobre estas Regiões.

 

 

Há uma grande expectativa par os próximos 15 dias pela formação e permanência de grandes áreas de instabilidade sobre o Sudeste e o Centro-Oeste, que poderá provocar chuva volumosa. Mas a seca acaba? Confira o comentário da meteorologista Josélia Pegorim.

 

 

Brasil também é terra de tornados
sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Tornados, trombas d’água, redemoinhos de poeira e furacões são ventos muito rápidos que giram em espiral. Mas existem muitas diferenças. Os furacões se formam sempre no oceano, e podem ter centenas de quilômetros de diâmetro, enquanto os tornados costumam ter de 100 metros à 1 quilômetro de diâmetro apenas. Porém, por serem menores, seus ventos são mais fortes e podem causar muito mais destruição.  As trombas d’água são tornados que se formam em superfícies aquosas, como rios e lagos.  E os redemoinhos de poeira (ou dustdevils) são bem menores e só se formam na terra. Ficam com cerca de 10 metros de diâmetro e são bem menos intensos.

Na primavera de 2014 alguns desses eventos aconteceram no Brasil. Brasília e Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul, registraram a ocorrência de tornados.  No dia 22 de outubro,  um redemoinho de poeira foi captado por um cinegrafista em Ribeirão preto.  

Esses acontecimentos são normais no país? Confira com o especialista do IAG-USP, Carlos Morales, se devemos esperar por mais tornados na primavera e quais as áreas mais propícias para eles acontecerem.

 

Centro-Oeste e Sudeste terão muita chuva
quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Com o afastamento do bloqueio atmosférico a tendência é de que as frentes frias passem com uma frequência maior pela costa do Sul e do Sudeste. A ausência de um sistema de alta pressão nos níveis médios atmosféricos permite que os ventos de noroeste se organizem e tragam uma maior quantidade de áreas de instabilidade para o Centro-Oeste e para o Sudeste.

Com a projeções para os próximos dias, a expectativa é de que áreas do Centro-Oeste e do Sudeste tenham volumes de chuva de até 200mm. Esses volumes de chuva não ocorrem em rápidas pancadas de chuva. Dessa forma, esperamos que ao longo dos próximos dias, tenhamos dias com céu fechado por nuvens, chuva constante e generalizada nas áreas em verde escuro do mapa.

Essa condição do tempo está associada com uma grande organização de áreas de instabilidade que são gerados por sistemas grandes em meteorologia, como por exemplo, fortes frentes frias.

O meteorologista César Soares comentou as condições do tempo para as próximas semanas no Climatempo News.

Muito azul e mais calor no Sul
quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Atualizado às 21h45 de 22/10/2014

Depois de muitos temporais desde o início da primavera, o Sul do Brasil completa o primeiro mês da estação com muito sol e temperaturas amenas. A primavera começou no dia 22 de setembro, às 23h29, pelo horário de Brasília. Uma massa polar moderada passou sobre Região deixando as noites frias. Temperaturas abaixo dos 10°C foram registraram temperaturas nesta quarta-feira nos três estados, mas a tarde foi quente, com até 32°C no no norte do Paraná e 31°C no oeste do Rio Grande do Sul

 

Novo Horizonte, oeste de Santa Catarina, com poucas nuvens em 22 de outubro de 2014. Foto de Regina A.R.Roncoleta

 

Temperatura em elevação e pouca chuva

O ar polar se afasta do Sul e a a tendência é de maior aquecimento nos próximos dias. A sensação de calor será sentida à tarde em grande parte da Região, mas as noites vão continuar ligeiramente frias. Não há previsão de mais entrada de ar polar pelo menos até o domingo.

 

 

Por causa do ar seco de origem polar, São Sapé, no Rio Grande do Sul, ficou com céu todo azul em 22 de outubro de 2014. Foto de Clênio Bortolotto

 

Pouca chuva

A passagem do ar polar sobre o Sul reduziu a umidade, o que dificulta a formação e crescimento das nuvens. Pouca chuva está sendo esperada para o Sul até o dia 27 de outubro. Até o dia 21, a chuva de outubro estava acima da média sobre o Rio Grande do Sul, mas o acumulado estava abaixo da média na maior parte o Sul, apesar de alguns temporais também em Santa Catarina e no Paraná.

 

 

Chuva aumenta no Sul a partir de 27 de outubro.

Mais chuva para o Sudeste e para o Centro-Oeste
segunda-feira, 20 de outubro de 2014
A chuva acumulada em 20 dias d outubro ainda está muito abaixo da média sobre a maior parte do Brasil. O mapa mostra a anomalia (diferença em relação à média) da chuva. Os tons de azul indicam chuva acima da média. Os tons de laranja indicam chuva abaixo do normal.
O bloqueio atmosférico foi quebrado com a frente fria que avançou sobre o Sudeste neste início de semana. Ventos úmidos de origem polar voltaram a entrar sobre o Brasil. O enfraquecimento do sistema de alta pressão subtropical do Atlântico Sul (ASAS) sobre o Brasil  facilita a formação de muitas áreas de instabilidade nos próximos dias que vão provocar chuva sobre o Sudeste e sobre o Centro-Oeste.
A meteorologista Josélia Pegorim explica como será a distribuição de chuva nos próximos 15 dias.

O que muda no tempo com o horário de verão?
sábado, 18 de outubro de 2014

O horário de verão de 2014 no Brasil começa à zero hora do domingo, 19 de outubro. Nos estados  onde o horário de verão será implantando o relógio deve ser adiantado em 1 hora.  À meia-noite do sábado, 18, o relógio deve ser adiantado em 1 hora e passa a marcar 1 hora da madrugada do domingo, 19 de outubro.

 

 

O horário de verão muda a previsão do tempo?

Não. O horário de verão não altera a previsão de chuva ou de sol, do dia da chegada de uma frente fria. A previsão do tempo não é alterada, mas muitos meteorologistas não gostam do horário do verão. A mudança forçada dos horário do relógio atrapalha o dia a dia de quem faz monitoramento e previsão do tempo.

Por que? Porque o movimento da Terra ao redor do Sol não entra no horário de verão! Os dados meteorológicos continuam sendo coletados no horário solar, natural.  Assim, os meteorologistas precisam avaliar constantemente a o horário em cada parte do Brasil para dimensionar o aquecimento do ar. O pensamento é mais ou menos assim: “São 10 horas da manhã e a temperatura está em 28°C em um lugar. Mas agora são na verdade 9 horas. Então, 28°C graus com o sol das 9 horas da manhã. Ainda pode esquentar até mais ou menos 4 horas das tarde, que será com o sol das 3 horas da tarde…”  A avaliação das temperaturas mínima e máximas do dia ficam mais complicadas.

O horário de verão é incômodo para o trabalho do meteorologista, mas não altera a previsão do tempo. Os fusos horários que existem no Brasil complicam um pouco mais!

 

São os meteorologistas que determinam horário de verão?

Não. Nem meteorologistas e nem astrônomos. O horário de verão é uma determinação do governo federal. O decreto número 6558, de 8 de setembro de 2008, determinou que o horário de verão no Brasil começa sempre no terceiro domingo de outubro e termina no terceiro domingo de fevereiro. Veja a o decreto aqui. Só o governo federal pode mudar o início e o fim do horário de verão .

 

Onde terá horário de verão em 2014?

O horário de verão de 2014 será implantado nos estados das Regiões SulSudeste e Centro-Oeste. 

 

Com o horário de verão e os fusos horários que existem no Brasil, fique atento aos horários dos relógios em cada estado. Os mapas mostram os horários com e sem hora de verão, em relação à hora de Brasília, que é a hora oficial do nosso país.

 

Por que o Brasil adota o horário de verão?

O horário de verão é adotado para economizar energia. A ideia é fazer com que as pessoas aproveitem mais a luz natural do sol, as horas de dia, que vão aumentando no decorrer do verão. O número de horas de sol aumenta e começamos a usar a luz artificial mais tarde.

Com o horário de verão, o pico de maior uso de energia elétrica é melhor distribuído diminuindo o risco de um colapso do sistema energético.

 

Por que os estados do Norte e Nordeste não entram no horário de verão?

Estas Regiões não adotam o horário de verão porque o horário do nascer e do por-do-sol quase não varia no decorrer do ano. Na maioria das áreas do Norte e do Nordeste, a hora do nascer e do por-do-sol nos dias de verão é praticamente igual à hora do nascer e do por-do-sol no inverno.

Veja o gráfico que mostra variação da duração do dia (ou da luminosidade, que é a diferença entre a hora do por-do-sol e do nascer-do-sol) ) em diferentes capitais brasileiras no decorrer do ano. Em Belém, onde não há horário de verão, o número de horas de dia varia muito pouco ao longo do ano e fica em torno de 12h52 o ano todo.

Mas em Porto Alegre, onde tem horário de verão, o número de horas de dia aumenta durante o verão. Já no fim do inverno, em 1 de setembro, a luminosidade é de aproximadamente 12h14, mas no meio de dezembro, já perto do início do verão, a capital do Rio Grande do Sul tem quase 15 horas de luminosidade. A diferença de horas de luz natural é de quase 2h40.

 

 

Relógio de sol em New Jersey, Estados Unidos

 

 

Fim de semana com temporais no Sul
sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Os temporais desta semana no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina causaram grandes danos por causa da chuva intensa, granizo e ventania. As rajadas de vento nesta sexta-feira alcançaram 92 km/h em Passo Fundo (RS) e em Major Vieira (SC).

 

Raios durante uma tempestade em Imbituba, sul de Santa Catarina, em 16 de outubro de 2014. Foto de SergioFilho

Em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, o granizo formou uma grossa camada de gelo pelas ruas. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 80,1 mm de chuva entre 9 horas de 16 de outubro e 9 horas de 17 de outubro. Foi o segundo maior volume de chuva acumulado em 24 horas deste ano. O total de chuva em outubro subiu para 139 mm e superou em 22% a média mensal, que é de 114 mm.

 

A população dos três estados da Região Sul do Brasil deve se preparar para enfrentar uma fim de semana de temporais. O ar muito quente que está por quase todo o Brasil entra choque com o ar polar de uma frente fria que avança pelo litoral da Região Sul. Este choque térmico e uma circulação de ventos especial nos níveis mais elevados da atmosfera vão gerar muitas nuvens carregadas com potencial para temporais.

No sábado, a chuva intensa ocorre principalmente sobre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, mas no domingo o Paraná também vai sentir o aumento da Instituto Nacional de Meteorologia.

A temperatura começa a baixar durante o domingo. Nesta sexta-feira, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 40,1°C em Marechal Cândido Rondon, o oeste do Paraná.

Quando a onda de calor termina?

Sul do Brasil terá mais temporais no fim de semana
sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Atualizado às 14h55 de 17/10/2014

A cidade de Porto Alegre acumulou nas últimas 24 horas mais 89mm. O total acumulado no mês de outubro deste ano, já ultrapassou em 29% a média climatológica.

A madrugada desta sexta-feira foi de tempo bastante instável no Rio Grande do Sul. As áreas de instabilidade que se formaram sobre o Estado seguem bastante ativas e já provocaram chuva volumosa, raios e inclusive queda de granizo em alguns pontos desde a quinta-feira.

Na imagem do satélite meteorológico é possível ver uma grande área em vermelho que representa nuvens com topos muito grandes, que são capazes de provocar temporais.

Entre as 3h e 6h, foram acumulados em torno de 40 mm em Porto Alegre, segundo a estação meteorológica do INMET na capital. Nas últimas 24h, já choveu cerca de 70mm na capital e até a manhã de ontem, dia 16/10, havia precipitado cerca de 50mm de chuva. A média climatológica de chuva para a cidade é cerca de 120mm, ou seja, até a manhã desta sexta-feira, já tinha acumulado na cidade a média de chuva climatológica.

Foto de Porto Alegre/RS por Marcos

Há instabilidade ativa também sobre o interior, como em São Gabriel, que nas últimas 6h, entre as 2h e 6h, acumulou cerca de 28mm de chuva, e como em Campo Bom que na última hora já acumulou em torno de 15mm.

Previsão ao longo da sexta-feira, o tempo vai permanecer instável, e o risco para mais temporais persiste sobre grande parte das áreas gaúchas, inclusive em Porto Alegre. O risco é grande para transbordamento de córregos e rios.

 

Mais chuva para o fim de semana

No final de semana, o tempo não vai mudar. Grande parte das áreas gaúchas seguem com tempo carregado, ainda com risco para chuva volumosa. Essa condição agrava as chances de alagamentos de transbordamentos de rios sobre a faixa da Fronteira Oeste, área na qual se encontra o Rio Uruguai que enfrenta a sua segunda cheia em menos de 6 meses. A chuva começa a dar uma trégua a partir da segunda-feira.

Tempestades se espalham sobre o Sul do Brasil
quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Mais temporais

Uma frente fria avança pelo litoral do Rio Grande Sul e novas áreas de instabilidade crescem entre o Sul do Brasil, o Uruguai e a Argentina espalhando nuvens muito carregadas.

Nesta sexta-feira, os temporais voltam a cair especialmente sobre o Rio Grande do Sul, com risco de ventania, mais granizo e muitos raios. Mas Santa Catarina poderá ter fortes pancadas de chuva. A chuva se espalha sobre o Sul no fim de semana e os três estados terão temporais.

No Paraná, o calor predomina nesta sexta-feira. O sábado será quente, mas já com as pancadas de chuva.

 

Tempestades voltaram a ocorrer sobre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, com ventos de quase 100 km/h, chuva volumosa e granizo. A imprensa gaúcha noticiou nesta quinta-feira a cidade de Eldorado, no Rio Grande do Sul, pretendia decretar situação de emergência por causa da destruição que houve com o temporal de granizo. No período entre 20 horas do dia 15 e 20h de 16 de outubro choveu 75 mm em Canguçu, 71 mm sobre Rio Grande, 68 mm em Mosrtadas, 57 mm em Tramandaí e 53 mm em Bagé.

Os temporais desta quinta-feira atingiram a parte sul, leste e nordeste do Rio Grande do Sul, o sul e leste de Santa Catarina. Em Lages, que foi seriamente danificada por um temporal de granizo na tarde de segunda-feira, 13, voltou a chover forte, embora sem granizo, mas ventania derrubou árvores.

 

Calor extremo e ventania

Ventos de quase 100 km/h foram observados sobre Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Veja no mapa.

A chuva não caiu em toda a Região e o calor intenso ainda foi sentido. Nesta quinta-feira, a temperatura no Sul chegou aos 39,3°C em Planalto, no sudoeste do Paraná, a 38,2°C em Santa Rosa, oeste do Rio Grande do Sul e aos 34,7°C em Joaçaba, centro-oeste de Santa Catarina.

 

Saiba quando a onda de calor vai terminar