Arquivo da Categoria ‘Sul’

+ aumentar e diminuir fonte -
Mais chuva para o Sudeste e para o Centro-Oeste
segunda-feira, 20 de outubro de 2014
A chuva acumulada em 20 dias d outubro ainda está muito abaixo da média sobre a maior parte do Brasil. O mapa mostra a anomalia (diferença em relação à média) da chuva. Os tons de azul indicam chuva acima da média. Os tons de laranja indicam chuva abaixo do normal.
O bloqueio atmosférico foi quebrado com a frente fria que avançou sobre o Sudeste neste início de semana. Ventos úmidos de origem polar voltaram a entrar sobre o Brasil. O enfraquecimento do sistema de alta pressão subtropical do Atlântico Sul (ASAS) sobre o Brasil  facilita a formação de muitas áreas de instabilidade nos próximos dias que vão provocar chuva sobre o Sudeste e sobre o Centro-Oeste.
A meteorologista Josélia Pegorim explica como será a distribuição de chuva nos próximos 15 dias.

O que muda no tempo com o horário de verão?
sábado, 18 de outubro de 2014

O horário de verão de 2014 no Brasil começa à zero hora do domingo, 19 de outubro. Nos estados  onde o horário de verão será implantando o relógio deve ser adiantado em 1 hora.  À meia-noite do sábado, 18, o relógio deve ser adiantado em 1 hora e passa a marcar 1 hora da madrugada do domingo, 19 de outubro.

 

 

O horário de verão muda a previsão do tempo?

Não. O horário de verão não altera a previsão de chuva ou de sol, do dia da chegada de uma frente fria. A previsão do tempo não é alterada, mas muitos meteorologistas não gostam do horário do verão. A mudança forçada dos horário do relógio atrapalha o dia a dia de quem faz monitoramento e previsão do tempo.

Por que? Porque o movimento da Terra ao redor do Sol não entra no horário de verão! Os dados meteorológicos continuam sendo coletados no horário solar, natural.  Assim, os meteorologistas precisam avaliar constantemente a o horário em cada parte do Brasil para dimensionar o aquecimento do ar. O pensamento é mais ou menos assim: “São 10 horas da manhã e a temperatura está em 28°C em um lugar. Mas agora são na verdade 9 horas. Então, 28°C graus com o sol das 9 horas da manhã. Ainda pode esquentar até mais ou menos 4 horas das tarde, que será com o sol das 3 horas da tarde…”  A avaliação das temperaturas mínima e máximas do dia ficam mais complicadas.

O horário de verão é incômodo para o trabalho do meteorologista, mas não altera a previsão do tempo. Os fusos horários que existem no Brasil complicam um pouco mais!

 

São os meteorologistas que determinam horário de verão?

Não. Nem meteorologistas e nem astrônomos. O horário de verão é uma determinação do governo federal. O decreto número 6558, de 8 de setembro de 2008, determinou que o horário de verão no Brasil começa sempre no terceiro domingo de outubro e termina no terceiro domingo de fevereiro. Veja a o decreto aqui. Só o governo federal pode mudar o início e o fim do horário de verão .

 

Onde terá horário de verão em 2014?

O horário de verão de 2014 será implantado nos estados das Regiões SulSudeste e Centro-Oeste. 

 

Com o horário de verão e os fusos horários que existem no Brasil, fique atento aos horários dos relógios em cada estado. Os mapas mostram os horários com e sem hora de verão, em relação à hora de Brasília, que é a hora oficial do nosso país.

 

Por que o Brasil adota o horário de verão?

O horário de verão é adotado para economizar energia. A ideia é fazer com que as pessoas aproveitem mais a luz natural do sol, as horas de dia, que vão aumentando no decorrer do verão. O número de horas de sol aumenta e começamos a usar a luz artificial mais tarde.

Com o horário de verão, o pico de maior uso de energia elétrica é melhor distribuído diminuindo o risco de um colapso do sistema energético.

 

Por que os estados do Norte e Nordeste não entram no horário de verão?

Estas Regiões não adotam o horário de verão porque o horário do nascer e do por-do-sol quase não varia no decorrer do ano. Na maioria das áreas do Norte e do Nordeste, a hora do nascer e do por-do-sol nos dias de verão é praticamente igual à hora do nascer e do por-do-sol no inverno.

Veja o gráfico que mostra variação da duração do dia (ou da luminosidade, que é a diferença entre a hora do por-do-sol e do nascer-do-sol) ) em diferentes capitais brasileiras no decorrer do ano. Em Belém, onde não há horário de verão, o número de horas de dia varia muito pouco ao longo do ano e fica em torno de 12h52 o ano todo.

Mas em Porto Alegre, onde tem horário de verão, o número de horas de dia aumenta durante o verão. Já no fim do inverno, em 1 de setembro, a luminosidade é de aproximadamente 12h14, mas no meio de dezembro, já perto do início do verão, a capital do Rio Grande do Sul tem quase 15 horas de luminosidade. A diferença de horas de luz natural é de quase 2h40.

 

 

Relógio de sol em New Jersey, Estados Unidos

 

 

Fim de semana com temporais no Sul
sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Os temporais desta semana no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina causaram grandes danos por causa da chuva intensa, granizo e ventania. As rajadas de vento nesta sexta-feira alcançaram 92 km/h em Passo Fundo (RS) e em Major Vieira (SC).

 

Raios durante uma tempestade em Imbituba, sul de Santa Catarina, em 16 de outubro de 2014. Foto de SergioFilho

Em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, o granizo formou uma grossa camada de gelo pelas ruas. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 80,1 mm de chuva entre 9 horas de 16 de outubro e 9 horas de 17 de outubro. Foi o segundo maior volume de chuva acumulado em 24 horas deste ano. O total de chuva em outubro subiu para 139 mm e superou em 22% a média mensal, que é de 114 mm.

 

A população dos três estados da Região Sul do Brasil deve se preparar para enfrentar uma fim de semana de temporais. O ar muito quente que está por quase todo o Brasil entra choque com o ar polar de uma frente fria que avança pelo litoral da Região Sul. Este choque térmico e uma circulação de ventos especial nos níveis mais elevados da atmosfera vão gerar muitas nuvens carregadas com potencial para temporais.

No sábado, a chuva intensa ocorre principalmente sobre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, mas no domingo o Paraná também vai sentir o aumento da Instituto Nacional de Meteorologia.

A temperatura começa a baixar durante o domingo. Nesta sexta-feira, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 40,1°C em Marechal Cândido Rondon, o oeste do Paraná.

Quando a onda de calor termina?

Sul do Brasil terá mais temporais no fim de semana
sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Atualizado às 14h55 de 17/10/2014

A cidade de Porto Alegre acumulou nas últimas 24 horas mais 89mm. O total acumulado no mês de outubro deste ano, já ultrapassou em 29% a média climatológica.

A madrugada desta sexta-feira foi de tempo bastante instável no Rio Grande do Sul. As áreas de instabilidade que se formaram sobre o Estado seguem bastante ativas e já provocaram chuva volumosa, raios e inclusive queda de granizo em alguns pontos desde a quinta-feira.

Na imagem do satélite meteorológico é possível ver uma grande área em vermelho que representa nuvens com topos muito grandes, que são capazes de provocar temporais.

Entre as 3h e 6h, foram acumulados em torno de 40 mm em Porto Alegre, segundo a estação meteorológica do INMET na capital. Nas últimas 24h, já choveu cerca de 70mm na capital e até a manhã de ontem, dia 16/10, havia precipitado cerca de 50mm de chuva. A média climatológica de chuva para a cidade é cerca de 120mm, ou seja, até a manhã desta sexta-feira, já tinha acumulado na cidade a média de chuva climatológica.

Foto de Porto Alegre/RS por Marcos

Há instabilidade ativa também sobre o interior, como em São Gabriel, que nas últimas 6h, entre as 2h e 6h, acumulou cerca de 28mm de chuva, e como em Campo Bom que na última hora já acumulou em torno de 15mm.

Previsão ao longo da sexta-feira, o tempo vai permanecer instável, e o risco para mais temporais persiste sobre grande parte das áreas gaúchas, inclusive em Porto Alegre. O risco é grande para transbordamento de córregos e rios.

 

Mais chuva para o fim de semana

No final de semana, o tempo não vai mudar. Grande parte das áreas gaúchas seguem com tempo carregado, ainda com risco para chuva volumosa. Essa condição agrava as chances de alagamentos de transbordamentos de rios sobre a faixa da Fronteira Oeste, área na qual se encontra o Rio Uruguai que enfrenta a sua segunda cheia em menos de 6 meses. A chuva começa a dar uma trégua a partir da segunda-feira.

Tempestades se espalham sobre o Sul do Brasil
quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Mais temporais

Uma frente fria avança pelo litoral do Rio Grande Sul e novas áreas de instabilidade crescem entre o Sul do Brasil, o Uruguai e a Argentina espalhando nuvens muito carregadas.

Nesta sexta-feira, os temporais voltam a cair especialmente sobre o Rio Grande do Sul, com risco de ventania, mais granizo e muitos raios. Mas Santa Catarina poderá ter fortes pancadas de chuva. A chuva se espalha sobre o Sul no fim de semana e os três estados terão temporais.

No Paraná, o calor predomina nesta sexta-feira. O sábado será quente, mas já com as pancadas de chuva.

 

Tempestades voltaram a ocorrer sobre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, com ventos de quase 100 km/h, chuva volumosa e granizo. A imprensa gaúcha noticiou nesta quinta-feira a cidade de Eldorado, no Rio Grande do Sul, pretendia decretar situação de emergência por causa da destruição que houve com o temporal de granizo. No período entre 20 horas do dia 15 e 20h de 16 de outubro choveu 75 mm em Canguçu, 71 mm sobre Rio Grande, 68 mm em Mosrtadas, 57 mm em Tramandaí e 53 mm em Bagé.

Os temporais desta quinta-feira atingiram a parte sul, leste e nordeste do Rio Grande do Sul, o sul e leste de Santa Catarina. Em Lages, que foi seriamente danificada por um temporal de granizo na tarde de segunda-feira, 13, voltou a chover forte, embora sem granizo, mas ventania derrubou árvores.

 

Calor extremo e ventania

Ventos de quase 100 km/h foram observados sobre Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Veja no mapa.

A chuva não caiu em toda a Região e o calor intenso ainda foi sentido. Nesta quinta-feira, a temperatura no Sul chegou aos 39,3°C em Planalto, no sudoeste do Paraná, a 38,2°C em Santa Rosa, oeste do Rio Grande do Sul e aos 34,7°C em Joaçaba, centro-oeste de Santa Catarina.

 

Saiba quando a onda de calor vai terminar

Onda de calor está terminando
quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Atualizado em 17/10/2014

A forte onda de calor que se instalou sobre o Brasil esta semana tem causado temperaturas extremamente elevadas em particular em áreas do Centro-Oeste e do Sudeste. Temperaturas de  40°C ocorrem todos os anos em várias áreas destas Regiões, mas nesta semana de outubro o que se observa é uma persistência do calor extremo e em grandes áreas.

No período entre 12 e 17 de outubro de 2014, o Instituto Nacional de Meteorologia vem registrando um aumento do número de cidades onde a temperatura chegou aos 40°C ou mais. Na sexta-feira, 17, foram 25 cidades.  Este número leva em conta apenas os locais onde o Inmet tem estação meteorológica. A realidade é que o calor de mais de 40 °C vem sendo registrado de forma generalizada em particular em Mato Grosso do Sul e no interior de São Paulo.

 

Quando calorão vai terminar?

A onda de calor está chegando ao fim. A expectativa é de que as temperaturas comecem a voltar ao padrão normal  a partir do domingo no Sul e no decorrer da próxima semana no Sudeste e Centro-Oeste.

A queda da temperatura virá com uma grande frente fria que vem trazendo uma grande massa de ar polar. A combinação do aumento de nuvens (evitam o sol forte), chuva (refresca o ar), ventos (mistura as camadas de ar, refresca e diminuição a sensação de calor) e do ar polar (mistura com o ar quente, refresca) vão fazer a temperatura baixar no Brasil.

A queda da temperatura começa a ser sentida no Sul no domingo e em estados como São Paulo e Mato Grosso do Sul durante a segunda-feira.

Na sexta-feira, 17 de outubro, a temperatura no Sul do Brasil chegou aos 40,1°C em Marechal Cândido Rondon, no oeste do Paraná. No Centro-Oeste, a maior foi de 42,5°C em Água Clara, em Mato Grosso do Sul, e foi a maior temperatura do Brasil. No Sudeste, a maior temperatura foi de 41,5°C em Valparaíso, no noroeste de São Paulo. No Norte, a maior temperatura foi de 40,4°C em Paranã, no Tocantins e no Nordeste, a temperatura mais elevada foi de 40,8°C em Esperantina, no Piauí.

Calor na América do Sul

Além do Brasil, norte da Argentina, Paraguai e sul da Bolívia também sofrem o efeito da onda de calor.  Temperaturas acima dos 40°C voltaram a ser registradas nesta sexta-feira, mas pancadas de chuva começaram a ocorrer em áreas do norte e nordeste da Argentina. No fim de semana, as áreas de instabilidade se espalham entre o Brasil, Argentina e Paraguai e é alto o risco de tempestades com chuva e granizo.  No norte da Argentina, o serviço meteorológico oficial do país registrou na quinta-feira, 16, 45,6°C  em Presidencia Roque Saenz Peña. Em Resistencia, a temperatura chegou aos 44,0°C. O aeroporto de Assunção, capital do Paraguai, registrou 41°C. Na Bolívia, o aeroporto ViruViru, de Santa Cruz de la Sierra registrou 38°C. Em Tarija, o aeroporto registrou 38°C também e nesta sexta-feira ocorreu temporal com granizo.

Nos mapas abaixo, os tons de rosa indicam temperaturas máximas acima dos 38°C e 40°C.  Temperaturas amenas, na faixa dos 22°C a 26°C são indicadas por tons de verde claro e amarelo claro. Note como a mancha vermelha sai do Sudeste no dia 21 de outubro indicando a queda da temperatura.



Confira a análise da meteorologista Josélia Pegorim.

 

Calor ainda bate recorde no Brasil até a segunda-feira
quinta-feira, 16 de outubro de 2014

A intensa onda de calor que está sendo observada sobre o Brasil fez com centenas de cidades brasileiras voltassem a registrar temperaturas acima dos 37°C nesta quinta-feira, 16 de outubro de 2014. As estações medidoras do Instituto Nacional de Meteorologia registraram marcas de 40,0°C ou mais em 20 cidades. Temperaturas desta ordem estão acontecendo desde o domingo, mas o número de locais com temperaturas de 40°C vem aumentando.

O que mais impressiona é que em Mato Grosso do Sul e também no interior de São Paulo, as temperaturas de 40°C estão sendo registradas em amplas áreas e todos os dias desde o começo desta semana.

O Estado de Mato Grosso do Sul está no centro da onda de calor e  vem sendo a região mais quente do Brasil nos últimos dias. Nesta quinta-feira, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 42,7°C em Porto Murtinho, temperatura que fica entre as 10 mais elevadas oficialmente observadas no Brasil.

Brasil dos 43°C

Nesta quinta-feira, a temperatura no Sul chegou aos 39,3°C em Planalto, no sudoeste do Paraná, 42,7°C em Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul, 40,9°C em Barretos, no norte de São Paulo, 40,4°C em Paranã, no Tocantins e aos 40,4°C em Oeiras, no Piauí.

 

 

Recordes de calor

Novos recordes de calor ocorreram nesta quinta-feira em capitais brasileiras. Cuiabá, capital de Mato Grosso, bateu recorde com temperatura máxima de 40,6°C, igualando a marca do dia 11de outubro.

Palmas, capital do Tocantins, teve máxima de 40,8°C superando os 40,4°C dos dias 15 de setembro e 14 de outubro.

Mais recordes à vista

Até a segunda-feira ainda podem ocorrer vários recordes de calor nas capitais. Os mais prováveis são em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte, em Vitória em Goiânia, em Campo Grande, em Cuiabá, em Brasília e em Palmas.

Confira as maiores temperatura de 2014 nas capitais do Brasil registradas nas estações meteorológicas convencionais do Instituto Nacional de Meteorologia.

 

 Chuva e ar polar à vista

 Fugindo do calor

Calor de outubro bate recorde histórico em SP e MS

Você está em dia com vitamina D?

 

Volume de chuva passa dos 50mm no RS
quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Novas áreas de instabilidade se espalham sobre o Estado do Rio Grande do Sul e provocam temporais em diversas áreas. Segundo informações das estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) os valores acumulados de chuva já passaram dos 50mm em algumas cidades.

Nas imagens do satélite meteorológico as áreas em amarelo e vermelho indicam nuvens muito altas na atmosfera que favorecem a formação de temporais e até mesmo granizo.

Nas estações automáticas do INMET os volumes de chuva ultrapassaram os 50mm no período de 24 horas. Confira as cidades que tiveram volumes acumulados elevados.

Entre a noite de quarta-feira (15) e a madrugada de quinta-feira (16) houve granizo em Porto Alegre.

O internauta Marcos fotografou a cidade de Porto Alegre pela manhã de hoje.

Porto Alegre/RS por Marcos

Mais chuva para os próximos dias

Na sexta-feira (17) uma frente fria irá reforçar as áreas de instabilidade sobre a região. Há o risco de temporais e os volumes acumulados de chuva podem acarretar em alagamentos. A chuva enfraquece no domingo (19), mas ainda persiste ao longo do dia. Somente na segunda-feira (20) que a chuva começa a perder força.

Qual a maior temperatura registrada no Brasil?
quarta-feira, 15 de outubro de 2014

O calor e a secura do ar da segunda quinzena  de outubro de 2014 certamente vão entrar na lista de eventos meteorológicos especiais de muitos meteorologistas.

Para quem analisa temperaturas diariamente, como os previsores do tempo, impressiona não só a quantidade de cidades brasileiras que registraram temperaturas muito elevadas, acima dos 40°C, mas a persistência do calor extremo, por muitas horas consecutivas.

A lista de cidades onde a temperatura tem chegado aos 40°C vem aumentando desde o domingo, 12 de outubro.

15 de outubro: 21 cidades

14 de outubro: 15 cidades

13 de outubro: 14 cidades

Confira as cidades onde a temperatura foi igual ou superior a 40,0°C em 15 de outubro de 2014, pela medição de estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia

 

 

A maior temperatura oficialmente registrada no país até agora foi de 44,7°C na cidade de Bom Jesus, no Piauí, em 21 de novembro de 2005, pelo Inmet.

Veja as mais altas temperaturas já registradas no Brasil por órgãos oficiais.

 

O nível de umidade do ar também está muito baixo e impressionando. Nesta quarta-feira, 14 de outubro de 2014, baixou para 9% em Ibotirama, no interior da Bahia.

O Instituto Nacional de Meteorologia registrou umidade relativa do ar igual ou menor do 15% em 87 cidades que possuem estações meteorológicas automáticas.

 

Quando o calor vai terminar?

Falta de nuvens, de chuva, de ventos e de ar polar, além do sol mais forte e persistente estão fazendo com que as temperaturas fiquem muito elevadas no Brasil esta semana. Ainda que outubro seja um mês de calor intenso, onde temperaturas de 40°C são até comuns, o que ocorre esta semana é uma onda de calor. Até o domingo ou segunda-feira, dia 20 de outubro, ainda poderemos ter calor extremo em vários locais do país.

Mas vem vindo aí uma grande frente fria associada a uma forte massa polar, que vai mudar o tempo completamente. Confira!

Cuidado com a desidratação, que não é necessariamente desmaiar por aí! A sua boca seca é um sinal de atenção, “amarelo” para a falta de água no corpo.

Confira a entrevista com o dr. Sergio Vaisman

 

Chuva e ar polar à vista
quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Os focos de fogo aumentaram esta semana sobre o Sudeste com o calor extremo e a secura do ar. A fumaça se espalhou sobre Belo Horizonte  e desde o começo da semana é avistada nas montanhas da serra dos Órgãos, no Rio de Janeiro, e também na serra do Japi, entre a Grande São Paulo e Campinas.

Fumaça sobre Cajamar, na Grande São Paulo (SP), por Fernando Crus

Nos últimos dias, Minas Gerais tem liderado a lista dos estados com maior quantidade de focos de fogo em 48 horas, pelo monitoramento do INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

O calor da primeira quinzena de outubro vai entrar para a lista de eventos meteorológicos especiais do Brasil. Temperaturas extremamente elevadas, acima dos 40°C estão sendo registradas nos últimos 4 dias, em particular nos estados do Centro-Oeste e do Sudeste. Quase todas as capitais destas Regiões estabeleceram novos recordes de calor para 2014 entre os dias 11 e 15 de outubro. A temperatura de 42,9°C em Coxim, em Mato Grosso do Sul, registrada pelo Instituto Nacional de Meteorologia em 15 de outubro de 2014 ficou entre as 10 maiores temperaturas medidas no Brasil por órgãos oficiais de monitoramento meteorológico.

Muitas áreas do Sudeste, do Centro-Oeste, do interior do Nordeste, o Tocantins e o interior do Paraná estão tendo uma semana com níveis de umidade abaixo dos 20%, num período de 6 horas a 10 horas consecutivas. O nível médio recomendado pela Organização Mundial da Saúde para o conforto humano é de 60%. Em Ibotirama, na Bahia, a umidade baixou para 9% na tarde de 15 de outubro.

Só uma grande frente fria conseguirá mudar este quadro de secura e calor extremos. Ela está chegando! Confira o comentário da meteorologista Josélia Pegorim .