Arquivo da Categoria ‘Sudeste’

+ aumentar e diminuir fonte -
Ar polar se afasta da Grande SP
segunda-feira, 23 de março de 2015

A passagem de uma massa de ar polar por São Paulo no fim de semana trouxe queda de temperatura e um ar de outono para a Grande São Paulo.  Um pouco deste ar polar ainda é sentido nesta terça-feira mantendo a temperatura agradável o dia todo, sem frio e bem calor excessivos.

O amanhecer desta terça-feira poderá ser o mais frio de 2015 até agora. Por enquanto, segundo a medição do Instituto Nacional de Meteorologia, a menor temperatura mínima de 2015 foi  17,1°C registros em 23 de março e também em 8 de fevereiro.

Temperatura em elevação

A temperatura fica amena na Grande São Paulo ao amanhecer desta terça-feira, mas a tarde já será com maior aquecimento. A temperatura nesta segunda-feira não passou dos 24°C. A tendência é de maior elevação de temperatura a partir de quarta-feira e volta a sensação de calor.

 

Pouca chuva

A semana segue com pouca chuva. Uma nova frente fria vai passar pelo litoral paulista durante a quinta-feira, mas pouca instabilidade deste sistema chega ao leste de São Paulo. Assim, até a sexta-feira, a chance de chuva baixa. O sol aparece forte a partir de quarta-feira.

Nuvens carregadas crescem no mar na costa da Região Sul

 

O mapa a seguir mostra que os acumulados de chuva dificilmente chegam aos 30mm na maior parte do Estado de São Paulo.

Confira a previsão de chuva para todo o Brasil nos próximos 5 dias
Cantareira pode pagar a 1ª cota até o fim de março
segunda-feira, 23 de março de 2015

Fevereiro e março foram meses que trouxeram bastante chuva para as áreas de captação dos reservatórios de São Paulo. Tanto que desde o mês de fevereiro o Sistema Cantareira não registrou mais quedas, somente elevações ou estabilidade. E é exatamente por esta situação que considerando uma taxa média de elevação de 0,2% ao dia, conforme os últimos registros obtidos pela Sabesp, a primeira cota da reserva técnica pode ser “paga” até o fim do mês de março.

No momento o Sistema Cantareira se encontra com 17,1% da sua capacidade total disponível para consumo. Os demais reservatórios que abastecem a cidade de São Paulo também registraram elevação por conta dos volumes de chuva acumulados durante o fim de semana. Essa chuva também auxiliou o Cantareira a subir em uma taxa superior à de 0,2%.

Fatores como a economia e a regularidade na chuva foram essenciais para a situação atual dos reservatórios. Segundo informações do Governo Estadual a marca de 14% da capacidade total deveria ser atingida para evitar um racionamento severo. Porém a estação chuvosa chegou ao fim e a tendência é de a atmosfera voltar a secar ao longo dos próximos meses.

Até o fim do mês de março a tendência é de pouca chuva para as áreas de captação dos reservatórios de São Paulo. Mas já foi observado que mesmo em condições de menos chuva os volumes continuaram a subir por conta do tempo de resposta da água dos afluentes ao chegar no reservatório principal e a economia feita pela população.

Previsão de chuva para os próximos dias nas áreas de captação do Sistema Cantareira

 

Menos chuva ao longo dos próximos meses

Com a estação chuvosa já era esperado que os reservatórios que abastecem São Paulo tivessem uma elevação nos volume disponível para consumo. Mas agora chegamos ao outono, que marca a transição entre a estação chuvosa e a estação seca. Desta forma a tendência é de que os volumes acumulados de chuva diminuam também sobre os reservatórios.

Ar polar e recordes de frio em São Paulo
segunda-feira, 23 de março de 2015

A passagem de uma frente fria por áreas paulistas durante o fim de semana não trouxe somente a chuva. A massa de ar polar e a quantidade de nuvens também afetou diretamente as temperaturas na Grande São Paulo.

Segundo informações da estação convencional do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) no Mirante de Santana, tivemos a tarde mais fria do ano de 2015 com 22,8°C no domingo (22). O recorde anterior havia ocorrido nos dias 05 de fevereiro e 09 de março com 22,9°C.

Ainda segundo a estação do INMET, a segunda-feira (23) teve a menor mínima de 2015 com registro de 17,1°C igualando o registro de 08 de fevereiro.

Nas imagens do satélite meteorológico é possível ver o avanço das instabilidades da frente fria para áreas do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Em seu lugar os tons em marrom indicam a presença de um ar mais seco que desfavorece a formação de nuvens principalmente sobre o interior paulista. Na faixa leste e na Grande São Paulo ainda há a presença de umidade vinda do oceano que traz mais nuvens do que chuva.

Clique na imagem e acompanhe as imagens de satélite de todo o Brasil

Mais ar polar e menos chuva

A semana ainda reserva a passagem de mais uma frente fria na costa de São Paulo. Esse sistema frontal promete trazer mais frio do que chuva, pois as instabilidades não serão fortes o suficientes para trazer uma chuva generalizada. Mas a massa de ar polar promete novamente fazer as temperaturas mínimas caírem, e a nebulosidade associada pode favorecer a queda da temperatura máxima.

O mapa a seguir mostra que os acumulados de chuva dificilmente chegam aos 30mm na maior parte do Estado de São Paulo.

Confira a previsão de chuva para todo o Brasil nos próximos 5 dias

Massa de ar polar atua no Sul do país
sábado, 21 de março de 2015

A massa de ar polar que acompanha a frente fria que avança do Sul para o Sudeste do Brasil chega neste domingo ao Sul do país. A madrugada deste domingo será de frio no interior do Rio Grande do Sul e na serra catarinense, aonde a temperatura deve ficar entre 12 e 14 graus entre a madrugada e o início da manhã do dia 22 de março.

 

Essa massa de ar também é seca e irá inibir a formação de nuvens sobre a Região nos próximos dias. Entre os dias 22 e 24 de março não há previsão de chuva significativa para a Região. A umidade do ar fica baixa durante a tarde e pode incomodar durante esse período.

O ar polar deve chegar também às demais áreas da Região Sul, ao Mato Grosso do Sul e em São Paulo, deixando as temperaturas mais baixas durante a madrugada de segunda-feira.

Como será o outono 2015 no Brasil?

Você sabe o que é a sensação térmica?

Como se mede a umidade do ar?

Nível do Sistema Cantareira continua a subir
sábado, 21 de março de 2015

Cantareira sobe pelo 15º dia consecutivo e bate a média do mês de março

Com o registro de 10,8 mm, o volume de chuva acumulado em março de 2015 no Sistema Cantareira chegou a 180,6 mm e superou a média histórica que é de 178,0 mm (Fonte:SABESP). Neste sábado o nível de armazenamento chegou a 16,3%, um aumento de 0,2% com relação ao nível registrado na sexta-feira pela manhã

 

O nível de 16,3% em 20 março repõe a cota de 10,7% de água da reserva técnica acrescida em 24 de outubro de 2014 e repõe 5,6% da cota de 18,5% disponibilizada em 15 de maio de 2014. No total das duas cotas, foram 29,2% e ainda faltam 12,9% para atingirmos o nível do volume útil.

 

Domingo segue com tempo instável

 

Neste domingo áreas de instabilidade associadas ao avanço de uma frente fria vão manter as condições favoráveis à pancadas de chuva na Grande SP e na região do Sistema Cantareira. No começo da próxima semana a chuva diminui com o avanço de uma massa de ar seco.

 

Todos os reservatórios de água que abastecem a Grande São Paulo aumentaram de nível nas ultimas 24 horas. O Sistema Guarapiranga foi o registrou o maior aumento, com elevação de 2,0% entre o dia 20 e o dia 21 de março.

 

 

 

Vento polar chega ao Brasil em fortes rajadas
sexta-feira, 20 de março de 2015

Uma forte massa de ar polar começou a avançar sobre a Argentina na sexta-feira,  20 de março, coincidindo com a chegada do outono. Na Patagônia, houve forte queda da temperatura e dos níveis de umidade do ar nas últimas 24 horas. Em Bariloche, a úmida relativa do ar às 23 horas da quinta-feira era de 66% na região do aeroporto local e às 22 horas de sexta-feira era de apenas 34%. A temperatura estava em 9°C.

Em Buenos Aires, os ventos frios da massa polar começaram a ser sentidos por volta das 15 horas, mas os ventos ganharam muita força a partir das 16 horas e as rajadas já alcançavam velocidades de 68 km/h. Na maioria das áreas da Argentina, no Uruguai e no Paraguai, a última tarde do verão foi muito quente. Em Buenos Aires, a temperatura chegou aos 32°C.

 

 

Ventania e mar agitado

Esta massa polar que entra no centro-sul do Brasil no primeiro fim de semana do outono e também poderá provocar fortes rajadas de vento. No Sul do Brasil, especialmente no litoral e nas serras gaúcha e catarinense, as rajadas poderão alcançar um pouco mais de 80 km/h.

No litoral do Sudeste, as rajadas de vento devem ser sentidas especialmente no domingo e na segunda-feira e poderão atingir marcas entre 60 km/h e 80 km/h.

Os ventos fortes provocados pela massa de ar polar e pelo ciclone extratropical associado com a frente fria vão deixar o mar agitado na costa da Argentina. Grandes ondas devem ser geradas no fim de semana e parte desta agitação marítima deve chegar ao Brasil.

A previsão é de que o mar fique agitado no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina durante o domingo e na segunda-feira ocorra uma agitação moderada no litoral paulista e do Rio de Janeiro.

Noite de 22 de março

Manhã de 23 de março

 

Fim de semana com chuva forte no Sudeste
sexta-feira, 20 de março de 2015

A última semana do verão foi marcada por muitas nuvens e pancadas de chuva em grande parte do Sudeste. Temporais foram observados em diversas áreas especialmente de São Paulo e de Minas Gerais. As capitais São Paulo e Belo Horizonte acumularam em 20 dias mais chuva do que a média normal para março. No Rio de Janeiro em Vitória, o volume acumulado ainda está bastante a abaixo da média.

As condições para chuva no Sudeste aumentam no fim de semana, o primeiro do verão, com a chegada de uma frente fria que vem trazendo uma massa polar moderada a forte.

Entre o sábado e a segunda-feira, o ar polar entra em choque com o ar quente e úmido que está sobre o Sudeste. Este impacto térmico vai facilitar a formação de nuvens bastante carregadas que podem provocar temporais. Em São Paulo há risco de temporais no sábado e no domingo. No Rio de Janeiro e na maioria das áreas de Minas Gerais podem ocorrer fortes pancadas de chuva no fim de semana e até a segunda-feira. Já no norte mineiro e sobre o Espírito Santo, a chanca de chover forte é maior na segunda e na terça-feira.

Como o ar polar entra no Sudeste?

A previsão é de que tecnicamente os ventos frios polares associados com esta frente fria comecem a ser sentidos na cidade de São Paulo durante a noite de sábado, 21 de março e no Rio de Janeiro durante a tarde do domino. Em Belo Horizonte e em Vitória, os ventos frios só devem ser sentidos na segunda-feira. A chegada destes ventos polares podem ocorrer em fortes rajadas das direções sul e sudoeste, que podem superar os 60 km/h.

Esta massa polar entra forte na Argentina, mas chega suavizada ao Brasil. Mesmo assim, vai causar a queda da temperatura. O resfriamento maior será no Sul do Brasil. A temperatura fica amena nos próximos dias em parte do Sudeste e no sul de Mato Grosso do Sul. O frio não será intenso nestas áreas, mas as pessoas vão sentir uma grande diferença térmica, pois os últimos dias foram bastante abafados.

 

Clima: do conhecimento para a ação
sexta-feira, 20 de março de 2015

Todos os anos, no dia 23 de março, comemora-se o Dia Meteorológico Mundial. A data criada em 1961 celebra o convênio que estabeleceu a OMM -  Organização Meteorológica Mundial (WMO – World Meteorological Organization), em 23 de março de 1950,  que substituiu a antiga Organização Meteorológica Internacional

A cada ano, a OMM lança um tema para reflexão na comunidade científica e também para o público em geral. Para 2015, o tema escolhido foi Clima: do conhecimento para a ação.

 

Os desastres naturais relacionados com o tempo severo e as mudanças climáticas ocorrem em todos os lugares do planeta e causam perdas de vidas humanas e bens materiais. As variações do tempo e do clima interferem de algum modo em quase todos os setores socioeconômicos.

O conhecimento e a previsão do clima e as previsões meteorológicas diárias estão cada vez mais aprimoradas e integram o conjunto de decisões e ações estratégicas para o desenvolvimento sustentável das nações e a proteção da vida.

Para proteger a vida no planeta é preciso conhecer o clima. Mas só isto não basta. De que adianta saber com antecedência da possibilidade de uma grande tempestade, de uma onda de frio ou de calor intensa, de dias de mar agitado, de uma seca, se as pessoas que poderão sofrer com estas situações não forem alertadas?

Assim, o conhecimento do tempo e do clima deve ser divulgado para o maior número de pessoas, mas de uma forma simples, que seja de fácil compreensão e que possa ser útil para quem precisa.

A Climatempo se empenha para fazer a melhor previsão do tempo e do clima e também a divulgação da informação meteorológica mais correta e atualizada para o grande público.

 

Consultoria Climatempo

Climatempo cada vez mais no seu celular

Climakids é Climatempo também para a crianças

Como será o Outono de 2015 no Brasil?
sexta-feira, 20 de março de 2015

O outono de 2015 no Hemisfério Sul se inicia às 19h45 do dia 20 de março, pelo horário de Brasília, e termina em 21 de junho, às 13h38.

No Sudeste, no Centro-Oeste, no litoral norte e na maior parte do interior do Nordeste e também na maior parte da Região Norte, o outono marca a transição entre o período úmido e o período seco. Em anos normais, o volume de chuva em Roraima, no Amapá e no norte do Amazonas e do Pará ainda é alto durante o outono.

Por outro lado, a chuva aumenta no litoral leste do Nordeste (desde o Recôncavo Baiano até o Rio Grande do Norte e também na Região Sul. A temperatura diminui gradativamente no centro-sul do país. É durante o outono que as primeiras massas polares realmente fortes chegam ao Brasil, capazes de manter o ar frio por vários dias.

A grande questão deste ano é: A chuva voltou a aumentar depois de um janeiro seco e quente. Será que ela se mantém ao longo dos próximos meses sobre as principais bacias que geram energia elétrica e sobre os sistemas de abastecimento de água do Sudeste? Para ambas as regiões, a resposta é não. A chuva deve diminuir nos próximos meses, como normalmente deve acontecer.

Confira uma panorama do outono para cada Região do Brasil nas análises do meteorologista Alexandre Nascimento.

 Região Sul

Região Sudeste

Região Centro-Oeste

Região Nordeste

Região Norte

Por que ocorrem as estações do ano? O que é o equinócio de outono?

Qual o impacto de um El Niño no frio de 2015?

 

Dia Mundial da Água
sexta-feira, 20 de março de 2015

O Dia Mundial da Água, 22 de março, é uma data universal criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em março de 1992.

O Brasil vive desde o ano passado uma das suas piores crises hídricas. A chuva insuficiente no verão de 2014 gerou graves problemas para economia do país e restrições de consumo de água em muitas cidades especialmente  da Região Sudeste. Mas no Nordeste, já estamos no quarto ano consecutivo com chuva insuficiente para deixar os reservatórios com nível de água normal.

Os transtornos causados pelo racionamento de água vão continuar sendo vividos por milhares de brasileiros no decorrer de 2015.

Mas a crise hídrica está tendo o seu lado positivo. Estamos refletindo diariamente sobre o que é viver com pouca água e aprendendo sobre água. De onde ela vem? Nem toda a água pode ser consumida pelo ser humano. Por que é tão difícil usar a água dos oceanos? Tem muita água nos aquíferos, mas que pode ser contaminada por atitudes erradas do ser humano.  Temos água debaixo da terra, mas se não soubermos usá-la, vai acabar.

Não podemos ficar sem a água. A vida no planeta Terra depende da água.  Ela é nosso bem mais precioso, mas é preciso entender que ela pode acabar.