Arquivo da Categoria ‘Sudeste’

+ aumentar e diminuir fonte -
Janeiro de 2015 está entre os mais secos de BH
segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

A seca que afeta o Sudeste do Brasil se agrava a cada dia em Minas Gerais, que já tem 50 cidades em racionamento oficial. Os problemas começaram há um ano, no verão de 2013/2014 que deveria ser de chuva, mas foi de seca. Na Região Sudeste, o trimestre dezembro-janeiro-fevereiro é o mais chuvoso do ano. Os volumes de chuva históricos mensais são muito elevados, especialmente em janeiro, muitas vezes se aproximando ou até superando os 300 mm.

 

 

A região de Belo Horizonte também vive o drama da seca. O ano de 2014 ficou entre os cinco mais secos já observados na capital mineira, em mais de 100 anos de medições do Instituto Nacional de Meteorologia.

O bloqueio atmosférico provocado pela ASAS  – alta pressão subtropical do Atlântico Sul – atuou fortemente sobre Minas Gerais até o dia 21 de janeiro, deixando grande parte do Estado com pouca ou nenhuma chuva. O bloqueio foi quebrado com uma frente fria que chegou ao litoral de São Paulo no dia 21 de janeiro.

 

 

Por causa deste bloqueio, até o dia 21 de janeiro não havia chovido em Belo Horizonte.  As pancadas de chuva voltaram com o enfraquecimento do bloqueio e já choveu 53,0 mm entre os dias 22 e 26. Mas é muito pouco para uma média de quase 300 mm. Apesar da previsão de mais chuva até o fim do mês, janeiro deve terminar com chuva muito abaixo da média em Belo Horizonte. Não será o janeiro mais seco, mas tem uma grande chance de ficar entre os 10 janeiros mais secos desde 1910.

Reservatórios

Sem a chuva do verão, que é volumosa e recompõe as reservas de água das represas, os reservatórios que abastecem a Grande Belo Horizonte também estão secando. O Sistema Paraobeba tinha apenas 30% de armazenamento, segundo a Copasa, em 26 de janeiro. As pancadas de chuva devem ocorrer nos próximos dias, mas de forma irregular. Além de nem sempre caírem dentro dos reservatórios, o que seria ideal, õ volume de chuva acumulado até o fim do mês ficará muito abaixo da média. A perda por causa do calor é grande.

 

 

Confira a previsão para os próximos 15 dias

 

 

Sudeste terá mais chuva esta semana

Fotografe a chuva!

Saiba como se proteger dos raios!

Entenda o bloqueio atmosférico de 2015

 

Sudeste tem mais chuva esta semana
segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

A semana começou com temporais em várias áreas de São Paulo, Minas Gerais e do Rio de Janeiro, mesmo sem a presença de nenhum sistema meteorológico especial para aumentar as condições para chuva. Calor e disponibilidade de umidade formaram aglomerados de nuvens carregadas que provocaram chuva forte, com muitos raios e rajadas de vento.

 

São Carlos (SP) 26-1-2015 por Leticia de Oliveira

 

Segundo do Instituto Nacional de Meteorologia,  o sul de Minas, choveu quase 95 mm em Maria da Fé entre 18h do dia 25 e 18h de 26 de janeiro. Na mesma região e no mesmo período, Monte Verde acumulou 67 mm. Em Unaí choveu 31 mm 13h e 14h.

 

 

No Estado de São Paulo, choveu 78 mm sobre Sorocaba e 75,6 mm sobre Barueri, sendo que a chuva caiu toda a na madrugada do dia 26. No fim da tarde, a chuva caiu forte sobre Franca deixando um acumulado de 43 mm em apenas 3 horas de chuva. Em Barra do Turvo choveu 38 mm em 1 hora, entre 19h e 20h.

Ainda em São Paulo, a cidade de Bauru teve rajadas de vento de 103 km/h às 19h55.

Mais chuva

Até a quarta-feira, o calor e a umidade do ar elevada serão os principais responsáveis pela ocorrência de chuva sobre o Sudeste. As pancadas podem ser fortes, mas devem ocorrer preferencialmente sobre São Paulo, no centro-sul do Rio de Janeiro, incluindo o Grande Rio, e no centro-sul e oeste de Minas Gerais, incluindo a região da Grande Belo Horizonte. Por enquanto, as áreas menos favorecidas com a chuva será o norte e nordeste de Minas Gerais, região do rio Doce e do rio Jequitinhonha e o Espírito Santo.

Uma nova frente fria começa a influenciar Sudeste entre a tarde e a noite de quinta-feira, 29 de janeiro, e passa pelo litoral do Rio de Janeiro no próximo fim de semana. Esta frente fria terá força para estimular chuva por todo o Sudeste. Nos primeiros dias de fevereiro, outra frente fria vem reforçar a condições para chuva e deve atuar com força sobre o Espírito Santo e o norte mineiro.

 

 

 

Sem ASAS

Uma mudança recente na circulação dos ventos e na pressão atmosférica facilitou a formação das nuvens: a ausência da atuação da ASAS – alta pressão subtropical do Atlântico Sul –, um sistema meteorológico que atuou forte sobre o Sudeste até o dia 20 de janeiro causando um bloqueio atmosférico. Além de impedir a chegada das frentes frias ao Sudeste, a ASAS dificultava o crescimento das nuvens. O bloqueio atmosférico foi quebrado com uma frente fria que chegou ao litoral de São Paulo no dia 21 e janeiro.

Apesar do enfraquecimento do bloqueio, a chuva no Sudeste está muito abaixo da média para janeiro. Faltam poucos dias para terminar o mês e não há mais chance de recuperação. Janeiro, o primeiro ou o segundo mês normalmente mais chuvoso no Sudeste, termina devendo muita chuva.

 

Volume de chuva para os próximos 7 dias
segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O racionamento de água no Espírito Santo devido à falta de chuva já é realidade. O setor agrícola estima um prejuízo de R$ 1,4 bilhão e a previsão para o estado não é animadora. Já as demais áreas da Região Sudeste como São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, terão volumes expressivos de chuva!

Confira qual será a tendência do acumulado de chuva para os próximos dias em todo o Brasil.

Semana terá mais chuva sobre o Cantareira
segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O Sistema Cantareira se encontra em uma situação delicada desde o final do ano de 2013. Quedas sucessivas devido os poucos volumes de chuva prejudicam muito o reservatório que em outros momentos era a principal fonte de abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo.

Nas imagens do satélite meteorológico é possível ver a chegada de nuvens carregadas sobre o Estado de São Paulo que provocaram chuva entre a noite de domingo (25) e a madrugada de segunda-feira (16).

Clique na imagem e veja imagens de satélite de todo o Brasil

Choveu também sobre os três principais reservatórios quer abastecem a cidade de São Paulo. No Cantareira choveu 17,1mm, no Alto do Tietê choveu 7,1mm e no Guarapiranga 33,6mm entre a tarde do domingo e a manhã da segunda-feira.

O único que sofreu queda mesmo com a presença de chuva foi o reservatório do Alto do Tietê. O sistema Cantareira se manteve estável e o Guarapiranga registrou uma elevação de 2,6% no seu volume disponível para abastecimento.

Mais chuva ao longo da semana sobre os mananciais

Os modelos de previsão do tempo indicam que o fluxo de umidade no interior e do litoral ainda vão favorecer a ocorrência de pancadas de chuva sobre as áreas de captação dos mananciais. A semana será marcada pela presença de umidade, e até a quinta-feira (29) as pancadas vão se concentrar entre a tarde e a noite principalmente.

Na sexta-feira (30) a passagem de uma frente fria vai organizar mais instabilidades e trazer mais chuva sobre os reservatórios, principalmente sobre o Guarapiranga. As áreas de captação do Sistema Cantareira também terão a presença de chuva o que pode acarretar em modestas elevações ou estabilizações, mas ainda há o risco de novas quedas.

Tempo típico de verão no Centro-Sul
domingo, 25 de janeiro de 2015

O sistema de baixa pressão e a frente fria associada ao sistema afastam-se rapidamente para o alto-mar na altura do litoral de Santa Catarina e do Paraná na manhã deste domingo, deixando muita umidade sobre todo o centro-sul do país. Ao longo do dia há aumento de nebulosidade e pancadas de chuva em praticamente todas as áreas do Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Somente o norte de Minas Gerais e o Espírito Santo ainda permanecem sob atuação de massa de ar seco e sem previsão de chuva.

 

A partir de amanhã, todo o centro-sul volta a receber vento de quadrante norte por conta da formação de mais uma frente fria no leste da Argentina. Com isso, as temperaturas permanecerão elevadas, contribuindo para o tempo abafado que favorecem a formação de nuvens desenvolvidas e pancadas de chuva a partir da tarde, condições típicas de verão. Outra frente fria deverá se organizar na quarta-feira sobre o Rio Grande do Sul e avançar sobre São Paulo entre quinta e sexta-feira.

 

Chuva no horizonte de Birigui (SP) , 19-11-2014 por Rafael

 

Teremos mais apagões?

Como driblar o calorão na hora de se vestir para trabalhar?

 

Sudeste tem mais pancadas de chuva
sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

A frente fria que trouxe chuva e diminuiu o calor na Região Sudeste já se afastou para alto mar. Um sistema de baixa pressão atmosférica que se formou sobre o mar, entre o litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro, após a passagem desta frente fria também já se afastou.  Mas o Sudeste ainda tem umidade e calor que vão permitir a formação de áreas de instabilidade nos próximos dias.  O mais importante é não há mais uma situação de bloqueio atmosférico.

O fim de semana será marcado por sol, calor e várias pancadas de chuva sobre o Sudeste, em geral à tarde e à noite. Porém, o centro-norte de Minas Gerais, o Espírito Santo e o norte do Rio de Janeiro serão as áreas menos favorecidas com as pancadas de chuva.

 

 

Até quarta-feira, mais as pancadas de chuva vão ocorrer em diversas áreas do Sudeste, mas o sol e o calor também estarão presentes. Há risco de temporais. Com a chuva e o aumento da nebulosidade, o calor volta ao normal e a temperaturas não vão ficar tão altas como vem ocorrendo desde o início de janeiro.

Mais duas frentes frias devem chegar ao Sudeste até o começo de fevereiro. Confira a previsão da chuva para o Brasil para os próximos 15 dias.

 

 

Teremos mais apagões?

Você vê Vênus ao anoitecer, mas o “senhor dos anéis”, só de madrugada

Saiba como se proteger dos raios!

Entenda o bloqueio atmosférico de 2015

 

Arco-íris em Taguaí (SP) em 23-1-2015 por Andre Costa

Vênus ao anoitecer e o “senhor dos anéis” na madrugada
sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Olhar para o céu e saber onde estão algumas estrelas, nebulosas, planetas e até cometas pode ser bem menos complicado do que você imagina. É preciso saber para qual região do céu olhar e também a que horas. Assim como sol, os outros objetos celestes também têm hora para nascer e se por.

Vênus, o mais brilhante de todos os planetas, aparece logo ao anoitecer. Mas se você quer ver Saturno, o senhor dos anéis, é preciso esperar a madrugada. E as cores dos planetas? Alguns são avermelhados e outros amarelados. O cometa Lovejoy está visível a olho nu e aparece como uma mancha esverdeada.

Dá para ver muita coisa a olho nu, mas melhor ainda com um binóculo ou um telescópio, mas se as nuvens deixarem.

Lua e Vênus em Cachoeira Paulista (SP), 8 de setembro de 2013, por Shyko Nakano

 

Neste fim de semana, as pancadas de chuva poderão ocorrer durante a tarde e em parte da noite em quase todo o Brasil. Mas a chuva à noite não vai se prolongar por muito tempo. A maior chance de chuva prolongada à noite é sobre os Estados da Região Norte e em Mato Grosso. O melhor tempo para ver os astros deve ser o sul do Rio Grande do Sul, onde não deve chover.

Assim, com pouco de paciência, espere a chuva passar que a nebulosidade diminui. Depois, olhos para o céu e divirta-se! Os astros dão show de graça!

No Momento Astronômico você encontra muito mais informações sobre astronomia.

O professor Marcos Calil dá todas as dicas de onde, como e a que horas observar vários planetas. Será que dá para ver os anéis de Saturno a olho nu?

 

 

O que você precisa antes de comparar seu primeiro telescópio

Como comprar um binóculo para astronomia? Custa menos do que você imagina!

Cometa Lovejoy: a referência no fim do vídeo ainda serve para este fim de semana. Você precisa achar as Três Marias, deslocar o ponto de visão um pouco para baixo e achar a estrela Aldebaran e depois, bem perto, as Plêiades. O cometa está perto.

Chuva diminui no litoral de SP
sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

A cidade de Santos, no litoral paulista, voltou a ser alagada entre a noite do dia 22 e a madrugada do dia 23 de janeiro de 2015 por causa do grande volume de chuva. A Defesa Civil registrou 186,2 mm de chuva entre os dias 22 e 23 de janeiro, sendo que já havia chovido 77,0 mm entre os dias 21 e 22.

Santos (SP): céu nublado após o temporal 23-1-2015 por Vanessa Brazil

 

O total acumulado entre 221 e 23 de janeiro foi de 263,4 mm, pouco menos do a média de chuva normal para todo o mês de janeiro que é de aproximadamente 279,0 mm. Até o dia 23 de janeiro, a cidade de Santos recebeu 318,1 mm de chuva.

 

O temporal entre 22 e 23 de janeiro acontece um mês após um outro evento de chuva torrencial, na época do Natal de 2014, que deixou parte de Santos também debaixo d´água. Entre 22 e 24 de dezembro de 2014 choveu quase 292,0 m. Foram 172,9 mm entre 22 e 23 de dezembro e outros 119,0 entre os dias 23 e 24 de dezembro de 2014. O mês de dezembro do ano passado fechou com quase 404 mm de chuva, sendo que a média normal é de 235 mm.

 

 

A chuva forte desta semana ocorreu por causa da presença de uma área de baixa pressão atmosférica entre o litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro, que se organizou após a passagem de uma frente fria. A baixa pressão se afasta do litoral paulista no fim de semana, mas ainda há condições para pancadas de chuva por causa do calor e da umidade elevada.

 

 

A meteorologista Josélia Pegorim explica porque a baixa pressão provocou o temporal e fala da tendência para o fim de semana.

Ar polar ainda influencia o centro-sul do Brasil
quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Atualizado às 11h10 de 23 de janeiro de 2015

O ar frio polar ainda influencia áreas do centro-sul do Brasil e impede que o calorão volte . A madrugada desta sexta-feira foi com mais recordes de frio. Na cidade de São Paulo, a temperatura mínima foi de 18,5°C, segundo do Inmet.  Embora enfraquecidos, os ventos frescos  desta massa polar chegaram até no Centro-Oeste.

No Sul, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou nesta sexta-feira 7,0°C em Bom Jardim da Serra, na região serrana de Santa Catarina.

 

 

Veja algumas temperaturas amenas na Região Sudeste

 

 

A temperatura começou a baixar ontem e bateu recordes de madrugadas e tardes mais frescas do ano no centro-sul do Brasil, mas no centro-norte tivemos recordes de calor.

Confira os recordes de 2015 observados em 22 de janeiro de 2015. Os dados são das estações meteorológicas convencionais do Instituto Nacional de Meteorologia.

Porto Alegre: 17,8°C – menor temperatura mínima

Florianópolis: 25,8°C – menor temperatura máxima

Curitiba: 17,1°C menor temperatura mínima

São Paulo:  26,1°C – menor temperatura máxima, em 23/1/2015 18,5°C de temperatura mínima, a menor do ano

Goiânia: 19,4°C – menor temperatura mínima

São Luis: 26,2°C – maior temperatura mínima

Maceió: 23,4°C – igualou o recorde de maior temperatura mínima observado em 13 de janeiro

Fortaleza: 25,7°C – – igualou o recorde de maior temperatura mínima observado em 17 de janeiro

Natal: 26,4°C 0 – – igualou o recorde de maior temperatura mínima observado em 19 de janeiro

João Pessoa: 31,2°C – – igualou o recorde de maior temperatura máxima observado em 16, 17 e 20 de janeiro

O ar polar já se afasta do centro-sul do Brasil nesta sexta-feira. O dia amanhece com temperatura amena em muitas áreas do Sul, mas a tarde é quente. A tendência é de elevação da temperatura no fim de semana.

Em Curitiba e em São Paulo, a madrugada de sexta-feira deve ser a mais fresca de 2015.

Curitiba (PR): amanhecer em 12-22-2014 por Marcio Morel

 

Pancadas de chuva continuam em SP
quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

A frente fria que trouxe chuva e aliviou o calor no Estado do São Paulo avançou para o litoral do Rio de Janeiro e nesta sexta-feira se afasta em alto-mar. Mesmo assim, áreas de instabilidade voltam a se formar em diversas áreas da Região Sudeste favorecendo a ocorrência de mais pancadas de chuva também sobre o Estado de São Paulo.

Nesta sexta-feira, a maior chance de chuva ainda será para a parte norte e para o leste de São Paulo, incluindo a Grande São Paulo. A entrada do ar polar baixou a temperatura, mas ainda existe calor e umidade suficientes na atmosfera para o crescimento de nuvens carregadas. Há risco de raios e em alguns momentos a chuva poderá ser moderada a forte, especialmente pelo interior.

 

 

Temporais

A passagem da frente fria provocou temporais em vários locais. Na capital, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 31,0mm acumulados entre 9h do dia 21 e 9h de 22 de janeiro.

Mas em Itapira choveu quase 50 mm apenas entre 15h e 16h. Em Taubaté, o temporal ocorreu no início da noite. Choveu 54,0 mm entre 18h e 19h. Franca, no norte do Estado.

 

Salto de Pirapora (SP) em 21-2-2015 por Leandro

 

Fim de semana com mais sol

O fim de semana terá mais sol e calor no Estado de São Paulo, mas as pancadas de chuva vão continuar à tarde e em parte da noite. A tendência é de aquecimento, mas o calor fica dentro do normal. Não há expectativa de novos recordes.

 

Recorde de “frio” na cidade de São Paulo

A combinação da chuva, com o aumento da nebulosidade e o ar polar derrubaram a temperatura na cidade de São Paulo. A quinta-feira, 22 de janeiro, foi de recorde de “frio”. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, o foram registradas a menor temperatura do ano, a madrugada mais fria, e a menor temperatura máxima de 2015, até agora, a tarde mais fresca. A temperatura mínima no Mirante de Santana foi de 19,2°C e a máxima de 26,1°C.

A madrugada de sexta-feira, 23, deve ser ainda mais fresca e com possibilidade de novo recorde. A temperatura mínima deve ficar em torno dos 18°C.

 

Aniversário de São Paulo

A cidade de São Paulo completará 461 anos no dia 25 de janeiro, no próximo domingo. As festas pela cidade devem acontecer com sol, calor e pancadas de chuva à tarde e à noite.

Participe do desafio especial para São Paulo: #fotografesampa

 Acompanhe a chuva na Grande SP pelos radares Climatempo-USP

 

Pouca chuva  no Sudeste

Apesar da quebra do bloqueio atmosférico, a maioria das áreas do Sudeste vai fechar janeiro com chuva abaixo do normal. Janeiro é o primeiro ou o segundo mês mais chuvoso do ano nos Estados do Sudeste.

Os mapas mostram a anomalia de chuva (diferença entre média de chuva histórica e o volume de chuva ocorrido) em janeiro de 2014 e a situação de janeiro de 2015 até o dia 21.

 

Anomalia de chuva para janeiro de 2015 até o dia 21

 

Anomalia de chuva de janeiro de 2014

 

 

Confira a análise da meteorologista Josélia Pegorim sobre a chuva no Sudeste ]

Podemos ter mais apagões neste verão?

Vai no Foo Fighters? Veja a dica da previsão! ]

Dá para ver os anéis de Saturno a olho nu?