Arquivo da Categoria ‘Sudeste’

+ aumentar e diminuir fonte -
Produtores de café depositam esperança na chuva de novembro
quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Produtores de café de São Paulo e Minas Gerais se concentram e torcem pelas chuvas que estão previstas para o mês de novembro, após meses de secura nas lavouras. Agora o café está em fase de floração e a chuva é de extrema importância para que a flor que se desenvolva e dê frutos para a safra de 2015.

Chuva forte sobre a Grande Belo Horizonte
quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Nuvens carregadas se formaram próximas a Grande Belo Horizonte e avançaram sobre a região provocando chuva forte e volumosa em algumas áreas. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 42,0 mm sobre Florestal em apenas 1 hora, entre 11h e meio-dia.

As imagens de satélite mostram que as nuvens carregadas estão se espalhando sobre a Grande Belo Horizonte. Toda a região segue a tarde desta quinta-feira com tempo instável. Há risco de chuva moderada a forte também sobre Belo Horizonte.

 

 

Tempo chuvoso em Vespasiano (MG) - 28-10-2014 por Alan Lapa

 

Chuva enfraquece no norte de MG

Áreas de instabilidade se formaram sobre o centro-norte de Minas Gerais no começo da semana e provocaram chuva forte e volumosa em vários municípios. Entre 13h de ontem e 13h de hoje o Inmet registrou 87,0 mm sobre Serra dos Aimorés e 67,0 mm sobre Teófilo Otoni. Estas áreas de instabilidade já se dissiparam, mas o norte de Minas ainda tem condições para pancadas de chuva hoje e nesta sexta-feira. O tempo seca no fim de semana.

Chuva aumenta no Sul de Minas

Nuvens carregadas crescem sobre o Sul de Minas e já provocam algumas pancadas de chuva nesta quinta-feira, mas em poucas áreas. As condições para chuva vão aumentar no fim de semana com a chegada de uma frente fria. Há previsão de mais chuva para a próxima semana.

 

 

 

Quando volta a chover no Rio de Janeiro?
quinta-feira, 30 de outubro de 2014

O ar seco segue sobre a região do Grande Rio. O tempo firme favorece a rápida a elevação da temperatura e não há condições para chuva.

A internauta Aline mandou uma bela imagem do pôr do sol com a Pedra da Gávea ao fundo. A imagem mostra um belo céu sem nuvens.

Aline - Rio de Janeiro/RJ

A animação do satélite meteorológico mostra nos tons em marrom um ar muito mais seco e poucas nuvens. A umidade que chega de Minas Gerais não consegue vencer o ar mais seco que está sobre o Estado do Rio de Janeiro.

O tempo firme e o predomínio de sol faz a temperatura subir muito. Segundo informações da estação automática do INMET, no Forte de Copacabana a temperatura já ultrapassou os 30°C ao longo do final da manhã de quinta-feira.

Quando volta a chover no Rio de Janeiro?

Apesar da sexta-feira (31) com maior chances de chuva sobre o Estado do Rio de Janeiro, o Grande Rio ainda terá um ar mais seco impedindo a formação de nuvens e por consequência de chuva. Somente a partir do sábado (01) que há condições para pancadas de chuva na capital fluminense, mas isso a partir da tarde. O sol ainda vai predominar pela manhã e pelo início da tarde, mas a chegada de umidade associada ao calor vai favorecer o crescimento de nuvens que vão provocar chuva rápida. As pancadas de chuva podem vir acompanhadas de raios e há o risco de chuva forte.

No domingo (02) a condição do tempo será muito parecida. Sol forte pela manhã e pela tarde com rápidas pancadas de chuva entre o fim da tarde e o início da noite.

Pancadas de chuva em SP
quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Atualizado em 30/10/2014 às 14h40

O radar meteorológico do IPMet/UNESP já registra chuva forte em algumas cidades do norte de São Paulo. Guarulhos na Região Metropolitana também tem pancadas de chuva com intensidade moderada.

O sol brilha forte já pela manhã da quinta-feira (30) mostrando que o predomínio no Estado paulista será de calor forte. As pancadas de chuva irão ocorrer ao longo da tarde e da noite em diversas áreas do interior por conta da chegada de áreas de instabilidade. Com o ar mais seco impedindo a formação de nuvens carregadas na faixa leste de São Paulo, não há previsão de chuva inclusive sobre a Região Metropolitana.

O internauta Giovanni Zanardi de Santo André-SP fotografou o céu azul com poucas nuvens indicando uma atmosfera mais seca.

Giovanni Zanardi - Santo André/SP

Na imagem do satélite meteorológico já é possível ver a chegada de nuvens altas no oeste paulista, há a presença de Cirrus e Cirrocumulus em cidades como Assis, Pompéia e Penápolis.

Os índices de umidade relativa do ar saíram bastante na quarta-feira (29) áreas da região central paulista chegaram a registrar 13% durante o período da tarde.

Mas a chegada de nuvens altas já mostra uma mudança nas condições do tempo. Ao longo da quinta-feira, as áreas de instabilidade vão chegar ao Estado de São Paulo trazidas pelos ventos de noroeste. Como vão encontrar um ar muito quente, há o desenvolvimento de grandes nuvens que podem provocar chuva até mesmo com forte intensidade de forma mais localizada e acompanhada por raios.

Na Grande São Paulo, há condições para pancadas de chuva em pequenas áreas.

Chuva vai se espalhar por São Paulo inclusive na Capital

Na sexta-feira (31) as áreas de instabilidade vão conseguir avançar sobre o ar mais seco na capital de São Paulo. Há previsão de chuva entre a tarde e a noite que pode vir em forma de temporais localizados. A manhã ainda será com muito sol e a temperatura ainda vai subir bastante ao longo da tarde. Todo o Estado paulista terá condições para pancadas de chuva, e o calor continua.

No fim de semana o ar mais úmido continuará sobre o Estado de São Paulo. Vão ocorrer pancadas de chuva entre a tarde e a noite principalmente. No norte paulista, o sábado (01), primeiro dia de novembro, será com muitas nuvens e chuva a qualquer momento, assim como no extremo sul do Estado. Isso se deve ao posicionamento da frente fria ao largo da costa de Santa Catarina que consegue jogar um pouco de umidade também no Estado de São Paulo acarretando em pancadas de chuva pré frontais.

No domingo (02) a nebulosidade aumenta ainda mais assim como o risco de chuva. Muitas nuvens crescem sobre o Estado de São Paulo e o sol só vai aparecer com poucas nuvens no norte paulista. Ao longo da tarde e da noite há o risco de pancadas de chuva e o ar vai ficar abafado.

No mapa de previsão de chuva para os próximos 15 dias são esperados volumes de chuva de até 200mm em áreas do oeste, Vale do Ribeira, Litoral Norte e Grande São Paulo.

O meteorologista César Soares comentou a chuva do início de Novembro no Climatempo News. Clique e assista!

Você ficou sabendo?
quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Ar seco

Norte do Paraná foi a região mais seca do Brasil nesta quarta-feira. O aeroporto de Londrina registrou 10% de umidade no ar.

Níveis de umidade do ar em São Paulo e no Triângulo Mineiro voltaram a ficar muito baixos. URA ficou abaixo de 20% de forma generalizada.

 

 

 

 

Ar úmido

Com tempo chuvoso, sul da Bahia e Espírito Santo foram os locais mais úmidos do Brasil. As cidades mais úmidas nesta quarta-feira foram Santa Teresa e São Mateus, ambas no Espírito Santo. No período entre 19h de 28 de outubro e 19h de 29 de outubro de 2014, a menor umidade relativa do ar registrada pelo Inmet nas duas cidades foi de 92%!

 

A chuva vai parando na sexta-feira e o sol volta a predominar no fim de semana.

Calor – maior temperatura

Piauí e Rio Grande do Sul foram os Estados mais quentes do Brasil nesta quarta-feira. A maior temperatura no país, pela medição automática do Instituto Nacional de Meteorologia, foi de 38,3°C em Piripiri, no norte do Piauí. Mas merece destaque o calor de Campo Bom, município da Grande Porto Alegre que registrou a terceira maior temperatura do país: 37,9°C.

Nesta quinta-feira, a temperatura começa a baixar no Rio Grande do Sul por causa da chuva e do ar polar. O ar frio polar se espalha sobre o Sul no fim de semana.

 

 

Frio – menor temperatura

A menor temperatura registrada pelas estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia nesta quarta-feira foi de 7,4°C em Monte Verde, município do Sul de Minas Gerais.

Chuva mais forte em 1h

Até às 19 horas, pela medição automática do Instituto Nacional de Meteorologia, a maior quantidade de chuva acumulada em 1 hora nesta quarta-feira foi de 33,4 mm, em Peixe, no Tocantins. Este volume de chuva foi acumulado entre 12h e 13h (11h e 12h local).

Maior chuva acumulada em 24h

A maior quantidade de chuva acumulada no período entre 19h de 28 de outubro e 29 de outubro de 2014, pela medição automática do Instituto Nacional de Meteorologia, foi de 76,8 mm em Linhares, no Espírito Santo.

 

SP volta a ter pancadas de chuva
quarta-feira, 29 de outubro de 2014

A quinta-feira promete ser mais um dia de muito calor para os paulistas, até com temperatura mais elevadas do que as observadas nesta quarta-feira. O ar seco ainda vai incomodar por várias horas, mas pelo menos nas cidades do centro-oeste e norte do Estado, os níveis de umidade não deve ficar tão baixos como nos dois últimos dias. Na terça-feira, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 9% de umidade no ar em Ibitinga. Esta quarta-feira, vários municípios registraram umidade relativa do ar entre 12% e 21%, o que caracteriza uma situação de alerta para o ar muito seco. O menor índice foi de 13% em Lins. Na cidade de São Paulo, o Inmet registrou 16% na medição automática do Mirante de Santana, na zona norte.

 

 

Calor e pancadas de chuva

Além do sol e do calorão, as pancadas de chuva devem voltar a ocorrer em parte do interior de São Paulo a partir da tarde desta quinta-feira. Não há previsão de chuva, por enquanto, para a parte sul e leste do Estado, onde estão a capital e o litoral, região de Campinas, de Sorocaba e também o vale do Paraíba. Nestas áreas, só há expectativa de pancadas de chuva de sexta-feira em diante.

Frente fria à vista

A massa de ar muito seca que atua sobre São Paulo e também sobre o Sul do Brasil enfraquece e uma frente fria começar a avançar sobre a Região Sul nesta quinta-feira. A circulação dos ventos sobre o Brasil muda e o ar úmido do centro-norte do país começa a entrar em São Paulo novamente. Estes três fatores vão permitir a formação de algumas áreas de chuva São Paulo nesta quinta-feira, mas as condições para chuva vão aumentar bastante no fim de semana com a chegada da nova frente fria no fim de semana. Confira a estimativa dos volumes de chuva.

 

 

A meteorologista Josélia Pegorim analisa o impacto da nova frente fria sobre o Sistema Cantareira.

Cantareira começa novembro com chuva volumosa
quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Sob o céu azul e o sol forte, com o calor de mais de 30°C, um pouco mais da pouca água que resta nos principais reservatórios que abastecem a Grande São Paulo vai sendo evaporada.

Nesta quarta-feira, o armazenamento no Sistema Cantareira era de 12,0% e no Alto Tietê de 1,0%. No dia 24 de outubro, quando começou a ser considerada a segunda cota da reserva técnica (o volume morto, água do fundo de algumas represas, de difícil acesso e que nunca tinha sido usada), o nível do Cantareira subiu para 13,6%.

 

A chuva mensal mais volumosa em mais de 1 ano ocorre em março de 2014 quando choveu 193 mm. Mas a última vez que choveu mais de 200 mm sobre o Cantareira foi em fevereiro de 2013, que fechou com um acumulado de aproximadamente 249 mm.

Ainda vai demorar muito tempo, meses, talvez mais de ano, para que vermos as represas do Cantareira cheias de água, sem nenhuma visão do fundo de terra rachada como está agora. Mas o importante é que não temos mais uma situação bloqueio, como ocorreu no verão passado, que deixou São Paulo sem frentes frias e sem chuva.

Há 15 dias vem sendo prevista uma grande frente fria para o começo de novembro, com potencial para provocar muita chuva. Confira os efeitos desta frente fria sobre o Sistema Cantareira na análise da meteorologista Josélia Pegorim.

 

Chuva enfraquece no norte de MG e no ES
quarta-feira, 29 de outubro de 2014

 Atualizado às 16h10 de 29/10/2014

 Áreas de instabilidade se intensificaram nos sobre o norte de Minas Gerais e sobre o Espírito Santo e provocam muita chuva desde o começo da semana. As condições de vento e pressão em diversos níveis da atmosfera continuam favorecendo a formação de nuvens carregadas sobre o norte de Minas Gerais e sobre o Espírito Santo. Há previsão de mais  chuva para esta quinta-feira, mas sem os temporais dos últimos dois dias.

 

Sol e chuva deram um belo arco-íris duplo em Alto Caprao (MG), 28-10-2014 por Eleones Moreira Bastos

Estas áreas de instabilidade devem enfraquecer durante a sexta-feira e no fim de semana o sol e o tempo seco volta a predominar.

Em Linhares,  no Espírito Santo, a chuva não deu trégua nesta quarta-feira. O Instituto Nacional de Meteorologia. Entre 11h e 13h choveu 37 mm. Em São Mateus choveu quase 27 mm entre 11h e 12h.

 

 

Tempo chuvoso em Muniz Freire (ES) - Praça Divino Espírito Santo , por Ramiro Ferreira 29-10-2014

 

A chuva alivia o quadro de seca e estiagem no norte mineiro. Em 29 de outubro de 2014, 167 municípios de Minas Gerais haviam decretado emergência por causa da estiagem e da seca, sendo que 112 tiveram sua situação reconhecida.

 

Chuva volumosa

Em Formoso, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 70 mm de chuva acumulados entre 10h do dia 28 e 10h de 29 de outubro. No mesmo período choveu 43,2 mm sobre Salinas, 38,6 mm na região de Mocambinho e 37,4 mm em Águas Vermelhas.

 

 

No Espírito Santo, a chuva enfraqueceu em Vitória depois do temporal que alagou a cidade no domingo, 26. Choveu quase 103 mm em 24 horas. Choveu forte entre segunda e terça-feira em várias áreas capixabas. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 43,6 mm de chuva acumulados entre 15h do dia 28 e 15h de 29 de outubro em São Mateus e 74,2 mm em Linhares. Em Vitória choveu 8,8 mm neste mesmo período e o total acumulado no mês está em 133,2 mm, 5% acima da média climatológica que é de aproximadamente 127 mm.

RJ: mais calor e chuva à vista
terça-feira, 28 de outubro de 2014

Uma massa de ar seco se intensificou sobre o Sul do Brasil e avançou também sobre parte da Região Sudeste. Este ar seco influencia também o Rio de Janeiro nesta quarta-feira. Há chance de algumas pancadas de chuva a partir da tarde no norte fluminense e nas região serrana, mas a chuva que ocorrer será em pequenas áreas e de curta duração. O Grande Rio fica mais quente e seco.

 

Mais calor

O secura aumenta junto com o calor.  Com o sol forte, pouca chuva e sem ar polar, o calor vai aumentar em todo o Estado do Rio de Janeiro nos próximos dias, mas não há expectativa de novos recordes. Quem está em férias ou de folga vai poder aproveitar as praias com sol. Mas os surfistas não vão gostar situação até o fim da semana, pois previsão é de ondas pequenas.

Confira as mudanças nas ondas no Climasurf.

Chuva à vista

Uma frente fria, com forte intensidade, avança sobre o Sul do Brasil durante a quinta-feira e no fim de semana já estará trazendo chuva, umidade e ar polar também para o Sudeste. A expectativa é de que a chuva ocorra de forma volumosa e generalizada no Sudeste ao longo da primeira semana de novembro. Confira as mudanças nas ondas no Climasurf.

 

 

 

 

Acompanhe  o deslocamento da chuva sobre o RJ no canal Radar RJ.

Nuvens mammatus foram fotografadas na região de Quissamã e também no noroeste fluminense em 27 de outubro de 2014. Estas nuvens não são de chuva.

Nuvem mammatus em Quissamã (RJ) fotografada por João Pedro

 

 

 

 

 

 

Mais chuva para o norte de MG e ES
terça-feira, 28 de outubro de 2014

A presença de um sistema de baixa pressão atmosférica em níveis médios (500hPa) e altos (250hPa) na costa entre os Estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, ainda organizam áreas de instabilidade no centro-norte de Minas Gerais.

Correntes de vento nos níveis altos atmosféricos (250hPa)

Entre a tarde e a noite de segunda-feira (27) nuvens carregadas ganharam força e provocaram fortes temporais inclusive sobre a Região Metropolitana de Belo Horizonte. O internauta Bruno Pueyo fotografou o céu carregado de nebulosidade e a pluma de chuva.

Formação de nuvens do tipo Cumulonimbus em Belo Horizonte por Bruno Pueyo

Pluma de chuva na Região da Grande Belo Horizonte por Bruno Pueyo

Nuvens carregadas provocam temporais na Grande Belo Horizonte por Bruno Pueyo

No nordeste do Estado mineiro, na cidade de Carangola, o internauta Diego Silva fotografou a granizada que teve na região e enviou para o site da Climatempo. A presença de nuvens muito altas na atmosfera, favorece a ocorrência deste tipo de fenômeno.

Granizo na cidade de Carangola-MG por Diego Silva

Os volumes acumulados de chuva também se elevaram bastante em diversas áreas. Foi o caso do município de Capelinha que registrou um total de chuva superior aos 50mm em 24 horas.

Mesmo com os fortes temporais, a capital mineira ainda pode fechar o mês de outubro com chuva abaixo da média climatológica. Até o momento, choveu apenas o equivalente a 47% da média normal para o mês de outubro.

Durante a manhã de terça-feira (28), o céu ainda estava com muitas nuvens e até mesmo a presença de chuva fraca em algumas cidades mineiras. Tanto que o internauta Bruno Pueyo registrou um arco-íris na cidade de Belo Horizonte.

Arco-Íris em Belo Horizonte por Bruno Pueyo

A região do Espírito Santo também registrou grandes volumes de chuva desde o fim de semana. Até o momento, a cidade de Vitória já tem cerca de 83% da sua média climatológica para o mês de outubro registrada. É possível que a capital capixaba atinja o valor de sua média normal, uma vez que há previsão de mais chuva para os próximos dias.

Mais chuva e ainda há o risco de temporais

Tanto o Estado de Minas Gerais quanto do Espírito Santo deverão ter mais chuva até o fim desta semana. O sistema de baixa pressão atmosférica se desloca mais para norte e também para o oceano, mas ainda é capaz de organizar áreas de chuva sobre o centro-norte mineiro e na maior parte das áreas capixabas. Como o ar ainda está bastante abafado, há o risco de chuva forte e até mesmo temporais ao longo da tarde e do início da noite principalmente.

Grandes volumes de chuva são esperados no Jequitinhonha e no centro-norte do Espírito Santo na quarta-feira. Essa condição aumenta o risco de alagamentos e a persistência da chuva já pode acarretar em deslizamentos de terra.