Posts com a Tag ‘alagamentos’

+ aumentar e diminuir fonte -
Temporais causam transtorno no Nordeste
quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

A presença de dois sistemas meteorológicos ainda organizam áreas de instabilidade sobre o leste nordestino e provocaram grandes volumes de chuva. Temos um Vórtice Ciclônico nos Altos Níveis Atmosféricos (VCAN) que traz mais instabilidades para a a Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco e Piauí. Outro sistema também favorece a formação de nuvens carregadas, uma frente fria que já começa a se distanciar da costa da faixa leste do Nordeste.

Em Salvador, segundo informações das estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), choveu entre as 10h da manhã de terça-feira (16) e a as 10 da manhã de quarta-feira (17) um total de 65,8mm, que representa 46% da média climatológica para o mês de dezembro.

Segundo a estação convencional, choveu 113,5mm em 48 horas. O total acumulado em todo o mês já está 22% acima da média climatológica.

Veja na tabela de acumulados de chuva nas últimas 24 horas nas cidades do Nordeste.

Com os grandes volumes de chuva registrados, diversas áreas tiveram problemas com alagamentos e até deslizamentos de terra.

Mais chuva na quinta-feira e menos a partir de sexta-feira

O VCAN ainda provoca chuva, principalmente sobre o leste nordestino, na quinta-feira. Nuvens carregadas se formam e há previsão de temporais. Com o afastamento tanto do Vórtice Ciclônico como da frente fria, a tendência é de enfraquecimento das áreas de instabilidade. O sol já volta a aparecer mais ao longo dia e as pancadas de chuva vão ocorrer de forma mais rápida. Exceto sobre a capital baiana que ainda terá tempo instável, muitas nuvens e chuva a qualquer momento.

O Vórtice Ciclônico de Altos Níveis é um sistema típico de Verão, confira o Drops do Climatempo News com o meteorologista César Soares, mostrando a presença do sistema na costa nordestina e provocando chuva.

 

 

Entenda o que é Alta da Bolívia

Fotografeotempo! #É tempo de Natal 

Um bom tempo pra você!

Previsão climática para o verão de 2015 no Brasil

Chuva alaga Brasília
sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

A grande disponibilidade de umidade e de calor geraram nuvens carregadas sobre Goiás e sobre o Distrito Federal na tarde desta sexta-feira. Fortes pancadas de chuva caíram sobre Brasília e também sobre Goiânia, com rajadas de vento e raios.

 

Por volta das 14 horas, o aeroporto de Goiânia registrou uma rajada de 66 km/h. A chuva intensa reduziu a visibilidade horizontal para apenas 400 metros. O teto (visibilidade vertical) baixou para 700 pés, ou pouco mais de 200 metros. Isto significa que a base da camada de nuvens mais baixa estava há pouco mais de 200 metros acima do solo, o que é perigoso para as aeronaves. Na estação meteorológica automática do Instituto Nacional de Meteorologia choveu 36,6 mm em apenas 1 hora, entre 13h e 14h. O acumulado entre 13h e 15h foi de 54,2 mm.

Em Brasília, a chuva forte veio com pequenos granizos, como observou o internauta o Messi, em participação no site da Climatempo

“Chuva forte com granizo Brasilia DF , por: Messi em 05/12/2014 às 15:31

Chove forte com muitos raios e trovoadas e alguns pequenos granizos .A temperatura caiu para 20°C .”

Temporais ficam cada vez mais comuns no Centro-Oeste nesta época por causa do ar úmido e quente e predomina sobre a Região. No fim de semana, o ar continua abafado e bastante úmido. Mais áreas de instabilidade vão se formar provocando pancadas de chuva principalmente à tarde e à noite e que podem ser fortes.

 

Um bom tempo pra você!

Você sabe como se formam os raios?

 

 

 

Chuva alaga Pouso Alegre (MG)
segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Em apenas 10 minutos, a chuva forte que caiu sobre Pouso Alegre, no Sul de Minas Gerais, deixou ruas alagadas e a força a água formou correnteza. A internauta Gabriela Cremonesi registrou a situação que ocorreu no meio da tarde desta segunda-feira, 1 de dezembro.

 

Chuva alaga Pouso Alegre (MG), em 1-12-12014 por Gabriela Cremonesi

 

As nuvens carregadas que passaram sobre Pouso Alegre foram formadas pelo calor e grande disponibilidade de umidade em toda a região do sul mineiro.

 

Mais chuva

Muitas áreas de Minas Gerais terminaram o mês de novembro com chuva acima da média. Grande parte da chuva ocorreu na última semana do mês. O mapa mostra a anomalia (diferença em relação à média) de chuva na Região Sudeste. Os tons de azul representam chuva acima da média.

 

Dezembro começa com mais chuva

As pancadas de chuva serão frequentes nesta primeira semana de dezembro, Além do calor, uma nova frente fria passa pelo litoral paulista entre quarta e quinta-feira. A proximidade com esta frente fria vai aumentar as condições para chuva, mas não há previsão de queda da temperatura acentuada. A semana segue com calor e sensação de abafamento.

São Paulo tem mais de 10 alagamentos
quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Atualizada em 19h00 de 26/11/2014

O ar abafado deixa as nuvens mais carregadas em todo o Estado de São Paulo. Na cidade de São Paulo, a temperatura na tarde desta quarta-feira chegou aos 28°C na região do aeroporto de Congonhas.  A chuva recomeçou generalizada e se intensificando por volta das 15 horas. Por volta das 18h30 chovia com moderada a forte intensidade na região da Climatempo, no bairro da Vila Mariana. A chuva vai prosseguir ainda por várias horas durante a noite e com risco de alagamento e transbordamento de córregos, especialmente nas zonas sul e oeste, onde a chuva foi muito volumosa ontem.

 

Alagamentos

Até 19h00, o CGE – Centro de Gerenciamento de Emergências da prefeitura registrava 13 pontos de alagamento na capital paulista, 6 na zona oeste, 4 na região de Santo Amaro, 2 na zona sul, 1 na zona leste. Seis deles ainda estavam ativos, sendo que um era intransitável. A chuva forte da tarde e noite de terça-feira, 25, deixou 22 pontos de alagamento.

Manchas vermelhas indicam chuva forte e passavam sobre as zonas oeste e sul da capital às 18h26 (radar de São Roque - Aeronáutica)

 

 

Nuvens carregadas sobre São Paulo na tarde de 26-11-2014 por Daniele Otsuki

 

As áreas de chuva estão se espalhando sobre o Estado de São Paulo e também ficando mais fortes. 

Radar meteorológico de São Roque (Aeronáutica) detectava chuva moderada a forte às 15h36 na Grande São Paulo e em vários pontos entre São Paulo e Campinas.

 

 

Chuva de novembro se aproxima da média na capital paulista

A chuva da tarde e noite do dia 25 de novembro e da madrugada do dia 26 foi a mais volumosa na cidade de São Paulo desde meados de abril. Pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia, entre 10 horas do dia 25 e 10 horas do dia 26 de novembro choveu 35,0 mm na estação medidora do Mirante de Santana, na zona norte da capital. A maior quantidade de chuva em 24 horas anteriormente este ano foi de 49,8 mm, entre os dias 12 e 13 de abril.

O total de chuva acumulado em 26 dias no Mirante de Santana em novembro foi de 108,9 mm, 75% da média histórica que é de aproximadamente 146 mm.

 

Confira quanto choveu nas diversas regiões da cidade

 

 

Frente fria e mais chuva

A quinta-feira reserva mais chuva. Uma nova frente fria estará passando pelo litoral paulista e vai reforçar as áreas de instabilidade que já estão sobre o Estado de São Paulo. As condições para chuva diminuem bastante entre a sexta-feira e o domingo. O sol e o calor devem predominar. Mas não deixe de acompanhar a previsão do tempo diariamente , pois a Climatempo já espera por outra frente fria no primeiro dia de dezembro.

 

É tempo de temporais!

Dezembro começa com mais chuva no Sudeste

Aberta a temporada de temporais
terça-feira, 25 de novembro de 2014

Temporal é a mesma coisa que tempestade. É chuva forte, mas não é só isto. Veja a definição de tempestade, conforme está no glossário no REDEMET – Rede de Meteorologia do Comando da Aeronáutica, que é responsável pelas informações meteorológicas em grande parte dos aeroportos do Brasil:

“TEMPESTADES: produzidas por nuvens do tipo cumulonimbus, são eventos de micro-escala e de curta duração caracterizados por trovoadas, raios, rajadas de vento, turbulência, granizo, gelo, chuva, ventos fortes descendentes e em situações extremas, tornados.”

 

Só na terça-feira, 25 de novembro, era fácil perceber os aglomerados de cumulonimbus em quase todos os estados brasileiros. O Amapá, Roraima, grande parte do Pará e quase todo o Nordeste tiveram um dia seco, com umidade abaixo do normal, o que não permitiu a formação das nuvens carregada. Mas na semana passada, as nuvens de tempestades se formaram por todos os estados do Nordeste, estimuladas pela passagem de uma frente fria.

Nas imagens de satélite, as setas pretas indicam os aglomerados de nuvens carregadas. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, eles se formaram especialmente na manhã do dia 25 de novembro.

 

Estamos precisando muito da chuva forte, da chuva dos temporais. Mas ela em geral não vem sozinha: tem os raios, a ventania, o granizo, às vezes tornado. Tudo isto causa destruição.

Tempestade em Várzea Grande (MT), por MTWeather--Caçadores de tempestades no Brasil

 

Saiba porque estamos iniciando a temporada de temporais. O comentário é da meteorologista Josélia Pegorim.

 

Se a sua empresa é afetada diretamente pelas tempestades e raios, conheça o serviço de Monitoramento e Alerta de Tempestades SMAC aqui.

Temporais deixam o sul da França em alerta
segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Fortes áreas de instabilidade se espalharam pela região de Monpellier, sul da França e provocaram fortes temporais. Diversos alagamentos foram registrados pelas agências de notícias internacionais. Na imagem do satélite meteorológico do EUMETSAT as áreas em branco indicam a presença de nuvens carregadas que provocaram chuva.

Segundo informações da Meteo France, os volumes de chuva chegaram aos 200mm acumulados em 24h. Essa condição favorece os alagamentos e extravasamentos de rios.

As regiões de Pyrénées-Orientales et l’Aude e de L’Hérault entraram em estado de alerta. Os municípios de Hérault e de Puechabon registraram taxa de chuva de até 85 mm/h segundo informações do radar meteorológico. Nesta área o acumulado de chuva chegou aos 180mm em menos de 3 horas.

Os ventos úmidos que sopram do mar em direção ao continente ainda favorecem a formação de novas áreas de instabilidade e mantém a condição de chuva sobre o sul da França. A tendência ao longo da semana é de enfraquecimento, uma vez que a temperatura sofre uma queda.

Nuvens carregadas na costa leste do Nordeste
quinta-feira, 26 de junho de 2014

A última semana de junho está sendo marcada por eventos de chuva forte na costa leste do Nordeste que causaram muitos transtornos em várias capitais. Na segunda-feira, 23 de junho, choveu muito na região de Natal, capital do Rio Grande do Norte. Entre 23 e 24 de junho a chuva foi volumosa sobre João Pessoa, capital da Paraíba, e choveu de forma moderada na região de Recife, capital de Pernambuco. Nesta quinta-feira, 26 de junho, a chuva caiu com muita força sobre Recife e também Salvador, capital da Bahia, deixando as duas cidades em grandes alagamentos. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 86 mm sobre Salvador entre 9 horas e 13 horas desta quinta-feira. Em Recife choveu 86 mm entre 5 horas e 11 horas. Considerando o período de 24 horas (entre 19 horas do dia 25 e 19h de 26 de junho), choveu 111,8 mm sobre Salvador e 108,2 mm sobre Recife. Nos dois casos, as quantidades de chuva são extremamente elevadas.

As imagens de satélite mostram que as áreas de instabilidade na costa leste do Nordeste enfraqueceram, mas ao mesmo tempo se espalharam entre o RIO Grande do Norte e Sergipe. Embora mais fracas, estas áreas de instabilidade ainda crescem também no litoral da Bahia.

 

 

A situação é de atenção (veja alerta no site). Apesar do enfraquecimento, estas áreas de instabilidade ainda vão provocar chuvas frequentes na costa leste do Nordeste nesta sexta-feira. Há risco de chuva moderada a forte em alguns momentos. O fim de semana ainda será de atenção para chuvas frequentes que podem causar problemas.

Veja quanto já choveu este mês em cada capital do Nordeste

Leia também

Salvador debaixo d´água

Climatempo News entrevista secretário da Defesa Civil de Recife

Tempo no Jogo, o canal da Climatempo na Copa 2014. De olho na bola e no tempo!

Participe! Clique o tempo na Copa: #temponojogo

Alerta de chuva forte em Salvador no fim de semana
sexta-feira, 25 de abril de 2014

Uma frente fria chegou ao sul da Bahia e já começou a mudar o tempo na região. Durante o fim de semana, o sistema deve aumentar as condições de chuva no estado. O litoral e o Recôncavo Baiano entram em alerta para chuvas fortes que podem causar problemas. Confira a mudança no tempo com a meteorologista Aline Tóquio.

Pedaladas em São Paulo
sexta-feira, 14 de março de 2014

Choveu forte no fim da tarde da sexta-feira em várias das cidade de São Paulo. Choveu granizo em alguns pontos das zonas oeste e lesta da cidade. As áreas de chuva já se dissiparam e a noite segue com muitas nuvens, mas sem chuva.  O Centro de Gerenciamento de Emergência registrou 14 pontos de alagamentos e às 20 horas ainda haviam 7 ativos, mas todos transitáveis.

 

Tempo na noite de sexta

Como não choveu pela cidade toda, quem vai pedalar durante a noite da sexta e na madrugada de sábado encontra o asfalto seco. Uma ou outra rua pode estar molhada no começo da noite, mas vai secando porque não há mais expectativa de chuva.

Vai de bike? Atenção com pontos de alagamentos.

Atenção: às 20 horas de sexta, 14, o CGE registrava alagamento no viaduto Dr. Plinio de Queiroz (centro), na rua Engenheiro Oscar Americano (Butantã),  av, República do Líbano (Pinheiros), av. Alcântara Machado (Mooca) e av. Celso Garcia (Mooca).

Sábado quente

Aproveite o tempo firme deste sábado. São Paulo deve amanhecer com um pouco de névoa, ma que logo se dissipa. O sol vem forte de manhã cedo e vai fazer calor o dia todo. Vai dar para pedalar o dia todo, com pista seca. Não esqueça o protetor solar e água. O sol vai dar uma canseira extra.

Boas pedaladas e ótimo fim de semana.

Equipe bikeClima

 

 

Chuva forte em São Paulo: CGE registra 10 pontos alagados
quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Às 18h30, o CGE, centro de Gerenciamento de Emergências da Prefeitura registrava 10 pontos de alagamentos na cidade de São Paulo, 7 deles intransitáveis, todos na zona sul da capital.