Posts com a Tag ‘alagamentos’

+ aumentar e diminuir fonte -
Frente fria vai provocar temporais no Sul
quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Uma frente fria avança da Argentina e do Uruguai em direção à Região Sul do Brasil. Isso vai favorecer a organização de áreas de instabilidade e provocar grandes volumes acumulados de chuva em diversas áreas. Há o risco de alagamentos e inundações.

As imagens do satélite meteorológico mostram a presença de um ar bastante úmido em toda a Região nos tons em verde claro e azul.

Clique na imagem e veja o satélite para todo o Brasil

Até a quinta-feira (29) o predomínio é de tempo instável em toda a Região e são esperados acumulados de chuva o suficientes para provocar alagamentos principalmente sobre o centro-leste gaúcho.

Clique e veja a previsão de chuva para todo o país

A partir da sexta-feira (30) a chuva enfraquece em todo o Estado do Rio Grande do Sul, mas continua em Santa Cataria e no Paraná. Com a maior nebulosidade e o transporte de um pouco de ar polar, a temperatura tende a cair.

Muita chuva na Bahia
segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Diversas áreas de instabilidade avançam pelo oeste e litoral da Bahia favorecendo a formação de grandes nuvens carregadas e provocando chuva com grande volume acumulado.

Os volumes acumulados de chuva no período de 24 horas se elevaram e chegaram a ultrapassar os 50mm em cidades como Barreiras e Marau. Ao longo do dia, há previsão para novas pancadas de chuva que podem novamente acarretar em grandes volumes acumulados.

As imagens do satélite meteorológico mostram o avanço das nuvens carregadas nos tons em azul e branco avançando principalmente sobre o oeste da Bahia.

Clique na imagem e veja imagens de satélite de todo o Brasil

Segundo informações das estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), em Marau choveu 54mm entre às 9h da manhã de domingo (25) e 9h da manhã de segunda-feira (26). Em Barreiras o acumulado de chuva foi de 68,4mm, mas este volume foi acumulado das 22h do domingo até às 9h da manhã de segunda-feira, isto é, a chuva se concentrou principalmente entre a noite, madrugada e início da manhã. Em Santa Rita de Cássia, oeste da Bahia, a chuva se concentrou entre a madrugada e manhã de segunda-feira, os acumulados já alcançam os 43,4mm.

A presença de um Vórtice Ciclônico nos Altos Níveis Atmosféricos (VCAN) com centro no norte da costa nordestina, auxilia na organização de áreas de instabilidade vindas do interior, favorecendo o desenvolvimento de grandes nuvens que acabam provocando muita chuva.

A circulação de ventos nos baixos níveis atmosféricos, aproximadamente 2 km de altura com relação à superfície, transporta um ar mais úmido que também provoca o desenvolvimento de grandes nuvens.

Volumes diminuem com enfraquecimento da chuva ao longo da semana

As áreas de instabilidade vão perder o suporte dos ventos em níveis baixos atmosféricos. Dessa forma a tendência é que a chuva diminua de volume a partir da terça-feira (27) mesmo com a presença do Vórtice Ciclônico nos níveis altos atmosféricos, aproximadamente 12 km de altura com relação à superfície.

A chuva vai ocorrer em forma de rápidas pancadas e a partir da quarta-feira (28) o ar seco já ganha força e desfavorece as condições para chuva.

Áreas da Região Norte em atenção devido à chuva
sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Os acumulados de chuva sobem bastante sobre diversas cidades de Região Norte do Brasil. Essa condição provoca a cheia de diversos rios como, por exemplo, o Rio Juruá na cidade de Eirunepé no Estado do Amazonas. A prefeitura da cidade decretou estado de atenção devido o risco de dos níveis dos rios continuarem subindo.

A Agência Fluvial da Marinha alerta para a condição do rio Juruá que está 4 metros acima do nível considerado normal.

Clique na imagem e veja imagens de satélite de todo o Brasil

Segundo informações das estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) choveu mais de 100mm no período de 24h em Novo Repartimento-PA. Em Manicoré-AM choveu 28,6mm no período de apenas uma hora. O grande volume de chuva registrado em curtos períodos de tempo favorecem a ocorrência de alagamentos e extravasamentos de rios.

Mais chuva no fim de semana

Toda a Região Norte do país terá o risco de alagamentos e extravasamentos de rios ao longo do fim de semana. As correntes de vento úmido vão se intensificar sobre a Região e encontrar um ar bastante aquecido que vai favorecer a formação de grandes nuvens carregadas e provocar temporais. São esperados grandes volumes de chuva sábado (24), mas principalmente no domingo (25) em áreas do leste do Amazonas.

Mais calor e temporais em São Paulo
segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Em tarde mais quente do ano, dia vira noite em São Paulo e temporal deixa mais de 30 pontos de alagamento.

 

Recorde de calor pelo terceiro dia consecutivo

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou recorde de calor pelo terceiro dia consecutivo. A temperatura máxima no Mirante de Santana, na zona norte, foi de 35,4°C. Esta foi a maior temperatura desde o final de outubro do ano passado. A última vez que esquentou tanto assim na capital foi em 19/10/2014, quando os termômetros registraram 35,8°C.

O forte calor foi um dos principais responsáveis pela formação das nuvens carregadas que provocaram os temporais da segunda-feira. A temperatura da tarde desta segunda-feira superou os 34,7°C registrados no domingo, 11 e os 34,1°C da tarde do sábado, 10 de janeiro.

 

Semana quente

O calor intenso  vai testar a paciência do paulistano por mais alguns dias e ainda pode bater outro recorde esta semana. A maior possibilidade de novo recorde de calor será na tarde de quarta-feira, dia 14, com o termômetro alcançando de novo a marda dos 35°C

Há previsão de algumas pancadas de chuva, mas que quando ocorrerem não serão generalizadas sobre a capital e ou sobre a Grande São Paulo. Há risco de novos temporais.

A chuva até alivia o calor momentaneamente, mas só o ar polar consegue baixar a temperatura e mantê-la em patamares normais. Até o fim da semana, não há expectativa de entrada de ar polar sobre São Paulo.

 

Bloqueio das frentes frias

O ar polar das frentes frias está sendo bloqueado no centro-sul da Argentina e não tem conseguido chegar nem ao interior da Região Sul do Brasil. Este bloqueio está associado com a forte atuação do alta pressão subtropical do Atlântico Sul (ASAS) que se intensificou sobre o país na semana passada. Na quinta-feira, uma frente fria deve passar muito fraca na divisa de São Paulo com o Paraná, onde o calor também é intenso. Mas só há expectativa de que uma frente fria consiga avançar pelo litoral paulista após o dia 19 de janeiro.

 

Temporal sobre a Vila Mariana, na zona sul da cidade de São Paulo, em 12 de janeiro de 2014. Foto de César Soares

 

Temporal em São Paulo

Na tarde mais quente de 2015, até agora, São Paulo voltou a ter transtornos causados por temporais nesta segunda-feira, 12 de janeiro. Desta vez, a zona sul da cidade foi a que mais sofreu com a chuvarada. Os córregos Ipiranga e Morro do S transbordaram.

 

O dia virou noite

Temporal desta segunda-feira voltou a deixar várias regiões da capital paulista sem energia. Foi o que aconteceu em parte do bairro da Vila Mariana, na zona centro-sul da cidade de São Paulo, onde está a Climatempo. A queda da energia forçou o uso novamente do gerador para que alguns setores continuassem a funcionar para a atender a demanda dos clientes. Mas o dia literalmente virou noite na Vila Mariana. O vídeo feito pelo meteorologista César Sores registrou a chuva forte. Repare que as luzes da rua se ascendem por causa densa nebulosidade e da chuva forte que cobriu a região.

 

 

A rede de monitoramento de descargas elétricas Earth Network detectou 3832 raios somente sobre a cidade de São Paulo entre 15h e 17h55. As imagens de satélite e do acumulado de descargas elétricas comprovam a concentração de descargas sobre a zona sul da capital paulista, indicando que as nuvens mais carregadas ficam mais tempo sobre esta parte da cidade do que sobre outras regiões.

 

Imagem do acumulado de descargas elétricas (indicadas pelas pequenas cruzes vermelhas) no período de 15h até 17h55 e 12 de janeiro de 2015. No total form 3832 descargas. A mancha vermelha sobre a zona sul da cidade de São Paulo indica que a maioria das descargas caiu sobre esta parte da cidade. Compare com a imagem de satélite.

 

 

Houve queda de granizo na zona sul. No aeroporto de Congonhas, pela segunda vez em menos de uma semana, a chuva voltou a cair forte, com granizo e rajadas de vento de 85 km/h, às 17 horas. No dia 8 de janeiro, as rajadas desta mesma velocidade arrancaram parte da cobertura de um hangar.

O Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) registraram 35 pontos de alagamento até 19h30 horas, mas apenas 4 ainda eram intransitáveis.

 

Volumes de chuva

Os maiores volumes de chuva sobre São Paulo em 12 de janeiro variaram de 45 mm a quase 60 mm. Praticamente toda a chuva caiu entre 15 horas e 17 horas. Segundo o SAISP – Sistema de Alerta e Inundações do Estado de São Paulo, até 19h50 choveu 59,4 mm sobre o rio Tamanduateí, na região do viaduto Pacheco Chaves, 45,2 mm sobre o córrego Ipiranga (transbordou) na altura da rua Coronel Diogo e 45,8 mm sobre o córrego Morro do S (transbordou), no Capão Redondo.

Confira no mapa os volumes registrados pelo CEG entre 10 horas e 19 horas.

 

 

Acompanhe a chuva sobre a Grande SP pelos radares Climatempo-USP. Clique na imagem e confira!

 

 

Radares SP e RJ estão no app Climatempo. Baixe agora! 

Tem sol na sua praia? Participe do 38º Desafio #Fotografeotempo!

Desidratação é um dos perigos do verão  

Ache a sua onda e a sua tribo no Climasurf

Raios UV e o seu tipo de pele 

 

São Paulo (SP): 11-1-2015 por Bianca Lobo

Temporais causam transtorno no Nordeste
quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

A presença de dois sistemas meteorológicos ainda organizam áreas de instabilidade sobre o leste nordestino e provocaram grandes volumes de chuva. Temos um Vórtice Ciclônico nos Altos Níveis Atmosféricos (VCAN) que traz mais instabilidades para a a Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco e Piauí. Outro sistema também favorece a formação de nuvens carregadas, uma frente fria que já começa a se distanciar da costa da faixa leste do Nordeste.

Em Salvador, segundo informações das estações automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), choveu entre as 10h da manhã de terça-feira (16) e a as 10 da manhã de quarta-feira (17) um total de 65,8mm, que representa 46% da média climatológica para o mês de dezembro.

Segundo a estação convencional, choveu 113,5mm em 48 horas. O total acumulado em todo o mês já está 22% acima da média climatológica.

Veja na tabela de acumulados de chuva nas últimas 24 horas nas cidades do Nordeste.

Com os grandes volumes de chuva registrados, diversas áreas tiveram problemas com alagamentos e até deslizamentos de terra.

Mais chuva na quinta-feira e menos a partir de sexta-feira

O VCAN ainda provoca chuva, principalmente sobre o leste nordestino, na quinta-feira. Nuvens carregadas se formam e há previsão de temporais. Com o afastamento tanto do Vórtice Ciclônico como da frente fria, a tendência é de enfraquecimento das áreas de instabilidade. O sol já volta a aparecer mais ao longo dia e as pancadas de chuva vão ocorrer de forma mais rápida. Exceto sobre a capital baiana que ainda terá tempo instável, muitas nuvens e chuva a qualquer momento.

O Vórtice Ciclônico de Altos Níveis é um sistema típico de Verão, confira o Drops do Climatempo News com o meteorologista César Soares, mostrando a presença do sistema na costa nordestina e provocando chuva.

 

 

Entenda o que é Alta da Bolívia

Fotografeotempo! #É tempo de Natal 

Um bom tempo pra você!

Previsão climática para o verão de 2015 no Brasil

Chuva alaga Brasília
sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

A grande disponibilidade de umidade e de calor geraram nuvens carregadas sobre Goiás e sobre o Distrito Federal na tarde desta sexta-feira. Fortes pancadas de chuva caíram sobre Brasília e também sobre Goiânia, com rajadas de vento e raios.

 

Por volta das 14 horas, o aeroporto de Goiânia registrou uma rajada de 66 km/h. A chuva intensa reduziu a visibilidade horizontal para apenas 400 metros. O teto (visibilidade vertical) baixou para 700 pés, ou pouco mais de 200 metros. Isto significa que a base da camada de nuvens mais baixa estava há pouco mais de 200 metros acima do solo, o que é perigoso para as aeronaves. Na estação meteorológica automática do Instituto Nacional de Meteorologia choveu 36,6 mm em apenas 1 hora, entre 13h e 14h. O acumulado entre 13h e 15h foi de 54,2 mm.

Em Brasília, a chuva forte veio com pequenos granizos, como observou o internauta o Messi, em participação no site da Climatempo

“Chuva forte com granizo Brasilia DF , por: Messi em 05/12/2014 às 15:31

Chove forte com muitos raios e trovoadas e alguns pequenos granizos .A temperatura caiu para 20°C .”

Temporais ficam cada vez mais comuns no Centro-Oeste nesta época por causa do ar úmido e quente e predomina sobre a Região. No fim de semana, o ar continua abafado e bastante úmido. Mais áreas de instabilidade vão se formar provocando pancadas de chuva principalmente à tarde e à noite e que podem ser fortes.

 

Um bom tempo pra você!

Você sabe como se formam os raios?

 

 

 

Chuva alaga Pouso Alegre (MG)
segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Em apenas 10 minutos, a chuva forte que caiu sobre Pouso Alegre, no Sul de Minas Gerais, deixou ruas alagadas e a força a água formou correnteza. A internauta Gabriela Cremonesi registrou a situação que ocorreu no meio da tarde desta segunda-feira, 1 de dezembro.

 

Chuva alaga Pouso Alegre (MG), em 1-12-12014 por Gabriela Cremonesi

 

As nuvens carregadas que passaram sobre Pouso Alegre foram formadas pelo calor e grande disponibilidade de umidade em toda a região do sul mineiro.

 

Mais chuva

Muitas áreas de Minas Gerais terminaram o mês de novembro com chuva acima da média. Grande parte da chuva ocorreu na última semana do mês. O mapa mostra a anomalia (diferença em relação à média) de chuva na Região Sudeste. Os tons de azul representam chuva acima da média.

 

Dezembro começa com mais chuva

As pancadas de chuva serão frequentes nesta primeira semana de dezembro, Além do calor, uma nova frente fria passa pelo litoral paulista entre quarta e quinta-feira. A proximidade com esta frente fria vai aumentar as condições para chuva, mas não há previsão de queda da temperatura acentuada. A semana segue com calor e sensação de abafamento.

São Paulo tem mais de 10 alagamentos
quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Atualizada em 19h00 de 26/11/2014

O ar abafado deixa as nuvens mais carregadas em todo o Estado de São Paulo. Na cidade de São Paulo, a temperatura na tarde desta quarta-feira chegou aos 28°C na região do aeroporto de Congonhas.  A chuva recomeçou generalizada e se intensificando por volta das 15 horas. Por volta das 18h30 chovia com moderada a forte intensidade na região da Climatempo, no bairro da Vila Mariana. A chuva vai prosseguir ainda por várias horas durante a noite e com risco de alagamento e transbordamento de córregos, especialmente nas zonas sul e oeste, onde a chuva foi muito volumosa ontem.

 

Alagamentos

Até 19h00, o CGE – Centro de Gerenciamento de Emergências da prefeitura registrava 13 pontos de alagamento na capital paulista, 6 na zona oeste, 4 na região de Santo Amaro, 2 na zona sul, 1 na zona leste. Seis deles ainda estavam ativos, sendo que um era intransitável. A chuva forte da tarde e noite de terça-feira, 25, deixou 22 pontos de alagamento.

Manchas vermelhas indicam chuva forte e passavam sobre as zonas oeste e sul da capital às 18h26 (radar de São Roque - Aeronáutica)

 

 

Nuvens carregadas sobre São Paulo na tarde de 26-11-2014 por Daniele Otsuki

 

As áreas de chuva estão se espalhando sobre o Estado de São Paulo e também ficando mais fortes. 

Radar meteorológico de São Roque (Aeronáutica) detectava chuva moderada a forte às 15h36 na Grande São Paulo e em vários pontos entre São Paulo e Campinas.

 

 

Chuva de novembro se aproxima da média na capital paulista

A chuva da tarde e noite do dia 25 de novembro e da madrugada do dia 26 foi a mais volumosa na cidade de São Paulo desde meados de abril. Pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia, entre 10 horas do dia 25 e 10 horas do dia 26 de novembro choveu 35,0 mm na estação medidora do Mirante de Santana, na zona norte da capital. A maior quantidade de chuva em 24 horas anteriormente este ano foi de 49,8 mm, entre os dias 12 e 13 de abril.

O total de chuva acumulado em 26 dias no Mirante de Santana em novembro foi de 108,9 mm, 75% da média histórica que é de aproximadamente 146 mm.

 

Confira quanto choveu nas diversas regiões da cidade

 

 

Frente fria e mais chuva

A quinta-feira reserva mais chuva. Uma nova frente fria estará passando pelo litoral paulista e vai reforçar as áreas de instabilidade que já estão sobre o Estado de São Paulo. As condições para chuva diminuem bastante entre a sexta-feira e o domingo. O sol e o calor devem predominar. Mas não deixe de acompanhar a previsão do tempo diariamente , pois a Climatempo já espera por outra frente fria no primeiro dia de dezembro.

 

É tempo de temporais!

Dezembro começa com mais chuva no Sudeste

Aberta a temporada de temporais
terça-feira, 25 de novembro de 2014

Temporal é a mesma coisa que tempestade. É chuva forte, mas não é só isto. Veja a definição de tempestade, conforme está no glossário no REDEMET – Rede de Meteorologia do Comando da Aeronáutica, que é responsável pelas informações meteorológicas em grande parte dos aeroportos do Brasil:

“TEMPESTADES: produzidas por nuvens do tipo cumulonimbus, são eventos de micro-escala e de curta duração caracterizados por trovoadas, raios, rajadas de vento, turbulência, granizo, gelo, chuva, ventos fortes descendentes e em situações extremas, tornados.”

 

Só na terça-feira, 25 de novembro, era fácil perceber os aglomerados de cumulonimbus em quase todos os estados brasileiros. O Amapá, Roraima, grande parte do Pará e quase todo o Nordeste tiveram um dia seco, com umidade abaixo do normal, o que não permitiu a formação das nuvens carregada. Mas na semana passada, as nuvens de tempestades se formaram por todos os estados do Nordeste, estimuladas pela passagem de uma frente fria.

Nas imagens de satélite, as setas pretas indicam os aglomerados de nuvens carregadas. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, eles se formaram especialmente na manhã do dia 25 de novembro.

 

Estamos precisando muito da chuva forte, da chuva dos temporais. Mas ela em geral não vem sozinha: tem os raios, a ventania, o granizo, às vezes tornado. Tudo isto causa destruição.

Tempestade em Várzea Grande (MT), por MTWeather--Caçadores de tempestades no Brasil

 

Saiba porque estamos iniciando a temporada de temporais. O comentário é da meteorologista Josélia Pegorim.

 

Se a sua empresa é afetada diretamente pelas tempestades e raios, conheça o serviço de Monitoramento e Alerta de Tempestades SMAC aqui.

Temporais deixam o sul da França em alerta
segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Fortes áreas de instabilidade se espalharam pela região de Monpellier, sul da França e provocaram fortes temporais. Diversos alagamentos foram registrados pelas agências de notícias internacionais. Na imagem do satélite meteorológico do EUMETSAT as áreas em branco indicam a presença de nuvens carregadas que provocaram chuva.

Segundo informações da Meteo France, os volumes de chuva chegaram aos 200mm acumulados em 24h. Essa condição favorece os alagamentos e extravasamentos de rios.

As regiões de Pyrénées-Orientales et l’Aude e de L’Hérault entraram em estado de alerta. Os municípios de Hérault e de Puechabon registraram taxa de chuva de até 85 mm/h segundo informações do radar meteorológico. Nesta área o acumulado de chuva chegou aos 180mm em menos de 3 horas.

Os ventos úmidos que sopram do mar em direção ao continente ainda favorecem a formação de novas áreas de instabilidade e mantém a condição de chuva sobre o sul da França. A tendência ao longo da semana é de enfraquecimento, uma vez que a temperatura sofre uma queda.