Posts com a Tag ‘recorde de calor’

+ aumentar e diminuir fonte -
Vitória (ES): sem chuva e com recorde de calor
quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Comentário publicado no site da Climatempo

“Muitos já perderam tudo em razão dessa terrível seca, porém os poucos que ainda poderão colher algo dependem da chuva nos próximos dias. Dias difíceis pela frente são esperados pelo agricultor capixaba cuja fé é a grande esperança. Várias partes do estado já completam 43 dias sem chuva. Que Deus permita  que essa previsão de chuva para próxima semana se concretize.”

Luciano Laquini

Recorde de calor em Vitória

O Instituto Nacional de Meteorologia registrou nesta quinta-feira a temperatura máxima 35,8°C na cidade de Vitória, capital do Espírito Santo. Foi a maior de 2015 até agora e também pode ser considerada a tarde mais quente em quase 2 anos. A última vez que a temperatura subiu tanto assim foi no dia 11 de março de 2013, quando foi observada a máxima de 35,9°C.

 

Recorde de seca

O calor recorde é mais um efeito da falta de chuva sobre o Espírito Santo. Praticamente todo o Estado está sem chuva há mais de 30 dias. Em Vitória, segundo o Inmet, a última chuva ocorreu nos dias 15 e 16 de dezembro de 2014. Já são 44 dias consecutivo sem chuva.

Se não chover até a manhã do domingo, dia 31, janeiro de 2015 será o janeiro mais seco e o mês mais seco em Vitória desde 1961, pelo levantamento do Instituto Nacional de Meteorologia.

Vem chuva?

Uma frente fria chega ao litoral do Rio de Janeiro nesta sexta-feira e passa o fim de semana próxima ao litoral fluminense. Um pouco da chuva desta frente fria deve chegar ao centro-sul do Espírito Santo a partir da tarde de sábado, mas esta possibilidade é relativamente baixa.  A chance  de chuva com uma  segunda frente fria que está sendo esperada para os primeiros dias de fevereiro e deve chegar forte ao Espírito Santo.

Confira a análise da meteorologista Josélia Pegorim

 

São Paulo tem madrugada mais fresca desde o Natal
quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

São Paulo tem madrugada mais fresca desde o Natal

Santa frente fria!

A chuva e a entrada do ar polar sobre São Paulo causaram uma grande queda de temperatura nas últimas 24 horas. Segundo Instituto Nacional de Meteorologia, a temperatura mínima no Mirante de Santana nesta quinta-feira, 22 de janeiro foi de 19,2°C. Foi a menor temperatura de 2015 até agora e a madrugada mais fresca na cidade de São Paulo desde o Natal de 2014. Em 25 de dezembro de 2014, a temperatura mínima no Mirante foi de 18,3°C.

Janeiro muito mais quente do que o normal

Janeiro é normalmente um época de calor, de ar abafado ne região da cidade de São Paulo, mas não com temperaturas extremas como estão sendo observadas.

No dia 19 de janeiro de 2015, o Inmet registrou uma temperatura máxima de 36,5°C o Mirante de Santana. Esta foi a sexta maior temperatura já medida no Mirante desde 1943, considerando todos os meses do ano, e a quarta mais alta para um de janeiro.

1 – 37,0°C em 20/01/1999

2 – 36,7°C em 19/01/1999

3 – 36,7°C em 21/01/1999

4 – 36,5°C em 19/01/2015

5 – 35,7°C em 17/01/2015

6 – 35,6°C em 18/01/2015

 

Possibilidade de recorde histórico de calor para janeiro

O ar polar que entrou em São Paulo casou grande queda da temperatura, mas não será suficiente para desviar o curso do calor que vem sendo observado em janeiro. Há uma chance muito grande de que janeiro de 2015 se torne o janeiro mas quente de toda a história de medições do Mirante de Santana, que começou em 1943.

Fazendo as contas, a média das temperaturas máximas registradas no Mirante de 1 a 21 de janeiro de 2015 está em torno de 33,0°C. O janeiro mais quente na cidade de São Paulo até agora foi o de 2014 que teve média de temperatura máxima de 31,9°C.

O calorão vai voltar?

Por enquanto, não. A temperatura vai subir na semana que vem, mas as maiores máximas não devem passar muito dos 30°C. Outra frente fria já está sendo esperada para a próxima semana renovando o ar polar e as condições para chuva.

 

São Paulo nublada em 22-1-2015 por causa da passagem de uma frente fria. Foto de Daniele Otsuki

Menos roupas para enfrentar o calor
segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

por Maria Clara Machado

Diversas capitais brasileiras bateram novos recordes de calor nos últimos dias. O calor intenso de janeiro de 2015 está incomodando muita gente. Quem precisa enfrentar a rotina diária de São Paulo dentro dos escritórios sofre ainda mais e  precisa suportar e driblar as altas temperaturas. A meteorologista Josélia Pegorim fala da tendência do tempo para a semana, mas já avisa que novas ondas de calor são esperadas até o final do verão. Confira:

Capitais brasileiras bateram novos recordes de calor nos últimos dias:

Veja também:

36,5°C: novo recorde de calor na cidade de São Paulo

 

SP está fervendo
segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Calor perto do 40°C

Os paulistas vivem mais um dia completamente atípico para janeiro: temperaturas extremamente elevadas, muito acima do normal para esta época do ano, e ar seco, com níveis de umidade bastante baixos para os padrões de janeiro, que normalmente é um mês úmido.

Às 154 horas, o aeroporto de São José dos Campos, no vale do Paraíba, registrava 38°C e apenas 15% de umidade no ar. É como se fosse um dia muito seco de inverno, mas com o calor extremo de primavera. Os aeroportos de Araraquara e de Presidente Prudente também registravam 38°C

Às 15 horas, pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia, quase todo o Estado de São Paulo estava com temperaturas entre 35°C e 38°C.

 

Temperatura e umidade relativa do ar às 15 horas em aeroportos de São Paulo

 

Recorde histórico de calor em Sorocaba

O Instituto Nacional de Meteorologia informou que a temperatura máxima de 36,7°C registrada em Sorocaba na tarde do sábado, 17, foi a mais alta para um dia janeiro. Foi o recorde histórico para janeiro.

Na cidade de São Paulo, o novo recorde de calor foi estabelecido também no dia 17 de janeiro. A temperatura máxima foi de 35,7°C Mas há possibilidade de que o novo recorde seja batido ainda nesta segunda-feira

Ar polar à vista

Frente fria traz chuva para os próximos dias

As condições para chuva vão aumentar bastante a partir do meio da semana com a chegada de uma frente fria ao litoral paulista na quarta-feira, 21 de janeiro. Esta frente fria será responsável pelo enfraquecimento da alta pressão subtropical do Atlântico Sul (ASAS) que vem mantendo as frentes frias e o ar polar afastados do Sudeste e também dificultando a ocorrência de pancadas de chuva mais frequentes.

Durante a tarde e a noite da quarta-feira, 21 de janeiro, os ventos de origem polar começam a entrar em São Paulo ajudando a refrescar o ar, junto com a chuva. A madrugada de quinta-feira, 22, já será muito menos abafada do que a dos últimos dias.

Os efeitos da passagem desta frente fria serão sentidos por vários dias sobre São Paulo mantendo as condições para pancadas de chuva mais frequentes. Até o começo de fevereiro outras frentes frias devem passar pelo litoral paulista.

 

Rifaina (SP) ensolarada, às margens do rio Tietê, em 18-1-2015 por João Eduardo

São Paulo bate recorde de calor de novo
sábado, 17 de janeiro de 2015

O ar seco que já cobria Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, ganhou força sobre o Estado de São Paulo neste sábado e dificultou a formação de nuvens carregadas. Até às 17h, o radar meteorológico mostrou pouquíssimos núcleos de chuva pelo interior paulista. Na capital, até este horário, o tempo continuava bem aberto.

Com o sol forte, a tarde deste sábado (17) foi de calor intenso na cidade de São Paulo e a temperatura chegou a 35,7°C , na estação do Mirante de Santana, sendo o novo recorde para 2015, superando os 35,4°C do dia 12 de janeiro. Na leitura feita às 16 h, a temperatura máxima foi de 35,4°C que já igualava o recorde. Mas sem a chuva para esfriar o ar, a nova medição que normalmente é feita às 22 h indicou que a temperatura máxima subiu para 35,7°C

Neste domingo 18, o sol e o calor continuam. Há chance de chuva, mas que pode acontecer apenas de forma rápida e isolada no fim do dia. A temperatura deve ficar novamente na casa dos 35°C.  Mas já tem uma frente fria à vista que ai trazer um pouco de ar polar. Durante a próxima quarta-feira, a presença desta frente fria no litoral paulista começa a espalhar muitas nuvens e o ar polar aliviando o calor

 

 

São Paulo (SP) 12-1-2015 por Daniele Otsuki

 

Previsão de chuva para 15 dias no Brasil

Acompanhe a chuva na Grande SP pelos radares Climatempo-USP

Compartilhe suas imagens do tempo com a Climatempo

Chuva poderá normalizar no Cantareira só em 2017

Saiba como se proteger dos raios! 

O que é a sensação térmica?

Rio de Janeiro lidera o calor neste fim de semana
sábado, 17 de janeiro de 2015

Uma forte massa de ar quente e seco atua sobre o Rio de Janeiro. A capital teve um sábado ensolarado e a temperatura subiu mais em relação a ontem. Às 14 horas, os termômetros marcavam 39°C na região do Campo dos Afonsos (zona oeste da cidade). Na sexta-feira, neste mesmo horário e local, a temperatura era de 34°C. Oficialmente, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 38,7°C.

De todas as capitais do Brasil, a cidade do Rio é a que registrou a maior temperatura desta tarde.

Às 14 horas, de acordo com os dados dos aeroportos, os termômetros marcavam 34°C em São Paulo e em Florianópolis, 33°C em Teresina e 32°C em Cuiabá.

Pelo menos até a terça-feira, a cidade do Rio continua com calor intenso, chegando na casa dos 40°C.  O recorde de calor de 2015 até agora é de 40,9°C, em 2 de janeiro, mas poderá ser batido nos próximos dias. A sensação térmica deve superar os 40°C nos próximos dias, até a chegada de uma frente fria.

Esta frente fria chega forte ao Rio Grande do Sul na segunda-feira, 19, e no dia 21 alcança o litoral paulista, mas já influenciando o Rio de Janeiro.  Por causa desta frente fria, o ar quente e seco sobre o Sudeste enfraquece e o Rio de Janeiro poderá ter um pouco de chuva. O calor também vai diminuir. Confira a tendência da temperatura na cidade do Rio

Mais um fim de semana de praias lotadas no litoral do Rio de Janeiro

 

 

Rio de Janeiro (RJ): calor intenso em 17-1-2015, por Felipe Santos

 

Bloqueio enfraquece e frente fria consegue chegar ao Rio de Janeiro 

O que é a sensação térmica?

As frentes frias estão mais fracas do que o normal

Semelhanças e diferenças entre os bloqueios atmosféricos de 2015 e de 2014

Calor no RJ deve aumentar no fim de semana
sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

A cidade do Rio de Janeiro entrou em 2015 sofrendo com a seca e o calorão. A temperatura real do ar nesta sexta-feira não ficou tão alta como nos últimos dias, mas a sensação térmica térmica chegou aos 43°C, ao meio-dia, na região do aeroporto Jacarepaguá, na zona oeste carioca.  O Instituto Nacional de Meteorologia registrou máxima de 35,3°C contra 37,8°C na quinta-feira.

A ligeira queda da temperatura foi provocada pela ação de fraco ventos de sul que sopraram em grande parte do dia e por uma maior quantidade de nuvens que diminuiu a ação do sol forte.

A última chuva na cidade de do Rio  foi entre 4 e 5 de janeiro, segundo o Inmet. Mas na prática, faz mais de um mês que não chove com alguma regularidade na região da capital fluminense. Pelas medições do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), dezembro de 2014 teve seis eventos de chuva. Na estação medidora da Saúde choveu aproximadamente 45 mm, para uma média de 170 mm em dezembro.

Calor aumenta no fim de semana 

O sol forte, o calorão e a falta de chuva vão predominar sobre o Estado do Rio de Janeiro por mais alguns dias. Há previsão da chegada de uma frente fria na próxima semana, mas antes do vento fresco entrar, a fornalha vai esquentar ainda mais. 

Na cidade do Rio de Janeiro, a expetativa é de que a temperatura real do ar fique em torno dos 40°C no fim de semana e até passe desta marcar no começo da semana que vem. Até a quarta-feira, dia 21, o recorde de calor para 2015 poderá ser batido mais de uma vez.  A máxima de 2015 até agora é de 40,9°C,em 2 de janeiro, segundo do Instituto Nacional de Meteorologia.

Sol e seca

Todo o Estado do Rio de Janeiro vai continuar com muito sol, muito calor e sem chuva no fim de semana. O calor será intenso com a temperatura real e a sensação térmica em torno dos 40°C nas áreas litorâneas.

O mar fica baixo, com ondas que não devem passar de mei0 metro.

Ache a sua onda e a sua tribo no Climasurf

Frente fria à vista

O excesso de calor, a falta de chuva, o ar seco são consequências de uma mesma situação meteorológica: um bloqueio atmosférico que tem mantido as frentes frias (e o ar polar) longe do Estado do Rio de Janeiro, que vem dificultando o crescimento das nuvens e também diminuiu  vento nos últimos dias.

O bloqueio atmosférico deve ser parcialmente rompido na próxima semana permitindo que uma frente fria chegue ao litoral do Rio de Janeiro facilitando a ocorrência de chuva. Mesmo assim, não tem chuva para todos e isto também não é garantia de normalização do verão. A marca do verão de 2015 também será muito calor e pouca chuva, como o verão de 2014.

 Entenda como o bloqueio será quebrado 


Radares SP e RJ estão no app Climatempo. Baixe agora!
  

 

Seca e calor em Goiás
quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

A diminuição da chuva neste verão está sendo sentida também sobre a Região Centro-Oeste do Brasil, mas principalmente sobre Goiás e no Distrito Federal. O bloqueio atmosférico que se estabeleceu nesta primeira quinzena de janeiro sobre o Brasil afastou as frentes frias e reduziu a umidade e a chuva sobre o Centro-Oeste.

Apesar dos temporais observados em várias áreas de Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, a deficiência de chuva nestes estados também é grande nesta primeira quinzena de janeiro. O Estado de Goiás e o Distrito Federal são os que estão sentindo mais fortemente a redução da chuva. Os mapas que mostram a disponibilidade de água no solo e a estiagem agrícola mostram a seca em Goiás.

 

A estiagem agrícola é o número de dias em que o acumulado de chuva diária ficou abaixo dos 10 mm. Na maioria das áreas de Goiás, a estiagem agrícola para de 15 dias.

 

Com a falta da chuva, o nível de água disponível no solo está muito baixo na maior parte de Goiás. Esta é uma situação muito ruim para a agricultura, pois a falta de água no solo prejudica o desenvolvimento das plantações.

 

Não há expectativa de chuva volumosa para os próximos dias. As pancadas de chuva serão mais frequentes na semana que vem

Calor intenso

A falta de áreas de instabilidade, com grandes nuvens e chuva, deixam o sol forte por muitas horas. A consequência direta é o aumento do calor que aumenta a perda de água no solo.

Faz calor normalmente em janeiro, mas as altas temperaturas estão muitos graus acima da média normal. Em Goiânia, capital de Goiás, o recorde de calor para 2015 foi batido duas vezes esta semana. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 36,2°C na tarde de 14 de janeiro.

A chuva continua escassa e o calor pode aumentar nos próximos dias.

 

Mairipotaba (GO) 13-1-2015 por Bruno Cardoso

Saga do ventilador 4: calor aumenta em São Paulo
terça-feira, 13 de janeiro de 2015

A foto mostra a visão que Johnny teve na tarde de 13 de janeiro de 2015 de uma porção da cidade de São Paulo, a partir do bairro da Penha. Poderosa por trás do horizonte de arranha céus, uma enorme nuvem cumulonimbus, com sua bigorna formada, o cogumelo de bomba atômica.  A bomba não é atômica, mas térmica.

 

 

São Paulo (SP): visão da Penha em 13-1-2015, por Johnny

 

Nuvens assim se formam numa atmosfera quente e com disponibilidade de umidade. É preciso muito calor e isto São Paulo está tendo de sobra. Depois de bater recorde de calor por três dias consecutivos e alcançar a marca de 35,4°C  em 12 de janeiro, a capital paulista poderá estabelecer um novo recorde nesta quarta-feira aproximando-se ainda maus da marca dos 36°C.

Recorde de calor

Nuvens assim se formam numa atmosfera quente e com disponibilidade de umidade. É preciso muito calor e isto São Paulo está tendo de sobra. Depois de bater recorde de calor por três dias consecutivos e alcançar a marca de 35,4°C  em 12 de janeiro, a capital paulista poderá estabelecer um novo recorde nesta quarta-feira aproximando-se ainda mais da marca dos 36°C.

Temporais

Com tanto calor, depois de horas de sol forte, muitos Cbs vão se formar de novo sobre a capital, na região metropolitana e também pelo interior paulista nesta quarta-feira. São estas nuvens que provocam os raios e intensas rajadas de vento que fizeram São Paulo perder centenas de árvores nas últimas três semanas. São elas também que podem provocar muita chuva em pouco tempo  causando repentinos alagamentos. Não é preciso frente fria para formar o Cb, basta umidade e excesso de calor, o principal combustível para estas nuvens que provocam os temporais;

Saga do ventilador 4

A população da Grande São Paulo vem sendo  protagonista da nova série “A saga do ventilador 4”. Vendedores de grandes e pequenas lojas desapontam quem pergunta por ventiladores, ar condicionado ou qualquer coisa que faça vento. Não tem mais, ou até tem, mas anda difícil de achar.

No sábado, 10 de janeiro, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou a temperatura mínima de 24,5°C no Mirante de Santana, na zona note da capital. Na região do aeroporto de Congonhas, na zona sul, a temperatura entre 22 horas do dia 9 e 6 horas do dia 10 de janeiro variou entre 28°C e 25°C.

A temperatura mínima de 24,5°C foi a mais alta na madrugada desde 24 de fevereiro de 2014 quando fez 25,3°C. Mas para um dia de janeiro, a madrugada do sábado foi a mais quente pelo menos 10 anos. No período  2006 a 2015 não tem temperatura mínima tão alta assim em janeiro

Só uma boa frente fria, com seu vento polar e sua chuva são capazes de resfriar profundamente a atmosfera e fazer com que a temperatura volte para marcas normais. Ela já tem data para chegar: 20 de janeiro. Até lá, o calor pode bater recorde até mais de uma vez.

 

 

Semana com pouca chuva no Cantareira 

O que influencia a temperatura de um lugar? 

Cuidados especiais com os alimentos em dias de forte calor

 Radares SP e RJ estão no app Climatempo. Baixe agora!

Recorde de calor em Goiânia, Brasília, Vitória e S. Paulo
segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Recorde de Calor no Centro-Oeste e no Sudeste

O calor bateu recorde nesta segunda-feira em capitais do Sudeste e do Centro-oeste e o Estado do Rio de Janeiro foi o que registrou as mais altas temperaturas no país.

Pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia, a temperatura chegou aos 40,2°C em Seropédica.

Em Vitória, capital do Espírito Santo, a tarde de 12 de janeiro foi a segunda mais quente do ano até agora com máxima de 34,4°C. O recorde é de 34,5°C em 2 e 3 de janeiro

Confira os recordes de 12 de janeiro de 2015 no Centro-Oeste e no Sudeste

Brasília (DF)

30,9°C – maior temperatura de 2015 (recorde pelo segundo dia consecutivo)

20,2°C – maior temperatura mínima (madrugada mais quente)

Goiânia (GO)

36,1°C – maior temperatura de 2015 (recorde pelo segundo dia consecutivo)

Vitória (ES)

26,0°C – maior temperatura mínima (madrugada mais quente)

São Paulo (SP)

35,4°C  – maior temperatura de 2015 (recorde pelo terceiro dia consecutivo)

 

Seca e calor por mais alguns dias

A nebulosidade e as pancadas de chuva ficaram escassas nos últimos dias, ou até pararam  no Espírito Santo, no Rio de Janeiro, em Goiás e no Distrito Federal por causa da forte atuação da alta pressão subtropical do Atlântico Sul (ASAS) sobre o Brasil. A grande pressão deixa o ar seco e impede que as nuvens crescem o suficiente para provocar chuva. Em muitas áreas de Minas, do Espírito Santo e principalmente do Rio de Janeiro, o céu tem ficado praticamente sem nuvens.

As frentes frias e o ar polar não conseguem chegar ao Sudeste por causa do bloqueio gerado pela ASAS. Este bloqueio só deve enfraquece na próxima semana. Por enquanto, a chance de chover especialmente sobre Minas Gerais, Espírito Santo e no Rio de Janeiro é muito baixa pelo menos até o domingo que vem. Até lá, o calor será intenso e poderá bater novos recordes

RJ o estado mais quente

Das 10 maiores temperaturas medidas pela rede de estações meteorológicas automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia em 12 de janeiro, 5 eram no Estado do Rio de Janeiro. Na cidade do Rio, a tarde de 12 de janeiro foi a terceira mais quente do ano, pelo menos até a medição da temperatura das 16 horas. A temperatura máxima foi de 39,9°C.Mas fez 40,0°C, mas no Campo dos Afonsos, na zona oeste carioca e na região do aeroporto Santos Dumont, a sensação térmica ao meio-dia era de 46°C, com temperatura real do ar de 36°C.

Confira as mais altas temperaturas no Centro-Oeste, Sudeste e Sul em 12 de janeiro, segundo o Inmet.

 

Niterói (RJ) em 11-1-2015 por Luciano