Posts com a Tag ‘Região Sudeste’

+ aumentar e diminuir fonte -
Ressaca no litoral do Sudeste
segunda-feira, 14 de abril de 2014

A passagem de um grande ciclone extratropical pela costa da Argentina e do Uruguai causou forte agitação marítima e gerou série de grandes ondas no Atlântico Sul. Estas começaram a chegar à costa das Regiões Sul e Sudeste do Brasil nesta segunda-feira, 14. O mar ficou bastante agitado em todo o litoral da Região Sul e durante a tarde a agitação era sentida também nas praias de São Paulo e do Rio de Janeiro.

 

 

 

 

 


 

Nesta terça-feira, as ondas começam a baixar no litoral da Região Sul, mas o mar segue ainda muito agitado e com risco de ressaca em São Paulo e no Rio de Janeiro. A agitação chega com menos força ao Espírito Santo. As ondas diminuem no decorrer da tarde e seguem em declínio na quarta.

Confira a previsão das ondas

Rio Grande do Sul e Santa Catarina: agitação marítima diminui. Ondas entre 2,0 m e 2,5 m

Paraná: Ondas por volta de 2,0 m.

São Paulo: Ondas de até 2,5 m.

Rio de Janeiro: Ondas por volta de 3,0 m  a 3,5 m.

Espírito Santo: Ondas de até 2,0 m a partir da tarde.

Semana com recordes de frio
segunda-feira, 14 de abril de 2014

A frente fria que provocou temporais no Sul e em São Paulo no fim de semana trouxe uma massa de ar polar que faz a temperatura no Sul; parte do Sudeste; do Centro-Oeste e até do Norte do Brasil cairem.

Desta vez, o ar polar entra no Brasil vindo pelo interior do continente, pelo norte da Argentina. As massas polares que fazem este caminho têm um maior poder de resfriamento. O centro desta massa polar, que é a região mais fria, avança do norte da Argentina para o Rio Grande do Sul nesta segunda-feira e durante a terça-feira, 15, segue para o mar.

 

Centro da massa polar (A), que é a região de frio mais intenso, avança do norte da Argentina e passa sobre o Rio Grande do Sul entre 14 e 15 de abril de 2014.

 

 

As madrugadas dos dias 14 e 15 de abril devem ser as mais frias do ano até agora no Sul, em São Paulo, para a maioria das áreas do Rio de Janeiro, no centro-sul e sudoeste de Minas Gerais, em Mato Grosso do Sul, no oeste e sul de Mato Grosso e também em parte de Rondônia e do Acre.

Vários recordes de frio devem ocorrer nas próximas 48 horas. Veja as menores temperaturas registradas pelo Instituto Nacional de Meteorologia em algumas capitais do centro-sul e a chance de recorde.

 

 

 

Frente fria influencia o Sudeste nesta 5ª feira
quarta-feira, 2 de abril de 2014

Todos os estados da Região Sudeste do Brasil registraram chuva forte nesta na tarde e em parte da noite de quarta-feira, 2 de abril. O deslocamento de uma frente fria pelo litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro facilitou o crescimento de nuvens carregadas sobre que provocaram temporais. A chuva foi forte, mas em poucas áreas dos estados. Em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, a chuva foi muito intensa. Em apenas 3 horas choveu o equivalente à média de chuva de todo o mês de abril.

 

 

 

A Região Sudeste ainda fica sujeita a fortes pancadas de chuva nesta quinta-feira. A frente fria tecnicamente vai se afastando em alto-mar, mas ainda vai atuar na formação de áreas de instabilidade sobre parte do Sudeste. Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo ainda podem ter pancadas moderadas a fortes. A temperatura tem ligeira queda, mas a sensação é de calor.

Março termina com chuva forte sobre o Sudeste
domingo, 30 de março de 2014

A umidade aumentou sobre o Sudeste e nuvens carregadas voltaram a crescem em muitas áreas da Região no domingo e provocaram chuva forte. Chuva mais do que bem-vinda, já que o Sudeste amarga três meses consecutivos com chuva abaixo da média. Porém, os estados privilegiados com chuva do domingo foram São Paulo e Minas Gerais. Mas vem aí uma frente fria para ajudar a formar mais áreas de chuva sobre o Sudeste. O norte do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e o Espírito Santo vão se beneficiar desta frente fria no a partir de quinta-feira. Até a terça-feira, a chuva cai preferencialmente sobre São Paulo, o centro-sul e oeste de Minas Gerais e o sul do Rio de Janeiro

 

Volumes de chuva acumulados entre 17 h de 29 de março e 17h de 30 de março (Inmet)

Mocambinho (MG): 50 mm, Uberlândia (MG), 45 mm, São Romão (MG) 37 mm, Capelinha e Chapada Gaúcha (MG) 36 mm, José Bonifácio (SP) 26 mm, Ibitinga (S) 33 mm, Itapira (SP) 30 mm.

Março sem chuva

Faltou chuva sobre o Sudeste justamente no período em que normalmente chove muito na Região: o verão. A falta de chuva do verão teve consequências bastante negativas para todos estados refletindo nos mais variados setores: agricultura, pecuária de corte e leite, abastecimento de água para as populações, turismos e etc. Veja a previsão de volumes de chuva que poderão ser acumulados para os próximos 15 dias.

 

 

Frio abaixo dos 10°C no Sudeste
terça-feira, 25 de março de 2014

A temperatura baixou em  muitas áreas do Sudeste desde o início da semana devido à chuva e ao polar trazidos por uma frente fria. A madrugada desta terça-feira, 25, foi com temperaturas abaixo dos 10°C em locais do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. No Pico do Couto, na região de Petrópolis, a temperatura mínima foi de 9,6°C.

Confira onde ocorreram as cinco menores temperaturas mínimas no Brasil nesta terça-feira, 25 de março, pela medição automática do Instituto Nacional de Meteorologia.

A parte mais intensa desta massa polar já está sobre o mar e se afastando do Brasil. Assim, a tendência é de elevação gradual da temperatura. Porém, as áreas serranas ainda terão temperaturas baixas à noite até o fim da semana.

 

 


 

 

Fim de semana para surfistas no Sul e no Sudeste
sexta-feira, 21 de março de 2014

Depois de várias semanas com pouca onda, o mar fica agitado no Sul e no Sudeste. As ondas aumentam e os surfistas vão poder aproveitar. Confira a previsão da altura e direção das ondas com a meteorologista Josélia Pegorim.

 

Outono 2014- Sudeste
terça-feira, 18 de março de 2014

O meteorologista Alexandre Nascimento conta qual é a tendência da estação para a Região Sudeste do Brasil. Confira!

Chuva forte sobre o Sudeste
sexta-feira, 7 de março de 2014

 

Várias áreas da Região Sudeste do Brasil tiveram chuva forte e volumosa entre os dias 6 e 7 de março. A chegada de uma frente fria ao litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro foi muito importante para deixar o tempo mais instável, aumentando a quantidade de áreas de instabilidade sobre a Região.

O mapa mostra os maiores volumes de chuva registrados pelo Instituto Nacional de Meteorologia entre 9 horas do dia 6 de março e 9 horas do dia 7 março de 2014.

A chuva caiu forte em importantes regiões para a geração de energia elétrica, como na região de Três Marias, no sul de Minas, Triângulo Mineiro e norte de São Paulo.

No fim de semana, a frente fria continua perto do litoral do Rio de Janeiro e vai manter as condições para chuva em grande parte do Sudeste. A menor chance de chuva é para o norte e nordeste de Minas Gerais, Espírito Santo e no oeste de São Paulo.

Chuva na zona da mata mineira
quinta-feira, 6 de março de 2014

As áreas de instabilidade de uma frente fria mudaram o tempo na zona da mata mineira. Juiz de Fora começou a tarde desta quinta-feira com muitas nuvens e chuva. Em São João del Rey chovia moderada no início da tarde. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou quase 7 mm de chuva entre o meio-dia e 1 hora da tarde.

O tempo fica mais instável no decorrer da tarde e noite desta quinta-feira. O ar quente que ainda predomina sobre Minas Gerais ajuda a deixar as nuvens mais carregadas. Algumas pancadas de chuva podem ser fortes até a noite.

 


Esta frente fria vai ficar perto do litoral do Rio de Janeiro até o domingo favorecendo a ocorrência de mais chuva sobre a zona da mata mineira. Choveu menos do que o normal em fevereiro e também em janeiro.

BH, Rio e Vitória: risco de temporais no fim de semana
sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

O deslocamento de uma frente fria pelo litoral da Região Sudeste do Brasil mudou completamente as condições de vento e de pressão que vinham predominando há quinze dias. Esta frente fria, que avança do litoral do Rio de Janeiro para o Espírito Santo, ativou novamente as áreas de instabilidade sobre o Sudeste que provocaram os temporais em São Paulo, no Rio de Janeiro e sobre Minas Gerais. As capitais destes estados também tiveram tempestades com muitos raios e ventania. O ar muito quente armazenado sobre o Sudeste foi um dos fatores para a formação das nuvens de temporal.

Na noite de 16 de janeiro, várias regiões da cidade do Rio acumularam de 70 a quase 100 mm de chuva, pela medição do Alerta Rio. Foi como se em uma noite chovesse quase a metade da média de chuva de janeiro.

Rio de Janeiro teve 1596 raios na noite de 16 de janeiro de 2014

Em São Paulo, foram registrados 23 alagamentos na sexta-feira, 17, o maior número desde 9 de março de 2013 quando ocorreram 44 pontos, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências.

Em Belo Horizonte, ocorreram rajadas de vento com 72 km/h nesta sexta-feira, 17 de janeiro. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 37 mm entre 16 e 16 horas.

Neste sábado, as áreas de instabilidade se estendem para o Espírito Santo e a Grande Vitória também poderá ter temporais, com chuva forte e ventania.

Fortes pancadas de chuva também podem ocorrer no domingo sobre os Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais.