Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

O que é, o que é? Às vezes cabeleira, à vezes andorinha!

06/07/2015 às 22:17
por Josélia Pegorim

As nuvens que passavam sobre a Grande São Paulo no fim da tarde da segunda-feira, 6 de julho, despertou a atenção e fez muita gente olhar para o céu, com encantamento e curiosidade.

Não teve chuva e nem trovão. Elas se esticavam pelo céu por todos os lados, como que espreguiçando o corpo esguio e muito branco.

 

          Céu de São Paulo (SP) no fim da tarde de 06-07-2015 por Antonio Prando Filho

 

Que nuvens eram aquelas?

Eram as nuvens cirrus. Em Meteorologia dividimos as nuvens em três tipos básicos, conforme a altitude de formação de sua base, a parte inferior da nuvem. Assim, elas podem ser nuvens altas, médias e baixas.

 

           São Paulo (SP) cirrus na tarde de 06-07-2015 por Marcelo Pinheiro

 

As nuvens cirrus são nuvens altas. Elas se formam acima de 6000 metros da superfície. A base das nuvens médias fica entre 2000 e 6000 metros e as nuvens baixas têm base até 2000 metros.

As nuvens cirrus sempre são finas, brancas, em forma de fibras, de filamentos.

 

          São Paulo (SP) cirrus no fim da tarde de 06-07-2015 por Thais

 

Às vezes parecem um fino véu: é a cirrustratos. Quando ela está presente no céu, mesmo entre outras nuvens, pode acontecer um fenômeno especial.

As nuvens altas, como o cirrus, se formam em uma região da atmosfera onde a quantidade de vapor de água é muito pequena. Assim, não há vapor suficiente para formar gotas de água.

 

                              Halo solar em Itiruçu (BA), 01-11-2013, por Ed Santo

 

A temperatura é abaixo de zero na altitude onde estão as nuvens altas. Dentro delas há pequeninos cristais de gelo. Algumas vezes, estes cristaiszinhos que estão na nuvem cirrustratos estão numa posição especial. Então, quando a luz do sol bate nele, surge o halo solar. Se for noite de lua cheia e tiver cirrustratos no céu, pode aparecer o halo lunar.

O halo solar (ou lunar) parece um arco-íris ao redor do sol.

 

Outras vezes os cirrus assume o formato de ganchos de anzol, às vezes penas de algum pássaro. Podem parecer até um bando de andorinhas!

 

                  A "nuvem andorinha" no céu de São Paulo (SP), 30-01-2014, por Jo Pegorim

 

 Os cirrus de São Paulo no fim da tarde de 6 de julho de 2015 pareciam cabeleiras brancas desgrenhadas e também filamentos ou algodão esgarçado.

 

             São Paulo (SP) cirrus no fim da tarde de 06-07-2015 por José Antonio

 

São os fortes ventos que sopram nas altitudes elevadas onde se formam os cirrus que dão estas nuvens o formado "esticado", "esgarçado", de "algodão esgarçado".

Os cirrus estão também na parte mais elevada, no topo da temida nuvem cumulonimbus, a Cb, que provoca tempestades com raios e trovões.

 

                     Bigorna de Cb em Uberlândia (MG) no fim da tarde de 07-12- 2013, por Zuleika

 

Veja como os satélites meteorológicos fotografaram as nuvens cirrus passando sobre São Paulo na tarde de 6 de julho de 2015.

 

As setas indicam nuvens cirrus que aparecem em vários formatos e em diferentes espessuras.

 

Certas nuvens são raras! Conheça algumas.

 

Os 10 tipos básicos de nuvens