Em um ano, desmatamento na Amazônia cresce 29%

14/08/2020 às 16:25
por Redação

Oferecimento
Entidades ambientais produziram documento alertando para a gravidade da crise do desmatamento na região

Em um ano, a Amazônia perdeu 6.536 km² de área verde, um aumento de 29% em comparação com o ano anterior. A análise compreende os meses entre agosto de 2019 e julho de 2020, período classificado como calendário do desmatamento. Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD).

 

"Nós estamos em uma tendência de alta no desmatamento. É bem provável que, ao fechar o número oficial do Prodes, nós tenhamos uma área desmatada maior que no ano passado", afirma o pesquisador Dr. Carlos Souza Jr., coordenador do programa de monitoramento do Imazon.

 

O avanço da destruição em Unidades de Conservação e Terras Indígenas também preocupa os especialistas. Cerca de 16% do desmatamento nos últimos doze meses foi registrado em UCs. A APA Triunfo do Xingu, no Pará, foi alvo dos desmatadores e está no topo do ranking. A Terra Indígena Apyterewa, também no Pará, ocupou o primeiro lugar das TIs que mais tiveram área de floresta derrubada.

 

 

 

Medidas para combater o desmatamento - Mais de 60 organizações e coletivos da sociedade civil, entre elas o Imazon, enviaram ao Congresso Nacional uma proposta com cinco ações emergenciais para combater o desmatamento na Amazônia. Uma das medidas é o estabelecimento de uma moratória de pelo menos cinco anos ao corte da floresta. Na carta, as organizações lembram que o Brasil já teve experiências exitosas ao reduzir a taxa de desmatamento e ao mesmo tempo ampliar a produção agropecuária e o PIB. 

 

Além da moratória ao desmatamento, as medidas incluem ainda o endurecimento das penas aos crimes ambientais, pedindo também o bloqueio de bens dos cem maiores desmatadores da Amazônia, a retomada do plano de controle do desmatamento, a demarcação de Terras Indígenas, a titulação de territórios quilombolas e a criação de 10 milhões de hectares em Unidades de Conservação. No documento, as instituições pedem ainda  a reestruturação de órgãos como Ibama, ICMBio e Funai, responsáveis por garantir a proteção do nosso patrimônio ambiental.

 

A carta está disponível em português e em inglês.

 

Monitoramento da Amazônia - O Sistema de Alerta de Desmatamento, desenvolvido pelo Imazon, é uma ferramenta que utiliza imagens de satélite para monitorar a floresta. Além do SAD, existem outras plataformas que vigiam a Amazônia, como o Deter, sistema utilizado Inpe que também divulgou os dados de desmatamento nos últimos doze meses. Apesar de cada plataforma aplicar uma metodologia diferente para medir a destruição da floresta, ambas apresentaram a mesma tendência de aumento na devastação na Amazônia.  

 

Todas essas plataformas são importantes para a proteção do nosso patrimônio ambiental, pois garantem a vigilância da floresta e a emissão de alertas dos locais onde há registro de desmatamento. Os dados fornecidos ajudam a subsidiar os órgãos de controle ambiental a planejar operações de fiscalização e identificar desmatadores ilegais. 

 

Veja o Boletim do Desmatamento completo aqui.

Entenda mais sobre o SAD aqui.

 

Veja também: Conheça o dia a dia das porta-vozes do tempo da TV

FASES DA LUA

  • Nova
    17/09
  • Crescente
    23/09
  • Cheia
    02/09
  • Minguante
    10/09

ESTAÇÕES DO ANO

  • Primavera
    22/09
  • Verão
    21/12