Para onde vai o calor da Terra?

09/09/2020 às 11:38
por Redação

Oferecimento
O desequilíbrio de energia da Terra continua a crescer, e até dobrou na última década (2010-2018) em comparação com o valor médio de 1971-2018.

A primeira avaliação abrangente de onde o excesso de calor da Terra está se acumulando foi divulgada pelo Sistema Global de Observação do Clima, co-patrocinado pela Organização Meteorológica Mundial(WMO, sigla em inglês), Comissão Oceanográfica Intergovernamental-UNESCO, Conselho Internacional de Ciências e Programa Ambiental das Nações Unidas.


De acordo com a revista Earth System Science Data, o grupo de mais de 30 pesquisadores de instituições científicas de todo o mundo, rastreou e quantificou o armazenamento de calor global de 1960 a 2018 para responder a pergunta “para onde vai o calor?"

 

iStock-1148609295

Fonte: IStock/NASA


O Desequilíbrio da Energia da Terra (EEI), a diferença entre a quantidade de energia do sol que chega ao planeta e a quantidade que retorna ao espaço, serve como uma métrica fundamental para permitir que a comunidade científica e o público avaliem o quão bem o mundo responde à tarefa de controlar a mudança climática.
O novo estudo representa o inventário de calor mais preciso e de última geração até hoje. Isso indica que o desequilíbrio de energia da Terra continua a crescer, e até dobrou na última década (2010-2018) em comparação com o valor médio de 1971-2018.


Apenas cerca de 1% desse calor se concentra na atmosfera. A grande maioria do excesso de calor (89%) é absorvida pelo oceano. Novas avaliações mostram que o aquecimento do solo é de 6%. Cerca de 4% do excesso de calor causa perda (derretimento) do gelo terrestre e do gelo flutuante.
Os impactos diretos desse aquecimento, impulsionados pelo dióxido de carbono antropogênico que retém o calor na atmosfera, incluem aumento do nível do mar, perda de gelo e aquecimento do oceano, da terra e da atmosfera. Os resultados também mostram que o EEI não só continua, como aumenta: o EEI foi de 0,87 + 0,12 W / m2 durante 2010-2018.


A estabilização das mudanças climáticas requer que o EEI seja reduzido a aproximadamente zero para recuperar um estado de quase equilíbrio no sistema terrestre.
Este estudo calcula que a quantidade de CO2 na atmosfera deve ser reduzida da concentração atual de quase 410 partes por milhão(ppm) para aproximadamente 350 ppm para trazer a Terra de volta ao equilíbrio energético.


“O cálculo da EEI é, portanto, a melhor e única métrica que temos do quão bem estamos fazendo em nossas tentativas de controlar as mudanças climáticas. A quantificação aprimorada e as incertezas reduzidas da EEI só podem ser alcançadas por meio de colaboração multidisciplinar internacional sustentada e observações climáticas globais aprimoradas com extensões para cobrir lacunas importantes, como o oceano profundo e a criosfera ", disse o estudo, liderado por Karina von Schuckmann, da Mercator Ocean International.

Este texto é uma tradução e adaptação de conteúdo publicado pelo World Meteorological Mundial. Para acessar a publicação original, clique aqui.

FASES DA LUA

  • Nova
    17/09
  • Crescente
    23/09
  • Cheia
    02/09
  • Minguante
    10/09

ESTAÇÕES DO ANO

  • Inverno
    20/06
  • Primavera
    22/09
  • Verão
    21/12