Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Redução de pastagens degradadas é tema do AgroTalk

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

4 min de leitura

Estudo realizado pelo Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento da Universidade Federal de Goiás (Lapig/UFG) avaliou, com base na classificação automática de imagens de satélites da série Landsat, o grau de degradação das áreas de pastagens no Brasil no período de influência do Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) e verificou expressiva redução no número de propriedades com áreas de pastagens com degradação severa e moderada entre 2010 e 2018.

 

O estudo aponta que, no período de 2010 a 2018, foram recuperados 26,8 milhões de hectares de pastagens degradadas, número bem superior à meta estabelecida pelo Plano ABC, de 15 milhões de hectares. A área recuperada é maior que o território do Reino Unido, que tem aproximadamente 24,2 milhões de hectares.

 

Nas áreas de contratos do Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) para Recuperação de Pastagens Degradadas (RPD), a área total com pastagens classificadas como Degradação Severa reduziu de 34,3% para 25,2% no período avaliado. A análise de cerca de 5,5 milhões de propriedades, conforme os dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), também sugere um aumento nas áreas de pastagens classificadas com Degradação Leve e Não Degradada. Em termos proporcionais, e considerando este conjunto de propriedades, o aumento mais expressivo foi para a classe Não Degradada, de aproximadamente 94,7 %.

 

Segundo a diretora do Departamento de Produção Sustentável e Irrigação (Depros) do Mapa, Mariane Crespolini, o estudo é pioneiro no país. "Ele nos permite avaliar a efetividade da política pública e o quanto os produtores rurais, quando incentivados, são capazes de corresponder adotando práticas sustentáveis de produção”, diz Mariane.

 

“Comparando os dados obtidos em 2010 com as informações de 2018, foi observada uma melhora na qualidade das pastagens no período avaliado, com redução no percentual de área em todas classes de indícios de degradação, ao mesmo tempo em que houve aumento no percentual de áreas sem indícios de degradação”, aponta o estudo, coordenado pelo pesquisador Dr. Laerte Guimarães Ferreira Júnior da UFG.

 

As áreas totais ocupadas por pastagens em 2010 e 2018 foram de aproximadamente 171,6 e 170,7 milhões de hectares, respectivamente. “Estes números indicam uma estabilização na área total ocupada na última década, que de fato vem ocorrendo e é evidenciado por uma melhora na condição das pastagens”, diz o relatório.

 

Acompanhe abaixo o podcast AgroTalk desta semana com o coordenador e pesquisador Dr. Laerte Guimarães Ferreira Júnior da UFG que conta onde o aumento na qualidade das pastagens foi mais expressivo nas regiões Centro-Oeste e Sul do país.

 

 

 

Onde ouvir o AgroTalk?  
 

O AgroTalk complementa a linha de canais da Climatempo que já tem um dos portais mais acessados do país sobre previsão do tempo, além de um canal no YouTube e também na TV, no canal 170 da Sky. Com duração variada, o Agrotalk é publicado sempre as quartas-feiras. 

 

Os conteúdos estão disponíveis nas plataformas Spotify, Deezer, Podcasts Connect da Apple. Ao acessar estas plataformas é só procurar por AgroTalk.

 

Acompanhe aqui a lista de todos os episódios do podcast AgroTalk 

 

 

 

+ mais notícias