Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

El Niño diminuiu focos de fogo em parte do Brasil

09/12/2015 às 11:52
por Josélia Pegorim

Atualizado 10/12/2015 às 12:51

O levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, que faz o monitoramento diário das queimadas sobre o Brasil e na América do Sul revela que o centro-norte do país teve um aumento do número de focos de fogo em 2015, em relação a 2014. A metade centro-sul teve uma redução acentuada que do número de focos em relação ao ano passado.

A diferença entre o norte e o sul acompanha o comportamento da chuva que em 2015 cai não deu trégua ao Sul do país a partir de julho. A população da Região Sul conta nas mãos o número de dias com sol nos últimos três meses de tanta chuva e céu nublado.

Já no Nordeste e em parte do Norte, a falta de chuva e o calor ajudaram a aumentar os focos de fogo em 2015 e também a manter o fogo ativo por mais tempo do que o normal.

 

Seca aumenta os focos de fogo

Este quadro de aumento de focos no centro-norte e diminuição no centro-sul do país, em relação a 2014, revela também a influência do fenômeno El Niño que se originou em 2015 com forte intensidade.

A tabela mostra a porcentagem de aumento e de diminuição do número de focos de fogo de 2014, em relação a 2013, e em 2015, relativo a 2014.

 

 

Os números não deixam dúvidas. Em 2014, ano de seca severa, os focos de fogo aumentaram em praticamente todo país. O aumento foi de mais de 100% em São Paulo, Minas Gerais, no Distrito Federal, Rondônia, Goiás e no Rio Grande do Sul.

Já em 2015, a quantidade de focos de fogo diminuiu em relação a 2014 nos estados onde a chuva voltou a ocorrer.  Mas é no Norte e no Nordeste que aparecem o aumento dos focos. Os números de Alagoas e da Bahia são marcantes. Na Bahia, a quantidade de focos de fogo quase dobrou em relação a 2014. Em Alagoas,  o número de focos triplicou.

 

Na região do Distrito Federal, o número de focos de fogo teve uma forte queda com o aumento da frequência da chuva. Em São Paulo, que também foi favorecido por chuva já em setembro, o número de focos de fogo em 2015 diminui quase 60% em relação a 2014.

Nos gráficos abaixo, os valores máximos, médios e mínimos se referem ao período de 1998 a meados de setembro de 2015.

 

 

 

 

 

 

 

 

Um novo verão começa oficialmente no dia 22 de dezembro, às 2h48 (hora de Brasília), mas ainda será um verão com EL Niño. O Nordeste, áreas do Norte e do norte do Sudeste devem continuar sendo penalizados com a chuva escassa.

 

 

 

A incômoda fumaça dos vizinhos

A foto mostra como estava Palmas, capital do Tocantins, na tarde da terça-feira, 8 de dezembro de 2015. O horizonte enevoado não era pela neblina, nem por névoa úmida e nem pela chuva. Era uma densa cobertura de fumaça que voltou a cobrir a cidade por causa da grande quantidade de focos de fogo que ainda estão espalhados sobre o Maranhão e sobre o Pará. Nem o temporal que ocorreu sobre Palmas na noite da segunda-feira, 7, conseguiu livrar a cidade da fumaçada.

 

 

 

Mais ou menos metade do estado do Tocantins fica entre o Pará e o Maranhão. A fumaça destes estados chega avança até Palmas conforme a direção dos ventos. Desde meados de novembro, aeroportos do Pará, do Amazonas, Amapá e Maranhão têm ficado quase o dia todo com visibilidade reduzida por causa da fumaça.

 

 

 

 

Pará e Maranhão continuam queimando

Nos primeiros sete dias de dezembro, Pará e Maranhão lideravam a lista dos estados com maior número de focos de fogo. A falta de chuva e o calor intenso estão contribuindo para prolongar os focos de fogo.

A previsão para os próximos cinco dias não é de que a chuva continue escassa. As poucas pancadas de chuva não devem conseguir apagar o fogo. Por enquanto, a expectativa de aumento de chuva é só após o dia 18 de dezembro.

 

 

Saiba quais são os impactos do El Niño para a construção civil