Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Balanço parcial da chuva de fevereiro nas capitais

25/02/2016 às 00:19
por Josélia Pegorim

 Se fevereiro tivesse 24 dias, seria o mais seco da história meteorológica de Palmas que começou em 1993 e o terceiro mais chuvoso em Curitiba, em 55 anos de medições do Instituto Nacional de Meteorologia.

Em Brasília, se fevereiro terminasse no dia 24, seria o mais quente em 55 anos e o terceiro mais seco. Já em São Luís, este seria o quarto fevereiro com menos chuva desde 1961. Em Vitória, seria preciso chover no mínimo 20 mm até o dia 29 para tirar de fevereiro de 2016 o posto de segundo fevereiro mais seco desde 2003.

Estas são as anomalias mais destacas do que está acontecendo com clima de fevereiro de 2016 nas capitais brasileiras. Em muitas delas, fevereiro ainda é época de chuva farta e volumosa. Em Boa Vista, capital de Roraima, é o pico da época de seca, assim, o mais comum é não chover. Nas capitais do leste do Nordeste, de Natal a Salvador e em Vitória, capital do Espírito Santo, fevereiro é um mês em geral de pouca chuva.

 

 

Por que fevereiro secou e esquentou?

Depois de um janeiro com acumulados de chuva acima e até muito da média normal em grande parte do Brasil, já no início de fevereiro houve um forte redução da quantidade e da frequência da chuva em praticamente todo o país. A diminuição da chuva tem relação direta com a intensificação de sistemas de alta pressão atmosférica sobre o Brasil. As alterações na circulação dos ventos e no nível de umidade no ar causado pelos sistemas de alta pressão dificultaram, ou mesmo impediram, a ocorrência da formação e permanência de áreas de instabilidade especialmente na primeira quinzena do mês. Com a chuva e a nebulosidade abaixo do normal para esta época, a insolação (número de horas de sol) ficou acima da média, o que fez a temperatura subir mais do que o normal para este mês.

A equação é simples: menos nuvens e menos chuva fazem o calor aumentar. Em várias regiões do país, o que aconteceu em fevereiro de 2016 foi quase o oposto do que diz a climatologia.

O ar polar que chegou ao Brasil em fevereiro de 2016 foi muito fraco, sem força para entrar no interior do continente e baixar a temperatura. Com pouca chuva, muito sol e com pouco ar polar, naturalmente o país esquentou além do que seria normal para esta época.

Ao mesmo tempo, a influência de um El Niño ainda forte e a temperatura do oceano Atlântico desfavorável reduziram a intensidade da Zona de Convergência Intertropical, principal sistema meteorológico que provoca chuva no verão e em parte do outono no norte da Região Norte e no norte do Nordeste.

 

 

 

Veja algumas consequências das condições atípicas observadas em fevereiro de 2016

 

Palmas (TO)

- Fevereiro normal: tem normalmente muitas nuvens e temporais em fevereiro. Em Palmas, a capital do estado, este é segundo mês mais chuvoso e mais fresco do ano.

- Fevereiro de 2016: muitos dias quase sem nuvens, temperaturas muito acima do normal, pouca ou nenhuma chuva. Em Palmas, fevereiro de 2016 deve ser o mais seco desde 1993.

 

Brasília (DF)

- Fevereiro normal: muitas nuvens e pancadas de chuva frequentes; é o quarto mês mais chuvoso do ano. A temperatura em geral não supera os 30°C.

- Fevereiro de 2016: pode ser o fevereiro com tardes mais quentes desde o início das medições meteorológicas em 1961. Até o dia 24, era o terceiro fevereiro com menor quantidade de chuva acumulada em 55 anos.

 

São Luís (MA)

Risco de chuva forte na Grande São Paulo

- Fevereiro normal: época de temporais quase todos os dias; na escala anual, é o terceiro mês mais chuvoso do ano depois de março e de abril, com média de chuva em torno de 380 mm.

Fevereiro, março e abril são os únicos meses em que a média da temperatura máxima em São Luís é abaixo de 30°C.

- Fevereiro de 2016: até o dia 24, era o quarto fevereiro mais seco na capital do maranhense, com acumulado de chuva 74% abaixo a média histórica. A média da temperatura máxima estava 2,5°C acima do normal até o dia 24.

 

Vitória (ES)

- Fevereiro normal: não é época muita chuva e a média histórica é um pouco abaixo de 100 mm. Climatologicamente é o mês mais quente do ano.

- Fevereiro de 2016: até o dia 24, o acumulado de chuva estava 85% abaixo da média histórica e este fevereiro poderá se converter no segundo mais seco na capital do Espírito Santo pelo menos desde 2003. A média da temperatura máxima estava 2,4°C acima do normal até o dia 24. A média da temperatura mínima estava 1,9°C acima do normal.

 

Curitiba (PR)

Curitiba, Porto Alegre, Belém, Boa Vista, Macapá e Rio de Janeiro são as capitais que tinha acumulado mais chuva do que a média normal até o dia 24 de fevereiro. Mas na capital do Paraná, fevereiro de 2016 está sendo atípico pelo excesso de chuva.

- Fevereiro normal: época de pancadas de chuva frequentes, dias abafados e temporais. A média histórica de chuva é a segunda mais alta na escala anual. A média da temperatura máxima é maior do ano.

- Fevereiro de 2016: até o dia 24, o acumulado de chuva era o dobro do normal fazendo deste mês o terceiro fevereiro mais chuvoso desde 1961. A média da temperatura máxima estava 2,3°C acima do normal até o dia 24. A média da temperatura mínima estava 3,3°C acima do normal.

 

 

 

Chuva escassa no centro-norte do país

Até o fim de fevereiro, a situação apresentada aqui não deve ter grandes mudanças. Curitiba poderá ter mais chuva forte e o volume de chuva acumulado vai aumentar ainda mais. Fevereiro de 2016 poderá ser o segundo fevereiro mais chuvoso em Curitiba em 55 anos.

A chance de chover em Vitória e em Brasília é baixa. As poucas pancadas de chuva não devem dar conta de fazer o mês terminar dentro da média de chuva.

São Luís e Palmas terão pancadas de chuva, mas a diferença para o volume médio está muito grande. A chuva de fevereiro só chegaria da média se chovesse muito nos próximos cinco dias, e a possibilidade disto ocorrer é remota.