Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Níveis de poluição batem recorde, apesar da pandemia da COVID-19

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

6 min de leitura

Os níveis dos dois gases de efeito estufa antropogênicos mais importantes, dióxido de carbono e metano, continuaram seu aumento implacável em 2020, apesar da desaceleração econômica causada pela resposta à pandemia de coronavírus, anunciou a NOAA hoje.

 

A média da superfície global para o dióxido de carbono (CO2), calculada a partir de medições coletadas nos locais de amostragem remotos da NOAA, foi de 412,5 partes por milhão (ppm) em 2020, aumentando 2,6 ppm durante o ano. A taxa global de aumento foi a quinta maior no recorde de 63 anos da NOAA, após 1987, 1998, 2015 e 2016. A média anual no Observatório Mauna Loa da NOAA no Havaí foi de 414,4 ppm durante 2020.

 

Desaceleração econômica impediu aumento recorde de CO2

Estima-se que a recessão econômica reduziu as emissões de carbono em cerca de 7% durante 2020. Sem a desaceleração econômica, o aumento de 2020 teria sido o maior já registrado, de acordo com Pieter Tans, cientista sênior do Laboratório de Monitoramento Global da NOAA. Desde 2000, a média global de CO2 cresceu 43,5 ppm, um aumento de 12%.

 

A carga atmosférica de CO2 é agora comparável a onde estava durante o Período Quente do Plioceno Médio, cerca de 3,6 milhões de anos atrás, quando as concentrações de dióxido de carbono variavam de cerca de 380 a 450 partes por milhão. Durante esse tempo, o nível do mar estava cerca de 25 metros mais alto do que hoje, a temperatura média era 3,9 °C mais alta do que nos tempos pré-industriais, e estudos indicam que grandes florestas ocuparam áreas do Ártico que agora são tundras.

 

“A atividade humana está impulsionando a mudança climática”, disse Colm Sweeney, vice-diretor assistente do Laboratório de Monitoramento Global. “Se quisermos mitigar os piores impactos, teremos um foco deliberado na redução das emissões de combustíveis fósseis a quase zero - e mesmo assim precisaremos procurar maneiras de remover ainda mais os gases do efeito estufa da atmosfera.”

 

O Laboratório de Monitoramento Global faz medições altamente precisas dos três principais gases de efeito estufa, dióxido de carbono, metano e óxido nitroso, de quatro observatórios de linha de base no Havaí, Alasca, Samoa Americana e no Pólo Sul, e de amostras coletadas por voluntários em mais de 50 outros locais de amostragem cooperativa em todo o mundo. Essas medições são incorporadas à Rede Global de Referência de Gases de Efeito Estufa e são uma referência vital amplamente usada por pesquisadores internacionais do Clima.

 

Os níveis de metano também aumentaram

A análise de amostras de 2020 também mostrou um salto significativo na carga atmosférica de metano, que é muito menos abundante, mas 28 vezes mais potente do que o CO2 na retenção de calor em um período de 100 anos. A análise preliminar da NOAA mostrou que o aumento anual do metano atmosférico para 2020 foi de 14,7 partes por bilhão (ppb), que é o maior aumento anual registrado desde que as medições sistemáticas começaram em 1983. A carga média global de metano para dezembro de 2020, o último mês para o qual dados foram analisados, era 1892,3 ppb. Isso representaria um aumento de cerca de 119 ppb, ou 6%, desde 2000.

 

No início de abril, o GML normalmente divulga uma estimativa preliminar do aumento atmosférico anual global para os principais gases de efeito estufa de 1º de janeiro de um ano a 1º de janeiro do ano seguinte. Esta estimativa preliminar é baseada em medições de amostras de ar semanais coletadas em cerca de 40 locais ao redor do mundo. Embora as estimativas preliminares do GML sejam normalmente um pouco mais altas do que o cálculo final, que incorpora medidas adicionais, o aumento de 2020 provavelmente permanecerá um dos maiores em todo o registro.

 

O metano na atmosfera é gerado por muitas fontes diferentes, como desenvolvimento e uso de combustível fóssil, decomposição de matéria orgânica em pântanos e como subproduto da pecuária. É difícil determinar quais fontes específicas são responsáveis pelas variações no aumento anual de metano. A análise preliminar da composição isotópica do carbono do metano nas amostras de ar da NOAA, feitas pelo Instituto de Pesquisa Ártica e Alpina da Universidade do Colorado, indica que é provável que um fator primário do aumento da carga de metano venha de fontes biológicas de metano, como pântanos ou gado em vez de fontes termogênicas, como produção e uso de petróleo e gás.

 

"Embora o aumento das emissões de fósseis possa não ser totalmente responsável pelo recente crescimento dos níveis de metano, a redução das emissões de metano fóssil é um passo importante para mitigar a mudança climática", disse o químico de pesquisa da GML Ed Dlugokencky.

 

Texto traduzido da National Oceanics and Atmospheric Administration (NOAA)

FONTE: https://research.noaa.gov/article/ArtMID/587/ArticleID/2742/Despite-pandemic-shutdowns-carbon-dioxide-and-methane-surged-in-2020

 

+ mais notícias