Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Saiba como observar Júpiter e o balé de suas luas galileanas

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

Foto: reprodução NASA

7 min de leitura

Foto: reprodução NASA

por Marcos Calil

 

Júpiter é o maior planeta do Sistema Solar e pode ser visto a olho nu junto com suas quatro luas, Io, Calisto, Europa e Ganimedes, que foram descobertas por Galileo em 1609. Suas observações foram feitas com uma simples luneta. 

 

 

Poder observar as quatro luas de Júpiter utilizando um simples telescópio é algo que fascina muitos observadores apaixonados pela Astronomia.  O professor Marcos Calil explica de forma simples e didática, como observar o planeta Júpiter a olho nu e o bailar das luas galileanas ao redor do maior planeta do Sistema Solar. Confira!

 

 

Júpiter visto por uma luneta

 

Imagine o espanto! Você adquire uma luneta bem simples, com ampliação de 27 vezes. Essa luneta está apoiada numa montagem bem rudimentar. Daí, você aponta para o planeta Júpiter - que por séculos foi constantemente observado a olho nu por diversos povos antigos - e percebe que existem três pontos luminosos em torno de Júpiter. O que seriam esses três pontos? Sem saber ainda o que são eles, você faz um desenho retratando a sua observação.

 


A visão de Galileo Galilei

 

Na noite seguinte, ansioso pela resposta, volta a observar Júpiter com a luneta e, para mais uma espantosa observação, os três pontos mudaram de posição. O céu está em movimento e não apenas em torno da Terra, mas também em torno de outro planeta!

Decorridas mais três noites de observações e, nas cinco anotações, cinco posições diferentes dos pontos luminosos em torno de Júpiter. Mas, o que parece imaginável pode espantar mais ainda! 

 

Na sexta noite de observação, aparece um novo ponto, ou seja, agora são quatro pontos orbitando o planeta Júpiter. O que seriam esses pontos?

 

Foi exatamente essa emoção que o italiano Galileo Galilei teve quando observou o planeta Júpiter com a sua simples luneta que ampliava apenas 27 vezes. Tal emoção fez com que, em agosto de 1609, Galileo escrevesse uma carta para o Doge de Veneza, Leonardo Donato. Nesta carta, Galileo ilustra e explica os movimentos dos pontos em torno de Júpiter (figura 1).

 

Figura 1. Carta de Galileo Galilei escrita para Leonardo Donato, o magistrado eleito na época que exercia

um poder quase que absoluto

 

 

Como observar as luas galileanas 

 

Você pode passar pela mesma emoção que Galileo Galilei viveu entre os anos de 1609 e 1610. Basta ter uma simples luneta ou, para os nossos tempos modernos, direcionar uma câmera fotográfica apoiada num tripé e que permita ter, aproximadamente, 10 segundos de tempo de exposição. Lá estarão as luas galileanas. 


O que você verá é algo semelhante ao que o professor Marcos Calil transmitiu na sua live de 03 de abril de 2021, às 4 horas da madrugada e ilustrada na figura 2.

 

 

Figura 2. As luas Galileanas retratadas pelo Prof. Marcos Calil, em 03/04/21, às 04 horas

 

 

Na figura 2, podemos observar apenas três das quatro luas Galileanas: da esquerda para direita, temos Calisto, Europa e Ganimedes. A lua Io não foi capturada na imagem, pois estava muito próxima do disco jupteriano. 

 

Mas, se o Marcos Calil tivesse a sorte de ter tido um céu sem nuvens na noite seguinte, realizado uma nova captura da imagem de Júpiter e das suas luas no mesmo horário, ou seja, às 4 horas da manhã, ele teria observado algo como ilustrado na figura 3.

 

 

Figura 3. As luas Galileanas retratadas pelo software Stellarium, em 04/04/21, às 04 horas

 

É impressionante como as luas Io, Europa, Calisto e Ganimedes se movimentam em torno de Júpiter noite após noite. Na noite seguinte das observações mostradas pelo professor Marcos Calil, lá estavam as luas galileanas em outra posição: da esquerda para direita, vè-se as luas Europa e Io, quase que uma na frente da outra, se confundindo com apenas uma única lua, além das luas Calisto e Ganimedes.

 

Esse bailar das luas de Júpiter pode ser observado em questão de horas. Não precisamos esperar noites e noites para percebermos o movimento elas realizam em torno de Júpiter. O movimento das luas de Júpiter fica perceptível com pouco mais de três horas de observação

 


Observação de Júpiter em 2021

 

Mesmo que você não tenha um simples telescópio e esteja numa cidade com poluição luminosa, ainda assim é possível contemplar Júpiter a olho nu. Isso mesmo! Esse gigante gasoso nos permite ser observado no céu do Brasil até o final de janeiro de 2022. Basta saber para onde olhar no céu e pronto. Lá estará um ponto brilhante e marrom.

A tabela 1 apresenta os intervalos de dias de observações, os horários aproximados para iniciarmos as observações a olho nu de Júpiter e para qual horizonte devemos observar.

 

 

Tabela 1. Noites, horários e horizontes para iniciar as observações de Júpiter até janeiro de 2022

Vale ressaltar que, após essa temporada de observação, Júpiter poderá ser apreciado novamente a partir de meados de abril de 2022.

 

Super Lua à vista

Não perca os próximos posts do professor Marcos Calil aqui no site da Climatempo. Você vai ficar sabendo tudo sobre as duas Super Luas que vão ocorrer brevemente!

 


Você sabe localizar os planetas no céu? 

 

Se você gosta de astronomia e gostaria de entender mais sobre como observar os planetas a olho nu sem equipamentos que custam muito caro, o professor Marcos Calil pode te ensinar como fazer isso.

 

No curso “Astronomia Observacional a olho nu: Stellarium e Planetas” você vai aprender a localizar e contemplar esses planetas de forma simples e rápida.

 

Clique aqui para acesso ao curso.

 

Bons céus para todos nós!


Professor Marcos Calil

 

Siga Marcos Calil nas redes sociais: 

 

 YouTube
Twitter
Instagram

 

+ mais notícias