Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Relatório técnico traz uma análise detalhada das perdas no RS

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

4 min de leitura

Oferecido por

A Emater/RS divulgou o relatório técnico onde apresenta uma análise detalhada dos impactos das chuvas e cheia extremas, ocorrida no Estado do Rio Grande do Sul, durante o período de 30/04 a 24/05/2024.

 

O relatório aborda os efeitos das chuvas em diversas áreas, incluindo infraestrutura, abastecimento de água, produção primária e fruticultura. O Estado do Rio Grande do Sul publicou o Decreto nº 57.626, de 21 de maio de 2024, que atualizou a lista de municípios em estado de calamidade pública (78 municípios) e em situação de emergência (340 municípios).

 

 

Captura de tela 2024-06-05 195036

Fonte: Emater /RS - Mapa do RS com 78 municípios em calamidade pública

 

Durante o período de chuvas e cheias extremas, 9.158 localidades foram atingidas no Estado do Rio Grande do Sul, impactando significativamente construções e estradas. Observaram-se vários danos em instalações localizadas na zona rural, como casas, galpões, armazéns, silos, estufas e aviários. Também há problemas para o escoamento da produção de 4.548 comunidades em razão de estradas vicinais afetadas. Essa dimensão destaca a urgência de investimentos em reconstrução e reparo da infraestrutura para restaurar o acesso e a conectividade em áreas rurais, essenciais para a recuperação econômica e social das famílias afetadas.

 

Captura de tela 2024-06-05 200758

 

Captura de tela 2024-06-05 200933

Fonte: Divulgação Emater/RS

 

Perdas em várias culturas

 

Houve perdas significativas em várias culturas. No setor de grãos, destacam-se as perdas na área de culturas de verão, em produtos armazenados e plantios iniciais de inverno. Ao atingir regiões próximas à Região Metropolitana, as chuvas e cheias extremas também geraram danos severos na horticultura e fruticultura. Além disso, há a produção pecuária gaúcha, severamente impactada nos mais diferentes tipos de exploração (bovinos de leite, bovinos de corte, suínos, aves e peixes, entre outras), exigindo longo período para recuperação. As perdas, no entanto, não se distribuíram uniformemente pelo Estado nem ocorreram com a mesma intensidade. Em algumas regiões, os danos foram muito expressivos, como nos vales do Taquari e do Caí (bovinos de leite, suínos e aves), no Vale do Rio Pardo (bovinos de corte e leite), na região da Quarta Colônia da Imigração Italiana (bovinos de leite) e no Vale do Paranhana e Encosta da Serra (bovinos de corte e leite).

 

Em relação a grãos, as perdas se referem principalmente à área plantada e aos produtos armazenados, como arroz, milho, soja e feijão. As perdas de culturas de inverno são pontuais e correspondem a áreas recém-semeadas, que deverão ser replantadas. Foram prejudicados 48.674 produtores nas culturas de grãos.

 

Captura de tela 2024-06-05 200233

 

Renata Alves - Santa Vitória do Palmar - RS

 

Apesar da maior parte das lavouras de verão já ter sido colhida antes do início do evento climático, as lavouras remanescentes foram severamente afetadas em termos de produção e de produtividade. Destaca-se que o evento deverá repercutir na redução da safra estadual. Veja mais detalhes por cultura deste relatório técnico no www.climatempo.agroclima.com.br

 

 

 

 

Conteúdo em Vídeo

Notícias Recomendadas

+ mais notícias